Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 26/03/2019

26 de Março de 2019

Celebrar a Páscoa

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

26 de Março de 2019

Celebrar a Páscoa

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/04/2014 23:24

Celebrar a Páscoa 0

20/04/2014 23:24

“Oh noite ditosa, em que o céu se une à terra, em que o homem se encontra com Deus!”
(Proclamação da Páscoa)

 

Estamos na festa da Páscoa, que é a festa cristã por excelência. Escutamos no evangelho: “Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1).

A Páscoa de Jesus deu-se dentro da Páscoa judaica: foi nesse contexto que ele instituiu e celebrou a sua. Na Páscoa de Jesus a Páscoa judaica é cumprida, isto é, encontra sua realização plena: a libertação definitiva não foi aquela, dos que saíram do Egito, atravessaram o mar e entraram na Terra Prometida, mas sim a de Jesus, que saiu deste mundo, atravessou o mar tenebroso da morte e entrou na plenitude do Pai.

A palavra “páscoa” é explicada como significando “passagem”: "passagem" porque Deus feriu os primogênitos dos egípcios, mas “passou” adiante na casa dos hebreus, poupando seus primogênitos: Deus passou pelo Egito e “pulou” as casas do povo de Israel (cf. Ex 11,1-10); "passagem" também porque Israel passou pelo mar, saindo do estado de escravidão para a liberdade, como povo: o Senhor Deus "passou" pelo Egito para fazer seu povo "passar"! Quando Deus "passou" pelo seu povo, o povo de Deus "passou" para uma nova vida, para a liberdade rumo à Terra Prometida. Nosso Deus é assim: passando, faz passar! É isso que os judeus celebram na Páscoa atualizando esse acontecimento. Jesus celebra agora a sua Páscoa, sua “passagem deste mundo para o Pai”! Ele mesmo afirmou, certa vez: “Saí do Pai e vim ao mundo; agora deixo o mundo e volto ao Pai!” (Jo 16,28).

A Páscoa de Jesus é um ato de amor total e extremo por nós... é para nossa salvação que Jesus fez sua Páscoa. Fez sua "Passagem" para que também nós façamos a nossa: “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim”, até o extremo. É verdade que traíram Jesus, humilharam-no, tiraram-lhe a vida... Mas, por outro lado, ele se entregou livremente, em obediência ao desígnio do Pai: "Eu dou minha vida para retomá-la. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou livremente. Tenho poder de entregá-la e poder de retomá-la; este é o mandamento que recebi do meu Pai" (Jo 10,17s). E isto, por amor a nós, pois morrendo e ressuscitando, ele nos daria o seu Espírito Santo, no qual ele mesmo fora ressuscitado, de modo que a "passagem" de Jesus para o Pai nos abrisse o caminho e pudéssemos "passar" também para o Pai: “Vou preparar-vos um lugar, e quando eu me for e vos tiver preparado um lugar, virei novamente e vos levarei comigo, a fim de que onde eu estiver, estejais vós também. Eu sou o Caminho!” (Jo 14,2.6).

Esta Páscoa sagrada do Senhor e nossa, a Igreja celebra a cada Domingo e até a cada dia na Eucaristia e, de modo soleníssimo, uma vez ao ano, com o Tríduo Pascal e os subsequentes cinquenta dias, concluindo com a solenidade de Pentecostes, celebração do dom do Espírito que o Ressuscitado fez e faz à sua Igreja. Na potência do Espírito, no qual ele mesmo foi ressuscitado pelo Pai, Jesus está e estará sempre conosco, de modo real e concreto, guiando a preservando a sua Igreja, até a consumação dos séculos.

Um Dia, que já não mais será um dos dias deste nosso tempo, o Senhor morto e ressuscitado, "Cordeiro de pé, como que imolado" (Ap 5,6), se manifestará na glória do seu Espírito Santo – o mesmo que já habita em nós desde o batismo – e levará todas as coisas à plenitude. Então, tendo transfigurado tudo no seu Espírito, Cristo entregará tudo ao Pai e o Reino de Deus será plenamente consumado... e nós, plenificados, estaremos eternamente com o Senhor, num mundo liberto e renovado... e Deus, o Pai, será tudo em todos, pelo Filho, na glória do Espírito (cf. 1Cor 15,20-28).

Bento XVI, na Vigília Pascal de 2012: “O Precônio, o grande hino que o diácono canta ao início da Liturgia Pascal, de modo muito discreto chama a nossa atenção ainda para outro aspecto. Lembra-nos que o material do círio se fica a dever, em primeiro lugar, ao trabalho das abelhas; e, assim, entra em cena a criação inteira. No círio, a criação torna-se portadora de luz. Mas, segundo o pensamento dos Padres, temos aí também uma alusão implícita à Igreja. Nesta, a cooperação da comunidade viva dos fiéis é parecida com o trabalho das abelhas; constrói a comunidade da luz. Assim podemos ver, no círio, também um apelo dirigido a nós mesmos e à nossa comunhão com a comunidade da Igreja, que existe para que a luz de Cristo possa iluminar o mundo. Neste momento, peçamos ao Senhor que nos faça sentir a alegria da sua luz, de modo que nós mesmos nos tornemos portadores da sua luz, para que, através da Igreja, o esplendor do rosto de Cristo entre no mundo (cf. LG 1).

Neste momento da história, em que temos tantos desafios e interpelações, a Igreja se coloca em perspectiva de conversão pessoal e comunitária. Das raízes mais profundas de nossa comunhão com Deus, vivenciada através dos exercícios quaresmais, deve brotar o ímpeto renovador que impregne nossa vida e oriente para a missão.

Ao mesmo tempo em que reflete sobre si mesma, a Igreja vibra da alegria no anúncio do Evangelho. Não pode deixar de exultar no Espírito Santo, juntamente com seu Senhor, por ver e ouvir as maravilhas pelas quais esperaram os profetas e que foram a nós concedidas (cf. Lc. 10,21-24). E agora esta alegria se expande no louvor ao Ressuscitado.

Eis a nossa fé, nossa certeza, nossa esperança, nosso sonho... já começado no Dia da Páscoa! A Ressurreição não é uma ilusão, não é uma quimera; é uma estupenda Realidade: "Eu sou a Ressurreição! Quem crê em mim, ainda que morra, viverá!" (Jo 11,25).

Portanto, a celebração da Páscoa deve renovar nossa esperança no mundo de paz, sem guerras, sem violência e sem ódio. Disse Jesus “Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus”  (Mt 5,9).

Partilhando as alegrias da Páscoa de Nosso Senhor desejo a todos uma Feliz Páscoa. O Senhor ressuscitou de verdade! Aleluia!

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Celebrar a Páscoa

20/04/2014 23:24

“Oh noite ditosa, em que o céu se une à terra, em que o homem se encontra com Deus!”
(Proclamação da Páscoa)

 

Estamos na festa da Páscoa, que é a festa cristã por excelência. Escutamos no evangelho: “Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1).

A Páscoa de Jesus deu-se dentro da Páscoa judaica: foi nesse contexto que ele instituiu e celebrou a sua. Na Páscoa de Jesus a Páscoa judaica é cumprida, isto é, encontra sua realização plena: a libertação definitiva não foi aquela, dos que saíram do Egito, atravessaram o mar e entraram na Terra Prometida, mas sim a de Jesus, que saiu deste mundo, atravessou o mar tenebroso da morte e entrou na plenitude do Pai.

A palavra “páscoa” é explicada como significando “passagem”: "passagem" porque Deus feriu os primogênitos dos egípcios, mas “passou” adiante na casa dos hebreus, poupando seus primogênitos: Deus passou pelo Egito e “pulou” as casas do povo de Israel (cf. Ex 11,1-10); "passagem" também porque Israel passou pelo mar, saindo do estado de escravidão para a liberdade, como povo: o Senhor Deus "passou" pelo Egito para fazer seu povo "passar"! Quando Deus "passou" pelo seu povo, o povo de Deus "passou" para uma nova vida, para a liberdade rumo à Terra Prometida. Nosso Deus é assim: passando, faz passar! É isso que os judeus celebram na Páscoa atualizando esse acontecimento. Jesus celebra agora a sua Páscoa, sua “passagem deste mundo para o Pai”! Ele mesmo afirmou, certa vez: “Saí do Pai e vim ao mundo; agora deixo o mundo e volto ao Pai!” (Jo 16,28).

A Páscoa de Jesus é um ato de amor total e extremo por nós... é para nossa salvação que Jesus fez sua Páscoa. Fez sua "Passagem" para que também nós façamos a nossa: “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim”, até o extremo. É verdade que traíram Jesus, humilharam-no, tiraram-lhe a vida... Mas, por outro lado, ele se entregou livremente, em obediência ao desígnio do Pai: "Eu dou minha vida para retomá-la. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou livremente. Tenho poder de entregá-la e poder de retomá-la; este é o mandamento que recebi do meu Pai" (Jo 10,17s). E isto, por amor a nós, pois morrendo e ressuscitando, ele nos daria o seu Espírito Santo, no qual ele mesmo fora ressuscitado, de modo que a "passagem" de Jesus para o Pai nos abrisse o caminho e pudéssemos "passar" também para o Pai: “Vou preparar-vos um lugar, e quando eu me for e vos tiver preparado um lugar, virei novamente e vos levarei comigo, a fim de que onde eu estiver, estejais vós também. Eu sou o Caminho!” (Jo 14,2.6).

Esta Páscoa sagrada do Senhor e nossa, a Igreja celebra a cada Domingo e até a cada dia na Eucaristia e, de modo soleníssimo, uma vez ao ano, com o Tríduo Pascal e os subsequentes cinquenta dias, concluindo com a solenidade de Pentecostes, celebração do dom do Espírito que o Ressuscitado fez e faz à sua Igreja. Na potência do Espírito, no qual ele mesmo foi ressuscitado pelo Pai, Jesus está e estará sempre conosco, de modo real e concreto, guiando a preservando a sua Igreja, até a consumação dos séculos.

Um Dia, que já não mais será um dos dias deste nosso tempo, o Senhor morto e ressuscitado, "Cordeiro de pé, como que imolado" (Ap 5,6), se manifestará na glória do seu Espírito Santo – o mesmo que já habita em nós desde o batismo – e levará todas as coisas à plenitude. Então, tendo transfigurado tudo no seu Espírito, Cristo entregará tudo ao Pai e o Reino de Deus será plenamente consumado... e nós, plenificados, estaremos eternamente com o Senhor, num mundo liberto e renovado... e Deus, o Pai, será tudo em todos, pelo Filho, na glória do Espírito (cf. 1Cor 15,20-28).

Bento XVI, na Vigília Pascal de 2012: “O Precônio, o grande hino que o diácono canta ao início da Liturgia Pascal, de modo muito discreto chama a nossa atenção ainda para outro aspecto. Lembra-nos que o material do círio se fica a dever, em primeiro lugar, ao trabalho das abelhas; e, assim, entra em cena a criação inteira. No círio, a criação torna-se portadora de luz. Mas, segundo o pensamento dos Padres, temos aí também uma alusão implícita à Igreja. Nesta, a cooperação da comunidade viva dos fiéis é parecida com o trabalho das abelhas; constrói a comunidade da luz. Assim podemos ver, no círio, também um apelo dirigido a nós mesmos e à nossa comunhão com a comunidade da Igreja, que existe para que a luz de Cristo possa iluminar o mundo. Neste momento, peçamos ao Senhor que nos faça sentir a alegria da sua luz, de modo que nós mesmos nos tornemos portadores da sua luz, para que, através da Igreja, o esplendor do rosto de Cristo entre no mundo (cf. LG 1).

Neste momento da história, em que temos tantos desafios e interpelações, a Igreja se coloca em perspectiva de conversão pessoal e comunitária. Das raízes mais profundas de nossa comunhão com Deus, vivenciada através dos exercícios quaresmais, deve brotar o ímpeto renovador que impregne nossa vida e oriente para a missão.

Ao mesmo tempo em que reflete sobre si mesma, a Igreja vibra da alegria no anúncio do Evangelho. Não pode deixar de exultar no Espírito Santo, juntamente com seu Senhor, por ver e ouvir as maravilhas pelas quais esperaram os profetas e que foram a nós concedidas (cf. Lc. 10,21-24). E agora esta alegria se expande no louvor ao Ressuscitado.

Eis a nossa fé, nossa certeza, nossa esperança, nosso sonho... já começado no Dia da Páscoa! A Ressurreição não é uma ilusão, não é uma quimera; é uma estupenda Realidade: "Eu sou a Ressurreição! Quem crê em mim, ainda que morra, viverá!" (Jo 11,25).

Portanto, a celebração da Páscoa deve renovar nossa esperança no mundo de paz, sem guerras, sem violência e sem ódio. Disse Jesus “Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus”  (Mt 5,9).

Partilhando as alegrias da Páscoa de Nosso Senhor desejo a todos uma Feliz Páscoa. O Senhor ressuscitou de verdade! Aleluia!

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro