Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/12/2018

17 de Dezembro de 2018

“E vós, quem dizeis que eu sou?”

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Dezembro de 2018

“E vós, quem dizeis que eu sou?”

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

29/06/2014 00:00

“E vós, quem dizeis que eu sou?” 0

29/06/2014 00:00

“E vós, quem dizeis que eu sou?” / Arqrio

Homilia Dominical - Solenidade de São Pedro e São Paulo Apóstolos - 13º Domingo do Tempo Comum

Celebrar o domingo é celebrar o mistério da Páscoa do Senhor, que continua sempre vivo e atuante na vida da Sua Igreja. Hoje também celebramos a Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo. Celebrar os santos nada mais é do que celebrar o mistério pascal de Cristo em suas vidas; por isso, hoje podemos dizer que celebramos a Páscoa destes dois grandes apóstolos: aquele que foi escolhido como pedra e fundamento da Igreja e o Apóstolo das Gentes.

O Evangelho que hoje a Igreja nos apresenta é este trecho de Mt 16,13-10. Jesus está em Cesareia e aí pergunta aos discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”. Jesus quer saber o que pensam dele os de fora, os que não pertencem ao grupo dos discípulos. Os discípulos, em conjunto, respondem que, para alguns, Jesus é João Batista que ressuscitou dos mortos; para outros ele é Elias que, segundo a profecia de Malaquias, deveria voltar antes que chegasse o verdadeiro Messias; e ainda um terceiro grupo de pessoas pensa que Jesus é Jeremias ou algum dos profetas que havia retornado. Percebemos, então, que não havia clareza a respeito de quem era Jesus, fora do grupo dos discípulos.

O Senhor dirige, então, sua pergunta para os próprios discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?”. Agora, não é mais o grupo todo que responde, mas Pedro, sozinho, como chefe dos doze, toma a palavra para confirmar a fé dos seus irmãos: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. A resposta de Pedro é clara e não ambígua como a dos que eram de fora do grupo dos discípulos. Jesus é o Messias, ou seja, aquele prometido pelos profetas e que viria libertar o povo. A partir dessa confissão de fé, Jesus confirma Pedro como fundamento da Igreja: “Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

Pedro é frágil, cheio de falhas, como os outros apóstolos. Jesus sabe até mesmo que ele irá negá-lo no momento crucial da sua vida, mas mesmo assim o escolhe, porque não é sobre as qualidades humanas nem sobre as aptidões intelectuais de Pedro que ele, o Senhor, está edificando a sua Igreja, mas sobre sua confissão de fé.

Pedro é frágil, um homem apenas, mas a fé que ele professa é clara e firme como uma rocha, por isso Cristo pode sobre ele edificar a sua Igreja. A confissão de fé em Pedro é o alicerce sobre o qual está edificada a Igreja de Cristo. Pedro possui as chaves do reino não para fechá-lo aos homens, mas para abrir os seus tesouros, os tesouros da Palavra e do conhecimento de Cristo, para que todos cheguem à salvação. Esse ministério de Pedro continua hoje, no Santo Padre o Papa. Na sucessão da história, Cristo jamais deixou sua Igreja à deriva no mundo, mas sempre colocou à frente dela hábeis pescadores de almas que continuam com a missão de Pedro. Como Pedro, são frágeis e também possuem suas debilidades e pecados. Mas, também como Pedro, possuem uma fé clara, são sinais sacramentais dessa fé, que é como um farol que nos guia no meio do mar revolto e confuso do mundo.

Assim, devemos agradecer a Deus pelo ministério do Santo Padre porque, para nós que vivemos no meio do mar da história, tantas vezes confuso e cheio de descaminhos, sua presença, sua palavra, sua exortação firme são para nós como a luz de um farol, que aponta o caminho seguro pelo qual devemos seguir.

Que nenhum medo nos paralise, nem mesmo a desculpa das nossas fraquezas e dos nossos pecados. Acreditemos que o anjo do Senhor vem acampar ao nosso redor e que ele, em nome do Senhor, nos liberta de todas as ciladas, como fez com Pedro, como fez com Paulo. Façamos do Senhor o nosso refúgio, porque o salmo proclama ser feliz quem assim procede: “Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!”.

 

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.
“E vós, quem dizeis que eu sou?” / Arqrio

“E vós, quem dizeis que eu sou?”

29/06/2014 00:00

Homilia Dominical - Solenidade de São Pedro e São Paulo Apóstolos - 13º Domingo do Tempo Comum

Celebrar o domingo é celebrar o mistério da Páscoa do Senhor, que continua sempre vivo e atuante na vida da Sua Igreja. Hoje também celebramos a Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo. Celebrar os santos nada mais é do que celebrar o mistério pascal de Cristo em suas vidas; por isso, hoje podemos dizer que celebramos a Páscoa destes dois grandes apóstolos: aquele que foi escolhido como pedra e fundamento da Igreja e o Apóstolo das Gentes.

O Evangelho que hoje a Igreja nos apresenta é este trecho de Mt 16,13-10. Jesus está em Cesareia e aí pergunta aos discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”. Jesus quer saber o que pensam dele os de fora, os que não pertencem ao grupo dos discípulos. Os discípulos, em conjunto, respondem que, para alguns, Jesus é João Batista que ressuscitou dos mortos; para outros ele é Elias que, segundo a profecia de Malaquias, deveria voltar antes que chegasse o verdadeiro Messias; e ainda um terceiro grupo de pessoas pensa que Jesus é Jeremias ou algum dos profetas que havia retornado. Percebemos, então, que não havia clareza a respeito de quem era Jesus, fora do grupo dos discípulos.

O Senhor dirige, então, sua pergunta para os próprios discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?”. Agora, não é mais o grupo todo que responde, mas Pedro, sozinho, como chefe dos doze, toma a palavra para confirmar a fé dos seus irmãos: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. A resposta de Pedro é clara e não ambígua como a dos que eram de fora do grupo dos discípulos. Jesus é o Messias, ou seja, aquele prometido pelos profetas e que viria libertar o povo. A partir dessa confissão de fé, Jesus confirma Pedro como fundamento da Igreja: “Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

Pedro é frágil, cheio de falhas, como os outros apóstolos. Jesus sabe até mesmo que ele irá negá-lo no momento crucial da sua vida, mas mesmo assim o escolhe, porque não é sobre as qualidades humanas nem sobre as aptidões intelectuais de Pedro que ele, o Senhor, está edificando a sua Igreja, mas sobre sua confissão de fé.

Pedro é frágil, um homem apenas, mas a fé que ele professa é clara e firme como uma rocha, por isso Cristo pode sobre ele edificar a sua Igreja. A confissão de fé em Pedro é o alicerce sobre o qual está edificada a Igreja de Cristo. Pedro possui as chaves do reino não para fechá-lo aos homens, mas para abrir os seus tesouros, os tesouros da Palavra e do conhecimento de Cristo, para que todos cheguem à salvação. Esse ministério de Pedro continua hoje, no Santo Padre o Papa. Na sucessão da história, Cristo jamais deixou sua Igreja à deriva no mundo, mas sempre colocou à frente dela hábeis pescadores de almas que continuam com a missão de Pedro. Como Pedro, são frágeis e também possuem suas debilidades e pecados. Mas, também como Pedro, possuem uma fé clara, são sinais sacramentais dessa fé, que é como um farol que nos guia no meio do mar revolto e confuso do mundo.

Assim, devemos agradecer a Deus pelo ministério do Santo Padre porque, para nós que vivemos no meio do mar da história, tantas vezes confuso e cheio de descaminhos, sua presença, sua palavra, sua exortação firme são para nós como a luz de um farol, que aponta o caminho seguro pelo qual devemos seguir.

Que nenhum medo nos paralise, nem mesmo a desculpa das nossas fraquezas e dos nossos pecados. Acreditemos que o anjo do Senhor vem acampar ao nosso redor e que ele, em nome do Senhor, nos liberta de todas as ciladas, como fez com Pedro, como fez com Paulo. Façamos do Senhor o nosso refúgio, porque o salmo proclama ser feliz quem assim procede: “Feliz o homem que tem nele o seu refúgio!”.

 

 

Padre Fábio Siqueira
Autor

Padre Fábio Siqueira

Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida