Arquidiocese do Rio de Janeiro

31º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 12/12/2019

12 de Dezembro de 2019

Liturgia

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

12 de Dezembro de 2019

Liturgia

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

04/10/2013 16:55 - Atualizado em 04/10/2013 16:55

Liturgia 0

04/10/2013 16:55 - Atualizado em 04/10/2013 16:55

Liturgia  / Arqrio

A nossa palavra ‘liturgia’ vem da palavra grega leitourgia. Esta, formada por leiton (povo) e ergon (obra, ação), significa um serviço prestado ao povo ou ao bem comum. Quando a Bíblia hebraica foi traduzida em Alexandria para o grego, Bíblia dos LXX, a palavra liturgia vai aparecer por volta de 150 vezes, ligada ao culto que os sacerdotes e levitas ofereciam no templo (Ex 27,19; 28,35.43; Nm 4,4; 31,33.39; 1Cr 23-28). Desta forma, já no Antigo Testamento, o termo ‘liturgia’ vai significar uma ação cultual em favor do povo de Deus. 
No texto do Novo Testamento (NT), a palavra ‘liturgia’ aparece com cinco significados diferentes, a saber: no sentido grego, como obra pública (Fl 2,17.25.30; Rm 13,6); no sentido do culto do AT (Lc 1,23; Hb 8,2.6); como vivência pública da religião (Rm 15,26-28; 2Cor 9,12-13); como culto espiritual (Rm 15,16; Fl 2,16); e como culto ritual da comunidade cristã (At 13,2; Hb 8,2-6). O Catecismo da Igreja Católica (CIC) nos diz, no parágrafo 1070, que no NT, a Liturgia não só designa o culto, mas também a obra de evangelização e a caridade em ato. Dessa forma, ela se torna a fonte por excelência da espiritualidade cristã, pois na medida de Cristo, o único liturgo, os cristãos prolongam sua vida de glorificação do Pai e de santificação dos homens.
Herdeiros da espiritualidade da Escritura, os Padres da Igreja vão designar como ‘liturgia’ o culto novo que surge do sacerdócio de Cristo, no qual os homens são admitidos pela graça do Batismo e encontram seu centro na celebração da Eucaristia. Outros termos, ao longo da história, foram usados para dar conta das celebrações cristãs, tais como: ofício, sagrados ritos, celebração, ação etc.
Definição de Liturgia
A “Sacrosanctum Concilium” nº 7 nos afirma que a Liturgia é o “exercício da função sacerdotal de Cristo. Nela, os sinais sensíveis significam e, cada um à sua maneira, realizam a santificação dos homens; nela, o Corpo Místico de Jesus Cristo – cabeça e membros – presta a Deus o culto público integral.” Nesta importante definição apresentada pelo Concílio, temos os elementos essenciais da ação litúrgica.
De fato, a Liturgia começa com a ascensão de Cristo ao Pai e a entrega de seu Espírito aos homens para manifestar a Igreja. A ação de graças perene que o Filho tributa ao Pai na Liturgia celeste é participada, na virtude do Espírito, pela Igreja. Cristo é o centro do culto, pois é por Ele, com Ele e n’Ele que podemos nos voltar para o Pai e agradecê-Lo pelo dom sem igual do Espírito, com o qual nos tornamos seus filhos (cf. Rm 8,15). Assim, o oficio que prestamos aqui é um sinal daquele prestado no céu e é um caminho que nos guiará até o louvor pleno e definitivo na casa do Pai.
Por ora, a vivência litúrgica é sacramental, pois se utiliza de sinais e símbolos para nos revelar realidades mais profundas. São muitos os sinais presentes nas celebrações litúrgicas: o pão, o vinho, o ser humano, o templo, a luz, o incenso, a água, a palavra, o óleo... Todavia, estas realidades apontam para outras: o pão e vinho que se tornam o corpo e o sangue do Senhor, por exemplo. Estes sinais servem para comunicar aos homens a graça da santidade. Por meio de sinais visíveis se reconhece a ação invisível de Deus. A liturgia da Igreja pretende ser, por sua união com Cristo, sua grande ação de graças ao Pai, reconhecendo n’Ele a fonte de todo o bem e de toda a santidade.
As três dimensões da ação litúrgica
Toda ação litúrgica é, essencialmente, anmenética, epiclética e doxológica. A dimensão anmenética é aquela do memorial, na qual nós nos recordamos das maravilhas operadas por Deus na história da salvação, sobretudo do mistério pascal de Cristo. O próprio Senhor nos mandou fazer memória de sua entrega na cruz (cf. Lc 22,19; 1Cor 11,25). A dimensão epiclética é aquela invocatória, onde o Espírito Santo se faz presente para atualizar no hoje aquilo que recordamos sob seu poder. Jesus nos disse que o Espirito Santo viria para nos recordar e nos ensinar todas as coisas (cf. Jo 16,13-15). A dimensão doxológica é aquela da glorificação que fazemos de Deus por sermos alcançados pela sua salvação. A meta da vida cristã é reconhecer o amor e a misericórdia que nos vêm de Deus (cf. 2Cor 9,15; Ef 1,12).
Para Aprofundar...
Indicamos a leitura da Constituição Dogmática “Sacrosanctum Concilium”, capítulo primeiro; do Catecismo da Igreja Católica (CIC), números 1066 – 1134; do Compêndio do Catecismo, da pergunta 218 até a 223; e, do Youcat, perguntas de 166 até 178.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.
Liturgia  / Arqrio

Liturgia

04/10/2013 16:55 - Atualizado em 04/10/2013 16:55

A nossa palavra ‘liturgia’ vem da palavra grega leitourgia. Esta, formada por leiton (povo) e ergon (obra, ação), significa um serviço prestado ao povo ou ao bem comum. Quando a Bíblia hebraica foi traduzida em Alexandria para o grego, Bíblia dos LXX, a palavra liturgia vai aparecer por volta de 150 vezes, ligada ao culto que os sacerdotes e levitas ofereciam no templo (Ex 27,19; 28,35.43; Nm 4,4; 31,33.39; 1Cr 23-28). Desta forma, já no Antigo Testamento, o termo ‘liturgia’ vai significar uma ação cultual em favor do povo de Deus. 
No texto do Novo Testamento (NT), a palavra ‘liturgia’ aparece com cinco significados diferentes, a saber: no sentido grego, como obra pública (Fl 2,17.25.30; Rm 13,6); no sentido do culto do AT (Lc 1,23; Hb 8,2.6); como vivência pública da religião (Rm 15,26-28; 2Cor 9,12-13); como culto espiritual (Rm 15,16; Fl 2,16); e como culto ritual da comunidade cristã (At 13,2; Hb 8,2-6). O Catecismo da Igreja Católica (CIC) nos diz, no parágrafo 1070, que no NT, a Liturgia não só designa o culto, mas também a obra de evangelização e a caridade em ato. Dessa forma, ela se torna a fonte por excelência da espiritualidade cristã, pois na medida de Cristo, o único liturgo, os cristãos prolongam sua vida de glorificação do Pai e de santificação dos homens.
Herdeiros da espiritualidade da Escritura, os Padres da Igreja vão designar como ‘liturgia’ o culto novo que surge do sacerdócio de Cristo, no qual os homens são admitidos pela graça do Batismo e encontram seu centro na celebração da Eucaristia. Outros termos, ao longo da história, foram usados para dar conta das celebrações cristãs, tais como: ofício, sagrados ritos, celebração, ação etc.
Definição de Liturgia
A “Sacrosanctum Concilium” nº 7 nos afirma que a Liturgia é o “exercício da função sacerdotal de Cristo. Nela, os sinais sensíveis significam e, cada um à sua maneira, realizam a santificação dos homens; nela, o Corpo Místico de Jesus Cristo – cabeça e membros – presta a Deus o culto público integral.” Nesta importante definição apresentada pelo Concílio, temos os elementos essenciais da ação litúrgica.
De fato, a Liturgia começa com a ascensão de Cristo ao Pai e a entrega de seu Espírito aos homens para manifestar a Igreja. A ação de graças perene que o Filho tributa ao Pai na Liturgia celeste é participada, na virtude do Espírito, pela Igreja. Cristo é o centro do culto, pois é por Ele, com Ele e n’Ele que podemos nos voltar para o Pai e agradecê-Lo pelo dom sem igual do Espírito, com o qual nos tornamos seus filhos (cf. Rm 8,15). Assim, o oficio que prestamos aqui é um sinal daquele prestado no céu e é um caminho que nos guiará até o louvor pleno e definitivo na casa do Pai.
Por ora, a vivência litúrgica é sacramental, pois se utiliza de sinais e símbolos para nos revelar realidades mais profundas. São muitos os sinais presentes nas celebrações litúrgicas: o pão, o vinho, o ser humano, o templo, a luz, o incenso, a água, a palavra, o óleo... Todavia, estas realidades apontam para outras: o pão e vinho que se tornam o corpo e o sangue do Senhor, por exemplo. Estes sinais servem para comunicar aos homens a graça da santidade. Por meio de sinais visíveis se reconhece a ação invisível de Deus. A liturgia da Igreja pretende ser, por sua união com Cristo, sua grande ação de graças ao Pai, reconhecendo n’Ele a fonte de todo o bem e de toda a santidade.
As três dimensões da ação litúrgica
Toda ação litúrgica é, essencialmente, anmenética, epiclética e doxológica. A dimensão anmenética é aquela do memorial, na qual nós nos recordamos das maravilhas operadas por Deus na história da salvação, sobretudo do mistério pascal de Cristo. O próprio Senhor nos mandou fazer memória de sua entrega na cruz (cf. Lc 22,19; 1Cor 11,25). A dimensão epiclética é aquela invocatória, onde o Espírito Santo se faz presente para atualizar no hoje aquilo que recordamos sob seu poder. Jesus nos disse que o Espirito Santo viria para nos recordar e nos ensinar todas as coisas (cf. Jo 16,13-15). A dimensão doxológica é aquela da glorificação que fazemos de Deus por sermos alcançados pela sua salvação. A meta da vida cristã é reconhecer o amor e a misericórdia que nos vêm de Deus (cf. 2Cor 9,15; Ef 1,12).
Para Aprofundar...
Indicamos a leitura da Constituição Dogmática “Sacrosanctum Concilium”, capítulo primeiro; do Catecismo da Igreja Católica (CIC), números 1066 – 1134; do Compêndio do Catecismo, da pergunta 218 até a 223; e, do Youcat, perguntas de 166 até 178.

Padre Vitor Gino Finelon
Autor

Padre Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida