Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/12/2018

17 de Dezembro de 2018

Homilia: Natal do Senhor

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Dezembro de 2018

Homilia: Natal do Senhor

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

24/12/2014 00:00

Homilia: Natal do Senhor 0

24/12/2014 00:00

“Nosso Salvador, amados filhos, nasceu hoje; alegremo-nos. Não pode haver tristeza quando nasce a vida: dissipando o temor da morte, enche-nos de alegria com a promessa da eternidade. Ninguém está excluído da participação nessa felicidade; a causa da alegria é comum a todos porque nosso Senhor, aquele que destrói o pecado e a morte, não tendo encontrado nenhum homem isento de culpa, veio libertar a todos. Exulte o justo, porque se aproxima da vitória. Rejubile o pecador, porque é convidado ao perdão. Reanime-se o gentio, porque é chamado à vida.” 

O texto de São Leão Magno citado acima nos dá o sentido da festa que celebramos. Não celebramos o Natal como um fato passado. Não se trata de um aniversário, porque o aniversário de alguém ou de algum acontecimento nos representa um fato passado, que fica cada vez mais no passado e cujo acontecimento fundante nós não podemos tocar de novo. O Natal de Nosso Senhor, ao contrário, tendo acontecido uma vez por todas não pode se repetir, mas nós o experimentamos de forma misteriosa na sua celebração anual. As celebrações se repetem, não o mistério de Deus. Em cada ano, é sempre o mesmo e único mistério do Natal do Senhor que nos toca e renova a nossa vida. O mesmo São Leão nos recorda em outra passagem: “(...) o retorno do ano apresenta-nos de novo o sacramento de nossa salvação que, prometido desde o início dos tempos, foi dado no fim para perdurar sem fim.” É o Natal do Senhor, o Natal da cabeça, mas também o Natal o Corpo. O Natal é, portanto, a nossa festa, onde aquele dia glorioso nos toca através da liturgia que realizamos. Sim, o Natal é para nós um dia glorioso. Andávamos nas trevas. Tendo sido criados à imagem e semelhança de Deus, desconhecíamos o modelo a partir do qual fomos criados. Para isso o Verbo se fez carne, para revelar ao homem o seu mistério, para nos dizer o que significa ser homem e mulher (cf. GS 22). Aquele que nos criou de modo admirável, de modo ainda mais admirável restabeleceu a nossa dignidade, nos recorda a oração coleta dessa eucaristia.

Deus hoje nos presenteia com a abundância da sua palavra. Ao ouvirmos o profeta o nosso coração transborda numa grande confirmação, num grande Amém, porque de fato “os confins da terra viram a salvação do nosso Deus”. Em íntima unidade com a profecia, o salmista canta a beleza dessa manifestação gloriosa de Deus. Isaías pensa aqui no retorno do exílio, uma grande Páscoa para Israel. Todavia, o profeta tem também os seus olhos voltados para a expectativa do Messias, Aquele que salvará definitivamente Israel. Para nós, em Cristo, essa espera chegou ao fim e já temos em nosso meio Aquele que é a nossa Salvação.

Gostaria de me ater, sobretudo, ao Evangelho que ouvimos. Trata-se do prólogo do Evangelho de João. João nos apresenta a preexistência do Filho. Ele é a Palavra eterna do Pai. Seu lógos, gerado da própria substância do Pai. Igual ao Pai na sua divindade. E o Filho sempre esteve com Deus. Não houve um tempo em que o Pai não fosse Pai porque Ele sempre teve junto de si o Filho (Orígenes). Faz parte da própria essência de Deus ser Pai e do Filho, ser Filho. É a vida trinitária antes da criação. O Pai que ama seu Filho gerando-o e o Filho que ama o Pai submetendo-se totalmente à sua vontade. Essa circulação de amor entre os dois chama-se Espírito Santo, que procede do Pai e do Filho como rezávamos ontem no Credo. Todavia, a Trindade quer se abrir à criação. E o Pai cria o mundo pelo poder da sua Palavra. No Filho, na Palavra, tudo foi criado. Ele é o mediador da criação e, quando o mundo caiu em trevas, Ele que é a luz dos homens, a “luz da luz” como também rezávamos ontem no Credo, veio ao mundo nos iluminar, nos devolver de novo a visão que havíamos perdido pelo pecado. Ele, que outrora se manifestava a Moisés na transitoriedade da tenda, armou definitivamente a sua tenda no meio dos homens (v. 14). Assumiu a nossa humanidade realmente. Fez da nossa humanidade uma habitação para si. Não que Ele tivesse apenas se revestido aparentemente de nossa humanidade, mas que assumiu verdadeiramente como morada para si a nossa humanidade. A sua divindade ungiu e divinizou a nossa humanidade. E nós, que tínhamos nos solidarizado com Adão e Eva no pecado em virtude da participação na sua mesma natureza, temos o Filho que se solidariza conosco, que se compadece de nós, e assume a nossa humanidade, para reerguer-nos das trevas onde havíamos caído. E nós que o recebemos, nos tornamos filhos de Deus. Eis a nossa dignidade devolvida.

Ele é o “esplendor da glória do Pai” como nos diz a carta aos Hebreus. Nós o olhamos na humildade do presépio, no sacrifício da cruz, na luz da ressurreição e dizemos: Ele é “o esplendor da glória do Pai”. A Deus, ou seja, ao Pai, ninguém jamais viu. O AT nos fala que ninguém pode ser a Deus e continuar vivo. De nosso lado, porque sendo pecadores não podemos contemplar o Santo. Do lado de Deus, Ele não se deixa ver para que não caíamos no erro de querer manipulá-lo como se fosse um objeto. Mas, Cristo nos revelou Àquele que não podíamos, por nossas próprias forças contemplar. Ele que está na intimidade do Pai, voltado para o seu coração, nos “contou”, nos “interpretou” o Pai, porque por força de nossa própria inteligência não podíamos chegar sozinhos ao “tudo” que Deus é.

Devemos conscientizar-nos, como nos ensina São Leão, da nossa dignidade. Procuremos não somente imitá-lo exteriormente, de fora para dentro. Mas, tomemos consciência do que aconteceu em nós pelo seu nascimento, de como fomos transformados no mais íntimo de nós mesmos. E assim, poderemos externar, manifestar, a glória do Senhor com a nossa vida.


NATAL DO SENHOR

1ª Leitura: Is 52,7-10
Sl 97
2ª Leitura: Hb 1,1-6
Evangelho: Jo 1,1-18

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Homilia: Natal do Senhor

24/12/2014 00:00

“Nosso Salvador, amados filhos, nasceu hoje; alegremo-nos. Não pode haver tristeza quando nasce a vida: dissipando o temor da morte, enche-nos de alegria com a promessa da eternidade. Ninguém está excluído da participação nessa felicidade; a causa da alegria é comum a todos porque nosso Senhor, aquele que destrói o pecado e a morte, não tendo encontrado nenhum homem isento de culpa, veio libertar a todos. Exulte o justo, porque se aproxima da vitória. Rejubile o pecador, porque é convidado ao perdão. Reanime-se o gentio, porque é chamado à vida.” 

O texto de São Leão Magno citado acima nos dá o sentido da festa que celebramos. Não celebramos o Natal como um fato passado. Não se trata de um aniversário, porque o aniversário de alguém ou de algum acontecimento nos representa um fato passado, que fica cada vez mais no passado e cujo acontecimento fundante nós não podemos tocar de novo. O Natal de Nosso Senhor, ao contrário, tendo acontecido uma vez por todas não pode se repetir, mas nós o experimentamos de forma misteriosa na sua celebração anual. As celebrações se repetem, não o mistério de Deus. Em cada ano, é sempre o mesmo e único mistério do Natal do Senhor que nos toca e renova a nossa vida. O mesmo São Leão nos recorda em outra passagem: “(...) o retorno do ano apresenta-nos de novo o sacramento de nossa salvação que, prometido desde o início dos tempos, foi dado no fim para perdurar sem fim.” É o Natal do Senhor, o Natal da cabeça, mas também o Natal o Corpo. O Natal é, portanto, a nossa festa, onde aquele dia glorioso nos toca através da liturgia que realizamos. Sim, o Natal é para nós um dia glorioso. Andávamos nas trevas. Tendo sido criados à imagem e semelhança de Deus, desconhecíamos o modelo a partir do qual fomos criados. Para isso o Verbo se fez carne, para revelar ao homem o seu mistério, para nos dizer o que significa ser homem e mulher (cf. GS 22). Aquele que nos criou de modo admirável, de modo ainda mais admirável restabeleceu a nossa dignidade, nos recorda a oração coleta dessa eucaristia.

Deus hoje nos presenteia com a abundância da sua palavra. Ao ouvirmos o profeta o nosso coração transborda numa grande confirmação, num grande Amém, porque de fato “os confins da terra viram a salvação do nosso Deus”. Em íntima unidade com a profecia, o salmista canta a beleza dessa manifestação gloriosa de Deus. Isaías pensa aqui no retorno do exílio, uma grande Páscoa para Israel. Todavia, o profeta tem também os seus olhos voltados para a expectativa do Messias, Aquele que salvará definitivamente Israel. Para nós, em Cristo, essa espera chegou ao fim e já temos em nosso meio Aquele que é a nossa Salvação.

Gostaria de me ater, sobretudo, ao Evangelho que ouvimos. Trata-se do prólogo do Evangelho de João. João nos apresenta a preexistência do Filho. Ele é a Palavra eterna do Pai. Seu lógos, gerado da própria substância do Pai. Igual ao Pai na sua divindade. E o Filho sempre esteve com Deus. Não houve um tempo em que o Pai não fosse Pai porque Ele sempre teve junto de si o Filho (Orígenes). Faz parte da própria essência de Deus ser Pai e do Filho, ser Filho. É a vida trinitária antes da criação. O Pai que ama seu Filho gerando-o e o Filho que ama o Pai submetendo-se totalmente à sua vontade. Essa circulação de amor entre os dois chama-se Espírito Santo, que procede do Pai e do Filho como rezávamos ontem no Credo. Todavia, a Trindade quer se abrir à criação. E o Pai cria o mundo pelo poder da sua Palavra. No Filho, na Palavra, tudo foi criado. Ele é o mediador da criação e, quando o mundo caiu em trevas, Ele que é a luz dos homens, a “luz da luz” como também rezávamos ontem no Credo, veio ao mundo nos iluminar, nos devolver de novo a visão que havíamos perdido pelo pecado. Ele, que outrora se manifestava a Moisés na transitoriedade da tenda, armou definitivamente a sua tenda no meio dos homens (v. 14). Assumiu a nossa humanidade realmente. Fez da nossa humanidade uma habitação para si. Não que Ele tivesse apenas se revestido aparentemente de nossa humanidade, mas que assumiu verdadeiramente como morada para si a nossa humanidade. A sua divindade ungiu e divinizou a nossa humanidade. E nós, que tínhamos nos solidarizado com Adão e Eva no pecado em virtude da participação na sua mesma natureza, temos o Filho que se solidariza conosco, que se compadece de nós, e assume a nossa humanidade, para reerguer-nos das trevas onde havíamos caído. E nós que o recebemos, nos tornamos filhos de Deus. Eis a nossa dignidade devolvida.

Ele é o “esplendor da glória do Pai” como nos diz a carta aos Hebreus. Nós o olhamos na humildade do presépio, no sacrifício da cruz, na luz da ressurreição e dizemos: Ele é “o esplendor da glória do Pai”. A Deus, ou seja, ao Pai, ninguém jamais viu. O AT nos fala que ninguém pode ser a Deus e continuar vivo. De nosso lado, porque sendo pecadores não podemos contemplar o Santo. Do lado de Deus, Ele não se deixa ver para que não caíamos no erro de querer manipulá-lo como se fosse um objeto. Mas, Cristo nos revelou Àquele que não podíamos, por nossas próprias forças contemplar. Ele que está na intimidade do Pai, voltado para o seu coração, nos “contou”, nos “interpretou” o Pai, porque por força de nossa própria inteligência não podíamos chegar sozinhos ao “tudo” que Deus é.

Devemos conscientizar-nos, como nos ensina São Leão, da nossa dignidade. Procuremos não somente imitá-lo exteriormente, de fora para dentro. Mas, tomemos consciência do que aconteceu em nós pelo seu nascimento, de como fomos transformados no mais íntimo de nós mesmos. E assim, poderemos externar, manifestar, a glória do Senhor com a nossa vida.


NATAL DO SENHOR

1ª Leitura: Is 52,7-10
Sl 97
2ª Leitura: Hb 1,1-6
Evangelho: Jo 1,1-18

 

Padre Fábio Siqueira
Autor

Padre Fábio Siqueira

Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida