Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/10/2020

20 de Outubro de 2020

Nossa Senhora Aparecida

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Outubro de 2020

Nossa Senhora Aparecida

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

11/10/2020 00:00 - Atualizado em 13/10/2020 11:38

Nossa Senhora Aparecida 0

11/10/2020 00:00 - Atualizado em 13/10/2020 11:38

No dia 12 de outubro, o nosso país celebra a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. É a mesma Mãe de Jesus Cristo que, em diversos lugares, aparece e recebe títulos dados pela “devoção popular” e aprovados pela Igreja.

Nossa Senhora recebe o título “Aparecida” porque foi encontrada por pescadores humildes no Rio Paraíba do Sul, na região do Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo. Uma imagem quebrada e com as cores do limo do fundo do rio, por isso uma imagem enegrecida.

Nossa Senhora aparece na forma humilde — uma imagem da Imaculada Conceição. Primeiro os pescadores encontraram a cabeça e em seguida o corpo. Nossa Senhora auxilia os humildes pescadores na pesca que eles tinham que realizar. Eles não estavam encontrando peixe algum. A partir do momento em que Nossa Senhora aparece, eles encontram os peixes. Sinal da intercessão da mãe para a missão de evangelização.

Nos diversos locais de devoção mariana, Nossa Senhora sempre esteve na condição de auxiliar alguém ou, ainda, em um momento de enorme dificuldade do país ou do mundo. Na época do aparecimento aos pecadores no Rio Paraíba, o Brasil atravessava a difícil realidade da escravidão.

Os pescadores que nada pescaram e temiam voltar com a rede vazia clamam a Nossa Senhora. E eles conseguem fazer uma pesca frutuosa e ainda encontram a imagem. São muitos sinais que se seguiram pela história, entre os quais lembramos o que Nossa Senhora, então, liberta um escravo que estava como “prisioneiro”. Por um milagre, suas correntes se soltaram. E Ela aparece negra, representando a cor do povo que sofria com a escravidão.

A imagem é a mesma Mãe de Deus, representada em diferentes formas e jeitos nas regiões onde é clamada. E recebe os mais variados títulos. Em Fátima, Ela apareceu aos pastorzinhos e recebeu esse título. Em Guadalupe, Ela aparece a um índio. Em Lourdes, recebe o título após aparecer a Santa Bernadete. Em Aparecida, a imagem que os pecadores encontram é a da Imaculada Conceição.

Aos poucos a devoção a Nossa Senhora Aparecida foi aumentando. Começou com uma singela capela. Os pescadores propagavam o milagre que receberam. Depois foi construída uma igreja, conhecida hoje como atual Basílica Velha. Em 1980, o Papa São João Paulo II consagra a nova basílica, que se encontra em fase de acabamento, com o revestimento das fachadas com a colocação de 80 mosaicos, representando passagens bíblicas.

O reitor do Santuário Nacional de Aparecida, padre Eduardo Catalfo, C.Ss.R, ao apresentar a novena deste ano escreveu: “Mais do que uma obra-prima da arte sacra, a história de Moisés, estampada na ‘Fachada Norte’ da Basílica de Aparecida, nos faz lembrar que o Egito precisa acabar. Queremos ser livres de todas as formas de escravidão que o mundo de hoje nos impõe. Vocacionados como Moisés, devemos viver em constante êxodo: sempre em êxodo missionário. Livres para a Aliança com Deus, nosso objetivo é a Páscoa de Jesus. A dolorosa experiência no deserto não tem o poder de roubar nossa firme esperança de caminhar rumo à terra prometida, sempre na direção da justiça e da paz. A Palavra de Deus, a bela ‘fachada’ de nossa vida, é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça (cf. 2Tm 3,16). Nosso principal desafio não é outro senão viver a fé à luz da Palavra!”.

A novena deste ano e a festa são galgadas num itinerário de fé em busca da vivência e do aprendizado da Palavra de Deus. Por isso mesmo, Nossa Senhora Aparecida sempre nos adverte: “Fazei tudo o que Ele vos disser!”. Essa data de 12 de outubro é dia santo no Brasil desde 1980, quando o Papa São João Paulo II consagra a nova Basílica, que comporta cerca de 30 mil fiéis. Nossa Senhora Aparecida é a Rainha e Padroeira do Brasil, por isso devemos acorrer a Ela e pedir sua intercessão por nossa pátria, para que diminua a violência, que tenhamos mais saúde e condições dignas das pessoas procurarem um serviço médico. Nossa Senhora Aparecida nos ensina com o seu carinho terno de uma mãe a respeitar uns aos outros e fazer em tudo a vontade de Deus.

Em 6 de novembro de 1888, a princesa Isabel visitou pela segunda vez a Basílica e ofertou à santa uma promessa que foi feita em sua primeira visita, em 8 de dezembro de 1868. Ela ofertou uma coroa de ouro cravejada de diamantesrubis, juntamente com um manto azul, ricamente ornado.

Todos os anos, no Dia da Padroeira do Brasil, acorrem milhares de fiéis ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, para pedir e agradecer as inúmeras graças que Ela nos concede. Mas este ano, devido à pandemia, devemos participar da novena e festa de nossa casa, acompanhando pelas mídias sociais, internet e TV ou através das nossas paróquias, respeitando todos os protocolos da Covid-19.

Por meio de Maria nos veio a “Palavra encarnada do Pai”, Jesus Cristo. Ela nos ensina a ouvir a voz do seu Filho e a colocar em prática a sua vontade, meditar e guardar essa palavra no coração e amar e servir as pessoas.

Com Maria somos chamados para a “missão”, assim como nos estimula a 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-americano, realizada e aberta pelo Papa Bento XVI, em Aparecida, no ano de 2007. Iluminados pela graça de Deus e da Virgem Aparecida, somos impulsionados pelo Espírito Santo a sermos “sal na terra e luz no mundo”, levando a misericórdia de Deus para todas as pessoas.

Que nesta Solenidade de Nossa Senhora Aparecida sejamos conduzidos ao altar de Deus, que Maria nos conduza até seu Filho Jesus, por meio da Eucaristia. Sejamos alimentados pela Palavra que nos salva e pela Eucaristia que nos sustenta.

Peçamos a Nossa Senhora Aparecida que interceda a Deus por todas as crianças do Brasil. Que elas tenham um olhar puro e inocente para Deus e que sejam livres de todos os perigos. E que Ela interceda pela nossa pátria. E, nossa gratidão, neste tempo de pandemia da Covid-19, a todos os professores, que celebrarão o seu dia no próximo dia 15, que não estão medindo esforços para transmitir conhecimento e cidadania. Amados professores, minha bênção especial no seu dia e que Deus os ilumine na sua singular e primordial missão educativa.

Aos pés do Altar de Aparecida, trono da graça divina, colocamos todas as famílias brasileiras: “Com Maria, em família, revestir-se da Palavra” é o lema deste ano. Em nossas casas, iluminados pela Palavra de Deus, revestidos da presença de Maria Santíssima, celebremos com alegria no coração a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, que Ela nos cubra com seu manto sagrado e conduza até Deus. Amém.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ



Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Nossa Senhora Aparecida

11/10/2020 00:00 - Atualizado em 13/10/2020 11:38

No dia 12 de outubro, o nosso país celebra a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. É a mesma Mãe de Jesus Cristo que, em diversos lugares, aparece e recebe títulos dados pela “devoção popular” e aprovados pela Igreja.

Nossa Senhora recebe o título “Aparecida” porque foi encontrada por pescadores humildes no Rio Paraíba do Sul, na região do Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo. Uma imagem quebrada e com as cores do limo do fundo do rio, por isso uma imagem enegrecida.

Nossa Senhora aparece na forma humilde — uma imagem da Imaculada Conceição. Primeiro os pescadores encontraram a cabeça e em seguida o corpo. Nossa Senhora auxilia os humildes pescadores na pesca que eles tinham que realizar. Eles não estavam encontrando peixe algum. A partir do momento em que Nossa Senhora aparece, eles encontram os peixes. Sinal da intercessão da mãe para a missão de evangelização.

Nos diversos locais de devoção mariana, Nossa Senhora sempre esteve na condição de auxiliar alguém ou, ainda, em um momento de enorme dificuldade do país ou do mundo. Na época do aparecimento aos pecadores no Rio Paraíba, o Brasil atravessava a difícil realidade da escravidão.

Os pescadores que nada pescaram e temiam voltar com a rede vazia clamam a Nossa Senhora. E eles conseguem fazer uma pesca frutuosa e ainda encontram a imagem. São muitos sinais que se seguiram pela história, entre os quais lembramos o que Nossa Senhora, então, liberta um escravo que estava como “prisioneiro”. Por um milagre, suas correntes se soltaram. E Ela aparece negra, representando a cor do povo que sofria com a escravidão.

A imagem é a mesma Mãe de Deus, representada em diferentes formas e jeitos nas regiões onde é clamada. E recebe os mais variados títulos. Em Fátima, Ela apareceu aos pastorzinhos e recebeu esse título. Em Guadalupe, Ela aparece a um índio. Em Lourdes, recebe o título após aparecer a Santa Bernadete. Em Aparecida, a imagem que os pecadores encontram é a da Imaculada Conceição.

Aos poucos a devoção a Nossa Senhora Aparecida foi aumentando. Começou com uma singela capela. Os pescadores propagavam o milagre que receberam. Depois foi construída uma igreja, conhecida hoje como atual Basílica Velha. Em 1980, o Papa São João Paulo II consagra a nova basílica, que se encontra em fase de acabamento, com o revestimento das fachadas com a colocação de 80 mosaicos, representando passagens bíblicas.

O reitor do Santuário Nacional de Aparecida, padre Eduardo Catalfo, C.Ss.R, ao apresentar a novena deste ano escreveu: “Mais do que uma obra-prima da arte sacra, a história de Moisés, estampada na ‘Fachada Norte’ da Basílica de Aparecida, nos faz lembrar que o Egito precisa acabar. Queremos ser livres de todas as formas de escravidão que o mundo de hoje nos impõe. Vocacionados como Moisés, devemos viver em constante êxodo: sempre em êxodo missionário. Livres para a Aliança com Deus, nosso objetivo é a Páscoa de Jesus. A dolorosa experiência no deserto não tem o poder de roubar nossa firme esperança de caminhar rumo à terra prometida, sempre na direção da justiça e da paz. A Palavra de Deus, a bela ‘fachada’ de nossa vida, é útil para ensinar, para argumentar, para corrigir, para educar conforme a justiça (cf. 2Tm 3,16). Nosso principal desafio não é outro senão viver a fé à luz da Palavra!”.

A novena deste ano e a festa são galgadas num itinerário de fé em busca da vivência e do aprendizado da Palavra de Deus. Por isso mesmo, Nossa Senhora Aparecida sempre nos adverte: “Fazei tudo o que Ele vos disser!”. Essa data de 12 de outubro é dia santo no Brasil desde 1980, quando o Papa São João Paulo II consagra a nova Basílica, que comporta cerca de 30 mil fiéis. Nossa Senhora Aparecida é a Rainha e Padroeira do Brasil, por isso devemos acorrer a Ela e pedir sua intercessão por nossa pátria, para que diminua a violência, que tenhamos mais saúde e condições dignas das pessoas procurarem um serviço médico. Nossa Senhora Aparecida nos ensina com o seu carinho terno de uma mãe a respeitar uns aos outros e fazer em tudo a vontade de Deus.

Em 6 de novembro de 1888, a princesa Isabel visitou pela segunda vez a Basílica e ofertou à santa uma promessa que foi feita em sua primeira visita, em 8 de dezembro de 1868. Ela ofertou uma coroa de ouro cravejada de diamantesrubis, juntamente com um manto azul, ricamente ornado.

Todos os anos, no Dia da Padroeira do Brasil, acorrem milhares de fiéis ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, para pedir e agradecer as inúmeras graças que Ela nos concede. Mas este ano, devido à pandemia, devemos participar da novena e festa de nossa casa, acompanhando pelas mídias sociais, internet e TV ou através das nossas paróquias, respeitando todos os protocolos da Covid-19.

Por meio de Maria nos veio a “Palavra encarnada do Pai”, Jesus Cristo. Ela nos ensina a ouvir a voz do seu Filho e a colocar em prática a sua vontade, meditar e guardar essa palavra no coração e amar e servir as pessoas.

Com Maria somos chamados para a “missão”, assim como nos estimula a 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-americano, realizada e aberta pelo Papa Bento XVI, em Aparecida, no ano de 2007. Iluminados pela graça de Deus e da Virgem Aparecida, somos impulsionados pelo Espírito Santo a sermos “sal na terra e luz no mundo”, levando a misericórdia de Deus para todas as pessoas.

Que nesta Solenidade de Nossa Senhora Aparecida sejamos conduzidos ao altar de Deus, que Maria nos conduza até seu Filho Jesus, por meio da Eucaristia. Sejamos alimentados pela Palavra que nos salva e pela Eucaristia que nos sustenta.

Peçamos a Nossa Senhora Aparecida que interceda a Deus por todas as crianças do Brasil. Que elas tenham um olhar puro e inocente para Deus e que sejam livres de todos os perigos. E que Ela interceda pela nossa pátria. E, nossa gratidão, neste tempo de pandemia da Covid-19, a todos os professores, que celebrarão o seu dia no próximo dia 15, que não estão medindo esforços para transmitir conhecimento e cidadania. Amados professores, minha bênção especial no seu dia e que Deus os ilumine na sua singular e primordial missão educativa.

Aos pés do Altar de Aparecida, trono da graça divina, colocamos todas as famílias brasileiras: “Com Maria, em família, revestir-se da Palavra” é o lema deste ano. Em nossas casas, iluminados pela Palavra de Deus, revestidos da presença de Maria Santíssima, celebremos com alegria no coração a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, que Ela nos cubra com seu manto sagrado e conduza até Deus. Amém.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ



Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro