Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/11/2019

14 de Novembro de 2019

Jesus, eu confio em vós

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Novembro de 2019

Jesus, eu confio em vós

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

28/04/2019 00:00 - Atualizado em 29/04/2019 10:26

Jesus, eu confio em vós 0

28/04/2019 00:00 - Atualizado em 29/04/2019 10:26

A Festa da Misericórdia é celebrada no domingo seguinte a Solenidade de Páscoa em todas as Igrejas do mundo. A data foi instituída pelo, na época, Papa São João Paulo II, em 30 de abril do ano de 2000. O domingo da misericórdia é dedicado, especialmente, para a salvação de almas, por isso concede-se nesta ocasião indulgência plenária aos pecadores, sob condições pré-estabelecidas: Confissão Sacramental, Comunhão Eucarística e orações segundo a intenção estabelecida pelo Sumo Pontífice.

Apesar desta Festa ter sido instituída como festa universal somente no ano de 2000, ela já era realizada pela Irmã Faustina Kowalska desde a década de 30, na Polônia. Segundo os escritos, Jesus pediu a Santa Faustina que fosse realizada a Festa da Misericórdia em toda a Igreja; pedido anotado, pelo menos, em 15 momentos nas anotações, como cita um trecho retirado do diário da religiosa. “Desejo que a Festa de Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores. Nesse dia estão abertas as entranhas da minha Misericórdia. Derramo todo o mar de graças nas almas que se aproximarem da fonte da minha Misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das culpas e castigos. Nesse dia estão abertas todas as comportas divinas, pelas quais fluem as graças... Desejo que seja celebrada solenemente no primeiro domingo depois da Páscoa. A humanidade não terá paz enquanto não se voltar à fonte da minha Misericórdia. ” (Diário no.699).

A Imagem da Misericórdia é um quadro de Jesus, pintado à mão por um pintor renomado naquele tempo, a partir das descrições feitas pela Irmã. A obra ainda traz a seguinte inscrição: “Jesus, eu confio em vós!” (Jezu, ufam Tobie!). A Santa Sé autorizou, em 1978, a devoção da Devoção da Divina Misericórdia. Em 1994, Irmã Faustina foi beatificada e em 2000, foi canonizada com o título: Santa Maria Faustina do Santíssimo Sacramento.

São João Paulo II, instituiu no ano 2000 a Festa da Misericórdia no 2º Domingo da Páscoa. O Pontífice faleceu no dia 02 de abril de 2005, que na época coincidiu com a véspera desta festividade. João Paulo II e João XXIII foram canonizados em 27 de abril de 2014, durante o Domingo da Misericórdia. As datas litúrgicas escolhidas para celebrar as Festas de São João XXIII e São João Paulo II, são respectivamente: 11 e 22 de outubro. As datas foram estabelecidas pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos e fazem parte do Calendário Universal da Igreja.

A Divina Misericórdia é um chamado à vivência concreta da fé e a misericórdia: “Misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36). É muito importante que em nossa ação pastoral seja revitalizada as obras de misericórdia corporal e espiritual fixadas pela Igreja, para entrarmos no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina. Obras de misericórdia corporal: dar comida aos famintos, bebida aos sedentos, vestir os nus, acolher os peregrinos, visitar os doentes e enterrar os mortos (velórios). Obras de misericórdia espiritual: “Aconselhar os indecisos, ensinar os ignorantes, admoestar os pecadores, consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar com paciência as pessoas inconvenientes, rezar pelos vivos e defuntos” (MV n.15). Aprendamos, portanto, no ano santo da misericórdia, a sermos misericordiosos uns com os outros para merecermos a misericórdia de Deus.

Neste Domingo da Misericórdia, somos chamados a participar da Celebração Eucarística e se possível dos encontros realizados em nossas paróquias espalhadas por vários lugares em nossa Arquidiocese. Devemos neste dia acolher a misericórdia em nossas paróquias, famílias e, sobretudo, em nosso coração. Que Jesus misericordioso nos ilumine e faça que sejamos luz para toda a humanidade que tanto necessita do amor, da paz, da união e, sobretudo, da misericórdia.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Jesus, eu confio em vós

28/04/2019 00:00 - Atualizado em 29/04/2019 10:26

A Festa da Misericórdia é celebrada no domingo seguinte a Solenidade de Páscoa em todas as Igrejas do mundo. A data foi instituída pelo, na época, Papa São João Paulo II, em 30 de abril do ano de 2000. O domingo da misericórdia é dedicado, especialmente, para a salvação de almas, por isso concede-se nesta ocasião indulgência plenária aos pecadores, sob condições pré-estabelecidas: Confissão Sacramental, Comunhão Eucarística e orações segundo a intenção estabelecida pelo Sumo Pontífice.

Apesar desta Festa ter sido instituída como festa universal somente no ano de 2000, ela já era realizada pela Irmã Faustina Kowalska desde a década de 30, na Polônia. Segundo os escritos, Jesus pediu a Santa Faustina que fosse realizada a Festa da Misericórdia em toda a Igreja; pedido anotado, pelo menos, em 15 momentos nas anotações, como cita um trecho retirado do diário da religiosa. “Desejo que a Festa de Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pecadores. Nesse dia estão abertas as entranhas da minha Misericórdia. Derramo todo o mar de graças nas almas que se aproximarem da fonte da minha Misericórdia. A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das culpas e castigos. Nesse dia estão abertas todas as comportas divinas, pelas quais fluem as graças... Desejo que seja celebrada solenemente no primeiro domingo depois da Páscoa. A humanidade não terá paz enquanto não se voltar à fonte da minha Misericórdia. ” (Diário no.699).

A Imagem da Misericórdia é um quadro de Jesus, pintado à mão por um pintor renomado naquele tempo, a partir das descrições feitas pela Irmã. A obra ainda traz a seguinte inscrição: “Jesus, eu confio em vós!” (Jezu, ufam Tobie!). A Santa Sé autorizou, em 1978, a devoção da Devoção da Divina Misericórdia. Em 1994, Irmã Faustina foi beatificada e em 2000, foi canonizada com o título: Santa Maria Faustina do Santíssimo Sacramento.

São João Paulo II, instituiu no ano 2000 a Festa da Misericórdia no 2º Domingo da Páscoa. O Pontífice faleceu no dia 02 de abril de 2005, que na época coincidiu com a véspera desta festividade. João Paulo II e João XXIII foram canonizados em 27 de abril de 2014, durante o Domingo da Misericórdia. As datas litúrgicas escolhidas para celebrar as Festas de São João XXIII e São João Paulo II, são respectivamente: 11 e 22 de outubro. As datas foram estabelecidas pela Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos e fazem parte do Calendário Universal da Igreja.

A Divina Misericórdia é um chamado à vivência concreta da fé e a misericórdia: “Misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36). É muito importante que em nossa ação pastoral seja revitalizada as obras de misericórdia corporal e espiritual fixadas pela Igreja, para entrarmos no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina. Obras de misericórdia corporal: dar comida aos famintos, bebida aos sedentos, vestir os nus, acolher os peregrinos, visitar os doentes e enterrar os mortos (velórios). Obras de misericórdia espiritual: “Aconselhar os indecisos, ensinar os ignorantes, admoestar os pecadores, consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar com paciência as pessoas inconvenientes, rezar pelos vivos e defuntos” (MV n.15). Aprendamos, portanto, no ano santo da misericórdia, a sermos misericordiosos uns com os outros para merecermos a misericórdia de Deus.

Neste Domingo da Misericórdia, somos chamados a participar da Celebração Eucarística e se possível dos encontros realizados em nossas paróquias espalhadas por vários lugares em nossa Arquidiocese. Devemos neste dia acolher a misericórdia em nossas paróquias, famílias e, sobretudo, em nosso coração. Que Jesus misericordioso nos ilumine e faça que sejamos luz para toda a humanidade que tanto necessita do amor, da paz, da união e, sobretudo, da misericórdia.

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro