Arquidiocese do Rio de Janeiro

35º 27º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/01/2018

17 de Janeiro de 2018

“O Amor tudo suporta” (1Cor 13,7)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Janeiro de 2018

“O Amor tudo suporta” (1Cor 13,7)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

14/01/2018 00:00

“O Amor tudo suporta” (1Cor 13,7) 0

14/01/2018 00:00

Estamos em plena preparação para a solenidade do Padroeiro de nossa Arquidiocese, São Sebastião. A alguns anos, chegando o mês de janeiro, iniciamos sua celebração com a Trezena em honra do Padroeiro. É uma rica e bela oportunidade de fazer missão com um alcance vasto e multiforme a vários cantos e instâncias sociais da nossa Cidade, que não somente tem São Sebastião como seu Padroeiro, mas também o porta em seu nome oficial.

Este ano a Trezena tem como lema “São Sebastião superou tudo com amor”. Sob um lema, em todos os anos revisitamos a história do santo, ressaltando um aspecto em particular, de forma que possamos olhar para nossas próprias vidas e perceber em que medida fazemos o mesmo que ele fez. Seu exemplo é tão forte que, mesmo não sendo cristãos, é possível colhermos atitudes para nossa vida pessoal, familiar e profissional.

“Superar tudo com amor” está certamente ligado ao martírio, forma pela qual Sebastião se associou ao Cristo Senhor. A primeira palavra da expressão, “superar”, nos dá a entender problemas, desafios, sofrimentos. Olhamos para a vida de São Sebastião e olhamos para a nossa história. Separados apenas pelo arco do tempo, as situações existenciais vividas são as mesmas, porque o ser humano é o mesmo. Se ele superou, podemos nós superar.

Mas há muitas formas de superar problemas. Uma delas é a indiferença, que nos faz prepotentes e nos imerge na ilusão, fingindo que eles não acontecem, e que somos fortes. Esta postura arrogante não é, nem de longe, a proposta deixada por nosso Senhor no Evangelho, nem a postura real que um ser humano deve ter diante da vida. O ser humano é por natureza frágil, vulnerável. As coisas, as pessoas e as situações são, sim, capazes de nos atingir e abalar. O caminho para superar as dificuldades certamente não é o do “super-homem”, colocando-se acima do bem e do mal. Este caminho nos afasta de Deus e do próximo.

Contudo existe outro risco: o de vitimar-se. Este tampouco segue a linha ensinada e vivida pelo Mestre Jesus, e que é realmente capaz de preencher a plenitude do que seja a existência humana (longe de nos sentirmos aptos a dizer qual seja tal plenitude). Expor sua vulnerabilidade é algo positivo, mas não ajuda a vencer desafios e superar conflitos. No máximo, pode gerar piedade em quem vê, e nos tirar a oportunidade de escrever a história com as próprias mãos. Auto piedade não ajuda a fazer vencedores.

O caminho que pode efetivamente ajudar-nos, sejamos cristãos ou não, é a segunda parte do lema: o Amor. Embora a palavra esteja desgastada e banalizada, não há outra melhor. Não se trata de sentimentalismo ou de utopia. Por amor entendemos a força motriz da vida, o impulso primeiro que existe em cada ser humano, quer esteja consciente ou não. É a força que não teme expor a fragilidade, mas que sabe enfrentar com coragem os desafios. É a perseverança diante das adversidades, sem lamentar ou entregar os pontos. É o olhar fixo na agora, e não no passado ou no futuro. Só é possível ser fiel no agora. Só é possível amar agora.

São Sebastião viveu o amor, e foi no amor e pelo amor que conseguiu superar tudo. Pelo Amor, com o Amor e no Amor, podemos igualmente superar tudo. Basta que deixemos o Amor nos interpelar. Peçamos, nestes dias que antecedem sua celebração, a intercessão de nosso Santo Padroeiro para que, como ele, também nós superemos tudo com amor.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

“O Amor tudo suporta” (1Cor 13,7)

14/01/2018 00:00

Estamos em plena preparação para a solenidade do Padroeiro de nossa Arquidiocese, São Sebastião. A alguns anos, chegando o mês de janeiro, iniciamos sua celebração com a Trezena em honra do Padroeiro. É uma rica e bela oportunidade de fazer missão com um alcance vasto e multiforme a vários cantos e instâncias sociais da nossa Cidade, que não somente tem São Sebastião como seu Padroeiro, mas também o porta em seu nome oficial.

Este ano a Trezena tem como lema “São Sebastião superou tudo com amor”. Sob um lema, em todos os anos revisitamos a história do santo, ressaltando um aspecto em particular, de forma que possamos olhar para nossas próprias vidas e perceber em que medida fazemos o mesmo que ele fez. Seu exemplo é tão forte que, mesmo não sendo cristãos, é possível colhermos atitudes para nossa vida pessoal, familiar e profissional.

“Superar tudo com amor” está certamente ligado ao martírio, forma pela qual Sebastião se associou ao Cristo Senhor. A primeira palavra da expressão, “superar”, nos dá a entender problemas, desafios, sofrimentos. Olhamos para a vida de São Sebastião e olhamos para a nossa história. Separados apenas pelo arco do tempo, as situações existenciais vividas são as mesmas, porque o ser humano é o mesmo. Se ele superou, podemos nós superar.

Mas há muitas formas de superar problemas. Uma delas é a indiferença, que nos faz prepotentes e nos imerge na ilusão, fingindo que eles não acontecem, e que somos fortes. Esta postura arrogante não é, nem de longe, a proposta deixada por nosso Senhor no Evangelho, nem a postura real que um ser humano deve ter diante da vida. O ser humano é por natureza frágil, vulnerável. As coisas, as pessoas e as situações são, sim, capazes de nos atingir e abalar. O caminho para superar as dificuldades certamente não é o do “super-homem”, colocando-se acima do bem e do mal. Este caminho nos afasta de Deus e do próximo.

Contudo existe outro risco: o de vitimar-se. Este tampouco segue a linha ensinada e vivida pelo Mestre Jesus, e que é realmente capaz de preencher a plenitude do que seja a existência humana (longe de nos sentirmos aptos a dizer qual seja tal plenitude). Expor sua vulnerabilidade é algo positivo, mas não ajuda a vencer desafios e superar conflitos. No máximo, pode gerar piedade em quem vê, e nos tirar a oportunidade de escrever a história com as próprias mãos. Auto piedade não ajuda a fazer vencedores.

O caminho que pode efetivamente ajudar-nos, sejamos cristãos ou não, é a segunda parte do lema: o Amor. Embora a palavra esteja desgastada e banalizada, não há outra melhor. Não se trata de sentimentalismo ou de utopia. Por amor entendemos a força motriz da vida, o impulso primeiro que existe em cada ser humano, quer esteja consciente ou não. É a força que não teme expor a fragilidade, mas que sabe enfrentar com coragem os desafios. É a perseverança diante das adversidades, sem lamentar ou entregar os pontos. É o olhar fixo na agora, e não no passado ou no futuro. Só é possível ser fiel no agora. Só é possível amar agora.

São Sebastião viveu o amor, e foi no amor e pelo amor que conseguiu superar tudo. Pelo Amor, com o Amor e no Amor, podemos igualmente superar tudo. Basta que deixemos o Amor nos interpelar. Peçamos, nestes dias que antecedem sua celebração, a intercessão de nosso Santo Padroeiro para que, como ele, também nós superemos tudo com amor.

Padre Cristiano Holtz Peixoto
Autor

Padre Cristiano Holtz Peixoto

Vigário paroquial da Catedral Metropolitana