Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/01/2020

23 de Janeiro de 2020

Novo Ano, Maria Mãe e Paz ao mundo

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Janeiro de 2020

Novo Ano, Maria Mãe e Paz ao mundo

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

31/12/2019 00:00

Novo Ano, Maria Mãe e Paz ao mundo 0

31/12/2019 00:00

É tempo de recomeço! Um ano novo se inicia! Chegamos a 2020. Damos graças pelos dons recebidos, e pedimos as graças necessárias neste ano que se inicia. Nasce um novo ano cronológico, marcado pela sucessão do tempo: desde os segundos até os meses que o formam. No Ano Novo vem um tempo diferenciado, que nos convida a fazer de cada minuto o tempo oportuno da graça de Deus, o Kairós. O tempo é o dom básico para a nossa santificação; é nele que nós nos perdemos ou nos salvamos. Seja 2020 um ano de muita fé e paz, apesar das tantas dificuldades que nos cercam, mas com Deus as venceremos! O Novo Ano será bom se procurarmos corresponder ao Plano de Deus a cada dia. Em meio ao caos do mundo de hoje, os cristãos são chamados a serem sinais de esperança, pois estamos alicerçados na fé em Cristo que morreu e ressuscitou, e está vivo entre nós.

Neste primeiro dia do ano civil, temos três motivos de celebração: a celebração de Santa Maria Mãe de Deus encerrando a oitava de Natal, o Dia Mundial da Paz e o Dia da Fraternidade Universal. No passado também se celebrava a circuncisão do Senhor e o Santíssimo Nome de Jesus.

A Igreja celebra a Solenidade da Virgem Maria, Mãe de Deus, título mariano de grande importância para nós cristãos. Nós nos colocaremos na escola de Maria, a discípula perfeita, a primeira missionária do Pai. Nesta solenidade, vemos o sentido do “sim” de Maria, a abertura para Deus que a coloca numa disponibilidade ao horizonte da fé voltado para a ação da Graça em sua vida.

Neste dia a Igreja volta-se para a Virgem que gerou em seu seio e deu à luz o verdadeiro Deus feito homem. Chegou a plenitude dos tempos, e Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, aquela mesma que os pastores encontraram velando o recém-nascido deitado na manjedoura. Somos gratos a Virgem Santa e, contemplando o seu Filho, reconhecemos n’Ele o Deus perfeito, e a proclamamos verdadeiramente Mãe de Deus: Salve, ó Santa Mãe de Deus! Vós destes à luz o Rei que governa o céu e a Terra pelos séculos eternos! – assim canta a Igreja hoje, saudando a Toda Santa Virgem Maria.

Há um segundo aspecto deste dia de hoje. O primeiro dia do ano é também chamado de Dia da Confraternização Universal, início do ano civil. A pedido do Papa Paulo VI, a ONU transformou esta data em dia festivo para todas as nações. É dia da paz, dia da confraternização entre os povos, nações, culturas. Ora, nós cristãos sabemos que a paz não é uma ideia, um sonho, um desejo; a paz é uma pessoa. São Leão Magno dizia, no século V: O Natal do Senhor é o Natal da Paz. Cristo é a nossa paz”! Não foi a respeito d’Ele que o profeta afirmou: “Ele será chamado Admirável, Deus, Príncipe da Paz, Pai do mundo novo”? (Is 9,2-6) Não foi Ele mesmo quem disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos sou; não vo-la dou como o mundo a dá”? (Jo 14,27). Que tenhamos cada vez mais sólida esta convicção: a paz que almejamos, a paz tão sonhada, a paz para o mundo e para a nossa vida somente no Cristo poderá ser encontrada de modo definitivo e pleno! N’Ele, nem as tristezas, nem as desilusões, nem as angústias, nem as provações poderão nos fazer perder a paz! Cristo, nossa Paz!

Hoje, também celebramos o Dia Mundial da Paz. Ao iniciar mais um novo ano, renovamos nosso compromisso com a busca e manutenção da paz entre todos os homens, pedindo que o Senhor faça de nós instrumentos de sua paz. O Dia Mundial da Paz deste ano tem como tema: “A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”. Na mensagem que o Papa envia todos os anos por esta ocasião, o Papa Francisco assim nos diz: O mundo não precisa de palavras vazias, mas de testemunhas convictas, artesãos da paz abertos ao diálogo sem exclusões nem manipulações. De fato, só se pode chegar verdadeiramente à paz quando houver um convicto diálogo de homens e mulheres que buscam a verdade mais além das ideologias e das diferentes opiniões. A paz é uma construção que «deve estar constantemente a ser edificada, um caminho que percorremos juntos, procurando sempre o bem comum e comprometendo-nos a manter a palavra dada e a respeitar o direito. Na escuta mútua, podem crescer também o conhecimento e a estima do outro, até ao ponto de reconhecer no inimigo o rosto de um irmão.

Nesta mensagem, o Papa Francisco apresenta alguns tópicos específicos para nos ajudar na compreensão do tema: A paz, caminho de esperança face aos obstáculos e provações; A paz, caminho de escuta baseado na memória, solidariedade e fraternidade; A paz, caminho de reconciliação na comunhão fraterna; A paz, caminho de conversão ecológica; e A paz obtém-se tanto quanto se espera.

A paz terrestre é imagem e fruto da paz de Cristo, o Príncipe da paz messiânica (Is 9,5). Pelo sangue de sua cruz, Ele "matou a inimizade na própria carne, reconciliou os homens com Deus e fez de sua Igreja o sacramento da unidade do gênero humano de sua união com Deus. Ele é a nossa paz (Ef 2,14). Bem-aventurados os que promovem a paz (Mt 5,9).

Diante desse mundo dilacerado por discórdias de toda ordem, a Igreja propõe a Boa Nova de Cristo, sempre antiga e sempre nova, por isso nunca velha, que leva a paz interior a transbordar para o exterior e ser capaz de produzir uma nova convivência entre todas as pessoas de diferentes classes sociais, religiões e culturas. O Evangelho propõe aquilo que deve ser o norte de cada ser humano, especialmente dos cristãos, chamados, em primeiro lugar, a dar o exemplo de pessoas pacíficas e pacificadoras, como se espera dos seguidores de Nosso Senhor.

O convite do Papa é eloquente e deve calar profundamente na população da cidade e do Estado do Rio de Janeiro para construirmos e vivermos a tão sonhada paz urbana. Contemplando o Cristo Redentor, que de braços abertos acolhe a todos, vamos construir a paz, fruto da nossa ação de não violência diária, numa cultura de diálogo e de tolerância. A paz vem do alto e brota no coração da pessoa. Quem a acolhe semeará a mesma ao redor. Ao contemplarmos tão bela cidade, deixemo-nos conduzir pela Graça e que contagie nosso coração para a bondade de fazer o bem aos outros. Ao mudarmos o calendário, a agenda ou dígito do ano, se não mudarmos o coração para viver a não violência, por mais que desejemos um “feliz ano novo” em grandes festas, essa novidade feliz nunca chegará. Ao nos cumprimentarmos, estamos justamente desejando que sejamos construtores da paz porque a experimentamos no amor de Deus, presente em Cristo entre nós.

Paz a todos os homens e mulheres de boa vontade! Iniciemos este novo ano iluminados pelo Senhor e abertos para contagiarmos, com a paz e a esperança, este novo tempo cronológico que está à nossa frente.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Novo Ano, Maria Mãe e Paz ao mundo

31/12/2019 00:00

É tempo de recomeço! Um ano novo se inicia! Chegamos a 2020. Damos graças pelos dons recebidos, e pedimos as graças necessárias neste ano que se inicia. Nasce um novo ano cronológico, marcado pela sucessão do tempo: desde os segundos até os meses que o formam. No Ano Novo vem um tempo diferenciado, que nos convida a fazer de cada minuto o tempo oportuno da graça de Deus, o Kairós. O tempo é o dom básico para a nossa santificação; é nele que nós nos perdemos ou nos salvamos. Seja 2020 um ano de muita fé e paz, apesar das tantas dificuldades que nos cercam, mas com Deus as venceremos! O Novo Ano será bom se procurarmos corresponder ao Plano de Deus a cada dia. Em meio ao caos do mundo de hoje, os cristãos são chamados a serem sinais de esperança, pois estamos alicerçados na fé em Cristo que morreu e ressuscitou, e está vivo entre nós.

Neste primeiro dia do ano civil, temos três motivos de celebração: a celebração de Santa Maria Mãe de Deus encerrando a oitava de Natal, o Dia Mundial da Paz e o Dia da Fraternidade Universal. No passado também se celebrava a circuncisão do Senhor e o Santíssimo Nome de Jesus.

A Igreja celebra a Solenidade da Virgem Maria, Mãe de Deus, título mariano de grande importância para nós cristãos. Nós nos colocaremos na escola de Maria, a discípula perfeita, a primeira missionária do Pai. Nesta solenidade, vemos o sentido do “sim” de Maria, a abertura para Deus que a coloca numa disponibilidade ao horizonte da fé voltado para a ação da Graça em sua vida.

Neste dia a Igreja volta-se para a Virgem que gerou em seu seio e deu à luz o verdadeiro Deus feito homem. Chegou a plenitude dos tempos, e Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, aquela mesma que os pastores encontraram velando o recém-nascido deitado na manjedoura. Somos gratos a Virgem Santa e, contemplando o seu Filho, reconhecemos n’Ele o Deus perfeito, e a proclamamos verdadeiramente Mãe de Deus: Salve, ó Santa Mãe de Deus! Vós destes à luz o Rei que governa o céu e a Terra pelos séculos eternos! – assim canta a Igreja hoje, saudando a Toda Santa Virgem Maria.

Há um segundo aspecto deste dia de hoje. O primeiro dia do ano é também chamado de Dia da Confraternização Universal, início do ano civil. A pedido do Papa Paulo VI, a ONU transformou esta data em dia festivo para todas as nações. É dia da paz, dia da confraternização entre os povos, nações, culturas. Ora, nós cristãos sabemos que a paz não é uma ideia, um sonho, um desejo; a paz é uma pessoa. São Leão Magno dizia, no século V: O Natal do Senhor é o Natal da Paz. Cristo é a nossa paz”! Não foi a respeito d’Ele que o profeta afirmou: “Ele será chamado Admirável, Deus, Príncipe da Paz, Pai do mundo novo”? (Is 9,2-6) Não foi Ele mesmo quem disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos sou; não vo-la dou como o mundo a dá”? (Jo 14,27). Que tenhamos cada vez mais sólida esta convicção: a paz que almejamos, a paz tão sonhada, a paz para o mundo e para a nossa vida somente no Cristo poderá ser encontrada de modo definitivo e pleno! N’Ele, nem as tristezas, nem as desilusões, nem as angústias, nem as provações poderão nos fazer perder a paz! Cristo, nossa Paz!

Hoje, também celebramos o Dia Mundial da Paz. Ao iniciar mais um novo ano, renovamos nosso compromisso com a busca e manutenção da paz entre todos os homens, pedindo que o Senhor faça de nós instrumentos de sua paz. O Dia Mundial da Paz deste ano tem como tema: “A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”. Na mensagem que o Papa envia todos os anos por esta ocasião, o Papa Francisco assim nos diz: O mundo não precisa de palavras vazias, mas de testemunhas convictas, artesãos da paz abertos ao diálogo sem exclusões nem manipulações. De fato, só se pode chegar verdadeiramente à paz quando houver um convicto diálogo de homens e mulheres que buscam a verdade mais além das ideologias e das diferentes opiniões. A paz é uma construção que «deve estar constantemente a ser edificada, um caminho que percorremos juntos, procurando sempre o bem comum e comprometendo-nos a manter a palavra dada e a respeitar o direito. Na escuta mútua, podem crescer também o conhecimento e a estima do outro, até ao ponto de reconhecer no inimigo o rosto de um irmão.

Nesta mensagem, o Papa Francisco apresenta alguns tópicos específicos para nos ajudar na compreensão do tema: A paz, caminho de esperança face aos obstáculos e provações; A paz, caminho de escuta baseado na memória, solidariedade e fraternidade; A paz, caminho de reconciliação na comunhão fraterna; A paz, caminho de conversão ecológica; e A paz obtém-se tanto quanto se espera.

A paz terrestre é imagem e fruto da paz de Cristo, o Príncipe da paz messiânica (Is 9,5). Pelo sangue de sua cruz, Ele "matou a inimizade na própria carne, reconciliou os homens com Deus e fez de sua Igreja o sacramento da unidade do gênero humano de sua união com Deus. Ele é a nossa paz (Ef 2,14). Bem-aventurados os que promovem a paz (Mt 5,9).

Diante desse mundo dilacerado por discórdias de toda ordem, a Igreja propõe a Boa Nova de Cristo, sempre antiga e sempre nova, por isso nunca velha, que leva a paz interior a transbordar para o exterior e ser capaz de produzir uma nova convivência entre todas as pessoas de diferentes classes sociais, religiões e culturas. O Evangelho propõe aquilo que deve ser o norte de cada ser humano, especialmente dos cristãos, chamados, em primeiro lugar, a dar o exemplo de pessoas pacíficas e pacificadoras, como se espera dos seguidores de Nosso Senhor.

O convite do Papa é eloquente e deve calar profundamente na população da cidade e do Estado do Rio de Janeiro para construirmos e vivermos a tão sonhada paz urbana. Contemplando o Cristo Redentor, que de braços abertos acolhe a todos, vamos construir a paz, fruto da nossa ação de não violência diária, numa cultura de diálogo e de tolerância. A paz vem do alto e brota no coração da pessoa. Quem a acolhe semeará a mesma ao redor. Ao contemplarmos tão bela cidade, deixemo-nos conduzir pela Graça e que contagie nosso coração para a bondade de fazer o bem aos outros. Ao mudarmos o calendário, a agenda ou dígito do ano, se não mudarmos o coração para viver a não violência, por mais que desejemos um “feliz ano novo” em grandes festas, essa novidade feliz nunca chegará. Ao nos cumprimentarmos, estamos justamente desejando que sejamos construtores da paz porque a experimentamos no amor de Deus, presente em Cristo entre nós.

Paz a todos os homens e mulheres de boa vontade! Iniciemos este novo ano iluminados pelo Senhor e abertos para contagiarmos, com a paz e a esperança, este novo tempo cronológico que está à nossa frente.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro


Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro