Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/11/2018

19 de Novembro de 2018

A atualidade da santidade hoje

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Novembro de 2018

A atualidade da santidade hoje

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

26/10/2018 14:53 - Atualizado em 26/10/2018 14:53

A atualidade da santidade hoje 0

26/10/2018 14:53 - Atualizado em 26/10/2018 14:53

Hoje – 12 de outubro - o Papa Francisco inscreveu 7 novos santos no catálogo dos santos. Estamos em pleno mês do Rosário e das Missões, enquanto em Roma acontece o Sínodo dos Bispos sobre a juventude. Com esse gesto a Igreja está a nos indicar qual o caminho do cristão: viver o seu batismo no caminho da santidade. O Papa Francisco presidiu na manhã deste domingo (14/10), na Praça São Pedro, à canonização de sete novos Santos da Igreja: Paulo VI, Dom Oscar Romero, Francisco Spinelli, Vicente Romano, Maria Catarina Kasper, Nazária Inácia e Núncio Sulprizio.

Em nosso artigo anterior resumimos, em união com as publicações oficiais, a vida desses novos santos. Situações e tempos diversos, mas sempre colocando em prática o Evangelho. Vivendo a Palavra de Deus.

A Santidade é a vivência completa das bem-aventuranças e do rosto divino de Deus na nossa peregrinação neste mundo. Fazer o bem, sem olhar a quem e sem ostentação. Ser santo é viver o Evangelho na sua totalidade e na sua simplicidade contagiando o mundo com a alegria cristã.

Vamos agradecer a Deus o testemunho evangélico do Papa Paulo VI e do Arcebispo Oscar Romero. A memória detalhada da última audiência de Romero com Montini, testemunha da fidelidade ao ensinamento da Igreja, pode ler-se no diário do prelado: “Paulo VI apertou-me a mão direita e teve-a entre as suas duas mãos durante bastante tempo, e eu também apertou com as minhas duas mãos a mão do papa”. “Compreendo o seu difícil trabalho, é um trabalho que pode ser incompreendido e precisa de muita paciência e fortaleza, (…) mas prossiga com coragem, com paciência, com força, com esperança”, disse Paulo VI. O Papa Montini que tantas incompreensões sofreu quando, sem medo das reações mundanas e perversas, promulgou a Encíclica “Humanae Vitae” reafirmando o valor da vida humana; foi quem nomeou o Bispo Auxiliar Dom Oscar Romero para Arcebispo Metropolitano de São Salvador agora são canonizados na mesma cerimônia, com mais cinco outros santos.

O grande Papa Paulo VI, pode intuir bem, que a santidade é a via ordinária para todos os batizados. E a Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II, tratou, em seu quinto capítulo, a respeito da “vocação de todos à santidade na Igreja”, ensinando que “os cristãos de qualquer estado ou ordem são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade”.

A vocação ou chamado à santidade de que fala a Lumen Gentium tem um fundamento bíblico e, como tal, está profundamente relacionada com o cotidiano e com a prática concreta da vida de cada dia. Para ser santa, a pessoa não precisa fugir do seu estado de vida. Ela se santifica exatamente e somente pelo compromisso com a sua condição humana e cristã. A vocação à santidade consiste na capacidade de responder ao apelo divino por meio da vivência evangélica do próprio estilo de vida (cf. LG 39).

As canonizações dentro do Sínodo nos fala de sete santos que ofereceram ao mundo a fé em Cristo Ressuscitado, dando testemunho ardoroso de confiança absoluta em Deus para transformar o mundo e contagiar o mundo pelo testemunho credível de vida santas que continuam falando pelo seu testemunho eloquente de cristãos.

Pastores dedicados ao Povo de Deus vivendo a realidade dos sofrimentos próprios dos fiéis que estavam aos seus cuidados os novos santos querem pela via ordinária do ministério ordenado, quer como bispos, sacerdotes, consagrados ou sobretudo como batizados santificaram as suas vidas pela coerência de vida e pelo exemplo luminoso de seu testemunho de vida, sofrendo na própria vida os sofrimentos de Cristo para evangelizar o povo de Deus, que os levaram sem destemor a irradiarem o ar fresco e renovado do Evangelho da Vida santificando o povo de Deus e levando os homens e as mulheres ao encontro com o Senhor Ressuscitado.

A Igreja é “indefectivelmente santa” (LG 39) porque é enviada para ser “sacramento universal de salvação” (AG 1). Deus nos escolhe e nos envia para proclamar as suas “excelências”, as suas maravilhas (cf. 1Pd 2,9). Portanto, ser santo ou santa é acolher com alegria e disposição o chamado para tomar parte ativa na missão evangelizadora da Igreja, para anunciar a todas as pessoas o projeto de vida que a Trindade Santa tem para toda a humanidade.

Que a santidade destes novos santos, sendo que São Oscar Romero tombou mártir no altar da Eucaristia por testemunhar a verdade cristológica, nos ensine a sermos autênticos discípulos missionários testemunhando o Ressuscitado e levando as pessoas a viverem, no seu dia a dia, a beleza da santidade.

Sim ser santo se vive no dia a dia, nas relações pessoais, no trabalho, no lazer, nos deslocamentos, na vida como ela é. Sejamos santos. Não tenhamos medo de viver a santidade e pelo nosso testemunho transformar o mundo do jeito que Jesus fez, levando todos para o Senhor, que é o caminho, a verdade e a vida. A santidade nos torna livres e nos ajuda a atrair mais pessoas para o seguimento de Cristo. Que os novos santos intercedam junto de Deus para que a juventude seja enamorada pela beleza do Evangelho, Amém!

 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A atualidade da santidade hoje

26/10/2018 14:53 - Atualizado em 26/10/2018 14:53

Hoje – 12 de outubro - o Papa Francisco inscreveu 7 novos santos no catálogo dos santos. Estamos em pleno mês do Rosário e das Missões, enquanto em Roma acontece o Sínodo dos Bispos sobre a juventude. Com esse gesto a Igreja está a nos indicar qual o caminho do cristão: viver o seu batismo no caminho da santidade. O Papa Francisco presidiu na manhã deste domingo (14/10), na Praça São Pedro, à canonização de sete novos Santos da Igreja: Paulo VI, Dom Oscar Romero, Francisco Spinelli, Vicente Romano, Maria Catarina Kasper, Nazária Inácia e Núncio Sulprizio.

Em nosso artigo anterior resumimos, em união com as publicações oficiais, a vida desses novos santos. Situações e tempos diversos, mas sempre colocando em prática o Evangelho. Vivendo a Palavra de Deus.

A Santidade é a vivência completa das bem-aventuranças e do rosto divino de Deus na nossa peregrinação neste mundo. Fazer o bem, sem olhar a quem e sem ostentação. Ser santo é viver o Evangelho na sua totalidade e na sua simplicidade contagiando o mundo com a alegria cristã.

Vamos agradecer a Deus o testemunho evangélico do Papa Paulo VI e do Arcebispo Oscar Romero. A memória detalhada da última audiência de Romero com Montini, testemunha da fidelidade ao ensinamento da Igreja, pode ler-se no diário do prelado: “Paulo VI apertou-me a mão direita e teve-a entre as suas duas mãos durante bastante tempo, e eu também apertou com as minhas duas mãos a mão do papa”. “Compreendo o seu difícil trabalho, é um trabalho que pode ser incompreendido e precisa de muita paciência e fortaleza, (…) mas prossiga com coragem, com paciência, com força, com esperança”, disse Paulo VI. O Papa Montini que tantas incompreensões sofreu quando, sem medo das reações mundanas e perversas, promulgou a Encíclica “Humanae Vitae” reafirmando o valor da vida humana; foi quem nomeou o Bispo Auxiliar Dom Oscar Romero para Arcebispo Metropolitano de São Salvador agora são canonizados na mesma cerimônia, com mais cinco outros santos.

O grande Papa Paulo VI, pode intuir bem, que a santidade é a via ordinária para todos os batizados. E a Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II, tratou, em seu quinto capítulo, a respeito da “vocação de todos à santidade na Igreja”, ensinando que “os cristãos de qualquer estado ou ordem são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade”.

A vocação ou chamado à santidade de que fala a Lumen Gentium tem um fundamento bíblico e, como tal, está profundamente relacionada com o cotidiano e com a prática concreta da vida de cada dia. Para ser santa, a pessoa não precisa fugir do seu estado de vida. Ela se santifica exatamente e somente pelo compromisso com a sua condição humana e cristã. A vocação à santidade consiste na capacidade de responder ao apelo divino por meio da vivência evangélica do próprio estilo de vida (cf. LG 39).

As canonizações dentro do Sínodo nos fala de sete santos que ofereceram ao mundo a fé em Cristo Ressuscitado, dando testemunho ardoroso de confiança absoluta em Deus para transformar o mundo e contagiar o mundo pelo testemunho credível de vida santas que continuam falando pelo seu testemunho eloquente de cristãos.

Pastores dedicados ao Povo de Deus vivendo a realidade dos sofrimentos próprios dos fiéis que estavam aos seus cuidados os novos santos querem pela via ordinária do ministério ordenado, quer como bispos, sacerdotes, consagrados ou sobretudo como batizados santificaram as suas vidas pela coerência de vida e pelo exemplo luminoso de seu testemunho de vida, sofrendo na própria vida os sofrimentos de Cristo para evangelizar o povo de Deus, que os levaram sem destemor a irradiarem o ar fresco e renovado do Evangelho da Vida santificando o povo de Deus e levando os homens e as mulheres ao encontro com o Senhor Ressuscitado.

A Igreja é “indefectivelmente santa” (LG 39) porque é enviada para ser “sacramento universal de salvação” (AG 1). Deus nos escolhe e nos envia para proclamar as suas “excelências”, as suas maravilhas (cf. 1Pd 2,9). Portanto, ser santo ou santa é acolher com alegria e disposição o chamado para tomar parte ativa na missão evangelizadora da Igreja, para anunciar a todas as pessoas o projeto de vida que a Trindade Santa tem para toda a humanidade.

Que a santidade destes novos santos, sendo que São Oscar Romero tombou mártir no altar da Eucaristia por testemunhar a verdade cristológica, nos ensine a sermos autênticos discípulos missionários testemunhando o Ressuscitado e levando as pessoas a viverem, no seu dia a dia, a beleza da santidade.

Sim ser santo se vive no dia a dia, nas relações pessoais, no trabalho, no lazer, nos deslocamentos, na vida como ela é. Sejamos santos. Não tenhamos medo de viver a santidade e pelo nosso testemunho transformar o mundo do jeito que Jesus fez, levando todos para o Senhor, que é o caminho, a verdade e a vida. A santidade nos torna livres e nos ajuda a atrair mais pessoas para o seguimento de Cristo. Que os novos santos intercedam junto de Deus para que a juventude seja enamorada pela beleza do Evangelho, Amém!

 
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro