Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/11/2018

19 de Novembro de 2018

Rosário em outubro missionário

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Novembro de 2018

Rosário em outubro missionário

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

18/10/2018 09:42 - Atualizado em 18/10/2018 09:43

Rosário em outubro missionário 0

18/10/2018 09:42 - Atualizado em 18/10/2018 09:43

O Papa Francisco pediu no dia 29 de setembro de 2018, festa dos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, que, no mês de outubro, todos os fiéis rezem o rosário todos os dias “contra o mal que divide a comunidade cristã”. O apelo do Santo Padre faz lembrar outros momentos tormentosos pelos quais passamos no passado, como no caso de Lepanto. Diante de tantos sofrimentos e dificuldades, este é o momento de suplicar a intercessão de Maria e a presença de São Miguel Arcanjo para defender-nos do maligno que se “manifesta de diversos modos, complicando a missão de evangelização da Igreja, chegando até a desacreditá-la”. Às intenções do Santo Padre peçamos pela unidade em nossa pátria para que saibamos conviver em paz e com responsabilidade. Coloquemos as intenções de nosso estado e cidade (arquidiocese), pedindo pela paz em nossas fronteiras. Que ao badalar dos sinos no Ângelus das 6h, 12h e 18h paremos uns instantes para suplicar a intercessão mariana por todas as nossas necessidades. Que o Mês das Missões, com o tema da paz (nacional) e da juventude (mensagem do Papa), encontre no Rosário o grande momento de intercessão.

Publicou o VaticanNews que “o Santo Padre decidiu convidar todos os fiéis de todo o mundo a rezar todos os dias o terço, durante todo o Mês do Rosário, ou seja, outubro; e, também juntar-se em comunhão e penitência, como povo de Deus, invocando a Santa Mãe de Deus e o Arcanjo São Miguel para que protejam a Igreja nestes tempos difíceis. O comunicado nos diz que todas essas divisões e situações são favorecidas pelo espírito maligno, “inimigo mortal de nossa natureza humana”, ou seja, é o diabo, que sempre procura nos dividir de Deus e uns dos outros.

O Santo Padre nos pede que concluamos a recitação do Rosário com a antiga oração "Sub tuum praesidium", e com a oração a São Miguel Arcanjo (escrita pelo Papa Leão XIII) para que nos proteja e ajude na luta contra o mal (cfr. Apocalipse 12, 7-12).
 
A oração: “Sub tuum praesidium” costuma ser assim traduzida “À Vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem Gloriosa e Bendita”, texto esse também musicado.
 
A oração escrita por Leão XIII a São Miguel Arcanjo é assim traduzida: “São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate. Sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Que Deus manifeste o seu poder sobre ele. Eis a nossa humilde súplica. E vó, Príncipe da Milícia Celeste, com o poder que Deus vos conferiu, precipitai no inferno Satanás e os outros espíritos malignos, que andam pelo mundo tentando as almas. Amém”.
 
Com este pedido de intercessão, o Santo Padre pediu aos fiéis em todo o mundo para rezar para que a Santa Mãe de Deus coloque a Igreja sob seu manto protetor: “para preservá-la dos ataques do maligno, o grande acusador, e tornar os fiéis, ao mesmo tempo, sempre mais conscientes das falhas, dos erros, dos abusos cometidos no presente e no passado, e comprometidos a lutar, sem qualquer hesitação, para que o mal não prevaleça.” (cfr. https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2018- 09/papa-rezar-terco-todos-dias-outubro.html, último acesso em 29 de setembro de 2018.)
 
