Arquidiocese do Rio de Janeiro

33º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 15/12/2017

15 de Dezembro de 2017

Proposta do Advento e do Natal com Maria

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

15 de Dezembro de 2017

Proposta do Advento e do Natal com Maria

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

13/12/2013 00:00 - Atualizado em 13/12/2013 14:53

Proposta do Advento e do Natal com Maria 0

13/12/2013 00:00 - Atualizado em 13/12/2013 14:53

Proposta do Advento e do Natal com Maria / Arqrio

O Tempo do Advento é considerado pelos liturgistas, até com certo ar de provocação, como sendo “o verdadeiro mês de Maria”. É compreensível por que ela foi preparada, desde sua imaculada conceição, para ser digna morada do Filho de Deus. Ela o gerou segundo a carne. Ela se preparou com fé, esperança e amor para acolhê-lo. Encheu-se de expectativa e transbordou alegria como qualquer gestante. Por isso, repetimos o entusiasmo materno de seu coração e de lábios agradecidos: ”Minha alma engrandece o Senhor e meu espírito exulta em Deus” (Lc 1, 46). Assim, os sentimentos marianos correspondem à espiritualidade dos que celebram e vivem o Advento.

Diz-nos o Beato Isaac da Estrela, citado pelo Papa Francisco: “No tabernáculo do ventre de Maria, Cristo habitou durante nove meses; no tabernáculo da fé da Igreja, permanecerá até ao fim do mundo, no conhecimento e amor da alma fiel habitará pelos séculos dos séculos” (Evangelii Gaudium, 285). Com tal citação, o Papa salientou a ligação entre Maria, a Igreja e cada fiel, “enquanto de maneira diversa geram Cristo”. Quer dizer que a vinda do Senhor na história, nas pessoas e no mundo atual, supõe que sejamos semelhantes à Maria. De fato, “há um estilo mariano na atividade evangelizadora da Igreja” (Id. 288). Tal estilo é retomado neste tempo litúrgico, rico de promessas e de significados. Recebe-se Jesus para comunicá-lo com amabilidade.

O Natal é mariano, pois não existe nascimento de Jesus sem Maria como não existe vida humana sem maternidade. Paulo o afirma uma só vez, é verdade, mas suficientemente: “nascido de mulher” (Gl 4, 4). Os Evangelhos da Infância o fazem de modo narrativo. Basta citarmos a sobriedade e a ternura da cena do Natal: “ela deu à luz o seu filho primogênito, envolveu-o com faixas e reclinou-o numa manjedoura”(Lc 2, 7). O Papa contempla o cenário e descobre: “Maria é aquela que sabe transformar um curral de animais na casa de Jesus, com uns pobres paninhos e uma montanha de ternura” (Id. 286). A amabilidade materna faz a diferença.

A mulher amável, esposa e mãe, transforma a casa em um lar. Por mais pobre que seja, simples barraco ou mísera choupana, se torna um lar aquecido pelo amor da mulher. Quando falta a experiência do bem querer ou não é reconhecido ou valorizado seu amor e doação, esponsal ou materno, para que lhe servem as belas mansões e as suntuosas edificações? Até as flores murcham.

Podemos afirmar que Maria, mãe amável, precisou pelas circunstâncias sociopolíticas da ocasião transformar um curral de Belém em casa. Fez com amor. Brevemente, em Nazaré, prepararia um lar também com amor. Por pouco tempo, faria de uma casa de exílio, com muito amor outro lar, até que, voltando definitivamente a Nazaré estabeleceria o convívio familiar, impregnado de amores.

A sabedoria do homem bíblico compara a mulher amada ao sol que se levanta sobre as montanhas e que brilha com seu encanto na casa bem arrumada (cf. Eclo 26, 16; Ct 6, 10) Igualmente, é comparável ao candelabro sagrado a irradiar a beleza de seu rosto de mulher (cf. Eclo 26, 17). Tanta sublimidade poética é expressão da amabilidade viril. Do homem agraciado e reconhecido.

Os cristãos em meio às perseguições contemplam a Mulher, sinal celeste, vestida de sol, a lua sob os pés e coroada de doze estrelas (cf. Ap 12, 1). Este resplendor sinaliza para a fonte que a orna de beleza e de significados: dá a luz um filho que corre risco de ser devorado e é vitoriosa contra o dragão de maldade insaciável. Por tanta luz desta Mulher se vê adiante e mais além a vitória final. É ela a “estrela da nova evangelização”, a indicar novos caminhos com “santa ousadia” (Id. 288).

Por tantos motivos, importa trazer Maria para participar de nosso Advento e de nosso Natal. Com ela, a recepção de Jesus será mais acolhedora. Sua transmissão mais entusiasmante e bem convincente.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.
Proposta do Advento e do Natal com Maria / Arqrio

Proposta do Advento e do Natal com Maria

13/12/2013 00:00 - Atualizado em 13/12/2013 14:53

O Tempo do Advento é considerado pelos liturgistas, até com certo ar de provocação, como sendo “o verdadeiro mês de Maria”. É compreensível por que ela foi preparada, desde sua imaculada conceição, para ser digna morada do Filho de Deus. Ela o gerou segundo a carne. Ela se preparou com fé, esperança e amor para acolhê-lo. Encheu-se de expectativa e transbordou alegria como qualquer gestante. Por isso, repetimos o entusiasmo materno de seu coração e de lábios agradecidos: ”Minha alma engrandece o Senhor e meu espírito exulta em Deus” (Lc 1, 46). Assim, os sentimentos marianos correspondem à espiritualidade dos que celebram e vivem o Advento.

Diz-nos o Beato Isaac da Estrela, citado pelo Papa Francisco: “No tabernáculo do ventre de Maria, Cristo habitou durante nove meses; no tabernáculo da fé da Igreja, permanecerá até ao fim do mundo, no conhecimento e amor da alma fiel habitará pelos séculos dos séculos” (Evangelii Gaudium, 285). Com tal citação, o Papa salientou a ligação entre Maria, a Igreja e cada fiel, “enquanto de maneira diversa geram Cristo”. Quer dizer que a vinda do Senhor na história, nas pessoas e no mundo atual, supõe que sejamos semelhantes à Maria. De fato, “há um estilo mariano na atividade evangelizadora da Igreja” (Id. 288). Tal estilo é retomado neste tempo litúrgico, rico de promessas e de significados. Recebe-se Jesus para comunicá-lo com amabilidade.

O Natal é mariano, pois não existe nascimento de Jesus sem Maria como não existe vida humana sem maternidade. Paulo o afirma uma só vez, é verdade, mas suficientemente: “nascido de mulher” (Gl 4, 4). Os Evangelhos da Infância o fazem de modo narrativo. Basta citarmos a sobriedade e a ternura da cena do Natal: “ela deu à luz o seu filho primogênito, envolveu-o com faixas e reclinou-o numa manjedoura”(Lc 2, 7). O Papa contempla o cenário e descobre: “Maria é aquela que sabe transformar um curral de animais na casa de Jesus, com uns pobres paninhos e uma montanha de ternura” (Id. 286). A amabilidade materna faz a diferença.

A mulher amável, esposa e mãe, transforma a casa em um lar. Por mais pobre que seja, simples barraco ou mísera choupana, se torna um lar aquecido pelo amor da mulher. Quando falta a experiência do bem querer ou não é reconhecido ou valorizado seu amor e doação, esponsal ou materno, para que lhe servem as belas mansões e as suntuosas edificações? Até as flores murcham.

Podemos afirmar que Maria, mãe amável, precisou pelas circunstâncias sociopolíticas da ocasião transformar um curral de Belém em casa. Fez com amor. Brevemente, em Nazaré, prepararia um lar também com amor. Por pouco tempo, faria de uma casa de exílio, com muito amor outro lar, até que, voltando definitivamente a Nazaré estabeleceria o convívio familiar, impregnado de amores.

A sabedoria do homem bíblico compara a mulher amada ao sol que se levanta sobre as montanhas e que brilha com seu encanto na casa bem arrumada (cf. Eclo 26, 16; Ct 6, 10) Igualmente, é comparável ao candelabro sagrado a irradiar a beleza de seu rosto de mulher (cf. Eclo 26, 17). Tanta sublimidade poética é expressão da amabilidade viril. Do homem agraciado e reconhecido.

Os cristãos em meio às perseguições contemplam a Mulher, sinal celeste, vestida de sol, a lua sob os pés e coroada de doze estrelas (cf. Ap 12, 1). Este resplendor sinaliza para a fonte que a orna de beleza e de significados: dá a luz um filho que corre risco de ser devorado e é vitoriosa contra o dragão de maldade insaciável. Por tanta luz desta Mulher se vê adiante e mais além a vitória final. É ela a “estrela da nova evangelização”, a indicar novos caminhos com “santa ousadia” (Id. 288).

Por tantos motivos, importa trazer Maria para participar de nosso Advento e de nosso Natal. Com ela, a recepção de Jesus será mais acolhedora. Sua transmissão mais entusiasmante e bem convincente.

Dom Edson de Castro Homem
Autor

Dom Edson de Castro Homem

Bispo Auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro