Arquidiocese do Rio de Janeiro

25º 17º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/07/2018

22 de Julho de 2018

‘À sombra de seus ramos, as aves farão ninhos...’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Julho de 2018

‘À sombra de seus ramos, as aves farão ninhos...’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

17/06/2018 00:00

‘À sombra de seus ramos, as aves farão ninhos...’ 0

17/06/2018 00:00

O Evangelho de hoje nos apresenta duas parábolas sobre o Reino de Deus que encerram o quadro das parábolas do Capítulo 4 e abrem, a partir do versículo 35, do mesmo Capítulo 4, o quadro dos sinais que manifestam que, em Cristo, o Reino “se aproximou” (cf. Mc 1,15).

Na primeira parábola, que fala da semente que germina por si mesma, Jesus está combatendo as expectativas daqueles que, em seu tempo, e também hoje, querem pela própria força, ou pela própria razão, definir o momento da chegada do Reino. Na época de Jesus, alguns, como os zelotas, queriam impor o estabelecimento do “Reino” à força e o entendiam no âmbito meramente político, como libertação da dominação estrangeira. Outros, como os apocalípticos, queriam prever pelos seus cálculos quando o Reino de Deus chegaria. Jesus mostra que o Reino não pode ser imposto por vontade humana, nem tampouco a razão humana pode prever a sua chegada.

O Reino é como alguém que lança a semente na terra, dorme e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando por si mesma. Esta Palavra do Senhor nos revela que o Reino de Deus possui em si mesmo uma força de crescimento. Em Cristo, qual semente caída na terra, o Reino de Deus já se aproximou (cf. Mc 1,15). A nós cabe somente lançar a semente da Palavra e vermos que o Reino cresce por si mesmo, independente de nós. A nós é dada a simples função de semeá-lo, mas o crescimento quem promove é o próprio Deus.

Esta Palavra nos lembra, também, que a consumação do Reino, ou seja, o seu pleno estabelecimento, se dará no fim dos tempos. Afinal, em Cristo, o Reino de Deus se aproximou. Ele próprio é o Reino. Na Igreja, que foi com Ele identificada, e está unida como a esposa a seu esposo, vemos os sinais do Reino, já presente e atuante, mas ainda não de forma definitiva (LG 5: a Igreja é o germe e o início do Reino). Nós esperamos ansiosamente pela consumação final do Reino. Esperamos que Ele, o Cristo, venha no fim dos tempos e o seu Reino definitivamente se estabeleça.

É exatamente isso o que pedimos diariamente na Oração do Pai Nosso: “Santificado seja o vosso Nome. Venha a nós o Vosso Reino.” E São Cipriano nos ensina no seu Tratado sobre a Oração do Senhor : “Pode-se igualmente, irmãos diletíssimos, entender que o próprio Cristo é o reino de Deus, cuja vinda pedimos todos os dias. Estamos ansiosos por ver esta vinda o mais depressa possível. Sendo Ele a ressurreição, pois n’Ele ressurgimos, assim também se pode pensar que Ele é o reino de Deus, pois n’Ele reinaremos. Pedimos, é claro, o reino de Deus, o reino celeste, já que há um reino terrestre. Mas quem já renunciou ao mundo está acima desse reino terrestre e de suas honrarias.”

A segunda parte da parábola nos mostra como o Reino de Deus tem um início modesto, mas aos poucos cresce e se torna uma árvore na qual todos os pássaros vêm fazer seus ninhos. Essa parábola nos lembra diretamente a primeira leitura, na qual Deus promete que Ele mesmo tirará um galho da copa do cedro e o plantará num alto e elevado monte de Israel (cf. Ez 17,22). Este povo se tornará novamente tão grande que será como uma árvore frondosa, na qual os pássaros virão e farão seus ninhos. Como nos recorda o salmista: “até mesmo o pardal encontra abrigo em vossa casa” (Sl 83). O Senhor promete humilhar as árvores frondosas e fazer secar as árvores verdes, ou seja, o Senhor derrotará por Israel as grandes nações que a Ele se opõem. Contudo, Ele exaltará a árvore rebaixada e fará brotar a árvore seca, o próprio Israel.

Essa profecia se realizou neste Evangelho que acabamos de ler. Cristo é o Reino. Ele é o pequeno grão de mostarda, caído na terra e morto, não por seus próprios pecados, mas pelos nossos. Todavia, Ele que parecia uma árvore seca e uma árvore baixa, foi elevado pelo Pai e ressuscitou para nossa salvação. A sua cruz é a árvore da vida, frondosa e ampla, na qual todos nós, quais pássaros em busca de lugar seguro para seus ninhos, encontramos abrigo e proteção. A Igreja, identificada com seu Senhor, é essa árvore frondosa, que acolhe em seus galhos pássaros vindos de todas as nações da Terra.

“Como é bom agradecermos ao Senhor” pelo dom da sua Palavra, pelo dom do seu Corpo e Sangue dado a nós, a seiva que nos revitaliza e enche de esperança. Participemos desse Banquete que é anúncio e prefiguração do Reino que está por se consumar, até o dia em que comeremos do Banquete do Reino dos Céus!

1 Cf. LH Vol. III, pp. 328-329

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

‘À sombra de seus ramos, as aves farão ninhos...’

17/06/2018 00:00

O Evangelho de hoje nos apresenta duas parábolas sobre o Reino de Deus que encerram o quadro das parábolas do Capítulo 4 e abrem, a partir do versículo 35, do mesmo Capítulo 4, o quadro dos sinais que manifestam que, em Cristo, o Reino “se aproximou” (cf. Mc 1,15).

Na primeira parábola, que fala da semente que germina por si mesma, Jesus está combatendo as expectativas daqueles que, em seu tempo, e também hoje, querem pela própria força, ou pela própria razão, definir o momento da chegada do Reino. Na época de Jesus, alguns, como os zelotas, queriam impor o estabelecimento do “Reino” à força e o entendiam no âmbito meramente político, como libertação da dominação estrangeira. Outros, como os apocalípticos, queriam prever pelos seus cálculos quando o Reino de Deus chegaria. Jesus mostra que o Reino não pode ser imposto por vontade humana, nem tampouco a razão humana pode prever a sua chegada.

O Reino é como alguém que lança a semente na terra, dorme e acorda, noite e dia, e a semente vai germinando por si mesma. Esta Palavra do Senhor nos revela que o Reino de Deus possui em si mesmo uma força de crescimento. Em Cristo, qual semente caída na terra, o Reino de Deus já se aproximou (cf. Mc 1,15). A nós cabe somente lançar a semente da Palavra e vermos que o Reino cresce por si mesmo, independente de nós. A nós é dada a simples função de semeá-lo, mas o crescimento quem promove é o próprio Deus.

Esta Palavra nos lembra, também, que a consumação do Reino, ou seja, o seu pleno estabelecimento, se dará no fim dos tempos. Afinal, em Cristo, o Reino de Deus se aproximou. Ele próprio é o Reino. Na Igreja, que foi com Ele identificada, e está unida como a esposa a seu esposo, vemos os sinais do Reino, já presente e atuante, mas ainda não de forma definitiva (LG 5: a Igreja é o germe e o início do Reino). Nós esperamos ansiosamente pela consumação final do Reino. Esperamos que Ele, o Cristo, venha no fim dos tempos e o seu Reino definitivamente se estabeleça.

É exatamente isso o que pedimos diariamente na Oração do Pai Nosso: “Santificado seja o vosso Nome. Venha a nós o Vosso Reino.” E São Cipriano nos ensina no seu Tratado sobre a Oração do Senhor : “Pode-se igualmente, irmãos diletíssimos, entender que o próprio Cristo é o reino de Deus, cuja vinda pedimos todos os dias. Estamos ansiosos por ver esta vinda o mais depressa possível. Sendo Ele a ressurreição, pois n’Ele ressurgimos, assim também se pode pensar que Ele é o reino de Deus, pois n’Ele reinaremos. Pedimos, é claro, o reino de Deus, o reino celeste, já que há um reino terrestre. Mas quem já renunciou ao mundo está acima desse reino terrestre e de suas honrarias.”

A segunda parte da parábola nos mostra como o Reino de Deus tem um início modesto, mas aos poucos cresce e se torna uma árvore na qual todos os pássaros vêm fazer seus ninhos. Essa parábola nos lembra diretamente a primeira leitura, na qual Deus promete que Ele mesmo tirará um galho da copa do cedro e o plantará num alto e elevado monte de Israel (cf. Ez 17,22). Este povo se tornará novamente tão grande que será como uma árvore frondosa, na qual os pássaros virão e farão seus ninhos. Como nos recorda o salmista: “até mesmo o pardal encontra abrigo em vossa casa” (Sl 83). O Senhor promete humilhar as árvores frondosas e fazer secar as árvores verdes, ou seja, o Senhor derrotará por Israel as grandes nações que a Ele se opõem. Contudo, Ele exaltará a árvore rebaixada e fará brotar a árvore seca, o próprio Israel.

Essa profecia se realizou neste Evangelho que acabamos de ler. Cristo é o Reino. Ele é o pequeno grão de mostarda, caído na terra e morto, não por seus próprios pecados, mas pelos nossos. Todavia, Ele que parecia uma árvore seca e uma árvore baixa, foi elevado pelo Pai e ressuscitou para nossa salvação. A sua cruz é a árvore da vida, frondosa e ampla, na qual todos nós, quais pássaros em busca de lugar seguro para seus ninhos, encontramos abrigo e proteção. A Igreja, identificada com seu Senhor, é essa árvore frondosa, que acolhe em seus galhos pássaros vindos de todas as nações da Terra.

“Como é bom agradecermos ao Senhor” pelo dom da sua Palavra, pelo dom do seu Corpo e Sangue dado a nós, a seiva que nos revitaliza e enche de esperança. Participemos desse Banquete que é anúncio e prefiguração do Reino que está por se consumar, até o dia em que comeremos do Banquete do Reino dos Céus!

1 Cf. LH Vol. III, pp. 328-329

Padre Fábio Siqueira
Autor

Padre Fábio Siqueira

Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida