Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 04/04/2020

04 de Abril de 2020

O Senhor vem: estejamos preparados

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

04 de Abril de 2020

O Senhor vem: estejamos preparados

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

13/12/2019 13:23

O Senhor vem: estejamos preparados 0

13/12/2019 13:23

Neste tempo do Advento é muito importante que nos preparemos para o encontro com o Senhor que “vem”. Ele já veio e Ele virá, mas é importante que nós o reencontremos no hoje de nossas vidas. Uma atitude neste tempo é a celebração penitencial ou confissão. Para isso as Paróquias se preparam e convidam os padres da região para terem oportunidade confessores extraordinários para atenderem a todo o povo.

Antes de nos confessarmos, é necessária uma preparação prévia para examinarmos a nossa consciência e refletir nas nossas práticas diárias, aquilo que de certa maneira fizemos que possa ter ofendido a Deus e ao próximo. Isso se chama “exame de consciência” e depois de fazê-lo podemos ir colocando num papel os pecados para na hora da confissão não ocorrer de esquecermos algum.

A confissão é a oportunidade de pedir perdão a Deus e de receber a sua misericórdia. Antes de se confessar, reserve uns momentos de silêncio para refletir no que você fez de errado, no que possa ter prejudicado outras pessoas e no que você pode fazer para se tornar um cristão melhor. Uma confissão sincera permite a renovação da alma e a sua abertura à graça de Deus.

Uma das maneiras de fazermos um bom exame de consciência é meditar sobre os dez mandamentos da Lei de Deus. Os três primeiros mandamentos remetem na nossa relação com Deus. Em que não fui fiel na minha relação com Deus? E do quarto ao décimo mandamento, se remete na relação com o próximo. Em que ofendi o meu próximo, aqueles que convivem comigo? Podemos trilhar este caminho, na própria Igreja antes da confissão, se possível diante do sacrário. Alguns Salmos da Bíblia de cunho penitencial também podem nos ajudar a refletir em nossos pecados, por exemplo, o Salmo 50 e, juntamente com os dez mandamentos, vamos refletir em nossos pecados, e, com o coração contrito chegarmos diante do sacerdote, que naquele momento representa o próprio Cristo, e nos confessarmos.

Ao fazermos o exame de consciência, é necessário pedir a “Luz do Espírito Santo”, para que venha a nossa mente tudo aquilo que fizemos de errado e que precisamos confessar diante do sacerdote. O Espírito Santo que nos acompanha desde o nosso Batismo e está presente na Igreja, iluminará a nossa consciência e é ele próprio que por meio do sacerdote vai nos dar a absolvição dos pecados.

A confissão, sobretudo, nos ajudará a voltar ao estado de “Graça” que recebemos no Batismo e foi perdida pelo pecado. Por isso, a necessidade de levarmos a sério o sacramento da confissão, preparando-nos previamente por meio de um exame de consciência. Não devemos achar que não temos pecado ou que a confissão está ultrapassada, que só se confessa com “Deus”. É necessário nos confessarmos, de maneira auricular, diante do Sacerdote para recebermos de volta a graça perdida com o pecado.

Ao final da confissão, o Padre vai nos dar uma penitência, que devemos cumprir, pois ela vai concluir, vai ser o gesto concreto daquele exame de consciência que preparamos.

No exame de consciência podemos perguntar também, quando foi nossa última confissão, se eu cumpri os propósitos na minha vida a partir daquela última confissão. Se aquela confissão foi verdadeira, ou seja, se naquela última confissão eu estava realmente arrependido dos meus pecados e não omiti nenhum.

E, além dos pecados referentes aos dez mandamentos da Lei de Deus, temos também os “pecados capitais”, que são sete: preguiça, orgulho, inveja, ira, impureza, avareza e soberba. No nosso exame de consciência, com o auxílio do Espírito Santo, podemos examinar em qual desses caímos.

O exame de consciência também pode ser feito no nosso dia a dia, não só antes de nos confessarmos. Pode ser feito à noite, antes de dormir (isso já nos sugere a oração da noite, as completas), refletindo as nossas ações do dia a dia, e pedindo o perdão a Deus se ofendemos alguém naquele dia. Durante o ato penitencial, na celebração eucarística, nós somos chamados a examinarmos nossas consciências e pedir o perdão a Deus pelos nossos pecados. Isso pode até facilitar na hora em que formos nos confessar, pois fazendo sempre o exame de consciência, fica mais fácil lembrar dos nossos pecados no dia da confissão.

O exame de consciência só pode ser feito com um coração contrito, ou seja, é necessário querer converter o nosso coração ferido pelo pecado, para que ele possa ser transformado pela graça de Deus. E Deus é um “Pai” amoroso que está sempre pronto a nos perdoar.

Portanto, façamos sempre o exame de consciência para meditar nas nossas ações diárias. E sempre que tiver algo que necessite confissão, escreva num papel e procure o sacramento da confissão, para poder estar em plena comunhão com Deus e com os irmãos. Não deixemos para nos confessar apenas nas datas fortes, como o Natal e a Páscoa, mas sempre que tivermos um pecado grave e acharmos por bem confessar.

Que o Bom Deus nos ajude a iluminar nossas consciências, para fazermos um bom exame de consciência, e sempre estar em comunhão com Deus.
“Por isso, como diz o Espírito Santo: “Se escutardes hoje minha voz, não endureceis o coração... Atenção, irmãos! Que nenhum de vós tenhais um coração mau e incrédulo...” (cf. Hb 3).

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

O Senhor vem: estejamos preparados

13/12/2019 13:23

Neste tempo do Advento é muito importante que nos preparemos para o encontro com o Senhor que “vem”. Ele já veio e Ele virá, mas é importante que nós o reencontremos no hoje de nossas vidas. Uma atitude neste tempo é a celebração penitencial ou confissão. Para isso as Paróquias se preparam e convidam os padres da região para terem oportunidade confessores extraordinários para atenderem a todo o povo.

Antes de nos confessarmos, é necessária uma preparação prévia para examinarmos a nossa consciência e refletir nas nossas práticas diárias, aquilo que de certa maneira fizemos que possa ter ofendido a Deus e ao próximo. Isso se chama “exame de consciência” e depois de fazê-lo podemos ir colocando num papel os pecados para na hora da confissão não ocorrer de esquecermos algum.

A confissão é a oportunidade de pedir perdão a Deus e de receber a sua misericórdia. Antes de se confessar, reserve uns momentos de silêncio para refletir no que você fez de errado, no que possa ter prejudicado outras pessoas e no que você pode fazer para se tornar um cristão melhor. Uma confissão sincera permite a renovação da alma e a sua abertura à graça de Deus.

Uma das maneiras de fazermos um bom exame de consciência é meditar sobre os dez mandamentos da Lei de Deus. Os três primeiros mandamentos remetem na nossa relação com Deus. Em que não fui fiel na minha relação com Deus? E do quarto ao décimo mandamento, se remete na relação com o próximo. Em que ofendi o meu próximo, aqueles que convivem comigo? Podemos trilhar este caminho, na própria Igreja antes da confissão, se possível diante do sacrário. Alguns Salmos da Bíblia de cunho penitencial também podem nos ajudar a refletir em nossos pecados, por exemplo, o Salmo 50 e, juntamente com os dez mandamentos, vamos refletir em nossos pecados, e, com o coração contrito chegarmos diante do sacerdote, que naquele momento representa o próprio Cristo, e nos confessarmos.

Ao fazermos o exame de consciência, é necessário pedir a “Luz do Espírito Santo”, para que venha a nossa mente tudo aquilo que fizemos de errado e que precisamos confessar diante do sacerdote. O Espírito Santo que nos acompanha desde o nosso Batismo e está presente na Igreja, iluminará a nossa consciência e é ele próprio que por meio do sacerdote vai nos dar a absolvição dos pecados.

A confissão, sobretudo, nos ajudará a voltar ao estado de “Graça” que recebemos no Batismo e foi perdida pelo pecado. Por isso, a necessidade de levarmos a sério o sacramento da confissão, preparando-nos previamente por meio de um exame de consciência. Não devemos achar que não temos pecado ou que a confissão está ultrapassada, que só se confessa com “Deus”. É necessário nos confessarmos, de maneira auricular, diante do Sacerdote para recebermos de volta a graça perdida com o pecado.

Ao final da confissão, o Padre vai nos dar uma penitência, que devemos cumprir, pois ela vai concluir, vai ser o gesto concreto daquele exame de consciência que preparamos.

No exame de consciência podemos perguntar também, quando foi nossa última confissão, se eu cumpri os propósitos na minha vida a partir daquela última confissão. Se aquela confissão foi verdadeira, ou seja, se naquela última confissão eu estava realmente arrependido dos meus pecados e não omiti nenhum.

E, além dos pecados referentes aos dez mandamentos da Lei de Deus, temos também os “pecados capitais”, que são sete: preguiça, orgulho, inveja, ira, impureza, avareza e soberba. No nosso exame de consciência, com o auxílio do Espírito Santo, podemos examinar em qual desses caímos.

O exame de consciência também pode ser feito no nosso dia a dia, não só antes de nos confessarmos. Pode ser feito à noite, antes de dormir (isso já nos sugere a oração da noite, as completas), refletindo as nossas ações do dia a dia, e pedindo o perdão a Deus se ofendemos alguém naquele dia. Durante o ato penitencial, na celebração eucarística, nós somos chamados a examinarmos nossas consciências e pedir o perdão a Deus pelos nossos pecados. Isso pode até facilitar na hora em que formos nos confessar, pois fazendo sempre o exame de consciência, fica mais fácil lembrar dos nossos pecados no dia da confissão.

O exame de consciência só pode ser feito com um coração contrito, ou seja, é necessário querer converter o nosso coração ferido pelo pecado, para que ele possa ser transformado pela graça de Deus. E Deus é um “Pai” amoroso que está sempre pronto a nos perdoar.

Portanto, façamos sempre o exame de consciência para meditar nas nossas ações diárias. E sempre que tiver algo que necessite confissão, escreva num papel e procure o sacramento da confissão, para poder estar em plena comunhão com Deus e com os irmãos. Não deixemos para nos confessar apenas nas datas fortes, como o Natal e a Páscoa, mas sempre que tivermos um pecado grave e acharmos por bem confessar.

Que o Bom Deus nos ajude a iluminar nossas consciências, para fazermos um bom exame de consciência, e sempre estar em comunhão com Deus.
“Por isso, como diz o Espírito Santo: “Se escutardes hoje minha voz, não endureceis o coração... Atenção, irmãos! Que nenhum de vós tenhais um coração mau e incrédulo...” (cf. Hb 3).

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ


Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro