Arquidiocese do Rio de Janeiro

29º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/09/2018

20 de Setembro de 2018

Livros do Antigo Testamento (69)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Setembro de 2018

Livros do Antigo Testamento (69)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

31/08/2018 12:08 - Atualizado em 31/08/2018 12:08

Livros do Antigo Testamento (69) 0

31/08/2018 12:08 - Atualizado em 31/08/2018 12:08

Com este artigo concluímos a parte central da mensagem ou da revelação do Antigo Testamento: a Torah. As Leis sagradas, a Constituição do povo de Israel. No centro destes cinco textos encontra-se a figura protagonista de Deus, que ouviu os clamores do seu povo, e que antes vocacionou Abraão a gestar este povo. Moisés é grande porque contracena com Deus na condução do povo de Deus pelo deserto.

1. Bênçãos e maldições: 27,1-30,18

Quando, pois, tiverem acontecido todas essas coisas e postas diante de ti a bênção ou a maldição, se tu as tomares a peito no meio de todas as nações entre as quais o Senhor, teu Deus, te tiver espalhado, e voltares então para o Senhor, e obedeceres à sua voz de todo o teu coração e de toda a tua alma, tu e os teus filhos, conformando-vos a tudo o que hoje vos ordeno, então o Senhor, teu Deus, reconduzirá teus cativos e terá piedade de ti, e te ajuntará de novo do meio das nações entre as quais te houver espalhado. Ainda que os teus exilados se encontrassem na extremidade dos céus, dali te tiraria o Senhor, teu Deus, e ali mesmo iria ele buscar-te. O Senhor, teu Deus, te reconduzirá à terra que possuíam os teus pais e te dará a sua possessão. E far-te-á prosperar e multiplicar mais que os teus pais. O Senhor, teu Deus, circuncidar-te-á o coração e o de tua descendência, para que ames o Senhor de todo o teu coração e de toda a tua alma, a fim de que possas viver. O Senhor, teu Deus, fará cair todas essas maldições sobre os teus inimigos e sobre aqueles que te perseguem com ódio. Tu, porém, voltarás a ouvir a voz do Senhor, e porás em prática todas as ordens que hoje te prescrevo. O Senhor, teu Deus, encher-te-á de bens em todas as obras de tuas mãos, no fruto de tuas entranhas, no fruto de teus animais e nos produtos de teu solo, porque o Senhor se comprazerá de novo em fazer-te feliz, como se comprazia no tempo de teus pais, contanto que obedeças à voz do Senhor, teu Deus, observando seus mandamentos e seus preceitos escritos neste livro da Lei, e que voltes para o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e de toda a tua alma (Dt 30, 1-10).

Esta seção que vai finalizando o Livro do Deuteronômio esta organizada num binômio: bênção versus maldição.

Aparentemente, esta situação de opostos deveria caracterizar um ‘dentro’ (judeus) e um ‘fora’ (pagãos), mas não foi bem assim. A bênção de Deus, isto é, seu favor, é voltado para o parâmetro da obediência. Qualquer homem que O obedecia tornava-se destinatário de sua bênção.

Ao contrário, quase recontando Gen 3, o pecado original, a maldição de Deus estava fadada aos desobedientes, isto é, os que ignoram o cumprimento dos mandamentos.

O Sinai não pode ser recordado somente no ritual litúrgico, no Templo. Mas, Israel deve seguir uma ética dos mandamentos, a saber, ter uma vida social e pessoal configurada pelas leis de Deus.

Além disso, e talvez por isso mesmo, a vivência e a celebração da Lei deve se tornar uma ‘pastoral da missão’ em Israel. Eles deverão mostrar aos povos pagãos de Canaã, quais são as determinações do Deus que os insidiou naquela ‘terra de leite e mel’. Os judeus não devem deixar-se colonizar pelas leis, mentalidade e religiosidade pagãs.

2. Testemunhas da Aliança: 30,19-20.

O mandamento que hoje te dou não está acima de tuas forças, nem fora de teu alcance. Ele não está nos céus, para que digas: quem subirá ao céu para no-lo buscar e no-lo fazer ouvir para que o observemos? Não está tampouco do outro lado do mar, para que digas: quem atravessará o mar para no-lo buscar e no-lo fazer ouvir para que o observemos? Mas essa palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração: e tu a podes cumprir. Olha que hoje ponho diante de ti a vida com o bem e a morte com o mal. Mando-te hoje que ames o Senhor, teu Deus, que andes em seus caminhos, observes seus mandamentos, suas leis e seus preceitos, para que vivas e te multipliques, e que o Senhor, teu Deus, te abençoe na terra em que vais entrar para possuí-la. Se, porém, o teu coração se afastar, se não obedeceres e se te deixares seduzir para te prostrares diante de outros deuses e adorá-los, eu te declaro neste dia: perecereis seguramente e não prolongareis os vossos dias na terra em que ides entrar para possuí-la, ao passar o Jordão. Tomo hoje por testemunhas o céu e a Terra contra vós: ponho diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que vivas com a tua posteridade, amando o Senhor, teu Deus, obedecendo à sua voz e permanecendo unido a ele. Porque é esta a tua vida e a longevidade dos teus dias na terra que o Senhor jurou dar a Abraão, Isaac e Jacó, teus pais (Dt 30, 11-20).

Esta seção conclui o discurso essencial do Deuteronômio: viver ou morrer, se bendito ou maldito. Uma promessa fundada na fé dos padres, na perene promessa e aliança feita com os pais: ‘que o Senhor jurou dar a Abraão, Isaac e Jacó, teus pais’.

Tomo hoje por testemunhas o céu e a terra contra vós: ponho diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que vivas com a tua posteridade, amando o Senhor, teu Deus, obedecendo à sua voz e permanecendo unido a ele.

Um dilema ético-místico, uma decisão que deverá marcar a nova trajetória histórica deste povo, agora, sob os cuidados de Josué, estabelecendo-se na Terra Prometida.

É o que veremos com os livros históricos (Kettuvim).

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Livros do Antigo Testamento (69)

31/08/2018 12:08 - Atualizado em 31/08/2018 12:08

Com este artigo concluímos a parte central da mensagem ou da revelação do Antigo Testamento: a Torah. As Leis sagradas, a Constituição do povo de Israel. No centro destes cinco textos encontra-se a figura protagonista de Deus, que ouviu os clamores do seu povo, e que antes vocacionou Abraão a gestar este povo. Moisés é grande porque contracena com Deus na condução do povo de Deus pelo deserto.

1. Bênçãos e maldições: 27,1-30,18

Quando, pois, tiverem acontecido todas essas coisas e postas diante de ti a bênção ou a maldição, se tu as tomares a peito no meio de todas as nações entre as quais o Senhor, teu Deus, te tiver espalhado, e voltares então para o Senhor, e obedeceres à sua voz de todo o teu coração e de toda a tua alma, tu e os teus filhos, conformando-vos a tudo o que hoje vos ordeno, então o Senhor, teu Deus, reconduzirá teus cativos e terá piedade de ti, e te ajuntará de novo do meio das nações entre as quais te houver espalhado. Ainda que os teus exilados se encontrassem na extremidade dos céus, dali te tiraria o Senhor, teu Deus, e ali mesmo iria ele buscar-te. O Senhor, teu Deus, te reconduzirá à terra que possuíam os teus pais e te dará a sua possessão. E far-te-á prosperar e multiplicar mais que os teus pais. O Senhor, teu Deus, circuncidar-te-á o coração e o de tua descendência, para que ames o Senhor de todo o teu coração e de toda a tua alma, a fim de que possas viver. O Senhor, teu Deus, fará cair todas essas maldições sobre os teus inimigos e sobre aqueles que te perseguem com ódio. Tu, porém, voltarás a ouvir a voz do Senhor, e porás em prática todas as ordens que hoje te prescrevo. O Senhor, teu Deus, encher-te-á de bens em todas as obras de tuas mãos, no fruto de tuas entranhas, no fruto de teus animais e nos produtos de teu solo, porque o Senhor se comprazerá de novo em fazer-te feliz, como se comprazia no tempo de teus pais, contanto que obedeças à voz do Senhor, teu Deus, observando seus mandamentos e seus preceitos escritos neste livro da Lei, e que voltes para o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e de toda a tua alma (Dt 30, 1-10).

Esta seção que vai finalizando o Livro do Deuteronômio esta organizada num binômio: bênção versus maldição.

Aparentemente, esta situação de opostos deveria caracterizar um ‘dentro’ (judeus) e um ‘fora’ (pagãos), mas não foi bem assim. A bênção de Deus, isto é, seu favor, é voltado para o parâmetro da obediência. Qualquer homem que O obedecia tornava-se destinatário de sua bênção.

Ao contrário, quase recontando Gen 3, o pecado original, a maldição de Deus estava fadada aos desobedientes, isto é, os que ignoram o cumprimento dos mandamentos.

O Sinai não pode ser recordado somente no ritual litúrgico, no Templo. Mas, Israel deve seguir uma ética dos mandamentos, a saber, ter uma vida social e pessoal configurada pelas leis de Deus.

Além disso, e talvez por isso mesmo, a vivência e a celebração da Lei deve se tornar uma ‘pastoral da missão’ em Israel. Eles deverão mostrar aos povos pagãos de Canaã, quais são as determinações do Deus que os insidiou naquela ‘terra de leite e mel’. Os judeus não devem deixar-se colonizar pelas leis, mentalidade e religiosidade pagãs.

2. Testemunhas da Aliança: 30,19-20.

O mandamento que hoje te dou não está acima de tuas forças, nem fora de teu alcance. Ele não está nos céus, para que digas: quem subirá ao céu para no-lo buscar e no-lo fazer ouvir para que o observemos? Não está tampouco do outro lado do mar, para que digas: quem atravessará o mar para no-lo buscar e no-lo fazer ouvir para que o observemos? Mas essa palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração: e tu a podes cumprir. Olha que hoje ponho diante de ti a vida com o bem e a morte com o mal. Mando-te hoje que ames o Senhor, teu Deus, que andes em seus caminhos, observes seus mandamentos, suas leis e seus preceitos, para que vivas e te multipliques, e que o Senhor, teu Deus, te abençoe na terra em que vais entrar para possuí-la. Se, porém, o teu coração se afastar, se não obedeceres e se te deixares seduzir para te prostrares diante de outros deuses e adorá-los, eu te declaro neste dia: perecereis seguramente e não prolongareis os vossos dias na terra em que ides entrar para possuí-la, ao passar o Jordão. Tomo hoje por testemunhas o céu e a Terra contra vós: ponho diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que vivas com a tua posteridade, amando o Senhor, teu Deus, obedecendo à sua voz e permanecendo unido a ele. Porque é esta a tua vida e a longevidade dos teus dias na terra que o Senhor jurou dar a Abraão, Isaac e Jacó, teus pais (Dt 30, 11-20).

Esta seção conclui o discurso essencial do Deuteronômio: viver ou morrer, se bendito ou maldito. Uma promessa fundada na fé dos padres, na perene promessa e aliança feita com os pais: ‘que o Senhor jurou dar a Abraão, Isaac e Jacó, teus pais’.

Tomo hoje por testemunhas o céu e a terra contra vós: ponho diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que vivas com a tua posteridade, amando o Senhor, teu Deus, obedecendo à sua voz e permanecendo unido a ele.

Um dilema ético-místico, uma decisão que deverá marcar a nova trajetória histórica deste povo, agora, sob os cuidados de Josué, estabelecendo-se na Terra Prometida.

É o que veremos com os livros históricos (Kettuvim).

 

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos
Autor

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos

Doutor em Teologia Bíblica