Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/10/2019

14 de Outubro de 2019

Nossa Senhora Aparecida

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Outubro de 2019

Nossa Senhora Aparecida

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

12/10/2019 00:00

Nossa Senhora Aparecida 0

12/10/2019 00:00

Temos a graça de celebrar a solenidade de Nossa Senhora Aparecida. O dia 12 de outubro vem lembrar a todos os brasileiros que a devoção à Senhora Aparecida está impregnada da certeza da proteção da Mãe de Jesus e de que ela intercede por nós, seus filhos. Este ano para nós é mais que especial e tem como tema: COM MARIA: ESCOLHIDOS E ENVIADOS EM MISSÃO. Quer responder ao espírito missionário que o Papa Francisco, ao recordar o centenário da Carta Apostólica “Maximum Ilud”, do Papa Bento XV (promulgada em 30 de novembro de 1919), aponta-nos, orientando que o mês de outubro seja um Mês Missionário Extraordinário. O Santuário Nacional de Aparecida propõe, pela ação pastoral, que seja a nossa missão batismal obedecer ao mandato de Jesus: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda criatura” (Cf. Mc 16, 15). A novena e celebração da solenidade da padroeira do Brasil deve despertar em nós a importância da missão permanente preconizada pelo Documento de Aparecida elaborado na V Conferência do Episcopado Latino Americano e Caribenho. Embora seja uma verdade já presente no Evangelho é importante redescobrir hoje, com renovado ardor, a necessidade de todos os batizados serem missionários enviados para anunciar a Boa Notícia a todos pelo testemunho e pela palavra.

A festa da padroeira do Brasil recorda-nos a presença constante de Nossa Senhora na vida da Igreja, na vida do povo brasileiro e na vida de cada um de nós. Não poderia ser diferente! Foi o próprio Cristo quem lhe deu essa missão materna em relação a nós, seus discípulos amados. Recordemo-nos da cena dramática no Calvário. Jesus diz à sua Mãe, indicando o Discípulo Amado, que é cada um de nós, cada cristão: “Mulher, eis o teu filho!” (Jo 19, 26). Foi o Filho mesmo quem lhe deu a missão: “Eis o teu filho, os teus filhos, Virgem Maria! Tu és a Mulher do Gênesis, inimiga da serpente; tu és a Mãe dos viventes, a verdadeira Eva!”. Fidelíssima à vontade do Senhor, como sempre foi, a Virgem vela por todos os cristãos. Mãe dos discípulos do Senhor Jesus, Mãe da Igreja, Virgem Maria! Foi esta maternidade tão amorosa, fecunda e providente que o povo brasileiro experimentou às margens do rio Paraíba do Sul, quando a imagem quebrada em dois pedaços e enegrecida da Imaculada apareceu nas redes dos pescadores. É esta maternidade que nós experimentamos continuamente em nossa vida.

A Palavra de Deus da solenidade na primeira leitura (Cf. Ester 5, 1b-2; 7, 2b-3) fala-nos da rainha Ester que se aproxima suplicante do grande rei, e este põe à sua disposição todo o seu poder. Diz o texto bíblico: “Então, qual o teu pedido, Ester, para que seja atendido? Que queres que eu te faça?”. Ela respondeu: “Se encontrei graça a teus olhos, ó rei, e se te agrada, concede-me a vida, pela qual suplico, e a vida do meu povo, pelo qual te peço” (Cf. Ester 7, 2b-3). Para nós é muito fácil perceber nesta rainha do Antigo Testamento a prefiguração da Rainha dos Céus, intercedendo junto de Deus por nós, que somos seu povo e seus filhos. Confiamos à intercessão de Maria as nossas necessidades, quer sejam pequenas, quer nos pareçam muito grandes, as da nossa família, da Igreja e da sociedade. Diante de Deus, Maria se referirá a nós dizendo que este é o meu povo, pelo qual intercedo.

No Evangelho (Cf. Jo 2, 1-11) encontramos o primeiro milagre que Jesus fez, a pedido de sua mãe, em Caná da Galiléia. Numa festa de casamento, Maria estava presente, como também Jesus e os seus primeiros discípulos. Maria, durante a festa, enquanto presta a sua ajuda, percebe o que se passa. Jesus está no início de seu ministério público. A Mãe chega para o Filho e lhe diz: “Eles não têm mais vinho!” (Cf. Jo 2, 3). E desse modo nos ensina a pedir. Jesus responde-lhe: “Mulher, para que me dizes isso? A minha hora ainda não chegou” (Cf. Jo 2, 4). Mas a Virgem, que conhece bem o coração do seu Filho, comporta-se como se tivesse sido atendida e pede aos serventes: “Fazei tudo o que Ele vos disser!” (Cf. Jo 2, 5). Maria é uma Mãe atentíssima a todas as nossas necessidades, de uma solicitude que mãe alguma sobre a terra jamais teve ou terá.

A solenidade de Nossa Senhora Aparecida recorda a proteção da Virgem Maria, sua presença materna e consoladora, experimentada em 1717, por três pobres pescadores, na aurora de nossa história nacional. As redes vazias dos pobres quase se encheram com a abundância de peixes, após o ‘aparecimento’ da imagem enegrecida da Imaculada Conceição. Desde então, aquela imagenzinha humilde recorda ao povo brasileiro a presença materna da Mãe do Senhor na nossa história e na nossa terra. Sim, hoje é festa para o nosso povo brasileiro; hoje, por todo o território nacional, gente de todas as raças que fazem esta nação, canta com devota gratidão: “Viva a Mãe de Deus e nossa, sem pecado concebida! Salve a Virgem imaculada, a Senhora Aparecida!”.

Peçamos a Nossa Senhora da Conceição Aparecida a sua proteção para o Sínodo Especial para a Amazônia – Pan-Amazônia, com o tema: “Amazônia – Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. Este tema acompanhou também toda a novena e nos relembra o permanente espírito de unidade e de missionariedade que Maria nos aponta na missão evangelizadora da Amazônia pelo anúncio da salvação em Jesus Cristo! Uma ecologia integral como consequência da evangelização e que seja centrada no agir humano e cuidado da casa comum em favor da humanidade inteira.

Peçamos a Nossa Senhora Aparecida que nos ilumine e nos faça sempre lutar por um Brasil melhor. Assim sendo, queremos consagrar todo o nosso país nas mãos dela.

Cardeal Orani João Tempesta, O.Cist.
Arcebispo do Rio de Janeiro


 
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Nossa Senhora Aparecida

12/10/2019 00:00

Temos a graça de celebrar a solenidade de Nossa Senhora Aparecida. O dia 12 de outubro vem lembrar a todos os brasileiros que a devoção à Senhora Aparecida está impregnada da certeza da proteção da Mãe de Jesus e de que ela intercede por nós, seus filhos. Este ano para nós é mais que especial e tem como tema: COM MARIA: ESCOLHIDOS E ENVIADOS EM MISSÃO. Quer responder ao espírito missionário que o Papa Francisco, ao recordar o centenário da Carta Apostólica “Maximum Ilud”, do Papa Bento XV (promulgada em 30 de novembro de 1919), aponta-nos, orientando que o mês de outubro seja um Mês Missionário Extraordinário. O Santuário Nacional de Aparecida propõe, pela ação pastoral, que seja a nossa missão batismal obedecer ao mandato de Jesus: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda criatura” (Cf. Mc 16, 15). A novena e celebração da solenidade da padroeira do Brasil deve despertar em nós a importância da missão permanente preconizada pelo Documento de Aparecida elaborado na V Conferência do Episcopado Latino Americano e Caribenho. Embora seja uma verdade já presente no Evangelho é importante redescobrir hoje, com renovado ardor, a necessidade de todos os batizados serem missionários enviados para anunciar a Boa Notícia a todos pelo testemunho e pela palavra.

A festa da padroeira do Brasil recorda-nos a presença constante de Nossa Senhora na vida da Igreja, na vida do povo brasileiro e na vida de cada um de nós. Não poderia ser diferente! Foi o próprio Cristo quem lhe deu essa missão materna em relação a nós, seus discípulos amados. Recordemo-nos da cena dramática no Calvário. Jesus diz à sua Mãe, indicando o Discípulo Amado, que é cada um de nós, cada cristão: “Mulher, eis o teu filho!” (Jo 19, 26). Foi o Filho mesmo quem lhe deu a missão: “Eis o teu filho, os teus filhos, Virgem Maria! Tu és a Mulher do Gênesis, inimiga da serpente; tu és a Mãe dos viventes, a verdadeira Eva!”. Fidelíssima à vontade do Senhor, como sempre foi, a Virgem vela por todos os cristãos. Mãe dos discípulos do Senhor Jesus, Mãe da Igreja, Virgem Maria! Foi esta maternidade tão amorosa, fecunda e providente que o povo brasileiro experimentou às margens do rio Paraíba do Sul, quando a imagem quebrada em dois pedaços e enegrecida da Imaculada apareceu nas redes dos pescadores. É esta maternidade que nós experimentamos continuamente em nossa vida.

A Palavra de Deus da solenidade na primeira leitura (Cf. Ester 5, 1b-2; 7, 2b-3) fala-nos da rainha Ester que se aproxima suplicante do grande rei, e este põe à sua disposição todo o seu poder. Diz o texto bíblico: “Então, qual o teu pedido, Ester, para que seja atendido? Que queres que eu te faça?”. Ela respondeu: “Se encontrei graça a teus olhos, ó rei, e se te agrada, concede-me a vida, pela qual suplico, e a vida do meu povo, pelo qual te peço” (Cf. Ester 7, 2b-3). Para nós é muito fácil perceber nesta rainha do Antigo Testamento a prefiguração da Rainha dos Céus, intercedendo junto de Deus por nós, que somos seu povo e seus filhos. Confiamos à intercessão de Maria as nossas necessidades, quer sejam pequenas, quer nos pareçam muito grandes, as da nossa família, da Igreja e da sociedade. Diante de Deus, Maria se referirá a nós dizendo que este é o meu povo, pelo qual intercedo.

No Evangelho (Cf. Jo 2, 1-11) encontramos o primeiro milagre que Jesus fez, a pedido de sua mãe, em Caná da Galiléia. Numa festa de casamento, Maria estava presente, como também Jesus e os seus primeiros discípulos. Maria, durante a festa, enquanto presta a sua ajuda, percebe o que se passa. Jesus está no início de seu ministério público. A Mãe chega para o Filho e lhe diz: “Eles não têm mais vinho!” (Cf. Jo 2, 3). E desse modo nos ensina a pedir. Jesus responde-lhe: “Mulher, para que me dizes isso? A minha hora ainda não chegou” (Cf. Jo 2, 4). Mas a Virgem, que conhece bem o coração do seu Filho, comporta-se como se tivesse sido atendida e pede aos serventes: “Fazei tudo o que Ele vos disser!” (Cf. Jo 2, 5). Maria é uma Mãe atentíssima a todas as nossas necessidades, de uma solicitude que mãe alguma sobre a terra jamais teve ou terá.

A solenidade de Nossa Senhora Aparecida recorda a proteção da Virgem Maria, sua presença materna e consoladora, experimentada em 1717, por três pobres pescadores, na aurora de nossa história nacional. As redes vazias dos pobres quase se encheram com a abundância de peixes, após o ‘aparecimento’ da imagem enegrecida da Imaculada Conceição. Desde então, aquela imagenzinha humilde recorda ao povo brasileiro a presença materna da Mãe do Senhor na nossa história e na nossa terra. Sim, hoje é festa para o nosso povo brasileiro; hoje, por todo o território nacional, gente de todas as raças que fazem esta nação, canta com devota gratidão: “Viva a Mãe de Deus e nossa, sem pecado concebida! Salve a Virgem imaculada, a Senhora Aparecida!”.

Peçamos a Nossa Senhora da Conceição Aparecida a sua proteção para o Sínodo Especial para a Amazônia – Pan-Amazônia, com o tema: “Amazônia – Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. Este tema acompanhou também toda a novena e nos relembra o permanente espírito de unidade e de missionariedade que Maria nos aponta na missão evangelizadora da Amazônia pelo anúncio da salvação em Jesus Cristo! Uma ecologia integral como consequência da evangelização e que seja centrada no agir humano e cuidado da casa comum em favor da humanidade inteira.

Peçamos a Nossa Senhora Aparecida que nos ilumine e nos faça sempre lutar por um Brasil melhor. Assim sendo, queremos consagrar todo o nosso país nas mãos dela.

Cardeal Orani João Tempesta, O.Cist.
Arcebispo do Rio de Janeiro


 
 
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro