Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/05/2019

23 de Maio de 2019

Novos Sacerdotes

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Maio de 2019

Novos Sacerdotes

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

07/04/2013 18:00 - Atualizado em 08/04/2013 15:31

Novos Sacerdotes 0

07/04/2013 18:00 - Atualizado em 08/04/2013 15:31

Novos Sacerdotes / Arqrio

A Igreja que está peregrinando em São Sebastião do Rio de Janeiro, neste sábado da oitava solene pascal, teve a graça de receber em seu presbitério doze diáconos, alunos de nosso bissecular Seminário Arquidiocesano São José. É uma alegria para o coração de Pastor desta amada Igreja, no ano da juventude e da fé, em que receberemos o Papa Francisco em nossa cidade, ordenar doze jovens que, vencidos os três anos de filosofia, os quatro de teologia e um ano de trabalhos pastorais, agora se colocam à disposição da Igreja para ser um dom de Deus na função de apascentar o Seu povo, sendo colaboradores na missão de evangelizar a Igreja de Cristo.

Como ministros ordenados, presbíteros, os novos colaboradores terão muita atenção, disponibilidade e sensibilidade para perceber os sinais de Deus na história da humanidade, cultivando a vida de oração e de comunhão com Deus, fonte de toda ação pastoral, ou seja, a espiritualidade que é essencial para iluminar o seu ministério sacerdotal.

Os novos sacerdotes receberam uma grande graça de Deus, mas, ao mesmo tempo, esta graça, este dom, é exigente. É um chamado que impõe condições novas de vida, que faz do padre um servidor do povo de Deus. O seguimento radical de Jesus exige a opção precisa de perder a vida no dom de si: “é morrendo que se vive”. Esta é a experiência profunda que o jovem sacerdote é chamado a aprofundar cada dia de sua vida.

O ministério sacerdotal é a graça de ser outro Cristo, ser o Pastor que conhece as suas ovelhas e as chama pelo nome. Ao escrever estas palavras, apresentam-se ao meu espírito os mais amplos e variados setores da vida dos homens, das mulheres, dos jovens, das crianças, dos anciãos, dos doentes e sofredores, dos marginalizados, aos quais são enviados como trabalhadores da vinha do Senhor. Em virtude do caráter sacerdotal, participam do carisma pastoral, sinal de peculiar semelhança com Cristo Bom Pastor. A solicitude pela salvação dos outros é e deve ser sempre dever de cada membro da grande comunidade do Povo de Deus, conforme declarou amplamente o Concílio Vaticano II.  Mas, dos Sacerdotes espera-se solicitude e aplicação na missão que assumiram na comunidade. E isto por que a participação no Sacerdócio de Jesus Cristo difere da participação deles «essencialmente, e não apenas em grau".

Somos dispensadores dos mistérios sagrados. A vida sacerdotal é construída sobre o sacramento da Ordem, que imprime em nossa alma um caráter indelével. Somente a salvação das pessoas e o serviço generoso aos nossos irmãos, particularmente aos que estão na "periferia do mundo”, devem ser o indicativo que empenha a vida e a vocação.

É um belo momento. Pedi a eles na Missa que presidi que tivessem a mesma disposição dos discípulos de Jesus que, ao escutarem Pedro dizer que iria pescar, logo responderam espontaneamente: iremos contigo! Que a generosidade da vida e da dedicação na missão em unidade com toda a Igreja faça com que tudo dê frutos de evangelização, tão necessária em nosso tempo. Eles vieram das paróquias de nossa Arquidiocese e também da região metropolitana. Trazem o jeito de ser e as características de nossa gente, porém, agora ungidos irão santificar o povo de Deus com os sacramentos, formá-los com a Palavra e cuidar como pastores dedicados. Por esses dons que a fé nos faz ver neste ano a ela dedicado, nós damos graças a Deus e pedimos que aumente ainda mais o entusiasmo inicial com que entregam suas vidas ao Senhor a serviço da Igreja de Jesus Cristo.

Interceda por eles Santana e São Sebastião, Padroeiros desta Arquidiocese, que iluminem com o Conselho Divino o seu ministério e que sejam presença de Deus e da Igreja, particularmente nos lugares e situações mais necessitadas, para serem testemunhas de Cristo, luz do mundo, que "ressuscitou verdadeiramente para nos salvar", e que, como sacerdotes, possam dar as suas vidas pelas ovelhas.

Que nosso clero tão bem representado na celebração eucarística da ordenação e todos os fiéis que lotaram a nossa catedral metropolitana, em ação de graças pelos novos sacerdotes, redobrem as suas orações, para que muitos outros jovens possam adentrar nas fileiras de nosso Seminário para que a Igreja possa continuar disponibilizando homens que procurem viver, na radicalidade, o dom de Deus, que é servir ao irmão, em nossa Igreja. Assim seja!

* Foto: Gustavo de Oliveira

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.
Novos Sacerdotes / Arqrio

Novos Sacerdotes

07/04/2013 18:00 - Atualizado em 08/04/2013 15:31

A Igreja que está peregrinando em São Sebastião do Rio de Janeiro, neste sábado da oitava solene pascal, teve a graça de receber em seu presbitério doze diáconos, alunos de nosso bissecular Seminário Arquidiocesano São José. É uma alegria para o coração de Pastor desta amada Igreja, no ano da juventude e da fé, em que receberemos o Papa Francisco em nossa cidade, ordenar doze jovens que, vencidos os três anos de filosofia, os quatro de teologia e um ano de trabalhos pastorais, agora se colocam à disposição da Igreja para ser um dom de Deus na função de apascentar o Seu povo, sendo colaboradores na missão de evangelizar a Igreja de Cristo.

Como ministros ordenados, presbíteros, os novos colaboradores terão muita atenção, disponibilidade e sensibilidade para perceber os sinais de Deus na história da humanidade, cultivando a vida de oração e de comunhão com Deus, fonte de toda ação pastoral, ou seja, a espiritualidade que é essencial para iluminar o seu ministério sacerdotal.

Os novos sacerdotes receberam uma grande graça de Deus, mas, ao mesmo tempo, esta graça, este dom, é exigente. É um chamado que impõe condições novas de vida, que faz do padre um servidor do povo de Deus. O seguimento radical de Jesus exige a opção precisa de perder a vida no dom de si: “é morrendo que se vive”. Esta é a experiência profunda que o jovem sacerdote é chamado a aprofundar cada dia de sua vida.

O ministério sacerdotal é a graça de ser outro Cristo, ser o Pastor que conhece as suas ovelhas e as chama pelo nome. Ao escrever estas palavras, apresentam-se ao meu espírito os mais amplos e variados setores da vida dos homens, das mulheres, dos jovens, das crianças, dos anciãos, dos doentes e sofredores, dos marginalizados, aos quais são enviados como trabalhadores da vinha do Senhor. Em virtude do caráter sacerdotal, participam do carisma pastoral, sinal de peculiar semelhança com Cristo Bom Pastor. A solicitude pela salvação dos outros é e deve ser sempre dever de cada membro da grande comunidade do Povo de Deus, conforme declarou amplamente o Concílio Vaticano II.  Mas, dos Sacerdotes espera-se solicitude e aplicação na missão que assumiram na comunidade. E isto por que a participação no Sacerdócio de Jesus Cristo difere da participação deles «essencialmente, e não apenas em grau".

Somos dispensadores dos mistérios sagrados. A vida sacerdotal é construída sobre o sacramento da Ordem, que imprime em nossa alma um caráter indelével. Somente a salvação das pessoas e o serviço generoso aos nossos irmãos, particularmente aos que estão na "periferia do mundo”, devem ser o indicativo que empenha a vida e a vocação.

É um belo momento. Pedi a eles na Missa que presidi que tivessem a mesma disposição dos discípulos de Jesus que, ao escutarem Pedro dizer que iria pescar, logo responderam espontaneamente: iremos contigo! Que a generosidade da vida e da dedicação na missão em unidade com toda a Igreja faça com que tudo dê frutos de evangelização, tão necessária em nosso tempo. Eles vieram das paróquias de nossa Arquidiocese e também da região metropolitana. Trazem o jeito de ser e as características de nossa gente, porém, agora ungidos irão santificar o povo de Deus com os sacramentos, formá-los com a Palavra e cuidar como pastores dedicados. Por esses dons que a fé nos faz ver neste ano a ela dedicado, nós damos graças a Deus e pedimos que aumente ainda mais o entusiasmo inicial com que entregam suas vidas ao Senhor a serviço da Igreja de Jesus Cristo.

Interceda por eles Santana e São Sebastião, Padroeiros desta Arquidiocese, que iluminem com o Conselho Divino o seu ministério e que sejam presença de Deus e da Igreja, particularmente nos lugares e situações mais necessitadas, para serem testemunhas de Cristo, luz do mundo, que "ressuscitou verdadeiramente para nos salvar", e que, como sacerdotes, possam dar as suas vidas pelas ovelhas.

Que nosso clero tão bem representado na celebração eucarística da ordenação e todos os fiéis que lotaram a nossa catedral metropolitana, em ação de graças pelos novos sacerdotes, redobrem as suas orações, para que muitos outros jovens possam adentrar nas fileiras de nosso Seminário para que a Igreja possa continuar disponibilizando homens que procurem viver, na radicalidade, o dom de Deus, que é servir ao irmão, em nossa Igreja. Assim seja!

* Foto: Gustavo de Oliveira