Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 15º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 04/07/2020

04 de Julho de 2020

21 de junho – 12º Domingo do Tempo Comum

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

04 de Julho de 2020

21 de junho – 12º Domingo do Tempo Comum

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

21/06/2020 10:22

21 de junho – 12º Domingo do Tempo Comum 0

21/06/2020 10:22

21 de junho – 12º Domingo do Tempo Comum
 
Jr 20,10-13
Sl 68
Rm 5,12-15
Mt 10,26-33
 
 
“Não tenhais medo!”
 
A Eucaristia deste domingo é, de certa forma, introduzida pelo pedido expresso na oração coleta: “...dai-nos por toda a vida a graça de vos amar e temer, pois nunca cessais de conduzir os que firmais no vosso amor.

Deus nunca cessa de nos conduzir e, por isso, nós queremos corresponder a esse amor que nos conduz, que nos educa, amor paternal que nos faz caminhar seguros pelas sendas da vida com amor e com temor. Não se trata aqui de medo, mas de “temor reverencial”. Se nos abrirmos ao Espírito Santo Ele há de inflamar de tal modo nossos corações que, tomados por um amor “forte como a morte” (cf. Ct 8,6) seremos capazes desse temor, que nada mais é que reconhecimento da glória de Deus e desejo de honrá-lo eternamente.

É o próprio Deus, a quem queremos “amar e temer” que hoje nos convida no Evangelho: “Não tenhais medo!” Hoje ouvimos um trecho do assim chamado “Discurso Apostólico” de Jesus. Em Mt 10,1-16 Jesus apresenta a missão dos doze; em 10,17-25 Ele adverte os doze a respeito das perseguições que haverão de sofrer; no trecho reservado para a liturgia deste domingo, ouvimos 10,26-33 que parece unir dois ditos de Jesus: os vv. 26-31, dirigido aos apóstolos, e os vv. 32-33, que é uma exortação de caráter mais genérico, introduzida pela expressão: “Todo aquele que...”

Os vv. 26-31 se dirigem aos apóstolos. Eles são permeados por três exortações a “não temer”. Aqui encontramos um eco da primeira leitura. O profeta Jeremias, diante de uma dura perseguição por causa da palavra que ele deve anunciar, dirige a Deus a sua oração, na qual ele manifesta a sua confiança absoluto no Senhor: “Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro; por isso os que me perseguem cairão vencidos” (cf. Jr 20,11). A sua oração termina com uma ação de graças: “Cantai ao Senhor, louvai o Senhor, pois ele salvou a vida de um pobre homem das mãos dos maus” (cf. Jr 20,13).

Do mesmo modo, o salmista também experimenta perseguição por causa de Deus: “Por vossa causa é que sofri tantos insultos” (cf. Sl 68,8). Contudo, diante da perseguição ele não esmorece, mas eleva a Deus a sua súplica, na certeza de que o atenderá: “...nosso Deus atende a prece dos seus pobres, e não despreza o clamor dos seus cativos” (cf. Sl 68,34).
 
Do mesmo modo, no Evangelho, Cristo exorta seus apóstolos a “não temer” (cf. Mt 10,26.28.31). Os apóstolos não devem temer e, por isso, devem falar abertamente, proclamando a boa nova de Cristo a todos aos quais eles forem enviados (cf. Mt 10,26-27). Eles não devem temer os que matam o corpo, mas sim o que pode destruir o “corpo e a alma”, ou seja, é a Deus que eles devem “temer” (cf. Lc 12,4-5). Aqui percebemos um eco da oração coleta no Evangelho e a forma como o evangelista joga com o duplo sentido do verbo grego “phobeomai” – “ter medo / temer”. Eles não devem “ter medo” dos que os perseguem, mas devem “temer” a Deus, aquele que realmente tem poder sobre tudo e que governa todas as coisas.

Eles não devem temer, ainda, porque o Pai cuida deles: “...até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados” (cf. Mt 10,30). Os apóstolos não devem temer porque eles valem mais que “muitos pardais”, ou seja, o seu valor diante do Pai é imenso e o Pai que cuida de toda a criação com amor, cuidará ainda com mais amor daqueles que anunciam o seu Reino.

Os versículos finais parecem ser um outro dito incorporado a esta perícope. Aqui Jesus se dirige não mais especificamente aos doze, mas a “todo aquele que”, ou seja, a todo o que ouve a palavra do evangelho e se torna discípulo do Reino, em outras palavras, nós que hoje acolhemos esta Palavra de Deus. Somos também convidados a dar testemunho de Cristo. Afinal, seremos um dia julgados. Neste grande dia do juízo, se tivermos sido testemunhas de Jesus poderemos ter a certeza de termos no tribunal, diante do Pai, Ele, o Cristo, a “grande testemunha”, que há de vir em nossa defesa.

Esses versículos finais se revestem de certa severidade, mas são, paradoxalmente, uma palavra que estimula a nossa confiança no dia do juízo. Embora caindo e levantando, ou seja, pecando e confessando o nosso pecado, devemos dar sempre testemunho de Cristo. Se assim procedermos poderemos partir dessa vida em paz, porque no tribunal, no dia do juízo, teremos em nosso favor o Cristo, aquele que deu sua vida em nosso resgate. O testemunho daquele que deu sua vida por nós é mais eloquente que mil palavras. Paulo expressa bem isso na segunda leitura, quando fala da supremacia do sacrifício de Cristo, sacrifício “de um só homem”, que se “derramou em abundância sobre todos”.

Se Jeremias, na primeira leitura, e o salmista, no Salmo 68, puderam expressar a sua absoluta confiança em Deus que lhes faria justiça diante do inimigo terreno, do vil acusador, quanto mais nós, que contamos com o precioso sangue de Cristo, podemos ser confiantes de que o Pai nos absolverá no dia do juízo, se tivermos em nosso favor o testemunho de Cristo, que é maior que qualquer acusação que o maligno possa querer nos fazer naquele dia.



 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

21 de junho – 12º Domingo do Tempo Comum

21/06/2020 10:22

21 de junho – 12º Domingo do Tempo Comum
 
Jr 20,10-13
Sl 68
Rm 5,12-15
Mt 10,26-33
 
 
“Não tenhais medo!”
 
A Eucaristia deste domingo é, de certa forma, introduzida pelo pedido expresso na oração coleta: “...dai-nos por toda a vida a graça de vos amar e temer, pois nunca cessais de conduzir os que firmais no vosso amor.

Deus nunca cessa de nos conduzir e, por isso, nós queremos corresponder a esse amor que nos conduz, que nos educa, amor paternal que nos faz caminhar seguros pelas sendas da vida com amor e com temor. Não se trata aqui de medo, mas de “temor reverencial”. Se nos abrirmos ao Espírito Santo Ele há de inflamar de tal modo nossos corações que, tomados por um amor “forte como a morte” (cf. Ct 8,6) seremos capazes desse temor, que nada mais é que reconhecimento da glória de Deus e desejo de honrá-lo eternamente.

É o próprio Deus, a quem queremos “amar e temer” que hoje nos convida no Evangelho: “Não tenhais medo!” Hoje ouvimos um trecho do assim chamado “Discurso Apostólico” de Jesus. Em Mt 10,1-16 Jesus apresenta a missão dos doze; em 10,17-25 Ele adverte os doze a respeito das perseguições que haverão de sofrer; no trecho reservado para a liturgia deste domingo, ouvimos 10,26-33 que parece unir dois ditos de Jesus: os vv. 26-31, dirigido aos apóstolos, e os vv. 32-33, que é uma exortação de caráter mais genérico, introduzida pela expressão: “Todo aquele que...”

Os vv. 26-31 se dirigem aos apóstolos. Eles são permeados por três exortações a “não temer”. Aqui encontramos um eco da primeira leitura. O profeta Jeremias, diante de uma dura perseguição por causa da palavra que ele deve anunciar, dirige a Deus a sua oração, na qual ele manifesta a sua confiança absoluto no Senhor: “Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro; por isso os que me perseguem cairão vencidos” (cf. Jr 20,11). A sua oração termina com uma ação de graças: “Cantai ao Senhor, louvai o Senhor, pois ele salvou a vida de um pobre homem das mãos dos maus” (cf. Jr 20,13).

Do mesmo modo, o salmista também experimenta perseguição por causa de Deus: “Por vossa causa é que sofri tantos insultos” (cf. Sl 68,8). Contudo, diante da perseguição ele não esmorece, mas eleva a Deus a sua súplica, na certeza de que o atenderá: “...nosso Deus atende a prece dos seus pobres, e não despreza o clamor dos seus cativos” (cf. Sl 68,34).
 
Do mesmo modo, no Evangelho, Cristo exorta seus apóstolos a “não temer” (cf. Mt 10,26.28.31). Os apóstolos não devem temer e, por isso, devem falar abertamente, proclamando a boa nova de Cristo a todos aos quais eles forem enviados (cf. Mt 10,26-27). Eles não devem temer os que matam o corpo, mas sim o que pode destruir o “corpo e a alma”, ou seja, é a Deus que eles devem “temer” (cf. Lc 12,4-5). Aqui percebemos um eco da oração coleta no Evangelho e a forma como o evangelista joga com o duplo sentido do verbo grego “phobeomai” – “ter medo / temer”. Eles não devem “ter medo” dos que os perseguem, mas devem “temer” a Deus, aquele que realmente tem poder sobre tudo e que governa todas as coisas.

Eles não devem temer, ainda, porque o Pai cuida deles: “...até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados” (cf. Mt 10,30). Os apóstolos não devem temer porque eles valem mais que “muitos pardais”, ou seja, o seu valor diante do Pai é imenso e o Pai que cuida de toda a criação com amor, cuidará ainda com mais amor daqueles que anunciam o seu Reino.

Os versículos finais parecem ser um outro dito incorporado a esta perícope. Aqui Jesus se dirige não mais especificamente aos doze, mas a “todo aquele que”, ou seja, a todo o que ouve a palavra do evangelho e se torna discípulo do Reino, em outras palavras, nós que hoje acolhemos esta Palavra de Deus. Somos também convidados a dar testemunho de Cristo. Afinal, seremos um dia julgados. Neste grande dia do juízo, se tivermos sido testemunhas de Jesus poderemos ter a certeza de termos no tribunal, diante do Pai, Ele, o Cristo, a “grande testemunha”, que há de vir em nossa defesa.

Esses versículos finais se revestem de certa severidade, mas são, paradoxalmente, uma palavra que estimula a nossa confiança no dia do juízo. Embora caindo e levantando, ou seja, pecando e confessando o nosso pecado, devemos dar sempre testemunho de Cristo. Se assim procedermos poderemos partir dessa vida em paz, porque no tribunal, no dia do juízo, teremos em nosso favor o Cristo, aquele que deu sua vida em nosso resgate. O testemunho daquele que deu sua vida por nós é mais eloquente que mil palavras. Paulo expressa bem isso na segunda leitura, quando fala da supremacia do sacrifício de Cristo, sacrifício “de um só homem”, que se “derramou em abundância sobre todos”.

Se Jeremias, na primeira leitura, e o salmista, no Salmo 68, puderam expressar a sua absoluta confiança em Deus que lhes faria justiça diante do inimigo terreno, do vil acusador, quanto mais nós, que contamos com o precioso sangue de Cristo, podemos ser confiantes de que o Pai nos absolverá no dia do juízo, se tivermos em nosso favor o testemunho de Cristo, que é maior que qualquer acusação que o maligno possa querer nos fazer naquele dia.