Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/10/2017

21 de Outubro de 2017

Cuidar da criação também é nossa responsabilidade

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Outubro de 2017

Cuidar da criação também é nossa responsabilidade

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

23/06/2015 18:41 - Atualizado em 26/06/2015 15:42

Cuidar da criação também é nossa responsabilidade 0

23/06/2015 18:41 - Atualizado em 26/06/2015 15:42

Você é cuidadoso (a) com as suas coisas? E com o que é bem comum a outros? Muitas vezes estamos tão preocupados com a nossa própria vida que não paramos para refletir sobre o tanto que nossas atitudes podem interferir ou refletir na vida de outras pessoas, não só agora, mas também no futuro... Para nos alertar justamente sobre isso, o Papa Francisco lançou na última quinta-feira, 18 de junho, a encíclica “Laudato Si, sobre o cuidado da nossa casa comum”.

“Laudato si” faz referência a “Louvado seja” (palavras do Cântico das Criaturas, de São Francisco de Assis), e convida a uma conversão ecológica. O texto nos deixa uma linda mensagem, clara e cheia de esperança, que convoca a assumir a responsabilidade de um compromisso para o “cuidado da casa comum”.

A encíclica aborda questões relativas às mudanças climáticas, à água, à biodiversidades (citando a Amazônia, inclusive), faz menção à cultura do descarte e propõe a “cultura do encontro” como possível solução para os problemas que se apresentam. De acordo com o texto — que aponta que a sobriedade, vivida livre e conscientemente, é libertadora —, mudanças nos estilos de vida, através da educação e da espiritualidade, são o melhor caminho a ser tomado.

A proposta da encíclica é voltada para a ecologia integral, propondo um novo paradigma de justiça: uma ecologia que integre o lugar específico que o ser humano ocupa no mundo e suas relações com as realidades que estão ao seu redor.

Um pedido feito pelo Papa, em 2013, reflete bem o que parece ser a ideia central dessa importante publicação — primeira encíclica escrita exclusivamente pelo Papa Francisco:

“Gostaria que todos nós nos comprometêssemos em respeitar e cuidar da criação, de estar atentos a cada pessoa, de contrastar a cultura do desperdício e do descarte para promover uma cultura da solidariedade e do encontro”.

Eu estou disposto a esse comprometimento, que precisa ter início nas atitudes simples do cotidiano e no meu relacionamento com o próximo. E você? #vamoemfrente

* O artigo aqui reproduzido também é publicado na coluna dominical do Padre Omar Raposo no Jornal O Dia.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Cuidar da criação também é nossa responsabilidade

23/06/2015 18:41 - Atualizado em 26/06/2015 15:42

Você é cuidadoso (a) com as suas coisas? E com o que é bem comum a outros? Muitas vezes estamos tão preocupados com a nossa própria vida que não paramos para refletir sobre o tanto que nossas atitudes podem interferir ou refletir na vida de outras pessoas, não só agora, mas também no futuro... Para nos alertar justamente sobre isso, o Papa Francisco lançou na última quinta-feira, 18 de junho, a encíclica “Laudato Si, sobre o cuidado da nossa casa comum”.

“Laudato si” faz referência a “Louvado seja” (palavras do Cântico das Criaturas, de São Francisco de Assis), e convida a uma conversão ecológica. O texto nos deixa uma linda mensagem, clara e cheia de esperança, que convoca a assumir a responsabilidade de um compromisso para o “cuidado da casa comum”.

A encíclica aborda questões relativas às mudanças climáticas, à água, à biodiversidades (citando a Amazônia, inclusive), faz menção à cultura do descarte e propõe a “cultura do encontro” como possível solução para os problemas que se apresentam. De acordo com o texto — que aponta que a sobriedade, vivida livre e conscientemente, é libertadora —, mudanças nos estilos de vida, através da educação e da espiritualidade, são o melhor caminho a ser tomado.

A proposta da encíclica é voltada para a ecologia integral, propondo um novo paradigma de justiça: uma ecologia que integre o lugar específico que o ser humano ocupa no mundo e suas relações com as realidades que estão ao seu redor.

Um pedido feito pelo Papa, em 2013, reflete bem o que parece ser a ideia central dessa importante publicação — primeira encíclica escrita exclusivamente pelo Papa Francisco:

“Gostaria que todos nós nos comprometêssemos em respeitar e cuidar da criação, de estar atentos a cada pessoa, de contrastar a cultura do desperdício e do descarte para promover uma cultura da solidariedade e do encontro”.

Eu estou disposto a esse comprometimento, que precisa ter início nas atitudes simples do cotidiano e no meu relacionamento com o próximo. E você? #vamoemfrente

* O artigo aqui reproduzido também é publicado na coluna dominical do Padre Omar Raposo no Jornal O Dia.

Padre Omar Raposo
Autor

Padre Omar Raposo

Reitor do Santuário Cristo Redentor