Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 19/10/2018

19 de Outubro de 2018

Superar tudo com amor

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

19 de Outubro de 2018

Superar tudo com amor

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

06/01/2018 00:00

Superar tudo com amor 0

06/01/2018 00:00

A cidade do Rio de Janeiro vive a cada início de ano a festa do seu padroeiro: São Sebastião. Quando Estácio de Sá, acompanhado por um grupo de fundadores, desembarcaram na região entre o Morro Cara de Cão e do Pão de Açúcar, hoje chamado Praia de Fora, na Região da Praia Vermelha, onde hoje tem o forte militar com esse nome, iniciou a nossa futura cidade. Era o dia 1º de março de 1565. Ele deu nome à vila portuguesa de São Sebastião, homenagem do Rei de Portugal na época. A região era conhecida por Rio de Janeiro, porque, foi descoberta pelo explorador português Gaspar de Lemos no dia 1º de janeiro de 1502 e na época não havia distinção entre Rios, Baías, etc. Porém a conquista do espaço para Portugal se deu em 1567 com a expulsão definitiva dos franceses que tinham chegado a 1º de novembro de 1555. Dessa região da orla marítima, mais tarde, a pequena Capela com a imagem de São Sebastião que Estácio de Sá tinha trazido, foi transferida para o morro do Castelo onde ficou até quando ele foi destruído para refazer a urbanização.

A data da festa do padroeiro da cidade é comemorada solenemente no dia 20 de janeiro de cada ano. É praticamente o dia da identidade da cidade que é marcada pelo leigo e soldado romano, Sebastião, mártir cristão. Um homem de Deus que foi testemunha do Evangelho em toda a sua vida e, quando questionado não negou sua fé suportando tudo por amor a Cristo. Um belo exemplo de firmeza de um soldado cristão em épocas tão remotas (século 3º). A firmeza na fé e, ao mesmo tempo, depois de recuperado das flechadas, superando tudo com amor faz dele um exemplo atual para a nossa cidade tão machucada por tantos ferimentos sociais e éticos.

A cada ano temos a oportunidade de iniciar o ano civil com a grande preparação da festa do padroeiro da cidade e da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Atualmente temos 13 dias de preparação que chamados de “trezena” quando fazemos uma grande missão popular por toda a cidade, com visitas não apenas a lugares religiosos, mas também culturais, governamentais, educacionais, sanitários, sociais. É uma oportunidade de celebrarmos a nossa responsabilidade pela cidade e perceber que “Deus habita esta cidade” dedicada a um homem que em tudo seguiu a Cristo e é exemplo para nós hoje: São Sebastião.

Neste ano o tema que iremos aprofundar, tanto na Arquidiocese, assim como nas Paróquias e capelas que levam o nome de São Sebastião tem muito a ver com o atual momento que vivemos: “São Sebastião superou tudo com Amor”. Isso nos quer ajudar a ver em São Sebastião um exemplo para que em meio a tantos problemas não nos deixemos levar pelo ódio, divisão, rancor, maldades e vingança. O caminho cristão é o caminho do amor, mesmo quando exerce o profetismo chamando a atenção para os pecados da sociedade. Temos um texto para cada dia da trezena que nos acompanhará em nossas visitas e reflexões. Além disso, o site da Arquidiocese publicará diariamente textos para nos ajudar a aprofundar esses temas. Todos somos convidados a meditar sobre esses assuntos tão importantes. Todas as paróquias, comunidades, capelas, movimentos, pastorais são convocados para cada dia da trezena a se reunirem para refletir e rezar nesse momento tão especial que estamos em nossa sociedade e pedir que o exemplo do cristão leigo São Sebastião, faça de todos nós “sal da terra e luz do mundo” dessa “igreja em saída, a serviço do Reino” como nos indica o tema e o lema do ano do laicato.

No dia 20 de janeiro teremos a oportunidade de sinalizar a nossa alegria em estarmos unidos pelo bem desta cidade com a nossa grande procissão que sairá da Basílica Santuário de São Sebastião na Tijuca, a Paróquia dos Frades Capuchinhos, onde se conservam grandes sinais da fundação da cidade, para a nossa Catedral Metropolitana de São Sebastião onde teremos a solene missa de encerramento do dia, depois da apresentação do Auto de São Sebastião e outras solenidades, em especial, a bênção sobre a cidade.

Eis o tempo de recomeçar! Que estejamos unidos neste início de ano e que o exemplo do grande homem de Deus, leigo seguidos de Jesus Cristo nos inspire a fazer daqui uma cidade onde reine a paz. Nós que iniciamos o ano com o Dia Mundial da Paz refletindo sobre a acolhida de tantos que migram ou se refugiam buscando a paz pedimos que o Senhor nos abençoe com a bênção de Aarão (Num 6, 22-27): “O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face, e se compadeça de ti. O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz”.

Assim invocarão o meu nome e eu os abençoarei, diz o Senhor que habita em nossa cidade. Paz!

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Superar tudo com amor

06/01/2018 00:00

A cidade do Rio de Janeiro vive a cada início de ano a festa do seu padroeiro: São Sebastião. Quando Estácio de Sá, acompanhado por um grupo de fundadores, desembarcaram na região entre o Morro Cara de Cão e do Pão de Açúcar, hoje chamado Praia de Fora, na Região da Praia Vermelha, onde hoje tem o forte militar com esse nome, iniciou a nossa futura cidade. Era o dia 1º de março de 1565. Ele deu nome à vila portuguesa de São Sebastião, homenagem do Rei de Portugal na época. A região era conhecida por Rio de Janeiro, porque, foi descoberta pelo explorador português Gaspar de Lemos no dia 1º de janeiro de 1502 e na época não havia distinção entre Rios, Baías, etc. Porém a conquista do espaço para Portugal se deu em 1567 com a expulsão definitiva dos franceses que tinham chegado a 1º de novembro de 1555. Dessa região da orla marítima, mais tarde, a pequena Capela com a imagem de São Sebastião que Estácio de Sá tinha trazido, foi transferida para o morro do Castelo onde ficou até quando ele foi destruído para refazer a urbanização.

A data da festa do padroeiro da cidade é comemorada solenemente no dia 20 de janeiro de cada ano. É praticamente o dia da identidade da cidade que é marcada pelo leigo e soldado romano, Sebastião, mártir cristão. Um homem de Deus que foi testemunha do Evangelho em toda a sua vida e, quando questionado não negou sua fé suportando tudo por amor a Cristo. Um belo exemplo de firmeza de um soldado cristão em épocas tão remotas (século 3º). A firmeza na fé e, ao mesmo tempo, depois de recuperado das flechadas, superando tudo com amor faz dele um exemplo atual para a nossa cidade tão machucada por tantos ferimentos sociais e éticos.

A cada ano temos a oportunidade de iniciar o ano civil com a grande preparação da festa do padroeiro da cidade e da arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Atualmente temos 13 dias de preparação que chamados de “trezena” quando fazemos uma grande missão popular por toda a cidade, com visitas não apenas a lugares religiosos, mas também culturais, governamentais, educacionais, sanitários, sociais. É uma oportunidade de celebrarmos a nossa responsabilidade pela cidade e perceber que “Deus habita esta cidade” dedicada a um homem que em tudo seguiu a Cristo e é exemplo para nós hoje: São Sebastião.

Neste ano o tema que iremos aprofundar, tanto na Arquidiocese, assim como nas Paróquias e capelas que levam o nome de São Sebastião tem muito a ver com o atual momento que vivemos: “São Sebastião superou tudo com Amor”. Isso nos quer ajudar a ver em São Sebastião um exemplo para que em meio a tantos problemas não nos deixemos levar pelo ódio, divisão, rancor, maldades e vingança. O caminho cristão é o caminho do amor, mesmo quando exerce o profetismo chamando a atenção para os pecados da sociedade. Temos um texto para cada dia da trezena que nos acompanhará em nossas visitas e reflexões. Além disso, o site da Arquidiocese publicará diariamente textos para nos ajudar a aprofundar esses temas. Todos somos convidados a meditar sobre esses assuntos tão importantes. Todas as paróquias, comunidades, capelas, movimentos, pastorais são convocados para cada dia da trezena a se reunirem para refletir e rezar nesse momento tão especial que estamos em nossa sociedade e pedir que o exemplo do cristão leigo São Sebastião, faça de todos nós “sal da terra e luz do mundo” dessa “igreja em saída, a serviço do Reino” como nos indica o tema e o lema do ano do laicato.

No dia 20 de janeiro teremos a oportunidade de sinalizar a nossa alegria em estarmos unidos pelo bem desta cidade com a nossa grande procissão que sairá da Basílica Santuário de São Sebastião na Tijuca, a Paróquia dos Frades Capuchinhos, onde se conservam grandes sinais da fundação da cidade, para a nossa Catedral Metropolitana de São Sebastião onde teremos a solene missa de encerramento do dia, depois da apresentação do Auto de São Sebastião e outras solenidades, em especial, a bênção sobre a cidade.

Eis o tempo de recomeçar! Que estejamos unidos neste início de ano e que o exemplo do grande homem de Deus, leigo seguidos de Jesus Cristo nos inspire a fazer daqui uma cidade onde reine a paz. Nós que iniciamos o ano com o Dia Mundial da Paz refletindo sobre a acolhida de tantos que migram ou se refugiam buscando a paz pedimos que o Senhor nos abençoe com a bênção de Aarão (Num 6, 22-27): “O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face, e se compadeça de ti. O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz”.

Assim invocarão o meu nome e eu os abençoarei, diz o Senhor que habita em nossa cidade. Paz!

 

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro