Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 13/11/2019

13 de Novembro de 2019

Início do centenário de Dom Eugenio

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

13 de Novembro de 2019

Início do centenário de Dom Eugenio

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/11/2019 00:00

Início do centenário de Dom Eugenio 0

08/11/2019 00:00

Foram abertas, no dia 8 de novembro, as comemorações do centenário de nascimento de Sua Eminência, o Senhor Cardeal Eugenio de Araujo Sales, com celebração eucarística na cripta de nossa Catedral, seguida de exposição de fotografias. Filho do desembargador Celso Dantas Sales e de Dona Josefa de Araújo Sales (Teca), nasceu no dia 8 de novembro de 1920 na Fazenda Catuana e foi batizado na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Guia, no município de Acari (RN), em 28 de novembro de 1920. De família muito católica, era bisneto de Cândida Mercês da Conceição, uma das fundadoras do Apostolado da Oração na cidade de Acari.

Dom Eugenio realizou seus primeiros estudos em Natal, inicialmente em uma escolar particular, depois no Colégio Marista e finalmente ingressou, em 1931, no Seminário Menor. Realizou seus estudos de filosofia e teologia no Seminário da Prainha, em Fortaleza (CE), no período de 1931 a 1943.
Depois dos estudos seminarísticos, foi ordenado sacerdote pela imposição das mãos de Dom Marcolino Esmeraldo de Sousa Dantas, bispo diocesano de Natal, no dia 21 de novembro de 1943, na mesma igreja onde recebera o Batismo. Viveu 58 anos de episcopado, 30 deles à frente da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, e faleceu no dia 9 de julho de 2012 aos 91 anos de vida. A sua sepultura está na cripta da Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro. O lema episcopal de Dom Eugenio era: “Impendam et Superimpendar” (cf. 2 Cor. 12, 15). O lema tem como divisa de ministério episcopal o que diz a Palavra de Deus: “Quanto a mim, de bom grado despenderei, e me despenderei todo inteiro, em vosso favor”.

Ao celebrar solenemente seus 90 anos tive a grata alegria de entregar para o Cardeal Eugenio Sales a carta que o Papa Bento XVI o enviava, em que destacava: “Fiel ao seu lema: ‘Impendam et superipemdar’, soube gastar-se inteiramente por aqueles que Deus lhe havia confiado, num fecundo ministério vivido em profunda comunhão com o Sucessor de Pedro, sendo até hoje um referencial para toda a Igreja no Brasil, principalmente para as novas gerações de ministros ordenados”, expressou o Pontífice. O Papa enviou ao purpurado a sua estima e afeto, esperando que sejam sentimentos que infundam alegria e serenidade em seu ser. “Neste sentido invoco sobre a sua pessoa as mais seletas graças e consolações divinas, para continuar a fazer a vida motivo e meio de glorificar a Deus na sua condição de emérito Pastor da Igreja”, declarou o Santo Padre.

Tomando conhecimento do falecimento do Cardeal Sales, o Papa Bento XVI enviou um telegrama que ressaltamos: “Quero manifestar meus pêsames aos bispos, seus auxiliares, ao clero, às comunidades religiosas e aos fiéis da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, que tiveram por três décadas um intrépido pastor”... “Foi um autêntico testemunho do Evangelho em meio a seu povo. Dou graças ao Senhor por ter dado à Igreja pastor tão generoso”... Em 70 anos de sacerdócio e 58 anos no episcopado, sempre quis indicar o caminho da verdade na caridade e servir à comunidade, prestando particular atenção aos mais desfavorecidos, fiel a seu lema episcopal: ‘Impendam et superimpendar’”.

O Cardeal Eugenio Sales em seu testamento deixou escrito que a fidelidade ao Santo Padre deve nos acompanhar até depois da morte: “Quero morrer em comunhão com o Santo Padre”. Realmente esta comunhão, este espírito eclesial profundo, que o acompanhou durante a sua vida, foi reafirmado quando o Papa Paulo VI, em 1969, elevou o arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil, Dom Eugenio Sales, para o Sacro Colégio Cardinalício.

Mas devemos, também, ressaltar o trabalho social de Dom Eugenio: a Campanha da Fraternidade, como nós a conhecemos hoje, por ocasião da Quaresma de cada ano, foi uma exitosa iniciativa de Dom Eugenio Sales, quando ele era administrador apostólico da Arquidiocese de Natal. A CNBB buscou a inspiração de Dom Eugenio e instituiu a Campanha da Fraternidade: “Foi na cidade de Nísia Floresta que surgiu o embrião da Campanha da Fraternidade. Caminhadas a pé, de casa em casa, de rua em rua, de povoado em povoado. Quase paralelamente às marchas, foram criadas as Semanas da Fraternidade. Eram doados ovos, galinhas, hortaliças frutas e o resultado comercializado numa feira cuja renda tinha como finalidade a compra de colchões, redes, dentre outras coisas, para as famílias pobres espalhadas em 13 comunidades ligadas ao município. A experiência das Irmãs Vigárias nesta cidade e das marchas foi implantada depois em São Gonçalo do Amarante e Taipu. Tudo com o apoio da Santa Sé, como sempre trabalhou Dom Eugenio Sales, e com a ajuda dos leigos. A primeira Campanha da Fraternidade ficou restrita à Arquidiocese de Natal, em 1962. A coleta rendeu um milhão de cruzeiros, importância que corresponde, hoje, em torno de R$ 47.700,00. A segunda, na Quaresma de 1963, abrangeu 25 dioceses do Nordeste. O aviso da Cúria nº 5/1963, sobre o assunto na Arquidiocese de Natal, trazia elementos valiosos: “Em todas as matrizes, igrejas, capelas, escolas e também no comércio far-se-á uma grande coleta em favor das obras apostólicas e sociais da arquidiocese”. Referia-se ao costume, iniciado nos Estados Unidos e países europeus, de designar um dia para angariar donativos destinados à Igreja e ao mundo necessitado. E continuou: “entre nós iniciamos no ano passado essa campanha, que encontrou muita receptividade em nossas comunidades paroquiais. Ela é feita neste tempo para significar o sacrifício de toda a comunidade diocesana na Quaresma, em favor de seus irmãos”. Assina-o o vigário-geral. O secretário da Cúria dá outras indicações e providências em documento também publicado no jornal diocesano, “A Ordem”, de 9 de março de 1963” (cf. https://domeugeniosales.webnode.com.br/origem-da-campanha-da-fraternidade/. Último acesso em 1 de novembro de 2019). Desde 1964, a Campanha da Fraternidade é uma iniciativa da CNBB, inspirada pela visão ampla de Dom Eugenio Sales em atender as necessidades pastorais e materiais do povo de Deus, em todas as suas dimensões!

Cabe, uma vez mais, lembrar que Dom Eugenio Sales renovou o Seminário São José, incentivando as vocações, ordenando muitos presbíteros, no número de 215 durante o seu episcopado, e dando assistência especial, por si ou por seus bispos auxiliares, aos padres de sua arquidiocese. Ofereceu permanente formação para as religiosas e os religiosos e confiou a estes até a administração de muitas comunidades paroquiais. A experiência das irmãs servindo às paróquias, devido à necessidade de sacerdotes, foi uma solução muito exitosa em nossa arquidiocese. Incentivou as associações, movimentos e pastorais, sendo que na arquidiocese temos uma vida pastoral ativa, que sempre lembra, com alegria, da presença do Cardeal Sales no dia a dia da vida pastoral da Igreja no Rio. O legado do Cardeal Sales como arcebispo do Rio de Janeiro é uma página luminosa na Igreja Particular e na Igreja no Brasil. Não podemos esquecer que São João Paulo II visitou por duas vezes a arquidiocese no governo pastoral do Cardeal Sales: em 1980, na sua primeira viagem apostólica ao Brasil, com a ordenação de sacerdotes no Maracanã, e, em 1997, para o Encontro Mundial das Famílias. Esses momentos jamais serão apagados da memória do povo carioca. Ainda ecoam as palavras de São João Paulo II, ao lado dos queridos Cardeal Lucas Moreira Neves e do Cardeal Eugenio Sales: “Se Deus é brasileiro, o Papa é carioca”. (cf. https://www.facebook.com/capelasaojoaopauloiirecreio/videos/140909876636061/?v=140909876636061. Último acesso em 1 de novembro de 2019).
Por tudo isso, demos graças a Deus. O testemunho de fidelidade de Dom Eugenio a Deus, ao Papa e à Igreja nos impulsiona a viver e celebrar com júbilo o início do centenário de seu abençoado nascimento, uma vida vivida, doada e santificada, por 30 anos, em favor da Igreja que peregrina no Rio de Janeiro.

Do Cardeal Sales ficam principalmente para nós os exemplos do que deve ser o ministério e a vida de um bispo: irrepreensível, humilde, manso, hospitaleiro, amante do bem, ponderado, justo, santo, dono de si, fiel à Palavra de Deus que escuta, prega e deve viver. Assim viveu e testemunhou, com extrema fidelidade à Sé de Pedro, o Cardeal Eugenio de Araujo Sales.

Dom Eugenio Sales sempre dizia que era instrumento de Deus. Nós queremos seguir a Jesus Cristo e como o Cardeal Eugenio Sales sermos instrumento de Deus na Arquidiocese do Rio de Janeiro e espalhar a santidade e a coerência de vida que tanto nos ensinou o “intrépido pastor” que durante 30 anos, guiou de forma segura, serena e santa a nossa arquidiocese. Continue, do céu, Dom Eugenio, sendo o Bom Pastor que gastou a sua vida para fazer o bem e santificar o Rio de Janeiro que tanto o amou e tanto lembra de sua vida e do seu testemunho, que vivo continua entre nós!


Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Início do centenário de Dom Eugenio

08/11/2019 00:00

Foram abertas, no dia 8 de novembro, as comemorações do centenário de nascimento de Sua Eminência, o Senhor Cardeal Eugenio de Araujo Sales, com celebração eucarística na cripta de nossa Catedral, seguida de exposição de fotografias. Filho do desembargador Celso Dantas Sales e de Dona Josefa de Araújo Sales (Teca), nasceu no dia 8 de novembro de 1920 na Fazenda Catuana e foi batizado na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Guia, no município de Acari (RN), em 28 de novembro de 1920. De família muito católica, era bisneto de Cândida Mercês da Conceição, uma das fundadoras do Apostolado da Oração na cidade de Acari.

Dom Eugenio realizou seus primeiros estudos em Natal, inicialmente em uma escolar particular, depois no Colégio Marista e finalmente ingressou, em 1931, no Seminário Menor. Realizou seus estudos de filosofia e teologia no Seminário da Prainha, em Fortaleza (CE), no período de 1931 a 1943.
Depois dos estudos seminarísticos, foi ordenado sacerdote pela imposição das mãos de Dom Marcolino Esmeraldo de Sousa Dantas, bispo diocesano de Natal, no dia 21 de novembro de 1943, na mesma igreja onde recebera o Batismo. Viveu 58 anos de episcopado, 30 deles à frente da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, e faleceu no dia 9 de julho de 2012 aos 91 anos de vida. A sua sepultura está na cripta da Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro. O lema episcopal de Dom Eugenio era: “Impendam et Superimpendar” (cf. 2 Cor. 12, 15). O lema tem como divisa de ministério episcopal o que diz a Palavra de Deus: “Quanto a mim, de bom grado despenderei, e me despenderei todo inteiro, em vosso favor”.

Ao celebrar solenemente seus 90 anos tive a grata alegria de entregar para o Cardeal Eugenio Sales a carta que o Papa Bento XVI o enviava, em que destacava: “Fiel ao seu lema: ‘Impendam et superipemdar’, soube gastar-se inteiramente por aqueles que Deus lhe havia confiado, num fecundo ministério vivido em profunda comunhão com o Sucessor de Pedro, sendo até hoje um referencial para toda a Igreja no Brasil, principalmente para as novas gerações de ministros ordenados”, expressou o Pontífice. O Papa enviou ao purpurado a sua estima e afeto, esperando que sejam sentimentos que infundam alegria e serenidade em seu ser. “Neste sentido invoco sobre a sua pessoa as mais seletas graças e consolações divinas, para continuar a fazer a vida motivo e meio de glorificar a Deus na sua condição de emérito Pastor da Igreja”, declarou o Santo Padre.

Tomando conhecimento do falecimento do Cardeal Sales, o Papa Bento XVI enviou um telegrama que ressaltamos: “Quero manifestar meus pêsames aos bispos, seus auxiliares, ao clero, às comunidades religiosas e aos fiéis da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, que tiveram por três décadas um intrépido pastor”... “Foi um autêntico testemunho do Evangelho em meio a seu povo. Dou graças ao Senhor por ter dado à Igreja pastor tão generoso”... Em 70 anos de sacerdócio e 58 anos no episcopado, sempre quis indicar o caminho da verdade na caridade e servir à comunidade, prestando particular atenção aos mais desfavorecidos, fiel a seu lema episcopal: ‘Impendam et superimpendar’”.

O Cardeal Eugenio Sales em seu testamento deixou escrito que a fidelidade ao Santo Padre deve nos acompanhar até depois da morte: “Quero morrer em comunhão com o Santo Padre”. Realmente esta comunhão, este espírito eclesial profundo, que o acompanhou durante a sua vida, foi reafirmado quando o Papa Paulo VI, em 1969, elevou o arcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil, Dom Eugenio Sales, para o Sacro Colégio Cardinalício.

Mas devemos, também, ressaltar o trabalho social de Dom Eugenio: a Campanha da Fraternidade, como nós a conhecemos hoje, por ocasião da Quaresma de cada ano, foi uma exitosa iniciativa de Dom Eugenio Sales, quando ele era administrador apostólico da Arquidiocese de Natal. A CNBB buscou a inspiração de Dom Eugenio e instituiu a Campanha da Fraternidade: “Foi na cidade de Nísia Floresta que surgiu o embrião da Campanha da Fraternidade. Caminhadas a pé, de casa em casa, de rua em rua, de povoado em povoado. Quase paralelamente às marchas, foram criadas as Semanas da Fraternidade. Eram doados ovos, galinhas, hortaliças frutas e o resultado comercializado numa feira cuja renda tinha como finalidade a compra de colchões, redes, dentre outras coisas, para as famílias pobres espalhadas em 13 comunidades ligadas ao município. A experiência das Irmãs Vigárias nesta cidade e das marchas foi implantada depois em São Gonçalo do Amarante e Taipu. Tudo com o apoio da Santa Sé, como sempre trabalhou Dom Eugenio Sales, e com a ajuda dos leigos. A primeira Campanha da Fraternidade ficou restrita à Arquidiocese de Natal, em 1962. A coleta rendeu um milhão de cruzeiros, importância que corresponde, hoje, em torno de R$ 47.700,00. A segunda, na Quaresma de 1963, abrangeu 25 dioceses do Nordeste. O aviso da Cúria nº 5/1963, sobre o assunto na Arquidiocese de Natal, trazia elementos valiosos: “Em todas as matrizes, igrejas, capelas, escolas e também no comércio far-se-á uma grande coleta em favor das obras apostólicas e sociais da arquidiocese”. Referia-se ao costume, iniciado nos Estados Unidos e países europeus, de designar um dia para angariar donativos destinados à Igreja e ao mundo necessitado. E continuou: “entre nós iniciamos no ano passado essa campanha, que encontrou muita receptividade em nossas comunidades paroquiais. Ela é feita neste tempo para significar o sacrifício de toda a comunidade diocesana na Quaresma, em favor de seus irmãos”. Assina-o o vigário-geral. O secretário da Cúria dá outras indicações e providências em documento também publicado no jornal diocesano, “A Ordem”, de 9 de março de 1963” (cf. https://domeugeniosales.webnode.com.br/origem-da-campanha-da-fraternidade/. Último acesso em 1 de novembro de 2019). Desde 1964, a Campanha da Fraternidade é uma iniciativa da CNBB, inspirada pela visão ampla de Dom Eugenio Sales em atender as necessidades pastorais e materiais do povo de Deus, em todas as suas dimensões!

Cabe, uma vez mais, lembrar que Dom Eugenio Sales renovou o Seminário São José, incentivando as vocações, ordenando muitos presbíteros, no número de 215 durante o seu episcopado, e dando assistência especial, por si ou por seus bispos auxiliares, aos padres de sua arquidiocese. Ofereceu permanente formação para as religiosas e os religiosos e confiou a estes até a administração de muitas comunidades paroquiais. A experiência das irmãs servindo às paróquias, devido à necessidade de sacerdotes, foi uma solução muito exitosa em nossa arquidiocese. Incentivou as associações, movimentos e pastorais, sendo que na arquidiocese temos uma vida pastoral ativa, que sempre lembra, com alegria, da presença do Cardeal Sales no dia a dia da vida pastoral da Igreja no Rio. O legado do Cardeal Sales como arcebispo do Rio de Janeiro é uma página luminosa na Igreja Particular e na Igreja no Brasil. Não podemos esquecer que São João Paulo II visitou por duas vezes a arquidiocese no governo pastoral do Cardeal Sales: em 1980, na sua primeira viagem apostólica ao Brasil, com a ordenação de sacerdotes no Maracanã, e, em 1997, para o Encontro Mundial das Famílias. Esses momentos jamais serão apagados da memória do povo carioca. Ainda ecoam as palavras de São João Paulo II, ao lado dos queridos Cardeal Lucas Moreira Neves e do Cardeal Eugenio Sales: “Se Deus é brasileiro, o Papa é carioca”. (cf. https://www.facebook.com/capelasaojoaopauloiirecreio/videos/140909876636061/?v=140909876636061. Último acesso em 1 de novembro de 2019).
Por tudo isso, demos graças a Deus. O testemunho de fidelidade de Dom Eugenio a Deus, ao Papa e à Igreja nos impulsiona a viver e celebrar com júbilo o início do centenário de seu abençoado nascimento, uma vida vivida, doada e santificada, por 30 anos, em favor da Igreja que peregrina no Rio de Janeiro.

Do Cardeal Sales ficam principalmente para nós os exemplos do que deve ser o ministério e a vida de um bispo: irrepreensível, humilde, manso, hospitaleiro, amante do bem, ponderado, justo, santo, dono de si, fiel à Palavra de Deus que escuta, prega e deve viver. Assim viveu e testemunhou, com extrema fidelidade à Sé de Pedro, o Cardeal Eugenio de Araujo Sales.

Dom Eugenio Sales sempre dizia que era instrumento de Deus. Nós queremos seguir a Jesus Cristo e como o Cardeal Eugenio Sales sermos instrumento de Deus na Arquidiocese do Rio de Janeiro e espalhar a santidade e a coerência de vida que tanto nos ensinou o “intrépido pastor” que durante 30 anos, guiou de forma segura, serena e santa a nossa arquidiocese. Continue, do céu, Dom Eugenio, sendo o Bom Pastor que gastou a sua vida para fazer o bem e santificar o Rio de Janeiro que tanto o amou e tanto lembra de sua vida e do seu testemunho, que vivo continua entre nós!


Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ


Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro