Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 24/04/2018

24 de Abril de 2018

A vida e a paz: onde encontrá-las?

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

24 de Abril de 2018

A vida e a paz: onde encontrá-las?

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

01/04/2018 00:00 - Atualizado em 06/04/2018 13:23

A vida e a paz: onde encontrá-las? 0

01/04/2018 00:00 - Atualizado em 06/04/2018 13:23

Durante estes últimos meses, presenciamos diversos acontecimentos em que poderíamos pensar que não é mais possível viver a paz. Se recordarmos tantas pessoas em nossa cidade, publicamente conhecidas, como a vereadora Marielle, ou pessoas anônimas como muitos policiais no exercício de seu ofício, pais de família, amigos, jovens etc., seríamos levados a crer que é uma realidade quase impossível. A vida parece ter se tornado banal, e a paz, apenas uma utopia.

E não esqueçamos de outras realidades de violência contra a Humanidade: aqueles que morrem nos leitos dos hospitais negligenciados e impossibilitados; as crianças que não chegam a conhecer este mundo, tendo suas vidas interrompidas ainda no útero de suas mães; os idosos abandonados nos asilos, e que terminam suas vidas com a amarga saudade de suas famílias; os jovens sem uma boa educação na escola, deixando morrer a inocência e a perspectiva de um futuro digno e melhor. Enfim, são muitas violências sociais que tentam enfraquecer ainda mais esta soberana nação brasileira.

Este é um cenário real, porém não é o que desejamos. O ser humano não nasceu para isso, mas para vida, e “a vida em abundância”. É exatamente o que Cristo vem nos dar com a Páscoa. A vitória sobre todas estas realidades de morte presentes em nosso cotidiano. Somos convidados, de modo especial os cristãos católicos, a testemunhar com a própria vida o projeto de salvação de Deus para cada ser humano. Afinal, assim celebramos em cada missa “Este é o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos.”

Na sua mensagem “Urbi et Orbi” (“À cidade e ao mundo”), de 2017, por ocasião da Páscoa, o Papa Francisco recordou a América Latina dizendo: “Jesus Ressuscitado sustente os esforços de quantos estão empenhados, especialmente na América Latina, em garantir o bem comum das várias nações, por vezes marcadas por tensões políticas e sociais que, em alguns casos, desembocaram em violência”.

A Páscoa, a ressurreição do Senhor, é a resposta a todos os nossos medos e incertezas diante dessas experiências concretas de morte. Ele – Cristo - nos une a sua Páscoa. Todos os membros devem esforçar-se por se assemelhar a Ele “até Cristo ser formado neles” (Gl 4,19). “Por isso, somos inseridos nos mistérios de Sua vida e nos associamos as Suas dores, como do corpo à Cabeça, para que, padecendo com Ele, sejamos com Ele também glorificados” (Catecismo da Igreja Católica 793).

O Papa João Paulo II, hoje santo, quando esteve, no dia 9 de julho de 1980, em Fortaleza, para a abertura do X Congresso Eucarístico Nacional, relembrou a esta amada Terra de Santa Cruz que o caminho para uma nova nação passa pelo Cristo Ressuscitado e presente na Eucaristia. É n’Ele que a vida se transforma e alcança a verdadeira dignidade, que encontra a paz e a felicidade tão desejadas e escondidas no íntimo de nossos corações.

Assim disse: “Disto precisa o Brasil para caminhar confiante ao encontro de seu futuro. Eis, por isso, a minha oração e o meu augúrio: que esta nação possa prosperar sempre espiritual, moral e materialmente, animada com aquele espírito fraterno, que Cristo veio trazer ao mundo. Desapareçam, ou se reduzam gradativamente ao mínimo, no seu interior, as diferenças entre regiões dotadas de particular bem-estar material e regiões menos afortunadas. Desapareçam a pobreza, a miséria moral e espiritual, a marginalização, e que todos os cidadãos se reconheçam e se abracem como autênticos irmãos em Cristo! Tudo isso será certamente possível se uma nova era de vida eucarística tornar a animar a vida da Igreja no Brasil. O amor e a adoração a Jesus Sacramentado sejam, pois, o sinal mais luminoso de vossa fé, da fé do povo brasileiro!”.

Sejamos pessoas eucarísticas e transformadas pela ressurreição. Deus em tudo pode mudar a nossa nação, por meio de nós. E termino com a mesma oração feita por este grande Papa, que sempre buscou levar com seu testemunho a paz deste Cristo Ressuscitado. Façamos desta pequena prece a nossa oração cotidiana, pedindo para a nossa cidade, o nosso estado e o nosso país, os verdadeiros dons que jorram do coração de Cristo: a vida e a paz.

“Ó Jesus Eucaristia, abençoa a tua Igreja, abençoa esta grande nação, e dá-lhe a prosperidade, calma e a paz autênticas! Amém!”

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A vida e a paz: onde encontrá-las?

01/04/2018 00:00 - Atualizado em 06/04/2018 13:23

Durante estes últimos meses, presenciamos diversos acontecimentos em que poderíamos pensar que não é mais possível viver a paz. Se recordarmos tantas pessoas em nossa cidade, publicamente conhecidas, como a vereadora Marielle, ou pessoas anônimas como muitos policiais no exercício de seu ofício, pais de família, amigos, jovens etc., seríamos levados a crer que é uma realidade quase impossível. A vida parece ter se tornado banal, e a paz, apenas uma utopia.

E não esqueçamos de outras realidades de violência contra a Humanidade: aqueles que morrem nos leitos dos hospitais negligenciados e impossibilitados; as crianças que não chegam a conhecer este mundo, tendo suas vidas interrompidas ainda no útero de suas mães; os idosos abandonados nos asilos, e que terminam suas vidas com a amarga saudade de suas famílias; os jovens sem uma boa educação na escola, deixando morrer a inocência e a perspectiva de um futuro digno e melhor. Enfim, são muitas violências sociais que tentam enfraquecer ainda mais esta soberana nação brasileira.

Este é um cenário real, porém não é o que desejamos. O ser humano não nasceu para isso, mas para vida, e “a vida em abundância”. É exatamente o que Cristo vem nos dar com a Páscoa. A vitória sobre todas estas realidades de morte presentes em nosso cotidiano. Somos convidados, de modo especial os cristãos católicos, a testemunhar com a própria vida o projeto de salvação de Deus para cada ser humano. Afinal, assim celebramos em cada missa “Este é o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos.”

Na sua mensagem “Urbi et Orbi” (“À cidade e ao mundo”), de 2017, por ocasião da Páscoa, o Papa Francisco recordou a América Latina dizendo: “Jesus Ressuscitado sustente os esforços de quantos estão empenhados, especialmente na América Latina, em garantir o bem comum das várias nações, por vezes marcadas por tensões políticas e sociais que, em alguns casos, desembocaram em violência”.

A Páscoa, a ressurreição do Senhor, é a resposta a todos os nossos medos e incertezas diante dessas experiências concretas de morte. Ele – Cristo - nos une a sua Páscoa. Todos os membros devem esforçar-se por se assemelhar a Ele “até Cristo ser formado neles” (Gl 4,19). “Por isso, somos inseridos nos mistérios de Sua vida e nos associamos as Suas dores, como do corpo à Cabeça, para que, padecendo com Ele, sejamos com Ele também glorificados” (Catecismo da Igreja Católica 793).

O Papa João Paulo II, hoje santo, quando esteve, no dia 9 de julho de 1980, em Fortaleza, para a abertura do X Congresso Eucarístico Nacional, relembrou a esta amada Terra de Santa Cruz que o caminho para uma nova nação passa pelo Cristo Ressuscitado e presente na Eucaristia. É n’Ele que a vida se transforma e alcança a verdadeira dignidade, que encontra a paz e a felicidade tão desejadas e escondidas no íntimo de nossos corações.

Assim disse: “Disto precisa o Brasil para caminhar confiante ao encontro de seu futuro. Eis, por isso, a minha oração e o meu augúrio: que esta nação possa prosperar sempre espiritual, moral e materialmente, animada com aquele espírito fraterno, que Cristo veio trazer ao mundo. Desapareçam, ou se reduzam gradativamente ao mínimo, no seu interior, as diferenças entre regiões dotadas de particular bem-estar material e regiões menos afortunadas. Desapareçam a pobreza, a miséria moral e espiritual, a marginalização, e que todos os cidadãos se reconheçam e se abracem como autênticos irmãos em Cristo! Tudo isso será certamente possível se uma nova era de vida eucarística tornar a animar a vida da Igreja no Brasil. O amor e a adoração a Jesus Sacramentado sejam, pois, o sinal mais luminoso de vossa fé, da fé do povo brasileiro!”.

Sejamos pessoas eucarísticas e transformadas pela ressurreição. Deus em tudo pode mudar a nossa nação, por meio de nós. E termino com a mesma oração feita por este grande Papa, que sempre buscou levar com seu testemunho a paz deste Cristo Ressuscitado. Façamos desta pequena prece a nossa oração cotidiana, pedindo para a nossa cidade, o nosso estado e o nosso país, os verdadeiros dons que jorram do coração de Cristo: a vida e a paz.

“Ó Jesus Eucaristia, abençoa a tua Igreja, abençoa esta grande nação, e dá-lhe a prosperidade, calma e a paz autênticas! Amém!”

Padre Arnaldo Rodrigues
Autor

Padre Arnaldo Rodrigues

Editorialista do Jornal Testemunho de Fé