Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/11/2018

19 de Novembro de 2018

Artigo 25 - Ressurreição: nossa realização final

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Novembro de 2018

Artigo 25 - Ressurreição: nossa realização final

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/04/2018 11:44 - Atualizado em 20/04/2018 11:44

Artigo 25 - Ressurreição: nossa realização final 0

20/04/2018 11:44 - Atualizado em 20/04/2018 11:44

Na nossa vida e condição presentes – o que a Teologia do Corpo chama de homem “histórico” – o coração humano vive na constate batalha entre o corpóreo e o espiritual. As coisas materiais (inclusive o nosso corpo) que foram criadas para o nosso bem e deveriam estar em consonância com o nosso espírito, por causa do pecado, muitas vezes nos atrapalham a encontrar e felicidade e o amor autêntico.

Experimentamos constantemente aquilo que diz São Paulo: ele até tenta se esforçar para fazer o bem, mas... acaba cedendo ao mal (cf. Rm 7, 14-16). Por mais que busquemos seriamente a santidade, a concupiscência acaba falando mais alto em algumas ocasiões.

Na ressurreição final, conforme explica São João Paulo II nesse terceiro ciclo de Catequeses:

“O homem “escatológico” estará livre dessa “oposição”. Na ressurreição, o corpo voltará à perfeita unidade e harmonia com o espírito: o homem já não experimentará a oposição entre o que nele é espiritual e o que corpóreo. A “espiritualização” significa não só que o espírito dominará o corpo, mas, diria, que ele permeará completamente o corpo, e que as forças do espírito permearão as energias do corpo.” (Teologia do Corpo, 67, 1)

O papa explica, ainda, que nessa realidade futura que almejamos não haverá uma “desumanização”, nem uma “desencarnação”: continuaremos com nossa identidade feminina e masculina e, ao mesmo tempo viveremos uma perfeita “espiritualização” do corpo. É o que o autor chama de “divinização”, ou seja, seremos a perfeita imagem e semelhança do nosso Criador. Não se trata de uma realidade idêntica à do princípio – afinal, todos nós conhecemos o pecado – mas de uma experiência de graça e comunhão com Deus no “outro mundo” inteiramente nova.

O significado esponsal dos nossos corpos masculino e feminino chegará à plenitude nas núpcias celestes que viveremos com Deus na vida eterna, quando ele será “tudo em todos” (cf I Cor 15, 28). De forma virginal, cada um de nós se apresentará diante do nosso Divino esposo, descobrindo o sentido último do nosso corpo que foi criado para ser dom: “... em seguida à visão de Deus “face a face”, nascerá... um amor de tal profundidade e força de concentração em Deus mesmo, que absorverá completamente a sua inteira subjetividade psicossomática.” (Teologia do Corpo, 68, 3).

É algo tão fantástico e, ao mesmo tempo forte a ponto de impulsionar todos os nossos desejos, de corpo e de alma, para buscar essa comunhão perfeita com o único amor capaz de nos preencher e nos realizar verdadeiramente.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Artigo 25 - Ressurreição: nossa realização final

20/04/2018 11:44 - Atualizado em 20/04/2018 11:44

Na nossa vida e condição presentes – o que a Teologia do Corpo chama de homem “histórico” – o coração humano vive na constate batalha entre o corpóreo e o espiritual. As coisas materiais (inclusive o nosso corpo) que foram criadas para o nosso bem e deveriam estar em consonância com o nosso espírito, por causa do pecado, muitas vezes nos atrapalham a encontrar e felicidade e o amor autêntico.

Experimentamos constantemente aquilo que diz São Paulo: ele até tenta se esforçar para fazer o bem, mas... acaba cedendo ao mal (cf. Rm 7, 14-16). Por mais que busquemos seriamente a santidade, a concupiscência acaba falando mais alto em algumas ocasiões.

Na ressurreição final, conforme explica São João Paulo II nesse terceiro ciclo de Catequeses:

“O homem “escatológico” estará livre dessa “oposição”. Na ressurreição, o corpo voltará à perfeita unidade e harmonia com o espírito: o homem já não experimentará a oposição entre o que nele é espiritual e o que corpóreo. A “espiritualização” significa não só que o espírito dominará o corpo, mas, diria, que ele permeará completamente o corpo, e que as forças do espírito permearão as energias do corpo.” (Teologia do Corpo, 67, 1)

O papa explica, ainda, que nessa realidade futura que almejamos não haverá uma “desumanização”, nem uma “desencarnação”: continuaremos com nossa identidade feminina e masculina e, ao mesmo tempo viveremos uma perfeita “espiritualização” do corpo. É o que o autor chama de “divinização”, ou seja, seremos a perfeita imagem e semelhança do nosso Criador. Não se trata de uma realidade idêntica à do princípio – afinal, todos nós conhecemos o pecado – mas de uma experiência de graça e comunhão com Deus no “outro mundo” inteiramente nova.

O significado esponsal dos nossos corpos masculino e feminino chegará à plenitude nas núpcias celestes que viveremos com Deus na vida eterna, quando ele será “tudo em todos” (cf I Cor 15, 28). De forma virginal, cada um de nós se apresentará diante do nosso Divino esposo, descobrindo o sentido último do nosso corpo que foi criado para ser dom: “... em seguida à visão de Deus “face a face”, nascerá... um amor de tal profundidade e força de concentração em Deus mesmo, que absorverá completamente a sua inteira subjetividade psicossomática.” (Teologia do Corpo, 68, 3).

É algo tão fantástico e, ao mesmo tempo forte a ponto de impulsionar todos os nossos desejos, de corpo e de alma, para buscar essa comunhão perfeita com o único amor capaz de nos preencher e nos realizar verdadeiramente.

 

Tatiana e Ronaldo de Melo
Autor

Tatiana e Ronaldo de Melo

Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro