Arquidiocese do Rio de Janeiro

29º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/09/2018

20 de Setembro de 2018

“O Senhor abre os olhos aos cegos” (Sl 145,8)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Setembro de 2018

“O Senhor abre os olhos aos cegos” (Sl 145,8)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

09/09/2018 00:00

“O Senhor abre os olhos aos cegos” (Sl 145,8) 0

09/09/2018 00:00

O Pão da Palavra e o Pão Eucarístico nos guardam para a vida que virá! É isso o que nos diz a liturgia de hoje na oração pós-comunhão: “Ó Deus, que nutris e fortificais vossos fiéis com o alimento da vossa palavra e do vosso pão, concedei-nos, por estes dons do vosso Filho, viver com ele para sempre.”

O Cristo nos alimenta nestas duas mesas. É necessário recolher, com cuidado, cada fragmento do Corpo de Cristo, que nestas duas mesas se dá a nós como um alimento salutar que nos nutre e nos guarda para a vida.

O Evangelho hoje nos apresenta o Cristo que circula no meio das cidades pagãs. Ele, o Cristo, não segue o itinerário mais óbvio, mas o itinerário teologicamente mais adequado. Ele literalmente circula no meio das cidades pagãs realizando sinais que visam chamar os homens à conversão.

Trouxeram à Jesus um surdo, que falava com dificuldade, para que Ele lhe impusesse as mãos. Esse gesto de impor as mãos possui muitos significados na Escritura: transmissão de um carisma (1Tm 4,14); transmissão do Espírito; cura etc. Aqui trazem a Jesus um surdo para que Ele o cure.

Esse homem, porque não ouve, também fala com dificuldade, não consegue se expressar. Jesus leva o surdo-gago “a sós” para longe da multidão e realiza uma série de gestos que o colocam, ainda que através de uma linguagem simbólica, em diálogo com o surdo-gago. Jesus coloca o dedo em seus ouvidos, com saliva toca sua língua e elevando os olhos aos céus ordena: “Effathá!” O dedo é sinal de poder. Em Ex 8,15 se reconhece que as pragas são enviadas pelo dedo de Deus! A saliva possuía, segundo a crença dos antigos, um poder medicinal. Ao elevar os olhos ao céu, Jesus recorda que é de lá que, de acordo com o salmista, vem o auxílio: “Levanto os olhos para os montes: de onde me virá o auxílio?” (Sl 121,1) “Levanto os olhos a ti, que habitas no céu!” (Sl 123,1) Jesus não está nem realizando um rito mágico, como falsamente interpretam alguns; nem tampouco usando um ritual de curandeirismo do seu tempo.

Jesus que poderia curar apenas pelo poder de sua palavra, como já demonstrara no caso da filha da siro-fenícia, quer realizar esta cura utilizando-se de uma moldura que recorre a um rico simbolismo fundado na cultura e na religiosidade do seu povo.

Imediatamente, diz a Palavra, os ouvidos do surdo se abriram e sua língua se “soltou” e ele passou a falar corretamente.

Jesus, todavia, como já é comum no Evangelho de Marcos, proíbe que seus milagres sejam divulgados, porque o que importa é o sentido do milagre e não o milagre em si. Estupefata, a multidão comenta: “Ele faz tudo bem!” Tal exclamação nos remete ao Gênesis, quando o autor bíblico diz: “E Deus viu que tudo era bom!” A exemplo do Pai, o Cristo faz bem todas as coisas. E a multidão ainda aclama nos moldes da primeira leitura que ouvimos: “Faz ouvir os surdos e falar os mudos.”

O gesto de Jesus realiza aquilo o que Isaías profetizou na primeira leitura: “Se abrirão os olhos do cego e se descerrarão os ouvidos dos mudos” (cf. Is 35,4).

A liturgia da Palavra nos mostra, assim, a maravilhosa unidade da história da salvação: Isaías profetizou; o Cristo realizou e nós colhemos os frutos do que Cristo realizou. Isaías profetizou que os ouvidos do surdo se abririam; o Cristo curou o surdo-gago inaugurando, assim, os tempos messiânicos; hoje, também o Cristo pronuncia solenemente sobre cada assembleia eucarística um novo “Effathá!”, a fim de que os nossos ouvidos possam “ouvir” a sua Palavra.

O Evangelho que hoje ouvimos, foi logo assumido nas liturgias batismais primitivas a fim de que os neófitos tivessem os ouvidos abertos para escutar a Palavra e a língua livre para proclamá-la retamente. Também nós somos uma assembleia batismal. O Mistério da Assembleia reside no fato de sermos aqueles que foram renascidos em Cristo, ressuscitados com Ele, tocados em nossos ouvidos e lábios para ouvirmos e proclamarmos a sua Palavra. Essa Palavra já aconteceu em nós, mas precisa ser assumida e assimilada, por isso ela volta a cada ciclo B, neste 23º domingo, para nos recordarmos daquilo o que foi feito em nós e cantarmos com o salmista: “Bendize, ó minha alma ao Senhor. Bendirei ao Senhor toda a vida! O Senhor abre os olhos aos cegos, o Senhor faz erguer-se o caído!”

O Senhor hoje nos toma em suas mãos e nos leva a sós, a um lugar à parte, onde ele cura a nossa chaga mais profunda: a surdez espiritual. Quando ouvimos a Palavra e a nossa boca a proclama, tudo em nós se torna luz e compreendemos os milagres que estão ao nosso lado e que, de tão óbvios, se tornam imperceptíveis. Um desses milagres é a assembleia, onde não pode haver acepção de pessoas. Todos nela têm o mesmo valor: ricos e pobres; ministros e povo; todos possuem a mesma dignidade. Não cabe, naqueles que entendem o milagre da assembleia, a acepção de pessoas. O valor da assembleia não está na consideração de cada membro individualmente, com seus evidentes pecados. O seu valor reside no fato dela ser sacramento de Cristo, seu Corpo Místico. Quando contemplamos essa realidade percebemos que o outro ao nosso lado, seja ele quem for, é um membro desse corpo, e deve ser reverenciado pelo que ele significa. É disto que fala Tiago, na segunda leitura, quando exorta seus irmãos a não fazerem acepção de pessoas nas assembleias cristãs.

Abramos o nosso coração ao Cristo e deixemos que Ele nos toque e nos liberte de nossa surdez espiritual, a exemplo do que fez no Evangelho com o surdo, que falava com dificuldade. Ouvindo de modo pleno, falaremos sem dificuldade, anunciaremos com a palavra e a vida que Jesus é o Cristo.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

“O Senhor abre os olhos aos cegos” (Sl 145,8)

09/09/2018 00:00

O Pão da Palavra e o Pão Eucarístico nos guardam para a vida que virá! É isso o que nos diz a liturgia de hoje na oração pós-comunhão: “Ó Deus, que nutris e fortificais vossos fiéis com o alimento da vossa palavra e do vosso pão, concedei-nos, por estes dons do vosso Filho, viver com ele para sempre.”

O Cristo nos alimenta nestas duas mesas. É necessário recolher, com cuidado, cada fragmento do Corpo de Cristo, que nestas duas mesas se dá a nós como um alimento salutar que nos nutre e nos guarda para a vida.

O Evangelho hoje nos apresenta o Cristo que circula no meio das cidades pagãs. Ele, o Cristo, não segue o itinerário mais óbvio, mas o itinerário teologicamente mais adequado. Ele literalmente circula no meio das cidades pagãs realizando sinais que visam chamar os homens à conversão.

Trouxeram à Jesus um surdo, que falava com dificuldade, para que Ele lhe impusesse as mãos. Esse gesto de impor as mãos possui muitos significados na Escritura: transmissão de um carisma (1Tm 4,14); transmissão do Espírito; cura etc. Aqui trazem a Jesus um surdo para que Ele o cure.

Esse homem, porque não ouve, também fala com dificuldade, não consegue se expressar. Jesus leva o surdo-gago “a sós” para longe da multidão e realiza uma série de gestos que o colocam, ainda que através de uma linguagem simbólica, em diálogo com o surdo-gago. Jesus coloca o dedo em seus ouvidos, com saliva toca sua língua e elevando os olhos aos céus ordena: “Effathá!” O dedo é sinal de poder. Em Ex 8,15 se reconhece que as pragas são enviadas pelo dedo de Deus! A saliva possuía, segundo a crença dos antigos, um poder medicinal. Ao elevar os olhos ao céu, Jesus recorda que é de lá que, de acordo com o salmista, vem o auxílio: “Levanto os olhos para os montes: de onde me virá o auxílio?” (Sl 121,1) “Levanto os olhos a ti, que habitas no céu!” (Sl 123,1) Jesus não está nem realizando um rito mágico, como falsamente interpretam alguns; nem tampouco usando um ritual de curandeirismo do seu tempo.

Jesus que poderia curar apenas pelo poder de sua palavra, como já demonstrara no caso da filha da siro-fenícia, quer realizar esta cura utilizando-se de uma moldura que recorre a um rico simbolismo fundado na cultura e na religiosidade do seu povo.

Imediatamente, diz a Palavra, os ouvidos do surdo se abriram e sua língua se “soltou” e ele passou a falar corretamente.

Jesus, todavia, como já é comum no Evangelho de Marcos, proíbe que seus milagres sejam divulgados, porque o que importa é o sentido do milagre e não o milagre em si. Estupefata, a multidão comenta: “Ele faz tudo bem!” Tal exclamação nos remete ao Gênesis, quando o autor bíblico diz: “E Deus viu que tudo era bom!” A exemplo do Pai, o Cristo faz bem todas as coisas. E a multidão ainda aclama nos moldes da primeira leitura que ouvimos: “Faz ouvir os surdos e falar os mudos.”

O gesto de Jesus realiza aquilo o que Isaías profetizou na primeira leitura: “Se abrirão os olhos do cego e se descerrarão os ouvidos dos mudos” (cf. Is 35,4).

A liturgia da Palavra nos mostra, assim, a maravilhosa unidade da história da salvação: Isaías profetizou; o Cristo realizou e nós colhemos os frutos do que Cristo realizou. Isaías profetizou que os ouvidos do surdo se abririam; o Cristo curou o surdo-gago inaugurando, assim, os tempos messiânicos; hoje, também o Cristo pronuncia solenemente sobre cada assembleia eucarística um novo “Effathá!”, a fim de que os nossos ouvidos possam “ouvir” a sua Palavra.

O Evangelho que hoje ouvimos, foi logo assumido nas liturgias batismais primitivas a fim de que os neófitos tivessem os ouvidos abertos para escutar a Palavra e a língua livre para proclamá-la retamente. Também nós somos uma assembleia batismal. O Mistério da Assembleia reside no fato de sermos aqueles que foram renascidos em Cristo, ressuscitados com Ele, tocados em nossos ouvidos e lábios para ouvirmos e proclamarmos a sua Palavra. Essa Palavra já aconteceu em nós, mas precisa ser assumida e assimilada, por isso ela volta a cada ciclo B, neste 23º domingo, para nos recordarmos daquilo o que foi feito em nós e cantarmos com o salmista: “Bendize, ó minha alma ao Senhor. Bendirei ao Senhor toda a vida! O Senhor abre os olhos aos cegos, o Senhor faz erguer-se o caído!”

O Senhor hoje nos toma em suas mãos e nos leva a sós, a um lugar à parte, onde ele cura a nossa chaga mais profunda: a surdez espiritual. Quando ouvimos a Palavra e a nossa boca a proclama, tudo em nós se torna luz e compreendemos os milagres que estão ao nosso lado e que, de tão óbvios, se tornam imperceptíveis. Um desses milagres é a assembleia, onde não pode haver acepção de pessoas. Todos nela têm o mesmo valor: ricos e pobres; ministros e povo; todos possuem a mesma dignidade. Não cabe, naqueles que entendem o milagre da assembleia, a acepção de pessoas. O valor da assembleia não está na consideração de cada membro individualmente, com seus evidentes pecados. O seu valor reside no fato dela ser sacramento de Cristo, seu Corpo Místico. Quando contemplamos essa realidade percebemos que o outro ao nosso lado, seja ele quem for, é um membro desse corpo, e deve ser reverenciado pelo que ele significa. É disto que fala Tiago, na segunda leitura, quando exorta seus irmãos a não fazerem acepção de pessoas nas assembleias cristãs.

Abramos o nosso coração ao Cristo e deixemos que Ele nos toque e nos liberte de nossa surdez espiritual, a exemplo do que fez no Evangelho com o surdo, que falava com dificuldade. Ouvindo de modo pleno, falaremos sem dificuldade, anunciaremos com a palavra e a vida que Jesus é o Cristo.

 

Padre Fábio Siqueira
Autor

Padre Fábio Siqueira

Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida