Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/11/2019

19 de Novembro de 2019

Instituição da Sagrada Eucaristia

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Novembro de 2019

Instituição da Sagrada Eucaristia

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/04/2019 10:58 - Atualizado em 18/04/2019 11:01

Instituição da Sagrada Eucaristia 0

18/04/2019 10:58 - Atualizado em 18/04/2019 11:01

O Tríduo Pascal é aberto com a Missa da Ceia do Senhor. Nossa atenção neste dia sagrado de Quinta-Feira Santa está voltada para o altar do Senhor. O altar está no centro da casa sagrada, a nossa Catedral Metropolitana, casa de Deus, casa de irmãos e irmãs que se unem para a mais perfeita comunhão.

Somos o Povo de Deus, Igreja Santa, um povo que celebra a vida em comunhão, com Deus e com os seus irmãos, mediados por sua Igreja, que a todos congrega em um único espírito, o Espírito de Deus.

Nesta noite somos chamados a colocar no centro de nossa reflexão o testamento de Cristo com quem o Senhor não deixa aos seus discípulos uma herança material ou espiritual, mas a Si mesmo; Ele deixa Seu Corpo em sacrifício e Seu Sangue derramado para a salvação do mundo.

A Última Ceia de Jesus, da qual fazemos memória nesta liturgia sagrada, isto é a sua morte na cruz, que meditaremos na Sexta-Feira Santa à tarde, e a sua ressurreição (iniciando com a grande e solene Vigília Pascal), constituem os momentos de um mesmo mistério, o da Páscoa de Cristo, isto é, a sua passagem deste mundo para o mundo do Pai. Uma passagem dolorosa e alegre.

Quantas luzes, quantas vozes, quanta criatividade ao redor deste altar. Porém, também somos advertidos por Jesus: se, portanto, trouxerdes a sua oferta ao altar e aí se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe seu presente lá diante do altar e vá primeiro se reconciliar, (cf. Mt 5, 23 -24). Seria místico, farisaico, vaidoso e enganoso, distrair-se desta responsabilidade. O altar é o lugar do nosso encontro fraterno. Na mesa sagrada Jesus invariavelmente nos dá um compromisso: Vem, e verás (cf. Jo 1, 39). Quem tem sede venha a mim e beba (cf. Jo 7, 37).

Em muitas ocasiões Jesus quis significar este convívio, como o sinal do Reino de Deus, que está próximo. Convivência a partir da qual não exclui os pecadores para celebrar seu retorno ou para favorecê-lo.

Ao instituir o sacramento da Eucaristia, Jesus diz: “Este é o meu corpo que é dado por vós”. “É como se ele estivesse dizendo: eu me coloco a seu serviço. O apóstolo Pedro se recusa a lavar os pés e essa atitude de Cristo lhe dá a oportunidade de explicar o verdadeiro significado de seu gesto incomum. Um gesto que vai muito além de uma razão de natureza humana ou um desejo de oferecer um exemplo, mas lembra a necessidade de ser "salvo"”.

Jesus, em outras palavras, diz a São Pedro que ele não pode salvar a si mesmo por si mesmo, que ele não pode pensar em vencer o egoísmo e o pecado com sua própria força, mas ele deve aceitar a salvação que o Senhor lhe deu por meio do sacrifício.

Ao privilegiar este gesto, humilde e solene ao mesmo tempo realizado por Jesus, o evangelista nos revela o sentido profundo da Eucaristia e da cruz. Nós não celebramos a Eucaristia porque é um belo ritual, mas para entrar na própria lógica do dom do amor de Cristo ao homem e para que o sacrifício de Cristo invada toda a nossa vida.

Este é o caso de Levi, que passou em um instante do banco de seus ofícios para a mesa com Jesus, (cf Mc 2,13-15). Assim foi com Zaqueu e muitos outros: Jesus sentou-se à mesa com os seus amigos.

Há proximidade neste gesto, há intimidade, há amizade. Há declarações inéditas de amor; tome e coma; tome e beba. Ao redor da mesa, naquela noite, houve um começo, olhares atônitos, depois cheios de amor, como os nossos.

Se lá estivéssemos naquela noite, certamente estaríamos inebriados de tanto amor ao lado do amado, o nome está oculto; mas poderia ser cada um de nós reunidos para celebrar esta santa ceia.

Do altar de mármore ao altar incandescente de amor, um altar de carne, vivo e palpitante. Ao redor do altar com audácia. O altar é, portanto, o lugar onde Jesus se entrega, faz uma refeição, Ele é o cordeiro imolado.

Hoje também recordamos os cristãos primitivos, especialmente os mártires eles nos antecederam neste relacionamento de amor. As relíquias dos mártires estão preservadas no mármore do altar; são cristãos que corresponderam a este amor, com amor e por isso deram suas vidas por Jesus.  

Quem se senta à mesa de Jesus aprende a fazer de sua vida um presente, uma oblação. Aprende a dar a vida no cotidiano. O altar é uma mesa onde celebramos a imolação do Cordeiro: há aqueles que têm flores e luzes, aqueles que espalham toalhas de mesa, aqueles que espalham fragrâncias e incenso. Sobre tudo, há aqueles que doam suas vidas, neste altar, todo os dias.

Há ministros e há o sacerdote que age “in persona Christi”. Também há altares sem toalhas de mesa, sem flores, sem adornos e cobertos de pó. Há altares em torno dos quais não há mais coroas, nem canções, nem luzes, altares sobre os quais o sacerdote não se levanta há anos. Sem a Eucaristia não há Igreja.

Estamos no ano sacerdotal arquidiocesano e somos chamados a agradecer a Deus pela beleza de ser sacerdote, de ter um chamado do sacerdócio na família, na comunidade, na Igreja. De ser testemunho credível do Cristo Ressuscitado e se exercer o seu ministério na mansidão, na caridade, na misericórdia, gastando o seu ministério em favor de santificar o povo de Deus, sendo construtores de pontes e caminhando ao encontro dos que estão afastados: sacerdotes que ajudam o povo santo de Deus a crescer na caridade, no amor e na misericórdia. Lembro, os padres de nosso presbitério, da sadia amizade presbiteral: sejamos homens que possamos louvar as virtudes daqueles que chegam ao nosso encontro e dos nossos próprios colegas. A boa fama das pessoas é uma obrigação que cada padre deve zelar no seu ministério, porque como bom pai da comunidade, o presbítero é aquele que primeiro acolhe. O padre é aquele que cura as feridas do outro. A lealdade de uma ação apostólica fortalece a caminhada sacerdotal. O padre é aquele que vive a amizade samaritana para com todos.

Em volta da mesa está o futuro; a nossa aproximação é uma prefiguração da unidade dos filhos de Deus. Em uma forma estilizada, nosso destino é antecipado; tornar-se a família dos filhos de Deus. O altar, um vislumbre do futuro.

Ao redor do altar estamos como pecadores, mas no processo de conversão. Com o fardo de nossos trabalhos e nossos relacionamentos nem sempre é fácil, mas buscamos estar reconciliados.

Na Quinta-feira Santa aparece um sinal mais visível e fascinante em um grau elevado de significação e demonstração radical do amor de Deus: o gesto do lava pés. O Senhor quer que subamos ao altar purificados. Não nos sintamos humilhados pelo convite para a confissão de nossas falhas. Seria mais humilhante nos declararmos irresponsáveis pelo pecado.

Altar, lugar do relacionamento amoroso e sincero com o Senhor; Ele quer que sejamos fiéis nesta comunhão de irmãos que todos os dias, todos os domingos conforme nos pede a santa Mãe Igreja.

Estamos em sua casa, ao redor do altar para celebrar a mais perfeita comunhão sagrada, a memória do Senhor. Não por preceito, mas por amor. É indispensável, então, reconstruir a verdadeira relação com Jesus. “Todos os olhos estavam fixos nele”. (cf Lc 4, 20), Também os sacerdotes, são chamados a manter o olhar fixo em Jesus; de modo especial, são sacerdotes porque, como bem sabemos, a vitalidade e fecundidade como pastores nascem e se fortalecem justamente na íntima união com Jesus Cristo.

Os sacerdotes, pastores do rebanho, são os trabalhadores da vinha, e devem primeiro deixar-se converter; para de fato fazerem a experiência de Jesus Cristo e com Jesus Cristo, sempre com o olhar fixo Nele.

O testemunho sacerdotal faz com que o povo, também viva esta mesma experiência de intimidade e encontro pessoal com o Senhor, (cf. Hb 12, 1-13). O profeta Isaías descreve algumas características do ungido do Senhor indicando o estilo de vida.

Jesus atrai sobre si a figura do Messias, do ungido do Senhor e, diante de todos, declara, quase com um manifesto programático, sua vocação e missão no mundo. O Sacerdote é chamado a dar a sua vida por Jesus através do seu ministério, um ministério da caridade.

Esta é a liberdade, não um “sim” formal, mas o sim generoso e sincero, um Sim à vida, iluminado por aquele magnifico Sim de Maria, que hoje encoraja e revigora o Sim ministerial a serviço do altar, para dar a vida em favor do Povo, por amor, como fez Jesus Cristo o eterno e grande sacerdote do Pai.

A Santa Missa “in Coena Domini”, isto é, no banquete sagrado da ceia, recorda aquela Última Ceia do Senhor com os seus discípulos, na qual lhes deu o mandamento do amor, depois de terem lavado os pés e instituído os sacramentos da Eucaristia, e das Ordens Sagradas.

“Aos seus discípulos, Jesus deixa uma ordem, um convite:" Faça isso em memória de mim”. A palavra “memória” na Sagrada Escritura tem um significado muito particular. Não significa apenas comemorar, mas fazer-se presente, atualizar.

A Eucaristia, portanto, não é uma comemoração pura da Paixão e da Morte de Jesus, mas é uma atualização para nós hoje, do sacrifício de Cristo na Cruz - a Eucaristia alimenta a vida da Igreja na certeza inabalável de que ela não está sozinha nas tribulações e provações.

Estamos conscientes de que apesar dos acontecimentos dramáticos da história, a Igreja é incessantemente apoiada e guiada pelo amor onipotente do seu Senhor.

Verdadeiramente na Eucaristia, Cristo fez a promessa que fez aos seus discípulos de uma maneira incrível e extraordinária, antes de retornar ao Pai: “Eis que estou contigo todos os dias até o fim do mundo”.

A Eucaristia é a presença de Deus em nosso meio. O texto do Evangelho termina com estas palavras: “Eu vos dei este exemplo, para que, como eu fiz, também vós deveis fazer”.

E assim, toda vez que celebramos a sagrada Eucaristia, a humanidade se reconcilia com Deus, a lei do amor é escrita novamente no coração do homem, a nova criatura é regenerada.

Vivemos em comunhão com Deus e com nossos irmãos, encontramos força na jornada, muitas vezes difícil, porém, devemos sempre lembrar que nos tornamos participantes da vida eterna, a alegria que dissolve a tristeza e floresce no coração da Igreja.

Agradecemos ao Senhor por este imenso presente, aprendemos a desfrutar da sua presença entre nós e a deixar-nos transformar pelo seu amor. Nossa Gratidão aos irmãos e amados sacerdotes pelo SIM dado no cotidiano da vida e do ministério sagrado.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Instituição da Sagrada Eucaristia

18/04/2019 10:58 - Atualizado em 18/04/2019 11:01

O Tríduo Pascal é aberto com a Missa da Ceia do Senhor. Nossa atenção neste dia sagrado de Quinta-Feira Santa está voltada para o altar do Senhor. O altar está no centro da casa sagrada, a nossa Catedral Metropolitana, casa de Deus, casa de irmãos e irmãs que se unem para a mais perfeita comunhão.

Somos o Povo de Deus, Igreja Santa, um povo que celebra a vida em comunhão, com Deus e com os seus irmãos, mediados por sua Igreja, que a todos congrega em um único espírito, o Espírito de Deus.

Nesta noite somos chamados a colocar no centro de nossa reflexão o testamento de Cristo com quem o Senhor não deixa aos seus discípulos uma herança material ou espiritual, mas a Si mesmo; Ele deixa Seu Corpo em sacrifício e Seu Sangue derramado para a salvação do mundo.

A Última Ceia de Jesus, da qual fazemos memória nesta liturgia sagrada, isto é a sua morte na cruz, que meditaremos na Sexta-Feira Santa à tarde, e a sua ressurreição (iniciando com a grande e solene Vigília Pascal), constituem os momentos de um mesmo mistério, o da Páscoa de Cristo, isto é, a sua passagem deste mundo para o mundo do Pai. Uma passagem dolorosa e alegre.

Quantas luzes, quantas vozes, quanta criatividade ao redor deste altar. Porém, também somos advertidos por Jesus: se, portanto, trouxerdes a sua oferta ao altar e aí se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe seu presente lá diante do altar e vá primeiro se reconciliar, (cf. Mt 5, 23 -24). Seria místico, farisaico, vaidoso e enganoso, distrair-se desta responsabilidade. O altar é o lugar do nosso encontro fraterno. Na mesa sagrada Jesus invariavelmente nos dá um compromisso: Vem, e verás (cf. Jo 1, 39). Quem tem sede venha a mim e beba (cf. Jo 7, 37).

Em muitas ocasiões Jesus quis significar este convívio, como o sinal do Reino de Deus, que está próximo. Convivência a partir da qual não exclui os pecadores para celebrar seu retorno ou para favorecê-lo.

Ao instituir o sacramento da Eucaristia, Jesus diz: “Este é o meu corpo que é dado por vós”. “É como se ele estivesse dizendo: eu me coloco a seu serviço. O apóstolo Pedro se recusa a lavar os pés e essa atitude de Cristo lhe dá a oportunidade de explicar o verdadeiro significado de seu gesto incomum. Um gesto que vai muito além de uma razão de natureza humana ou um desejo de oferecer um exemplo, mas lembra a necessidade de ser "salvo"”.

Jesus, em outras palavras, diz a São Pedro que ele não pode salvar a si mesmo por si mesmo, que ele não pode pensar em vencer o egoísmo e o pecado com sua própria força, mas ele deve aceitar a salvação que o Senhor lhe deu por meio do sacrifício.

Ao privilegiar este gesto, humilde e solene ao mesmo tempo realizado por Jesus, o evangelista nos revela o sentido profundo da Eucaristia e da cruz. Nós não celebramos a Eucaristia porque é um belo ritual, mas para entrar na própria lógica do dom do amor de Cristo ao homem e para que o sacrifício de Cristo invada toda a nossa vida.

Este é o caso de Levi, que passou em um instante do banco de seus ofícios para a mesa com Jesus, (cf Mc 2,13-15). Assim foi com Zaqueu e muitos outros: Jesus sentou-se à mesa com os seus amigos.

Há proximidade neste gesto, há intimidade, há amizade. Há declarações inéditas de amor; tome e coma; tome e beba. Ao redor da mesa, naquela noite, houve um começo, olhares atônitos, depois cheios de amor, como os nossos.

Se lá estivéssemos naquela noite, certamente estaríamos inebriados de tanto amor ao lado do amado, o nome está oculto; mas poderia ser cada um de nós reunidos para celebrar esta santa ceia.

Do altar de mármore ao altar incandescente de amor, um altar de carne, vivo e palpitante. Ao redor do altar com audácia. O altar é, portanto, o lugar onde Jesus se entrega, faz uma refeição, Ele é o cordeiro imolado.

Hoje também recordamos os cristãos primitivos, especialmente os mártires eles nos antecederam neste relacionamento de amor. As relíquias dos mártires estão preservadas no mármore do altar; são cristãos que corresponderam a este amor, com amor e por isso deram suas vidas por Jesus.  

Quem se senta à mesa de Jesus aprende a fazer de sua vida um presente, uma oblação. Aprende a dar a vida no cotidiano. O altar é uma mesa onde celebramos a imolação do Cordeiro: há aqueles que têm flores e luzes, aqueles que espalham toalhas de mesa, aqueles que espalham fragrâncias e incenso. Sobre tudo, há aqueles que doam suas vidas, neste altar, todo os dias.

Há ministros e há o sacerdote que age “in persona Christi”. Também há altares sem toalhas de mesa, sem flores, sem adornos e cobertos de pó. Há altares em torno dos quais não há mais coroas, nem canções, nem luzes, altares sobre os quais o sacerdote não se levanta há anos. Sem a Eucaristia não há Igreja.

Estamos no ano sacerdotal arquidiocesano e somos chamados a agradecer a Deus pela beleza de ser sacerdote, de ter um chamado do sacerdócio na família, na comunidade, na Igreja. De ser testemunho credível do Cristo Ressuscitado e se exercer o seu ministério na mansidão, na caridade, na misericórdia, gastando o seu ministério em favor de santificar o povo de Deus, sendo construtores de pontes e caminhando ao encontro dos que estão afastados: sacerdotes que ajudam o povo santo de Deus a crescer na caridade, no amor e na misericórdia. Lembro, os padres de nosso presbitério, da sadia amizade presbiteral: sejamos homens que possamos louvar as virtudes daqueles que chegam ao nosso encontro e dos nossos próprios colegas. A boa fama das pessoas é uma obrigação que cada padre deve zelar no seu ministério, porque como bom pai da comunidade, o presbítero é aquele que primeiro acolhe. O padre é aquele que cura as feridas do outro. A lealdade de uma ação apostólica fortalece a caminhada sacerdotal. O padre é aquele que vive a amizade samaritana para com todos.

Em volta da mesa está o futuro; a nossa aproximação é uma prefiguração da unidade dos filhos de Deus. Em uma forma estilizada, nosso destino é antecipado; tornar-se a família dos filhos de Deus. O altar, um vislumbre do futuro.

Ao redor do altar estamos como pecadores, mas no processo de conversão. Com o fardo de nossos trabalhos e nossos relacionamentos nem sempre é fácil, mas buscamos estar reconciliados.

Na Quinta-feira Santa aparece um sinal mais visível e fascinante em um grau elevado de significação e demonstração radical do amor de Deus: o gesto do lava pés. O Senhor quer que subamos ao altar purificados. Não nos sintamos humilhados pelo convite para a confissão de nossas falhas. Seria mais humilhante nos declararmos irresponsáveis pelo pecado.

Altar, lugar do relacionamento amoroso e sincero com o Senhor; Ele quer que sejamos fiéis nesta comunhão de irmãos que todos os dias, todos os domingos conforme nos pede a santa Mãe Igreja.

Estamos em sua casa, ao redor do altar para celebrar a mais perfeita comunhão sagrada, a memória do Senhor. Não por preceito, mas por amor. É indispensável, então, reconstruir a verdadeira relação com Jesus. “Todos os olhos estavam fixos nele”. (cf Lc 4, 20), Também os sacerdotes, são chamados a manter o olhar fixo em Jesus; de modo especial, são sacerdotes porque, como bem sabemos, a vitalidade e fecundidade como pastores nascem e se fortalecem justamente na íntima união com Jesus Cristo.

Os sacerdotes, pastores do rebanho, são os trabalhadores da vinha, e devem primeiro deixar-se converter; para de fato fazerem a experiência de Jesus Cristo e com Jesus Cristo, sempre com o olhar fixo Nele.

O testemunho sacerdotal faz com que o povo, também viva esta mesma experiência de intimidade e encontro pessoal com o Senhor, (cf. Hb 12, 1-13). O profeta Isaías descreve algumas características do ungido do Senhor indicando o estilo de vida.

Jesus atrai sobre si a figura do Messias, do ungido do Senhor e, diante de todos, declara, quase com um manifesto programático, sua vocação e missão no mundo. O Sacerdote é chamado a dar a sua vida por Jesus através do seu ministério, um ministério da caridade.

Esta é a liberdade, não um “sim” formal, mas o sim generoso e sincero, um Sim à vida, iluminado por aquele magnifico Sim de Maria, que hoje encoraja e revigora o Sim ministerial a serviço do altar, para dar a vida em favor do Povo, por amor, como fez Jesus Cristo o eterno e grande sacerdote do Pai.

A Santa Missa “in Coena Domini”, isto é, no banquete sagrado da ceia, recorda aquela Última Ceia do Senhor com os seus discípulos, na qual lhes deu o mandamento do amor, depois de terem lavado os pés e instituído os sacramentos da Eucaristia, e das Ordens Sagradas.

“Aos seus discípulos, Jesus deixa uma ordem, um convite:" Faça isso em memória de mim”. A palavra “memória” na Sagrada Escritura tem um significado muito particular. Não significa apenas comemorar, mas fazer-se presente, atualizar.

A Eucaristia, portanto, não é uma comemoração pura da Paixão e da Morte de Jesus, mas é uma atualização para nós hoje, do sacrifício de Cristo na Cruz - a Eucaristia alimenta a vida da Igreja na certeza inabalável de que ela não está sozinha nas tribulações e provações.

Estamos conscientes de que apesar dos acontecimentos dramáticos da história, a Igreja é incessantemente apoiada e guiada pelo amor onipotente do seu Senhor.

Verdadeiramente na Eucaristia, Cristo fez a promessa que fez aos seus discípulos de uma maneira incrível e extraordinária, antes de retornar ao Pai: “Eis que estou contigo todos os dias até o fim do mundo”.

A Eucaristia é a presença de Deus em nosso meio. O texto do Evangelho termina com estas palavras: “Eu vos dei este exemplo, para que, como eu fiz, também vós deveis fazer”.

E assim, toda vez que celebramos a sagrada Eucaristia, a humanidade se reconcilia com Deus, a lei do amor é escrita novamente no coração do homem, a nova criatura é regenerada.

Vivemos em comunhão com Deus e com nossos irmãos, encontramos força na jornada, muitas vezes difícil, porém, devemos sempre lembrar que nos tornamos participantes da vida eterna, a alegria que dissolve a tristeza e floresce no coração da Igreja.

Agradecemos ao Senhor por este imenso presente, aprendemos a desfrutar da sua presença entre nós e a deixar-nos transformar pelo seu amor. Nossa Gratidão aos irmãos e amados sacerdotes pelo SIM dado no cotidiano da vida e do ministério sagrado.

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro