Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/09/2018

21 de Setembro de 2018

A quem serviremos?

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Setembro de 2018

A quem serviremos?

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

26/08/2018 00:00

A quem serviremos? 0

26/08/2018 00:00

Depois da Romaria Arquidiocesana em Aparecida, neste último sábado de agosto, quando pedimos o auxílio de Nossa Senhora em favor do povo do Rio de Janeiro, entramos agora no 21º Domingo do Tempo Comum. Continuando a dinâmica do ano litúrgico pastoral, a Igreja nos convida a ouvir e meditar a palavra de Deus que é lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho.

Neste quarto domingo de agosto comemoramos a vocação e missão dos fiéis leigos e leigas que constitui um dinamismo profético e missionário que impulsiona a missão da Igreja. Neste universo da evangelização estão os fiéis leigos e leigas que são como sementeiras do Reino de Deus. Estão presentes na vida do mundo testemunhando os valores do evangelho na sociedade plural de hoje. Em um mundo cada vez mais complexo, mais do que nunca se faz necessário o testemunho do laicato: são um sinal de comunhão eclesial no universo do mundo. São chamados a ser sal da terra, luz do mundo e fermento na massa.

Neste último domingo do mês vocacional recordamos com muito carinho daqueles que servem em nossas comunidades aprofundando a fé, pois celebramos o Dia Nacional dos Catequistas. Em geral são leigos que se dedicam a essa grande missão! Que Deus confirme a vida de cada um!

Diante da iniciativa de Deus, o homem é chamado a fazer uma escolha, a tomar decisões perante o seu projeto. As leituras deste domingo colocam sua atenção precisamente nesta decisão que desafia o homem e o coloca diante de uma opção que é para a vida ou a morte.

Na primeira leitura (Js 24,1-2a.15-17.17.18b), Josué provoca uma escolha decisiva entre Javé e as divindades estrangeiras, a quem Israel responde com uma profissão de fé que é igualmente firme e decisiva. As exigências da lei que o povo deve observar atraem sua força e autoridade por causa de uma intervenção livre e poderosa de Deus em favor de Israel. Daí a necessidade de lembrar o que Deus fez e realizou, porque isso justifica e baseia a observância da lei. O povo de Israel se depara com um daqueles momentos em que são convidados a refletir sobre sua história e sobre o dom dessa lei que implica a plena e total pertença a Deus. A adesão que Deus pede através das palavras de Josué não admite exceções: a quem iremos servir?. Segundo Josué a opção de aderir ao plano de Deus é uma atitude livre, a adesão ao Deus de Israel Deus é um projeto de liberdade, e não de submissão e escravidão como se fazia aos deuses estrangeiros. O homem quando se afasta de Deus não experimenta a liberdade, mas a escravidão da idolatria, com a ilusão de ter encontrado o caminho para completar a própria autonomia e a liberdade.

No Evangelho também estamos diante de uma escolha na conclusão do discurso sobre o pão da vida (Jo 6,60-69). Até agora, Jesus manteve a iniciativa, respondendo às perplexidades e murmúrios dos judeus. Agora eles são os mesmos ouvintes que precisam tomar uma decisão. Há uma importante mudança de paradigma: se os judeus foram os primeiros a manifestar incompreensão e hostilidade, agora os discípulos devem sentir a dureza dessas palavras. Contudo, os doze distinguem-se dos discípulos que, expostos à mesma tentação, permanecem fiéis. Eles estão relacionados com a pessoa de Jesus, mesmo que as palavras ainda sejam incompreensíveis para eles. Muitos de seus discípulos, depois de ouvir, disseram: Esta palavra é difícil; quem pode escutar isso? Jesus, sabendo dentro de si que seus discípulos estavam murmurando sobre isso, disse-lhes: Isso vos ofende? E se você viu o Filho do Homem ascender onde ele estava antes? É o Espírito que dá a vida, a carne não ajuda em nada. Jesus disse aos doze: "Vocês também querem ir?". Simão Pedro lhe respondeu: "Senhor, para quem iremos nós? Você tem palavras de vida eterna”.  (cf. João 6, 60).

A crise de escolha e adesão a um projeto de vida, já é latente inevitavelmente irrompe e envolve muitos discípulos que abandonam Jesus: "Muitos de seus discípulos, depois de ouvir, disseram: esta linguagem é difícil; quem pode entendê-lo?" (Cf. João 6,60).

Para eles, como para o cristão de todos os tempos, o discurso de Jesus é "difícil" de aceitar, porque colide com a lógica do homem. A "dureza" do discurso está na revelação de Jesus sobre sua pessoa e seu destino. De fato, aceitar seu dom e "comer sua carne pela vida do mundo" também significa aceitar seu programa de vida.

As dificuldades levantadas pelos discípulos no versículo 61 são definidos como “fofocas”: é o estilo de quem não vai estar à disposição de Deus, não quer entrar em diálogo com Ele colocando-se em um estado de verdadeira obediência.

Jesus não quer mitigar o escândalo, ao contrário, ele acentua porque destaca a raiz de sua incredulidade: "Isso te ofende? E se você visse o Filho do Homem subindo onde ele estava antes?” (cf. João 6,62). As dificuldades em acreditar serão ainda mais evidentes diante do mistério da morte de Jesus, que somente na fé aparecerá como uma subida ao Pai e não um desaparecido.

Mas esta lógica da fé contrasta com o ponto de vista do homem "carnal": "É o Espírito que dá a vida, a carne é inútil" (cf. João 6,63). Somente aqueles que deixam a lógica do mundo para permanecer no plano do Espírito de Deus, que ensina que somente o amor é incrível, o que implica a decisão da fé, pode fazer parte do grupo daqueles que seguem a Jesus.

A Igreja é uma comunidade que deve sempre ser confrontada com a inquietante pergunta: "Você também quer ir embora?" (cf. João 6,67). É hora para o batizado que a fé exige uma dependência radical, um renascimento, que é um começo, cada vez mais nua, a escuta da Palavra e confiar que o Espírito do Senhor.

Isso nos leva à resposta de Pedro confessando em nome dos Doze (e da Igreja) de não saber para onde ir e que reconhece que não pode haver lar estável e vida real fora da comunhão com Jesus: "Tu tens palavras de vida eterna" (cf. João 6, 69).

O discurso do pão da vida, é como um prelúdio, uma antecipação e um sinal da cruz, Jesus lê dessa maneira.  Segundo o mestre é através da Eucaristia, que chegamos a compartilhar os sinais do pão e do vinho, o mistério da cruz tal como se manifesta, configura com a existência de Jesus e o Pai diante do mistério de comunhão.

Jesus lida com o escândalo, mas como frequentemente acontece ele não reduz sua intensidade, mas o amplifica: "E se você visse o Filho do homem subindo onde ele estava antes?". Com essa afirmação, Jesus quer levar seus ouvintes a refletir mais uma vez sobre sua pessoa. A ascensão corresponde à descida mencionada no discurso sobre o pão da vida. O que também escandaliza seus discípulos, é basicamente a mesma reivindicação dos judeus, para conhecer sua identidade. Se Jesus é reconhecido como o único mediador para a salvação, então suas palavras não são mais duras, mas são "Espírito e vida". Quem acredita em revelação e come este pão é compreende que o Espírito pode dar vida.

Onde nós levamos o Espírito? Como podemos confiar no Espírito? "As palavras que eu lhe contei são Espírito e vida". As palavras que eu te digo dão espírito e vida, dão vida. Permitir-se ser atraído pelo Pai, deixar-se levar pelo Espírito significa agarrar-se às palavras de Jesus, apegar-se a essas palavras.

Opondo a carne ao Espírito, João não distingue duas partes do homem, mas ele descreve dois modos de ser. A carne é o homem para si e para os limites de suas possibilidades: ele não pode por si mesmo perceber o significado profundo das palavras e sinais de Jesus, nem acreditar.

O Espírito é o poder da vida que ilumina o homem, abre os olhos, permite-lhe discernir a palavra expressa em Jesus As palavras de Jesus no pão celestial revelam uma realidade divina que é fonte de vida para o homem. Somente o Espírito pode dar-lhe inteligência.

Não se deve esquecer que Jesus, em face da reação negativa do ouvinte, não modifica nada que tenha sido dito ou exigido. Não é Deus que se adapta ao homem, mas o homem que tem que estar de acordo com a vontade e o projeto salvífico de Deus.

Na frente da dificuldade, ele lembra que ele já disse, para ir ter com ele devem ser atraídos para o Pai. Essa afirmação abre o espaço da oração, que cultiva dentro de nós o senso de confiança. A fé, a compreensão profunda de Jesus e o significado de sua vida devem ser exigidos, mas a fé é também uma escolha; Com relação aos discípulos, a questão surge como uma encruzilhada diante da qual uma decisão deve ser tomada.

A profissão de fé de Pedro está intimamente ligada à questão colocada: "Senhor, para onde iremos?". Não devemos ter mais ninguém, Senhor, para quem iremos? Afinal, a jornada que Jesus fez aos seus discípulos é uma jornada em que ele progressivamente perdeu para eles toda a segurança, que não era Ele. Aqui o mistério da nossa própria vida está presente. É o fim de toda idolatria do homem. Não por acaso, por várias vezes, Jesus nesta passagem referiu-se aos acontecimentos do deserto, de modo que toda a idolatria seria posta fim. Afinal, diante de Deus, nossa fé deve ser afirmada e declarada porque Ele é o caminho a verdade e a vida, não sabemos para onde ir, senão seguir as pegadas de nosso Mestre e Senhor Jesus Cristo.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A quem serviremos?

26/08/2018 00:00

Depois da Romaria Arquidiocesana em Aparecida, neste último sábado de agosto, quando pedimos o auxílio de Nossa Senhora em favor do povo do Rio de Janeiro, entramos agora no 21º Domingo do Tempo Comum. Continuando a dinâmica do ano litúrgico pastoral, a Igreja nos convida a ouvir e meditar a palavra de Deus que é lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho.

Neste quarto domingo de agosto comemoramos a vocação e missão dos fiéis leigos e leigas que constitui um dinamismo profético e missionário que impulsiona a missão da Igreja. Neste universo da evangelização estão os fiéis leigos e leigas que são como sementeiras do Reino de Deus. Estão presentes na vida do mundo testemunhando os valores do evangelho na sociedade plural de hoje. Em um mundo cada vez mais complexo, mais do que nunca se faz necessário o testemunho do laicato: são um sinal de comunhão eclesial no universo do mundo. São chamados a ser sal da terra, luz do mundo e fermento na massa.

Neste último domingo do mês vocacional recordamos com muito carinho daqueles que servem em nossas comunidades aprofundando a fé, pois celebramos o Dia Nacional dos Catequistas. Em geral são leigos que se dedicam a essa grande missão! Que Deus confirme a vida de cada um!

Diante da iniciativa de Deus, o homem é chamado a fazer uma escolha, a tomar decisões perante o seu projeto. As leituras deste domingo colocam sua atenção precisamente nesta decisão que desafia o homem e o coloca diante de uma opção que é para a vida ou a morte.

Na primeira leitura (Js 24,1-2a.15-17.17.18b), Josué provoca uma escolha decisiva entre Javé e as divindades estrangeiras, a quem Israel responde com uma profissão de fé que é igualmente firme e decisiva. As exigências da lei que o povo deve observar atraem sua força e autoridade por causa de uma intervenção livre e poderosa de Deus em favor de Israel. Daí a necessidade de lembrar o que Deus fez e realizou, porque isso justifica e baseia a observância da lei. O povo de Israel se depara com um daqueles momentos em que são convidados a refletir sobre sua história e sobre o dom dessa lei que implica a plena e total pertença a Deus. A adesão que Deus pede através das palavras de Josué não admite exceções: a quem iremos servir?. Segundo Josué a opção de aderir ao plano de Deus é uma atitude livre, a adesão ao Deus de Israel Deus é um projeto de liberdade, e não de submissão e escravidão como se fazia aos deuses estrangeiros. O homem quando se afasta de Deus não experimenta a liberdade, mas a escravidão da idolatria, com a ilusão de ter encontrado o caminho para completar a própria autonomia e a liberdade.

No Evangelho também estamos diante de uma escolha na conclusão do discurso sobre o pão da vida (Jo 6,60-69). Até agora, Jesus manteve a iniciativa, respondendo às perplexidades e murmúrios dos judeus. Agora eles são os mesmos ouvintes que precisam tomar uma decisão. Há uma importante mudança de paradigma: se os judeus foram os primeiros a manifestar incompreensão e hostilidade, agora os discípulos devem sentir a dureza dessas palavras. Contudo, os doze distinguem-se dos discípulos que, expostos à mesma tentação, permanecem fiéis. Eles estão relacionados com a pessoa de Jesus, mesmo que as palavras ainda sejam incompreensíveis para eles. Muitos de seus discípulos, depois de ouvir, disseram: Esta palavra é difícil; quem pode escutar isso? Jesus, sabendo dentro de si que seus discípulos estavam murmurando sobre isso, disse-lhes: Isso vos ofende? E se você viu o Filho do Homem ascender onde ele estava antes? É o Espírito que dá a vida, a carne não ajuda em nada. Jesus disse aos doze: "Vocês também querem ir?". Simão Pedro lhe respondeu: "Senhor, para quem iremos nós? Você tem palavras de vida eterna”.  (cf. João 6, 60).

A crise de escolha e adesão a um projeto de vida, já é latente inevitavelmente irrompe e envolve muitos discípulos que abandonam Jesus: "Muitos de seus discípulos, depois de ouvir, disseram: esta linguagem é difícil; quem pode entendê-lo?" (Cf. João 6,60).

Para eles, como para o cristão de todos os tempos, o discurso de Jesus é "difícil" de aceitar, porque colide com a lógica do homem. A "dureza" do discurso está na revelação de Jesus sobre sua pessoa e seu destino. De fato, aceitar seu dom e "comer sua carne pela vida do mundo" também significa aceitar seu programa de vida.

As dificuldades levantadas pelos discípulos no versículo 61 são definidos como “fofocas”: é o estilo de quem não vai estar à disposição de Deus, não quer entrar em diálogo com Ele colocando-se em um estado de verdadeira obediência.

Jesus não quer mitigar o escândalo, ao contrário, ele acentua porque destaca a raiz de sua incredulidade: "Isso te ofende? E se você visse o Filho do Homem subindo onde ele estava antes?” (cf. João 6,62). As dificuldades em acreditar serão ainda mais evidentes diante do mistério da morte de Jesus, que somente na fé aparecerá como uma subida ao Pai e não um desaparecido.

Mas esta lógica da fé contrasta com o ponto de vista do homem "carnal": "É o Espírito que dá a vida, a carne é inútil" (cf. João 6,63). Somente aqueles que deixam a lógica do mundo para permanecer no plano do Espírito de Deus, que ensina que somente o amor é incrível, o que implica a decisão da fé, pode fazer parte do grupo daqueles que seguem a Jesus.

A Igreja é uma comunidade que deve sempre ser confrontada com a inquietante pergunta: "Você também quer ir embora?" (cf. João 6,67). É hora para o batizado que a fé exige uma dependência radical, um renascimento, que é um começo, cada vez mais nua, a escuta da Palavra e confiar que o Espírito do Senhor.

Isso nos leva à resposta de Pedro confessando em nome dos Doze (e da Igreja) de não saber para onde ir e que reconhece que não pode haver lar estável e vida real fora da comunhão com Jesus: "Tu tens palavras de vida eterna" (cf. João 6, 69).

O discurso do pão da vida, é como um prelúdio, uma antecipação e um sinal da cruz, Jesus lê dessa maneira.  Segundo o mestre é através da Eucaristia, que chegamos a compartilhar os sinais do pão e do vinho, o mistério da cruz tal como se manifesta, configura com a existência de Jesus e o Pai diante do mistério de comunhão.

Jesus lida com o escândalo, mas como frequentemente acontece ele não reduz sua intensidade, mas o amplifica: "E se você visse o Filho do homem subindo onde ele estava antes?". Com essa afirmação, Jesus quer levar seus ouvintes a refletir mais uma vez sobre sua pessoa. A ascensão corresponde à descida mencionada no discurso sobre o pão da vida. O que também escandaliza seus discípulos, é basicamente a mesma reivindicação dos judeus, para conhecer sua identidade. Se Jesus é reconhecido como o único mediador para a salvação, então suas palavras não são mais duras, mas são "Espírito e vida". Quem acredita em revelação e come este pão é compreende que o Espírito pode dar vida.

Onde nós levamos o Espírito? Como podemos confiar no Espírito? "As palavras que eu lhe contei são Espírito e vida". As palavras que eu te digo dão espírito e vida, dão vida. Permitir-se ser atraído pelo Pai, deixar-se levar pelo Espírito significa agarrar-se às palavras de Jesus, apegar-se a essas palavras.

Opondo a carne ao Espírito, João não distingue duas partes do homem, mas ele descreve dois modos de ser. A carne é o homem para si e para os limites de suas possibilidades: ele não pode por si mesmo perceber o significado profundo das palavras e sinais de Jesus, nem acreditar.

O Espírito é o poder da vida que ilumina o homem, abre os olhos, permite-lhe discernir a palavra expressa em Jesus As palavras de Jesus no pão celestial revelam uma realidade divina que é fonte de vida para o homem. Somente o Espírito pode dar-lhe inteligência.

Não se deve esquecer que Jesus, em face da reação negativa do ouvinte, não modifica nada que tenha sido dito ou exigido. Não é Deus que se adapta ao homem, mas o homem que tem que estar de acordo com a vontade e o projeto salvífico de Deus.

Na frente da dificuldade, ele lembra que ele já disse, para ir ter com ele devem ser atraídos para o Pai. Essa afirmação abre o espaço da oração, que cultiva dentro de nós o senso de confiança. A fé, a compreensão profunda de Jesus e o significado de sua vida devem ser exigidos, mas a fé é também uma escolha; Com relação aos discípulos, a questão surge como uma encruzilhada diante da qual uma decisão deve ser tomada.

A profissão de fé de Pedro está intimamente ligada à questão colocada: "Senhor, para onde iremos?". Não devemos ter mais ninguém, Senhor, para quem iremos? Afinal, a jornada que Jesus fez aos seus discípulos é uma jornada em que ele progressivamente perdeu para eles toda a segurança, que não era Ele. Aqui o mistério da nossa própria vida está presente. É o fim de toda idolatria do homem. Não por acaso, por várias vezes, Jesus nesta passagem referiu-se aos acontecimentos do deserto, de modo que toda a idolatria seria posta fim. Afinal, diante de Deus, nossa fé deve ser afirmada e declarada porque Ele é o caminho a verdade e a vida, não sabemos para onde ir, senão seguir as pegadas de nosso Mestre e Senhor Jesus Cristo.

 

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro