Arquidiocese do Rio de Janeiro

39º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/12/2018

18 de Dezembro de 2018

Nossa família irá morar no Céu

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Dezembro de 2018

Nossa família irá morar no Céu

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

04/12/2018 09:38 - Atualizado em 04/12/2018 09:38

Nossa família irá morar no Céu 0

04/12/2018 09:38 - Atualizado em 04/12/2018 09:38

A nossa meta é o Céu, junto a Cristo, pois um dia estaremos ressuscitados com Ele. Lembre-se sempre disso: nossa meta está no Céu, e não na terra. Estamos apenas de passagem nesta terra, como peregrinos que visitam um lugar.

Porém, esse pequeno tempo que passamos aqui deve ser bem vivido. É de nossas ações que o Senhor tira a matéria-prima para construir a nossa morada no Céu; e ela não será somente para nós, mas para toda a nossa família.

É por isso que vale a pena todo esforço, suor, toda luta, as lágrimas derramadas. Combatemos por nós e por todos eles, por isso Deus nos faz combatentes.

Não mande “sucata” para o Céu. Tenha a coragem, desde agora, de enviar material de primeira qualidade para construir a casa de sua família. Na eternidade não existe “coluna do meio”, só existe Céu e Inferno, luz ou trevas. O tempo de nos transformarmos, de “mandar material”, é agora, pois estamos vivendo o tempo da misericórdia, em que nos é permitido cair e levantar, arrepender e recomeçar.

Se cairmos durante a caminhada, o segredo é o arrependimento. Precisamos nos arrepender imediatamente dos nossos erros, pois temos um advogado de defesa diante do Pai: Jesus Cristo, o justo. Ele foi vítima de expiação por nossos pecados e, não somente pelos nossos, mas também pelos do mundo inteiro. Por meio de Sua justiça, desde que nos arrependamos e assumamos uma vida nova, podemos caminhar com a certeza de que somos responsáveis por uma família que irá morar no Céu.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Nossa família irá morar no Céu

04/12/2018 09:38 - Atualizado em 04/12/2018 09:38

A nossa meta é o Céu, junto a Cristo, pois um dia estaremos ressuscitados com Ele. Lembre-se sempre disso: nossa meta está no Céu, e não na terra. Estamos apenas de passagem nesta terra, como peregrinos que visitam um lugar.

Porém, esse pequeno tempo que passamos aqui deve ser bem vivido. É de nossas ações que o Senhor tira a matéria-prima para construir a nossa morada no Céu; e ela não será somente para nós, mas para toda a nossa família.

É por isso que vale a pena todo esforço, suor, toda luta, as lágrimas derramadas. Combatemos por nós e por todos eles, por isso Deus nos faz combatentes.

Não mande “sucata” para o Céu. Tenha a coragem, desde agora, de enviar material de primeira qualidade para construir a casa de sua família. Na eternidade não existe “coluna do meio”, só existe Céu e Inferno, luz ou trevas. O tempo de nos transformarmos, de “mandar material”, é agora, pois estamos vivendo o tempo da misericórdia, em que nos é permitido cair e levantar, arrepender e recomeçar.

Se cairmos durante a caminhada, o segredo é o arrependimento. Precisamos nos arrepender imediatamente dos nossos erros, pois temos um advogado de defesa diante do Pai: Jesus Cristo, o justo. Ele foi vítima de expiação por nossos pecados e, não somente pelos nossos, mas também pelos do mundo inteiro. Por meio de Sua justiça, desde que nos arrependamos e assumamos uma vida nova, podemos caminhar com a certeza de que somos responsáveis por uma família que irá morar no Céu.

 

Monsenhor Jonas Abib
Autor

Monsenhor Jonas Abib

Fundador da Comunidade Canção Nova e presidente da Fundação João Paulo II