São João Paulo II dedicou uma Encíclica sobre o Santo Rosário. O poder do Santo Rosário é um grande momento de anunciar Cristo com Maria, como nos ensinou São João Paulo II: “O Rosário é também um itinerário de anúncio e aprofundamento, no qual o mistério de Cristo é continuamente oferecido aos diversos níveis da experiência cristã. O módulo é o de uma apresentação orante e contemplativa, que visa plasmar o discípulo segundo o coração de Cristo. De fato, se na recitação do Rosário todos os elementos para uma meditação eficaz forem devidamente valorizados, torna-se, especialmente na celebração comunitária nas paróquias e nos santuários, uma significativa oportunidade catequética que os pastores devem saber aproveitar. A Virgem do Rosário continua também deste modo a sua obra de anúncio de Cristo. A história do Rosário mostra como esta oração foi utilizada especialmente pelos dominicanos, num momento difícil para a Igreja, por causa da difusão da heresia. Hoje encontramo-nos diante de novos desafios. Porque não retomar na mão o Terço com a fé dos que nos precederam? O Rosário conserva toda a sua força e permanece um recurso não descurável na bagagem pastoral de todo o bom evangelizador”(cfr. http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/apost_letters/2002/documents/hf_jp-ii_apl_20021016_rosarium-virginis-mariae.html, último acesso em 29 de setembro de 2018.)
 
O Papa Bento XVI ressaltou a importância do Santo Rosário e a sua atualidade: “Hoje confirmamos juntos que o Santo Rosário não é uma prática piedosa do passado, como oração de outros tempos, na qual se pensa com saudades. Ao contrário, o Rosário está a conhecer quase uma nova primavera. Isto é sem dúvida um dos sinais mais eloquentes do amor que as jovens gerações sentem por Jesus e pela sua Mãe, Maria. No mundo atual tão dispersivo, esta oração ajuda a colocar Cristo no centro, como fazia a Virgem, que meditava interiormente tudo o que se dizia do seu Filho, e depois o que Ele fazia e dizia. Quando se recita o Rosário revivem-se os momentos importantes e significativos da história da salvação; repercorrem-se as várias etapas da missão de Cristo. Com Maria orienta-se o coração para o mistério de Jesus. Põe-se Cristo no centro da nossa vida, do nosso tempo, das nossas cidades, mediante a contemplação e a meditação dos seus santos mistérios de alegria, de luz, de sofrimento e de glória. Ajude-nos Maria a acolher em nós a graça que promana destes mistérios, para que através de nós possa "irrigar" a sociedade, a partir das relações cotidianas, e purificá-la de tantas forças negativas, abrindo-a à novidade de Deus. O Rosário, quando é rezado de modo autêntico, não mecânico nem superficial, mas profundo, de fato dá paz e reconciliação. Contém em si o poder restabelecedor do santíssimo Nome de Jesus, invocado com fé e com amor no centro de cada Ave-Maria”. (https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/speeches/2008/may/documents/hf_ben-xvi_spe_20080503_rosary.html, último acesso em 29 de setembro de 2018.
 
A oração precisa ser feita com fé, pois ela é o fundamento de todas as virtudes cristãs. Por isso devemos começar o Rosário rezando o Credo, ou Símbolo dos Apóstolos.
 
Para rezar bem, não é preciso fazer orações longas e rebuscadas. Existe oração mais simples e mais sublime do que a Ave Maria? Ela resume toda a teologia cristã sobre Nossa Senhora. Nela há um louvor e uma invocação. O louvor contém tudo o que faz a grandeza de Maria. A invocação encerra tudo o que devemos pedir a Ela.
 
Quero encorajar, particularmente os párocos, vigários e todo o clero de nossa arquidiocese, em marcar horários especiais de oração comunitária do Santo Rosário, com a recitação do “Sub tuum praesidium” e da Oração de São Miguel Arcanjo de São Leão XIII, pedindo pela Igreja, pelas suas necessidades e para que Deus afaste o mal e a discórdia do seio eclesial. Da mesma forma vamos nos reunir nos setores paroquiais, nos ambientes de trabalho, nas nossas famílias, nos lugares de lazer, em nossas ruas. Mesmo pessoalmente, no metrô, no trem, no ônibus ou em casa vamos rezar o terço, conforme nos pede o Papa Francisco; rezar o terço contra o mal que divide a comunidade cristã. Ao nos colocarmos diante de Maria, mãe da Igreja e invocando São Miguel Arcanjo para defender-nos no combate, façamos nossa parte de conversão e de vida nova para sermos sal, luz e fermento no meio de nosso mundo.
 
Infelizmente, neste mundo desorientado e que se afastou de Deus, muitas pessoas apenas querem sublinhar o que é pecado, desgraça, violência ou mesmo disseminar o ódio. Vamos olhar o que há de belo, santo, justo, puro e virtuoso na sociedade e nas pessoas. Há muitas pessoas que vivem o Evangelho e que precisam ser imitadas.
 
Aqueles que disseminam, particularmente a partir das redes sociais, o mal e o ódio estão afastados de Deus e precisam de nossas orações para que retomem o caminho de Deus e a seara do Evangelho. Nós que, no Brasil, celebramos o Mês do Rosário e das Missões devemos nos ajudar a viver com fecundidade a nossa vida batismal em todos os sentidos, e assim renovados, renovar a presença da Igreja na sociedade.
 
A Mãe Igreja sempre está sendo renovada, pela santificação dos seus membros e pelas penitências que fazemos, como jejuns, orações e práticas de piedade para que aqueles que vivem no pecado reencontrem os caminhos de Deus. Nos ajudará pela materna proteção de Nossa Senhora Aparecida, invocada, em outubro, também sobre o patrocínio de Nossa Senhora do Rosário, ou de Nazaré, no Mês Missionário, a rezarmos com Maria para irmos ao encontro do seu amado Filho Jesus e, pela récita do Rosário, contemplando os mistérios gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos, possamos ser pessoas que, transformadas pelo poder da oração, sob a proteção do Senhor e da Virgem Maria, vivam uma vida virtuosa, e que ajudem a Cristo e a sua Mãe Igreja a cumprir a sua missão de santificar o mundo para que o mundo creia que Cristo é o Senhor!

 
Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ
 
 
 
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Rosário em outubro missionário

18/10/2018 09:42 - Atualizado em 18/10/2018 09:43

O Papa Francisco pediu no dia 29 de setembro de 2018, festa dos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, que, no mês de outubro, todos os fiéis rezem o rosário todos os dias “contra o mal que divide a comunidade cristã”. O apelo do Santo Padre faz lembrar outros momentos tormentosos pelos quais passamos no passado, como no caso de Lepanto. Diante de tantos sofrimentos e dificuldades, este é o momento de suplicar a intercessão de Maria e a presença de São Miguel Arcanjo para defender-nos do maligno que se “manifesta de diversos modos, complicando a missão de evangelização da Igreja, chegando até a desacreditá-la”. Às intenções do Santo Padre peçamos pela unidade em nossa pátria para que saibamos conviver em paz e com responsabilidade. Coloquemos as intenções de nosso estado e cidade (arquidiocese), pedindo pela paz em nossas fronteiras. Que ao badalar dos sinos no Ângelus das 6h, 12h e 18h paremos uns instantes para suplicar a intercessão mariana por todas as nossas necessidades. Que o Mês das Missões, com o tema da paz (nacional) e da juventude (mensagem do Papa), encontre no Rosário o grande momento de intercessão.

Publicou o VaticanNews que “o Santo Padre decidiu convidar todos os fiéis de todo o mundo a rezar todos os dias o terço, durante todo o Mês do Rosário, ou seja, outubro; e, também juntar-se em comunhão e penitência, como povo de Deus, invocando a Santa Mãe de Deus e o Arcanjo São Miguel para que protejam a Igreja nestes tempos difíceis. O comunicado nos diz que todas essas divisões e situações são favorecidas pelo espírito maligno, “inimigo mortal de nossa natureza humana”, ou seja, é o diabo, que sempre procura nos dividir de Deus e uns dos outros.

O Santo Padre nos pede que concluamos a recitação do Rosário com a antiga oração "Sub tuum praesidium", e com a oração a São Miguel Arcanjo (escrita pelo Papa Leão XIII) para que nos proteja e ajude na luta contra o mal (cfr. Apocalipse 12, 7-12).
 
A oração: “Sub tuum praesidium” costuma ser assim traduzida “À Vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem Gloriosa e Bendita”, texto esse também musicado.
 
A oração escrita por Leão XIII a São Miguel Arcanjo é assim traduzida: “São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate. Sede o nosso refúgio contra as maldades e ciladas do demônio. Que Deus manifeste o seu poder sobre ele. Eis a nossa humilde súplica. E vó, Príncipe da Milícia Celeste, com o poder que Deus vos conferiu, precipitai no inferno Satanás e os outros espíritos malignos, que andam pelo mundo tentando as almas. Amém”.
 
Com este pedido de intercessão, o Santo Padre pediu aos fiéis em todo o mundo para rezar para que a Santa Mãe de Deus coloque a Igreja sob seu manto protetor: “para preservá-la dos ataques do maligno, o grande acusador, e tornar os fiéis, ao mesmo tempo, sempre mais conscientes das falhas, dos erros, dos abusos cometidos no presente e no passado, e comprometidos a lutar, sem qualquer hesitação, para que o mal não prevaleça.” (cfr. https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2018- 09/papa-rezar-terco-todos-dias-outubro.html, último acesso em 29 de setembro de 2018.)
 
São João Paulo II dedicou uma Encíclica sobre o Santo Rosário. O poder do Santo Rosário é um grande momento de anunciar Cristo com Maria, como nos ensinou São João Paulo II: “O Rosário é também um itinerário de anúncio e aprofundamento, no qual o mistério de Cristo é continuamente oferecido aos diversos níveis da experiência cristã. O módulo é o de uma apresentação orante e contemplativa, que visa plasmar o discípulo segundo o coração de Cristo. De fato, se na recitação do Rosário todos os elementos para uma meditação eficaz forem devidamente valorizados, torna-se, especialmente na celebração comunitária nas paróquias e nos santuários, uma significativa oportunidade catequética que os pastores devem saber aproveitar. A Virgem do Rosário continua também deste modo a sua obra de anúncio de Cristo. A história do Rosário mostra como esta oração foi utilizada especialmente pelos dominicanos, num momento difícil para a Igreja, por causa da difusão da heresia. Hoje encontramo-nos diante de novos desafios. Porque não retomar na mão o Terço com a fé dos que nos precederam? O Rosário conserva toda a sua força e permanece um recurso não descurável na bagagem pastoral de todo o bom evangelizador”(cfr. http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/apost_letters/2002/documents/hf_jp-ii_apl_20021016_rosarium-virginis-mariae.html, último acesso em 29 de setembro de 2018.)
 
O Papa Bento XVI ressaltou a importância do Santo Rosário e a sua atualidade: “Hoje confirmamos juntos que o Santo Rosário não é uma prática piedosa do passado, como oração de outros tempos, na qual se pensa com saudades. Ao contrário, o Rosário está a conhecer quase uma nova primavera. Isto é sem dúvida um dos sinais mais eloquentes do amor que as jovens gerações sentem por Jesus e pela sua Mãe, Maria. No mundo atual tão dispersivo, esta oração ajuda a colocar Cristo no centro, como fazia a Virgem, que meditava interiormente tudo o que se dizia do seu Filho, e depois o que Ele fazia e dizia. Quando se recita o Rosário revivem-se os momentos importantes e significativos da história da salvação; repercorrem-se as várias etapas da missão de Cristo. Com Maria orienta-se o coração para o mistério de Jesus. Põe-se Cristo no centro da nossa vida, do nosso tempo, das nossas cidades, mediante a contemplação e a meditação dos seus santos mistérios de alegria, de luz, de sofrimento e de glória. Ajude-nos Maria a acolher em nós a graça que promana destes mistérios, para que através de nós possa "irrigar" a sociedade, a partir das relações cotidianas, e purificá-la de tantas forças negativas, abrindo-a à novidade de Deus. O Rosário, quando é rezado de modo autêntico, não mecânico nem superficial, mas profundo, de fato dá paz e reconciliação. Contém em si o poder restabelecedor do santíssimo Nome de Jesus, invocado com fé e com amor no centro de cada Ave-Maria”. (https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/speeches/2008/may/documents/hf_ben-xvi_spe_20080503_rosary.html, último acesso em 29 de setembro de 2018.
 
A oração precisa ser feita com fé, pois ela é o fundamento de todas as virtudes cristãs. Por isso devemos começar o Rosário rezando o Credo, ou Símbolo dos Apóstolos.
 
Para rezar bem, não é preciso fazer orações longas e rebuscadas. Existe oração mais simples e mais sublime do que a Ave Maria? Ela resume toda a teologia cristã sobre Nossa Senhora. Nela há um louvor e uma invocação. O louvor contém tudo o que faz a grandeza de Maria. A invocação encerra tudo o que devemos pedir a Ela.
 
Quero encorajar, particularmente os párocos, vigários e todo o clero de nossa arquidiocese, em marcar horários especiais de oração comunitária do Santo Rosário, com a recitação do “Sub tuum praesidium” e da Oração de São Miguel Arcanjo de São Leão XIII, pedindo pela Igreja, pelas suas necessidades e para que Deus afaste o mal e a discórdia do seio eclesial. Da mesma forma vamos nos reunir nos setores paroquiais, nos ambientes de trabalho, nas nossas famílias, nos lugares de lazer, em nossas ruas. Mesmo pessoalmente, no metrô, no trem, no ônibus ou em casa vamos rezar o terço, conforme nos pede o Papa Francisco; rezar o terço contra o mal que divide a comunidade cristã. Ao nos colocarmos diante de Maria, mãe da Igreja e invocando São Miguel Arcanjo para defender-nos no combate, façamos nossa parte de conversão e de vida nova para sermos sal, luz e fermento no meio de nosso mundo.
 
Infelizmente, neste mundo desorientado e que se afastou de Deus, muitas pessoas apenas querem sublinhar o que é pecado, desgraça, violência ou mesmo disseminar o ódio. Vamos olhar o que há de belo, santo, justo, puro e virtuoso na sociedade e nas pessoas. Há muitas pessoas que vivem o Evangelho e que precisam ser imitadas.
 
Aqueles que disseminam, particularmente a partir das redes sociais, o mal e o ódio estão afastados de Deus e precisam de nossas orações para que retomem o caminho de Deus e a seara do Evangelho. Nós que, no Brasil, celebramos o Mês do Rosário e das Missões devemos nos ajudar a viver com fecundidade a nossa vida batismal em todos os sentidos, e assim renovados, renovar a presença da Igreja na sociedade.
 
A Mãe Igreja sempre está sendo renovada, pela santificação dos seus membros e pelas penitências que fazemos, como jejuns, orações e práticas de piedade para que aqueles que vivem no pecado reencontrem os caminhos de Deus. Nos ajudará pela materna proteção de Nossa Senhora Aparecida, invocada, em outubro, também sobre o patrocínio de Nossa Senhora do Rosário, ou de Nazaré, no Mês Missionário, a rezarmos com Maria para irmos ao encontro do seu amado Filho Jesus e, pela récita do Rosário, contemplando os mistérios gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos, possamos ser pessoas que, transformadas pelo poder da oração, sob a proteção do Senhor e da Virgem Maria, vivam uma vida virtuosa, e que ajudem a Cristo e a sua Mãe Igreja a cumprir a sua missão de santificar o mundo para que o mundo creia que Cristo é o Senhor!

 
Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ
 
 
 
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro