Arquidiocese do Rio de Janeiro

29º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/09/2018

20 de Setembro de 2018

Cuidar da pátria: o dever de todo cristão

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Setembro de 2018

Cuidar da pátria: o dever de todo cristão

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

07/09/2018 10:02 - Atualizado em 07/09/2018 10:42

Cuidar da pátria: o dever de todo cristão 0

07/09/2018 10:02 - Atualizado em 07/09/2018 10:42

No dia 7 de setembro, as comunidades paroquiais foram convidadas, através da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a rezar, de maneira especial, pelo país, por ocasião do Dia da Pátria. Como de costume, os bispos fizeram um apelo pela mobilização dos cristãos, por meio da oração.

Segundo o bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner, o exercício de orar pelo país é um convite a todos os cristãos católicos para entrar e despertar para a realidade em que vivemos, por meio da oração e jejum. O bispo lembrou que “a oração nos abre um horizonte de compreensão para além da nossa realidade imediata e nos convida a dar nossa contribuição como cristãos e católicos”. Ele ressaltou que “no momento voltado para a celebração da Independência do Brasil, é necessário participar ativamente da vida da sociedade”, e afirmou também ser necessário buscar o equilíbrio a partir da ética.

Se, por um lado, somos convocados a rezar pelos governantes e líderes da nação, por outro somos levados a fazer uma reflexão a respeito dos nossos atos enquanto cidadãos. Será que temos cumprido nosso dever enquanto cristãos na sociedade? Será que nossa contribuição para o bem comum tem sido parte integrante da ordem e do progresso do lugar em que vivemos? Enquanto cidadãos de bem devemos deixar o individualismo de lado e pensar no coletivo, e isto inclui não se envolver em corrupção e não realizar demais gestos que possam prejudicar o próximo.

No período em que se aproximam as eleições, devemos nos atentar, cada vez mais, para que possamos exercer corretamente nosso papel enquanto responsáveis por uma pátria mais justa e igualitária. Para o episcopado, a situação atual do Brasil exige que nós, cidadãos, instituições, e organizações responsáveis pela justiça e pela construção do bem comum, tenhamos discernimento e compromisso.

Os bispos do Regional Leste 1, após ouvirem leigos e padres, apresentaram orientações para o momento eleitoral que se aproxima. O texto, embora dirigido aos católicos, também é voltado para cada eleitor do Estado do Rio de Janeiro, e pretende suscitar a reflexão e o diálogo, a fim de que o voto seja feito de forma consciente e responsável.

Os bispos ressaltam que, ao refletir sobre candidatos de partidos, não se pode apoiar quem, de algum modo, defenda valores contrários ao Evangelho. Os bispos também frisaram que as propostas apresentadas devem ser pela defesa da vida, da família, dos pobres, pela saúde e educação, e pelo direito a usufruir de um meio ambiente livre de poluição.

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro Dom Antonio Augusto Dias Duarte também deu dicas para as próximas eleições: 1. Não se abster, nem votar em branco ou nulo; 2. Votar de acordo com nossa consciência. Não se deixar levar pelo desânimo, pela descrença, ou pelo pensamento de que a política é sempre algo sujo; 3. Estar atento aos valores que a Igreja tem em sua doutrina social; 4. Investigar, pesquisar, buscar, ouvir debates. 5. Conversar com outras pessoas; 6. Não deixar que a política acabe com amizades; 7. Pensar no Poder Executivo, mas também no Legislativo; 8. Não vender voto; 9. A Igreja (como Templo) não é local de campanha política; 10. Mas a nossa casa e espaços públicos são, por isso devemos nos reunir e conversar.

Devemos ter consciência do nosso dever e, iluminados pela sabedoria do Evangelho, contribuir com honestidade para a construção de um país mais justo e fraterno.

Vinícius Arouca


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Cuidar da pátria: o dever de todo cristão

07/09/2018 10:02 - Atualizado em 07/09/2018 10:42

No dia 7 de setembro, as comunidades paroquiais foram convidadas, através da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a rezar, de maneira especial, pelo país, por ocasião do Dia da Pátria. Como de costume, os bispos fizeram um apelo pela mobilização dos cristãos, por meio da oração.

Segundo o bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner, o exercício de orar pelo país é um convite a todos os cristãos católicos para entrar e despertar para a realidade em que vivemos, por meio da oração e jejum. O bispo lembrou que “a oração nos abre um horizonte de compreensão para além da nossa realidade imediata e nos convida a dar nossa contribuição como cristãos e católicos”. Ele ressaltou que “no momento voltado para a celebração da Independência do Brasil, é necessário participar ativamente da vida da sociedade”, e afirmou também ser necessário buscar o equilíbrio a partir da ética.

Se, por um lado, somos convocados a rezar pelos governantes e líderes da nação, por outro somos levados a fazer uma reflexão a respeito dos nossos atos enquanto cidadãos. Será que temos cumprido nosso dever enquanto cristãos na sociedade? Será que nossa contribuição para o bem comum tem sido parte integrante da ordem e do progresso do lugar em que vivemos? Enquanto cidadãos de bem devemos deixar o individualismo de lado e pensar no coletivo, e isto inclui não se envolver em corrupção e não realizar demais gestos que possam prejudicar o próximo.

No período em que se aproximam as eleições, devemos nos atentar, cada vez mais, para que possamos exercer corretamente nosso papel enquanto responsáveis por uma pátria mais justa e igualitária. Para o episcopado, a situação atual do Brasil exige que nós, cidadãos, instituições, e organizações responsáveis pela justiça e pela construção do bem comum, tenhamos discernimento e compromisso.

Os bispos do Regional Leste 1, após ouvirem leigos e padres, apresentaram orientações para o momento eleitoral que se aproxima. O texto, embora dirigido aos católicos, também é voltado para cada eleitor do Estado do Rio de Janeiro, e pretende suscitar a reflexão e o diálogo, a fim de que o voto seja feito de forma consciente e responsável.

Os bispos ressaltam que, ao refletir sobre candidatos de partidos, não se pode apoiar quem, de algum modo, defenda valores contrários ao Evangelho. Os bispos também frisaram que as propostas apresentadas devem ser pela defesa da vida, da família, dos pobres, pela saúde e educação, e pelo direito a usufruir de um meio ambiente livre de poluição.

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro Dom Antonio Augusto Dias Duarte também deu dicas para as próximas eleições: 1. Não se abster, nem votar em branco ou nulo; 2. Votar de acordo com nossa consciência. Não se deixar levar pelo desânimo, pela descrença, ou pelo pensamento de que a política é sempre algo sujo; 3. Estar atento aos valores que a Igreja tem em sua doutrina social; 4. Investigar, pesquisar, buscar, ouvir debates. 5. Conversar com outras pessoas; 6. Não deixar que a política acabe com amizades; 7. Pensar no Poder Executivo, mas também no Legislativo; 8. Não vender voto; 9. A Igreja (como Templo) não é local de campanha política; 10. Mas a nossa casa e espaços públicos são, por isso devemos nos reunir e conversar.

Devemos ter consciência do nosso dever e, iluminados pela sabedoria do Evangelho, contribuir com honestidade para a construção de um país mais justo e fraterno.

Vinícius Arouca