Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 26º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/03/2019

19 de Março de 2019

Um olhar de esperança

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Março de 2019

Um olhar de esperança

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

22/03/2013 16:15

Um olhar de esperança 0

22/03/2013 16:15

Um olhar de esperança / Arqrio

O dia 19 de Março, data do início do ministério petrino do novo bispo de Roma, o Papa Francisco amanheceu claro, céu azul e ensolarado no final do inverno romano. A nossa Arquidiocese e a direção da JMJ Rio 2013 estava lá para participar desse momento histórico.                            

Fomos a Roma também para partilhar com os grupos responsáveis da JMJ e da viagem do Santo Padre ao Brasil a nossa proposta de uma nova agenda para o novo Papa.  Desde a nossa chegada o frio e a chuva nos acompanharam. Mas o dia dos pais, o dia de São José, que ficou sendo o dia especial para Papa Francisco amanheceu diferente.                            

No dia seguinte começava a primavera no hemisfério norte. Isso já nos fazia vislumbrar a festa pascal para a qual nos preparamos durante este importante tempo quaresmal.                            

Após o tempo invernal quando as árvores perdem até as folhas e o gelo cobre os locais iniciava o anúncio de tudo ia mudar. A primavera estava anunciada. Essa experiência que nós não temos muita aqui no hemisfério sul, e muito menos nessa época que começa para nós o outono, não deixa de ser inspiradora de uma reflexão sobre os atuais tempos.                            

Antes de ser a celebração de um acontecimento histórico, a saída dos judeus da escravidão do Egito rumo à terra prometida, passando pelo mar, deserto, aliança, sinais de Deus, a Páscoa era a celebração da vida que renasce depois da morte do inverno.                            

Já se disse que só permanece aquilo que muda. E a natureza nos dá essa lição com as estações do ano, sejam elas mais delimitadas como no hemisfério norte, sejam elas diferenciadas diversamente como aqui em nossa região do mundo.                            

Assim também a Igreja. Ela faz a experiência pascal. Ela sempre renasce e recomeça! Isso nos recordava profeticamente o Papa emérito Bento XVI em sua lectio divina com os seminaristas antes de  anunciar a sua renúncia.                            

Assim também a igreja tem experimentado na história! A ressurreição do Senhor é para nós o centro de nossa vida e de nossa fé. E é isso que temos experimentado na vida. Ressuscitar com Cristo é fazer Páscoa com ele: passar da morte para a vida, dando passos para que a cada ano nos aproximemos da Páscoa definitiva.                            

Durante o pontificado do Papa Bento XVI a Igreja experimentou momentos de tempos de tempestades as mais diversas, que ele, com animo sempre renovado, ele conduziu a nau de Pedro por essas ondas bravias.  A novidade do primeiro papa latino americano comprometido com a vida com os pobres traz a cada dia novidades que trazem admiração e reflexão para o mundo.                            

Era mesmo um tempo primaveril que se abriu diante de nós. Após tantas chuvas e frio, tempo fechado e com dificuldades, o dia azul e claro, ensolarado e cheio de esperança se abre para nós. É a certeza da primavera, é a certeza da nova experiência do êxodo rumo à terra prometida, é a certeza da ressurreição do Senhor depois de sua morte na cruz, é a certeza da vida para todos nós, mortos pelos pecados.                            

Sabemos, porém, que não temos um caminho retilíneo e sem problemas. Eles vêm e vão. Eles começam e se reiniciam. Eles estão sempre ao redor. Mas para quem faz experiência de ressurreição, mesmo quando passa pelo vale da morte, nenhum mal tememos, pois o Senhor está conosco, nos dá segurança e nos conduz. Isso nos faz também continuar nossa caminhada mesmo entre as noites escuras da vida.                            

É o mesmo sentido de termo o Tabor para que o Calvário não nos desanime. Eis que nossos olhos veem esse novo tempo. Eis que surge no horizonte a aurora anunciando o sol que chega! E nós, como os discípulos de Jesus, que não apenas viram o túmulo vazio, mas o encontraram na Palavra e no partir o pão, sairemos pela manhã para anunciar à grande cidade: Sei que meu Senhor vive entre nós e está ressuscitado.                            

Caríssimos irmãos e irmãs: o Senhor é fiel! Ele nos deu a viver este belo momento da história. Saibamos vive-los intensamente. Deus seja louvado e bendito. 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.
Um olhar de esperança / Arqrio

Um olhar de esperança

22/03/2013 16:15

O dia 19 de Março, data do início do ministério petrino do novo bispo de Roma, o Papa Francisco amanheceu claro, céu azul e ensolarado no final do inverno romano. A nossa Arquidiocese e a direção da JMJ Rio 2013 estava lá para participar desse momento histórico.                            

Fomos a Roma também para partilhar com os grupos responsáveis da JMJ e da viagem do Santo Padre ao Brasil a nossa proposta de uma nova agenda para o novo Papa.  Desde a nossa chegada o frio e a chuva nos acompanharam. Mas o dia dos pais, o dia de São José, que ficou sendo o dia especial para Papa Francisco amanheceu diferente.                            

No dia seguinte começava a primavera no hemisfério norte. Isso já nos fazia vislumbrar a festa pascal para a qual nos preparamos durante este importante tempo quaresmal.                            

Após o tempo invernal quando as árvores perdem até as folhas e o gelo cobre os locais iniciava o anúncio de tudo ia mudar. A primavera estava anunciada. Essa experiência que nós não temos muita aqui no hemisfério sul, e muito menos nessa época que começa para nós o outono, não deixa de ser inspiradora de uma reflexão sobre os atuais tempos.                            

Antes de ser a celebração de um acontecimento histórico, a saída dos judeus da escravidão do Egito rumo à terra prometida, passando pelo mar, deserto, aliança, sinais de Deus, a Páscoa era a celebração da vida que renasce depois da morte do inverno.                            

Já se disse que só permanece aquilo que muda. E a natureza nos dá essa lição com as estações do ano, sejam elas mais delimitadas como no hemisfério norte, sejam elas diferenciadas diversamente como aqui em nossa região do mundo.                            

Assim também a Igreja. Ela faz a experiência pascal. Ela sempre renasce e recomeça! Isso nos recordava profeticamente o Papa emérito Bento XVI em sua lectio divina com os seminaristas antes de  anunciar a sua renúncia.                            

Assim também a igreja tem experimentado na história! A ressurreição do Senhor é para nós o centro de nossa vida e de nossa fé. E é isso que temos experimentado na vida. Ressuscitar com Cristo é fazer Páscoa com ele: passar da morte para a vida, dando passos para que a cada ano nos aproximemos da Páscoa definitiva.                            

Durante o pontificado do Papa Bento XVI a Igreja experimentou momentos de tempos de tempestades as mais diversas, que ele, com animo sempre renovado, ele conduziu a nau de Pedro por essas ondas bravias.  A novidade do primeiro papa latino americano comprometido com a vida com os pobres traz a cada dia novidades que trazem admiração e reflexão para o mundo.                            

Era mesmo um tempo primaveril que se abriu diante de nós. Após tantas chuvas e frio, tempo fechado e com dificuldades, o dia azul e claro, ensolarado e cheio de esperança se abre para nós. É a certeza da primavera, é a certeza da nova experiência do êxodo rumo à terra prometida, é a certeza da ressurreição do Senhor depois de sua morte na cruz, é a certeza da vida para todos nós, mortos pelos pecados.                            

Sabemos, porém, que não temos um caminho retilíneo e sem problemas. Eles vêm e vão. Eles começam e se reiniciam. Eles estão sempre ao redor. Mas para quem faz experiência de ressurreição, mesmo quando passa pelo vale da morte, nenhum mal tememos, pois o Senhor está conosco, nos dá segurança e nos conduz. Isso nos faz também continuar nossa caminhada mesmo entre as noites escuras da vida.                            

É o mesmo sentido de termo o Tabor para que o Calvário não nos desanime. Eis que nossos olhos veem esse novo tempo. Eis que surge no horizonte a aurora anunciando o sol que chega! E nós, como os discípulos de Jesus, que não apenas viram o túmulo vazio, mas o encontraram na Palavra e no partir o pão, sairemos pela manhã para anunciar à grande cidade: Sei que meu Senhor vive entre nós e está ressuscitado.                            

Caríssimos irmãos e irmãs: o Senhor é fiel! Ele nos deu a viver este belo momento da história. Saibamos vive-los intensamente. Deus seja louvado e bendito.