Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 02/06/2020

02 de Junho de 2020

São José

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

02 de Junho de 2020

São José

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

15/03/2020 00:00

São José 0

15/03/2020 00:00

No dia 19 de março, celebramos a Solenidade de São José, esposo de Maria e patrono da Igreja universal. Ele merece todo o nosso reconhecimento e a nossa devoção, pois ele soube proteger a Virgem Santa e o Filho Jesus. O ser guardião é a característica de José: é a sua grande missão ser guardião. É nisso que ele expressa o seu amor a sua esposa e ao seu Filho adotivo. 

São José é chamado de “o Príncipe de Nazaré”. Mas é também o príncipe da Igreja. Pois é padroeiro universal da Igreja Católica, presente no mundo inteiro. Por que razão São José se tornou um santo querido e com muita veneração popular? Porque ele foi escolhido pelo Pai Eterno para ser o guarda fiel e providente dos seus maiores tesouros: O Filho de Deus e a Virgem Maria. Esta missão ele a cumpriu com muita dedicação e fidelidade.
A primeira lição é a proximidade com menino Jesus. José carregou Jesus, Filho de Deus, nos braços! Esta proximidade e intimidade com Jesus, do qual é Pai adotivo, o transformou num grande santo. Podemos dizer que a santidade de Jesus é transferida para José. A segunda lição que podemos aprender com São José é do silêncio. José é chamado o santo do silêncio. O Evangelho não registra nenhuma palavra dita por ele. Construiu sua santidade na simplicidade, na humildade e no silêncio de Nazaré. Precisamos, hoje, cultivar a estima pelo silêncio, essa admirável e indispensável condição do espírito. Somos hoje assediados por tantos clamores, ruídos e gritos da vida moderna barulhenta e estressante.

O silêncio de Nazaré ensina-nos o sentido do recolhimento, da interioridade e da disposição para escutar a Deus e aos irmãos. Assim como nos capacitamos para falar bem, devemos, também, nos capacitar para escutar bem as pessoas. É o que nós chamamos de escuta empática: sentir o que o outro sente. São José, o homem do silêncio! Aquele que mal é tocado pela palavra. O Evangelho só nos diz isto dele: era um homem justo. Sempre sóbrio em palavras, o Evangelho é ainda mais sóbrio do que de costume ao falar de São José. Dir-se-ia que este homem, envolto em silêncio, inspira silêncio. O silêncio de São José produz silêncio ao redor de São José.

A terceira lição é a vida familiar. Notamos em José uma presença atenta, carinhosa e permanente junto de Maria e do Menino Jesus. Era sua missão: proteger e guardar com fidelidade a Sagrada Família. Foi admirável a coragem de José em deixar tudo e seguir para o Egito a fim de proteger o Menino Jesus.

São José é o protetor da Igreja, que peregrina em todo o orbe. Devemos ter uma profunda devoção por ele, afinal, protegeu Maria e Jesus e é modelo de todas as virtudes. Se confiamos aos seus cuidados à unidade da Igreja, as ordens e os movimentos religiosos, as famílias, ele as guardará; e ainda muitos outros como os jovens e as crianças para que não sejam arrastados pela maldade do mundo, mas caminhem segundo os planos de Deus.

Na história da salvação coube a São José dar a Jesus um nome, fazendo-O descendente da linhagem de Davi, como era necessário para cumprir as promessas divinas. A José coube a honra e a glória de dar o nome a Jesus na Sua circuncisão. O Anjo disse-lhe: “Ela dará à luz um filho e tu o chamarás com o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos seus pecados” (cf. Mt 1,21).

São José educou o Menino Deus junto com a Virgem Maria na vivência dos valores da Lei de Deus. Quanto ao matrimônio devemos ver na obediência de São José ao projeto do Pai a obediência e a fidelidade matrimonial. Numa sociedade líquida em que as relações das pessoas querem acabar com a indissolubilidade matrimonial é importante reafirmar que a família é somente aquela sacramental, constituída pelo marido e pela mulher, para toda a vida, portanto, indissolúvel o Sacramento Matrimonial.

São José, tal como a Virgem Maria, com o seu “sim” a Deus, no meio da noite, preparou a chegada do Salvador. Deus Pai contou com ele e não foi decepcionado. Que o Altíssimo possa contar também conosco! Cada um de nós também tem uma missão a cumprir no plano divino. E o mais importante é dizer “sim” a Deus como São José. “Despertando, José fez como o anjo do Senhor lhe havia mandado” (cf. Mt 1,24).

Quanto à morte de São José, não se sabe quando. A identidade de José foi o trabalho. Por isso, é patrono dos artesãos e daqueles que ganham o pão com o suor do rosto. Este apelido de José nos lembra de que o trabalho é parte da identidade humana. Somos conhecidos pelo que fazemos.

O trabalho dignifica o homem e aperfeiçoa a obra criadora de Deus. O amor ao trabalho ajuda moldar o caráter das pessoas. Por isso, precisamos imprimir nas pessoas a cultura do trabalho! Deus criou o homem à sua imagem e semelhança e o colocou no mundo para ser o senhor da criação e administrá-la com seu trabalho. Neste sentido, o trabalho é instrumento de santificação do homem, transformação do mundo e glorificação de Deus. Lembrai-vos de nós, São José, intercedei com orações junto de vosso filho adotivo, para que não faltem postos de trabalho e vida para todos!

Celebrar a festa de São José é celebrar a santidade, a espiritualidade, o silêncio profundo e fértil. O pai adotivo de Jesus entrou mudo e saiu calado, mas nos deixou o Salvador pronto para começar a Sua missão. É como alguém destacou: “O servo que faz muito sem dizer nada; o especial agente secreto de Deus”.

São José, intercedei pelos nossos pais, pelas nossas famílias e pela santificação do nosso trabalho, Amém!

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

São José

15/03/2020 00:00

No dia 19 de março, celebramos a Solenidade de São José, esposo de Maria e patrono da Igreja universal. Ele merece todo o nosso reconhecimento e a nossa devoção, pois ele soube proteger a Virgem Santa e o Filho Jesus. O ser guardião é a característica de José: é a sua grande missão ser guardião. É nisso que ele expressa o seu amor a sua esposa e ao seu Filho adotivo. 

São José é chamado de “o Príncipe de Nazaré”. Mas é também o príncipe da Igreja. Pois é padroeiro universal da Igreja Católica, presente no mundo inteiro. Por que razão São José se tornou um santo querido e com muita veneração popular? Porque ele foi escolhido pelo Pai Eterno para ser o guarda fiel e providente dos seus maiores tesouros: O Filho de Deus e a Virgem Maria. Esta missão ele a cumpriu com muita dedicação e fidelidade.
A primeira lição é a proximidade com menino Jesus. José carregou Jesus, Filho de Deus, nos braços! Esta proximidade e intimidade com Jesus, do qual é Pai adotivo, o transformou num grande santo. Podemos dizer que a santidade de Jesus é transferida para José. A segunda lição que podemos aprender com São José é do silêncio. José é chamado o santo do silêncio. O Evangelho não registra nenhuma palavra dita por ele. Construiu sua santidade na simplicidade, na humildade e no silêncio de Nazaré. Precisamos, hoje, cultivar a estima pelo silêncio, essa admirável e indispensável condição do espírito. Somos hoje assediados por tantos clamores, ruídos e gritos da vida moderna barulhenta e estressante.

O silêncio de Nazaré ensina-nos o sentido do recolhimento, da interioridade e da disposição para escutar a Deus e aos irmãos. Assim como nos capacitamos para falar bem, devemos, também, nos capacitar para escutar bem as pessoas. É o que nós chamamos de escuta empática: sentir o que o outro sente. São José, o homem do silêncio! Aquele que mal é tocado pela palavra. O Evangelho só nos diz isto dele: era um homem justo. Sempre sóbrio em palavras, o Evangelho é ainda mais sóbrio do que de costume ao falar de São José. Dir-se-ia que este homem, envolto em silêncio, inspira silêncio. O silêncio de São José produz silêncio ao redor de São José.

A terceira lição é a vida familiar. Notamos em José uma presença atenta, carinhosa e permanente junto de Maria e do Menino Jesus. Era sua missão: proteger e guardar com fidelidade a Sagrada Família. Foi admirável a coragem de José em deixar tudo e seguir para o Egito a fim de proteger o Menino Jesus.

São José é o protetor da Igreja, que peregrina em todo o orbe. Devemos ter uma profunda devoção por ele, afinal, protegeu Maria e Jesus e é modelo de todas as virtudes. Se confiamos aos seus cuidados à unidade da Igreja, as ordens e os movimentos religiosos, as famílias, ele as guardará; e ainda muitos outros como os jovens e as crianças para que não sejam arrastados pela maldade do mundo, mas caminhem segundo os planos de Deus.

Na história da salvação coube a São José dar a Jesus um nome, fazendo-O descendente da linhagem de Davi, como era necessário para cumprir as promessas divinas. A José coube a honra e a glória de dar o nome a Jesus na Sua circuncisão. O Anjo disse-lhe: “Ela dará à luz um filho e tu o chamarás com o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos seus pecados” (cf. Mt 1,21).

São José educou o Menino Deus junto com a Virgem Maria na vivência dos valores da Lei de Deus. Quanto ao matrimônio devemos ver na obediência de São José ao projeto do Pai a obediência e a fidelidade matrimonial. Numa sociedade líquida em que as relações das pessoas querem acabar com a indissolubilidade matrimonial é importante reafirmar que a família é somente aquela sacramental, constituída pelo marido e pela mulher, para toda a vida, portanto, indissolúvel o Sacramento Matrimonial.

São José, tal como a Virgem Maria, com o seu “sim” a Deus, no meio da noite, preparou a chegada do Salvador. Deus Pai contou com ele e não foi decepcionado. Que o Altíssimo possa contar também conosco! Cada um de nós também tem uma missão a cumprir no plano divino. E o mais importante é dizer “sim” a Deus como São José. “Despertando, José fez como o anjo do Senhor lhe havia mandado” (cf. Mt 1,24).

Quanto à morte de São José, não se sabe quando. A identidade de José foi o trabalho. Por isso, é patrono dos artesãos e daqueles que ganham o pão com o suor do rosto. Este apelido de José nos lembra de que o trabalho é parte da identidade humana. Somos conhecidos pelo que fazemos.

O trabalho dignifica o homem e aperfeiçoa a obra criadora de Deus. O amor ao trabalho ajuda moldar o caráter das pessoas. Por isso, precisamos imprimir nas pessoas a cultura do trabalho! Deus criou o homem à sua imagem e semelhança e o colocou no mundo para ser o senhor da criação e administrá-la com seu trabalho. Neste sentido, o trabalho é instrumento de santificação do homem, transformação do mundo e glorificação de Deus. Lembrai-vos de nós, São José, intercedei com orações junto de vosso filho adotivo, para que não faltem postos de trabalho e vida para todos!

Celebrar a festa de São José é celebrar a santidade, a espiritualidade, o silêncio profundo e fértil. O pai adotivo de Jesus entrou mudo e saiu calado, mas nos deixou o Salvador pronto para começar a Sua missão. É como alguém destacou: “O servo que faz muito sem dizer nada; o especial agente secreto de Deus”.

São José, intercedei pelos nossos pais, pelas nossas famílias e pela santificação do nosso trabalho, Amém!

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ
 
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro