Arquidiocese do Rio de Janeiro

28º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/09/2018

21 de Setembro de 2018

Artigo 23: Como será a ressurreição da carne?

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Setembro de 2018

Artigo 23: Como será a ressurreição da carne?

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/03/2018 00:00 - Atualizado em 09/03/2018 10:03

Artigo 23: Como será a ressurreição da carne? 0

08/03/2018 00:00 - Atualizado em 09/03/2018 10:03

Percorrendo o nosso itinerário dessa maravilhosa descoberta do plano divino para o amor humano que é a Teologia do Corpo, nos recordamos das nossas origens no ciclo “O Princípio” e o reconhecimento das consequências do pecado para a nossa sexualidade e a Boa Nova da salvação que Cristo nos quer trazer no ciclo de catequeses chamado “A Redenção do Coração”.

Queremos te convidar, agora, a adentrar conosco o terceiro ciclo de catequeses de São João Paulo II: “A Ressurreição da Carne”. Perceba a linha de pensamento que o papa nos apresenta: QUEM ÉRAMOS (no sonho de Deus ao nos criar), QUEM SOMOS (na nossa natureza corrompida pelo pecado, mas também redimida pelo sacrifício da Cruz) e QUEM SEREMOS (a glorificação que Deus manifestará na nossa carne na ressurreição). Mas... como vai acontecer essa última e definitiva parte da nossa história? O que mudará? Vamos perder a nossa identidade?

Seguindo sua metodologia de uma “antropologia bíblica”, -- ou seja, de apontar como a Palavra de Deus revela o homem a si mesmo (cf. Gaudium et Spes, 22) -- esse ciclo de catequeses sobre a “Ressurreição da Carne” começa com os questionamentos dos saduceus a Jesus. A temática não se trata simplesmente acerca do que acontecerá com o ser humano após a morte, mas, a exemplo do diálogo com os fariseus, traz à tona novamente a questão da indissolubilidade matrimonial:

“Mestre, Moisés deixou-nos escrito: se alguém tiver irmão que morra deixando a mulher sem filhos, tomará ele a viúva e suscitará descendência para se irmão. Havia sete irmãos. O primeiro tomou mulher e sem deixar descendência. O segundo tomou-a e morreu sem deixar descendência. E o mesmo sucedeu ao terceiro. E os sete irmãos não deixaram descendência. Depois de todos, a mulher também morreu. Na ressurreição, quando ressuscitarem, de qual deles será a mulher? Pois os sete a tiveram por mulher.” Respondeu-lhes Jesus: “Não é por isso que errais, desconhecendo tanto a Escritura quanto o poder de Deus? Pois quando ressuscitarem dos mortos, nem eles se casam, nem elas se dão em casamento, mas são como os anjos do céu. Quanto os mortos que estão para ressurgir, não lestes o livro de Moisés, no trecho sobre a sarça, como Deus lhe disse: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus dos mortos, mas, sim de vivos. Errais muito.” (Mc 12, 20-27)

A partir desta nova série de artigos, vamos mergulhar com a Teologia do Corpo nesses mistérios da nossa vida “no outro mundo”.


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Artigo 23: Como será a ressurreição da carne?

08/03/2018 00:00 - Atualizado em 09/03/2018 10:03

Percorrendo o nosso itinerário dessa maravilhosa descoberta do plano divino para o amor humano que é a Teologia do Corpo, nos recordamos das nossas origens no ciclo “O Princípio” e o reconhecimento das consequências do pecado para a nossa sexualidade e a Boa Nova da salvação que Cristo nos quer trazer no ciclo de catequeses chamado “A Redenção do Coração”.

Queremos te convidar, agora, a adentrar conosco o terceiro ciclo de catequeses de São João Paulo II: “A Ressurreição da Carne”. Perceba a linha de pensamento que o papa nos apresenta: QUEM ÉRAMOS (no sonho de Deus ao nos criar), QUEM SOMOS (na nossa natureza corrompida pelo pecado, mas também redimida pelo sacrifício da Cruz) e QUEM SEREMOS (a glorificação que Deus manifestará na nossa carne na ressurreição). Mas... como vai acontecer essa última e definitiva parte da nossa história? O que mudará? Vamos perder a nossa identidade?

Seguindo sua metodologia de uma “antropologia bíblica”, -- ou seja, de apontar como a Palavra de Deus revela o homem a si mesmo (cf. Gaudium et Spes, 22) -- esse ciclo de catequeses sobre a “Ressurreição da Carne” começa com os questionamentos dos saduceus a Jesus. A temática não se trata simplesmente acerca do que acontecerá com o ser humano após a morte, mas, a exemplo do diálogo com os fariseus, traz à tona novamente a questão da indissolubilidade matrimonial:

“Mestre, Moisés deixou-nos escrito: se alguém tiver irmão que morra deixando a mulher sem filhos, tomará ele a viúva e suscitará descendência para se irmão. Havia sete irmãos. O primeiro tomou mulher e sem deixar descendência. O segundo tomou-a e morreu sem deixar descendência. E o mesmo sucedeu ao terceiro. E os sete irmãos não deixaram descendência. Depois de todos, a mulher também morreu. Na ressurreição, quando ressuscitarem, de qual deles será a mulher? Pois os sete a tiveram por mulher.” Respondeu-lhes Jesus: “Não é por isso que errais, desconhecendo tanto a Escritura quanto o poder de Deus? Pois quando ressuscitarem dos mortos, nem eles se casam, nem elas se dão em casamento, mas são como os anjos do céu. Quanto os mortos que estão para ressurgir, não lestes o livro de Moisés, no trecho sobre a sarça, como Deus lhe disse: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus dos mortos, mas, sim de vivos. Errais muito.” (Mc 12, 20-27)

A partir desta nova série de artigos, vamos mergulhar com a Teologia do Corpo nesses mistérios da nossa vida “no outro mundo”.


Tatiana e Ronaldo de Melo
Autor

Tatiana e Ronaldo de Melo

Núcleo de Formação e Espiritualidade da Pastoral Familiar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro