Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/03/2019

20 de Março de 2019

Anunciemos como João

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Março de 2019

Anunciemos como João

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

19/06/2015 15:56 - Atualizado em 19/06/2015 16:29

Anunciemos como João 0

19/06/2015 15:56 - Atualizado em 19/06/2015 16:29

Depois de ter festivamente celebrado Santo Antônio, dia em que tive a oportunidade de presidir a Santa Missa, pela manhã, na Igreja de Santo Antônio, na Igreja Particular de Nova Iguaçu, a convite do querido bispo local, bem como de ter abençoado a fogueira e o tradicional arraial de nosso Seminário Arquidiocesano de São José, estamos vivendo em pleno tempo de festas em honra aos santos juninos. Uma tradição que se renova a cada ano e que nos insere dentro da piedade popular, que deve ser valorizada na vida da Igreja. Por isso, no dia 24 de junho, a Igreja celebra a solenidade litúrgica do nascimento de João Batista, “o maior dos profetas”, que foi enviado “para preparar os caminhos do Senhor”. Ele e a Virgem Maria são os únicos em que a liturgia lembra o nascimento. Os demais santos são comemorados no dia da morte, portanto, João é comemorado duas vezes: no nascimento e no seu martírio, celebrado em 29 de agosto.

A festa do nascimento de São João Batista, além de se inserir nas tradicionais festas juninas com seu folclore e tradição, deve ser um momento de aprofundamento para nossa vida de chamados a anunciar Jesus Cristo, e, assim, preparar os caminhos do Senhor nos corações das pessoas. Para mim é uma data muito especial, em que celebro a origem de meu segundo nome, que também me envia a essa missão. É uma festa alegre e simpática, que traz consigo uma mensagem muito importante e uma vida compromissada com o Reino de Deus até o martírio.

A celebração da natividade de João Batista evoca a manifestação da graça e bondade de Deus. O lema é a frase de Zacarias, seu pai, no evangelho dessa solenidade: “Seu nome é João”. Essa locução é uma mensagem da gratuidade e bondade divinas. O próprio nome – Yohanan – significa “Deus se mostrou misericordioso”. É importante lembrar que seus pais, Zacarias e Isabel, eram idosos, sendo que a mãe, estéril. Portanto, o nascimento de João revela o poder e a bondade de Deus e é um sinal claro da importante missão que a ele é confiada.

Ele é o “profeta do Altíssimo” e seu modo de viver lembra Elias, o profeta que vivia no deserto, impelido pelo Espírito. Aliás, no evangelho de Lucas, o anjo anuncia que João andará no espírito de Elias, o mais típico “homem de Deus” do Antigo Testamento.

João é testemunha da Luz, sobretudo por ter apontado Cristo no meio da humanidade. Ele encarna a plenitude do Antigo Testamento e a preparação para o Evangelho. E teve a graça de batizar o próprio Cristo, marcando o início da missão do divino Salvador. 

“Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e resgatou o seu povo”. Assim o evangelho de Lucas inicia o canto de Zacarias, que louva a Deus pelo nascimento do filho João Batista. E mais adiante ele proclama: “E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo porque irás adiante da face do Senhor a preparar os seus caminhos” (Lc 1, 68.76).

Esse privilégio litúrgico se deve à grandeza da missão do Batista. Ele é o precursor do Messias, aquele que foi enviado para preparar os caminhos do Senhor. É testemunha da luz por ter apontado Cristo no meio da humanidade: “Eis o Cordeiro de Deus, eis O que tira o pecado do mundo” (Jo 1, 29).

Nos evangelhos, várias passagens ressaltam a pessoa e a missão do Batista. O evangelista João afirma que “houve um homem enviado por Deus que se chamava João. Este veio para dar testemunho da luz, para que todos cressem por meio dele. (Jo 1, 6) Em outra passagem, o mesmo evangelista narra que, interrogado pelos judeus se ele era o Messias esperado, João Batista testemunhou: “Eu não sou o Cristo. Eu batizo em água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. Este é o que há de vir depois de mim, ao qual eu não sou digno de desatar a correia das sandálias” (Jo 1, 20. 26-27).

Marcos inicia seu evangelho apresentando João Batista que “pregava o batismo de penitência para remissão dos pecados” (Mc 1, 4). O evangelho de Mateus conta que João começou a pregar no deserto da Judéia, dizendo: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus. Porque este é aquele de quem falou o profeta Isaías quando disse: Voz do que clama no deserto. Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas” (Mt 3, 2-3).

Na celebração deste grande santo ecoa em nossos ouvidos João Batista conclamando o povo à conversão: “Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. E todo homem verá a salvação de Deus” (Lc 3, 4-6).

João Batista nos convida a mudarmos de vida, a levarmos a virtude da esperança cristã a todos os que vivem desesperançados, a direcioná-la conforme os valores do Reino de Deus: “Quem tem duas túnicas, dê uma ao que não tem; e o que tem que comer, faça o mesmo” (Lc 3, 11). A salvação divina se concretiza na medida em que o Reino de Deus se realiza: na vivência da fraternidade, na prática da justiça, na defesa da vida, na promoção da dignidade humana, no resgate dos direitos dos pobres e excluídos e no anúncio de que a esperança em Cristo vence todas as mazelas do mundo atual.

Por isso, a mensagem de São João Batista se faz atual e contundente. Ela convida todos a se empenharem na construção de uma nova sociedade, sem violência, sem miséria, uma sociedade que ofereça condições de vida digna para todos. Pois, como proclama Zacarias em seu canto, João veio ao mundo “para dar ao povo o conhecimento da salvação, para alumiar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, para dirigir nossos pés no caminho da paz” (Lc 1, 77-79).

Neste Ano da Esperança e às vésperas do grande envio missionário arquidiocesano, esta festa nos remete à grande missão evangelizadora da Igreja e, consequentemente, à nossa missão nesta grande cidade. Tem muita presença de Deus que aqui habita e que necessitamos que venha à tona e contagie as pessoas na caminhada para o bem. É o nosso compromisso deste ano abençoado com tantas e significativas datas. Abramos o nosso coração do chamado à missão e, como João, apontemos Jesus Cristo que está entre nós, ao povo que caminha procurando uma luz.

Celebrando a festa de São João Batista, rogamos que sua proteção se faça constante e sua mensagem sempre nos interpele para a construção de uma sociedade cada vez mais alegre e bonita. Para a construção de uma sociedade cada vez mais cheia de vida e de esperança cristã, marcada pelos valores do Evangelho de Jesus Cristo, de quem João Batista foi o precursor!

 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Anunciemos como João

19/06/2015 15:56 - Atualizado em 19/06/2015 16:29

Depois de ter festivamente celebrado Santo Antônio, dia em que tive a oportunidade de presidir a Santa Missa, pela manhã, na Igreja de Santo Antônio, na Igreja Particular de Nova Iguaçu, a convite do querido bispo local, bem como de ter abençoado a fogueira e o tradicional arraial de nosso Seminário Arquidiocesano de São José, estamos vivendo em pleno tempo de festas em honra aos santos juninos. Uma tradição que se renova a cada ano e que nos insere dentro da piedade popular, que deve ser valorizada na vida da Igreja. Por isso, no dia 24 de junho, a Igreja celebra a solenidade litúrgica do nascimento de João Batista, “o maior dos profetas”, que foi enviado “para preparar os caminhos do Senhor”. Ele e a Virgem Maria são os únicos em que a liturgia lembra o nascimento. Os demais santos são comemorados no dia da morte, portanto, João é comemorado duas vezes: no nascimento e no seu martírio, celebrado em 29 de agosto.

A festa do nascimento de São João Batista, além de se inserir nas tradicionais festas juninas com seu folclore e tradição, deve ser um momento de aprofundamento para nossa vida de chamados a anunciar Jesus Cristo, e, assim, preparar os caminhos do Senhor nos corações das pessoas. Para mim é uma data muito especial, em que celebro a origem de meu segundo nome, que também me envia a essa missão. É uma festa alegre e simpática, que traz consigo uma mensagem muito importante e uma vida compromissada com o Reino de Deus até o martírio.

A celebração da natividade de João Batista evoca a manifestação da graça e bondade de Deus. O lema é a frase de Zacarias, seu pai, no evangelho dessa solenidade: “Seu nome é João”. Essa locução é uma mensagem da gratuidade e bondade divinas. O próprio nome – Yohanan – significa “Deus se mostrou misericordioso”. É importante lembrar que seus pais, Zacarias e Isabel, eram idosos, sendo que a mãe, estéril. Portanto, o nascimento de João revela o poder e a bondade de Deus e é um sinal claro da importante missão que a ele é confiada.

Ele é o “profeta do Altíssimo” e seu modo de viver lembra Elias, o profeta que vivia no deserto, impelido pelo Espírito. Aliás, no evangelho de Lucas, o anjo anuncia que João andará no espírito de Elias, o mais típico “homem de Deus” do Antigo Testamento.

João é testemunha da Luz, sobretudo por ter apontado Cristo no meio da humanidade. Ele encarna a plenitude do Antigo Testamento e a preparação para o Evangelho. E teve a graça de batizar o próprio Cristo, marcando o início da missão do divino Salvador. 

“Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e resgatou o seu povo”. Assim o evangelho de Lucas inicia o canto de Zacarias, que louva a Deus pelo nascimento do filho João Batista. E mais adiante ele proclama: “E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo porque irás adiante da face do Senhor a preparar os seus caminhos” (Lc 1, 68.76).

Esse privilégio litúrgico se deve à grandeza da missão do Batista. Ele é o precursor do Messias, aquele que foi enviado para preparar os caminhos do Senhor. É testemunha da luz por ter apontado Cristo no meio da humanidade: “Eis o Cordeiro de Deus, eis O que tira o pecado do mundo” (Jo 1, 29).

Nos evangelhos, várias passagens ressaltam a pessoa e a missão do Batista. O evangelista João afirma que “houve um homem enviado por Deus que se chamava João. Este veio para dar testemunho da luz, para que todos cressem por meio dele. (Jo 1, 6) Em outra passagem, o mesmo evangelista narra que, interrogado pelos judeus se ele era o Messias esperado, João Batista testemunhou: “Eu não sou o Cristo. Eu batizo em água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. Este é o que há de vir depois de mim, ao qual eu não sou digno de desatar a correia das sandálias” (Jo 1, 20. 26-27).

Marcos inicia seu evangelho apresentando João Batista que “pregava o batismo de penitência para remissão dos pecados” (Mc 1, 4). O evangelho de Mateus conta que João começou a pregar no deserto da Judéia, dizendo: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus. Porque este é aquele de quem falou o profeta Isaías quando disse: Voz do que clama no deserto. Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas” (Mt 3, 2-3).

Na celebração deste grande santo ecoa em nossos ouvidos João Batista conclamando o povo à conversão: “Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. E todo homem verá a salvação de Deus” (Lc 3, 4-6).

João Batista nos convida a mudarmos de vida, a levarmos a virtude da esperança cristã a todos os que vivem desesperançados, a direcioná-la conforme os valores do Reino de Deus: “Quem tem duas túnicas, dê uma ao que não tem; e o que tem que comer, faça o mesmo” (Lc 3, 11). A salvação divina se concretiza na medida em que o Reino de Deus se realiza: na vivência da fraternidade, na prática da justiça, na defesa da vida, na promoção da dignidade humana, no resgate dos direitos dos pobres e excluídos e no anúncio de que a esperança em Cristo vence todas as mazelas do mundo atual.

Por isso, a mensagem de São João Batista se faz atual e contundente. Ela convida todos a se empenharem na construção de uma nova sociedade, sem violência, sem miséria, uma sociedade que ofereça condições de vida digna para todos. Pois, como proclama Zacarias em seu canto, João veio ao mundo “para dar ao povo o conhecimento da salvação, para alumiar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, para dirigir nossos pés no caminho da paz” (Lc 1, 77-79).

Neste Ano da Esperança e às vésperas do grande envio missionário arquidiocesano, esta festa nos remete à grande missão evangelizadora da Igreja e, consequentemente, à nossa missão nesta grande cidade. Tem muita presença de Deus que aqui habita e que necessitamos que venha à tona e contagie as pessoas na caminhada para o bem. É o nosso compromisso deste ano abençoado com tantas e significativas datas. Abramos o nosso coração do chamado à missão e, como João, apontemos Jesus Cristo que está entre nós, ao povo que caminha procurando uma luz.

Celebrando a festa de São João Batista, rogamos que sua proteção se faça constante e sua mensagem sempre nos interpele para a construção de uma sociedade cada vez mais alegre e bonita. Para a construção de uma sociedade cada vez mais cheia de vida e de esperança cristã, marcada pelos valores do Evangelho de Jesus Cristo, de quem João Batista foi o precursor!

 
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro