Arquidiocese do Rio de Janeiro

23º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/10/2018

21 de Outubro de 2018

A festa cristã

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Outubro de 2018

A festa cristã

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

24/12/2017 00:00

A festa cristã 0

24/12/2017 00:00

Neste final de semana concluímos o tempo do Advento e iniciamos o do Natal, quando estaremos celebrando, já na noite de domingo, a vigília da Solenidade do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo!

No momento atual é importante colocarmos o adjetivo ‘cristã’ na festa que ora celebramos, pois nem sempre esse aspecto fica claro para as pessoas. A imagem midiática que a maioria tem do Natal é que a data é uma ótima oportunidade de compras e vendas, de dar e receber presentes, de comidas, bebidas em abundância e de visitas de confraternizações.

Não há dúvida de que alguns desses aspectos podem até mesmo entusiasmar as pessoas, em especial as crianças, e fazem parte do nosso imaginário que trazemos desde a infância.

Porém, atualmente, estamos esquecendo um outro aspecto, que é o central no momento de Natal, que, de uma certa forma, também trazemos impresso em nossa memória: as celebrações litúrgicas que marcam a data, dando sentido ao conteúdo principal da festa: o Mistério da Encarnação!

O Natal foi sendo trabalhado por muitas gerações e circunstâncias e, de uma certa forma, todas têm uma ligação com essa solenidade, mas que, infelizmente, aos poucos tem perdido o seu centro. Quantas vezes escutamos que as pessoas não puderam participar da celebração por causa das visitas dos parentes e amigos que chegaram, porque estavam preocupadas em fazer ou comprar a comida ou até mesmo enfeitando a sua residência?

A imagem da família indo para a Igreja para participar da Missa da Noite de Natal ou mesmo no Dia de Natal está ficando meio esquecida devido à falta de incentivo e motivação para que essa imagem continue como uma atitude concreta.

A alegação do medo da violência para o deslocamento noturno é apenas uma parte da desculpa, pois para outros eventos e circunstâncias a movimentação é possível e acontece, embora, infelizmente, essa razão tenha um fundo verdadeiro, mas que não exclui ainda a nossa liberdade de locomoção.

A celebração do Natal é a celebração do acontecimento único e exclusivo em nossa História: Deus, o totalmente outro, um único Deus em três Pessoas, veio morar entre nós! O Verbo eterno do Pai “se encarnou”, tomou a nossa carne! Quando chegou o momento certo, Deus enviou o seu Filho nascido da Virgem Maria para ser o nosso Salvador como havia prometido. Com o nascimento de Jesus Cristo começa a nossa Redenção. Esse acontecimento é o centro da História humana a tal ponto que os anos passam a ser contados em “antes” e “depois” de Cristo.

As questões periféricas sobre o “dia do nascimento de Cristo” e o erro na contagem dos anos não tiram a centralidade desse acontecimento único: a intervenção de Deus em nossa vida! Veio para o que era seu, e os seus não O receberam, lamenta a Escritura. Com Cristo temos a nova criação, o Novo Adão, do qual somos todos descendentes, já que salvos por Ele.

Porém, aqu’Ele que veio para todos (universalidade da salvação) derramou o sangue para muitos, recordando que nem todos acolhem a sua Palavra e a Revelação do Caminho para a vida eterna. E o apelo do Natal é para que, celebrando o seu nascimento hoje, aprofundemos o encontro com Ele, pois com a Encarnação nós O encontramos em cada irmão e irmã.

Ao celebrarmos o Natal, a Festa Cristã, não estamos apenas recordando um fato passado, mas sim atualizando para hoje essa realidade. Ao recordarmos que Jesus Cristo nasceu historicamente e que Ele virá um dia escatologicamente, queremos aprofundar o nosso encontro com Ele no tempo que se chama hoje. Ele, que é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, tornou-se a nossa “ponte” de encontro. Ele é o Pontífice que nos leva a caminharmos para a união com a Trindade e nos traz a vontade de Deus para que vivamos segundo os planos do Pai.

Por isso, o tempo do Advento que acabamos de celebrar foi a oportunidade de purificarmos o nosso coração e a nossa mente para que o Natal seja realmente uma festa cristã.

Não imaginava que um dia fosse necessário em nossa realidade ter que “adjetivar” essa festa, como acontece em alguns países do Oriente em que alguém precisa se apresentar como “sacerdote de Jesus Cristo” porque se conhece outro tipo de sacerdócio das religiões não cristãs. Ao constatarmos isso em nosso Ocidente “chamado cristão”, é uma realidade que nos leva a enfrentar com muita coragem esse desafio de celebrarmos a Vida de Jesus Cristo que nasce como Messias e Salvador.

Retornando ao centro da festa, até mesmo as outras atividades tradicionais deste tempo adquirem um certo sentido desde que haja a singeleza e a simplicidade que requer o momento do “presépio”.

Natal é vida que nasce, é alegria do encontro com Jesus Cristo como Senhor da Vida e da História, é encontro com os irmãos e irmãs na construção da vida de fraternidade, que é possível para aqueles que creem e O aceitam como Salvador.

Participemos com alegria das celebrações natalinas em nossas comunidades! Talvez esse seja um primeiro passo para não perdermos o sentido da Festa Cristã. Um povo que segue verdadeiramente a Cristo é um povo que constrói um mundo de irmãos!

Feliz e Santo Natal e uma bênção especial com muito carinho a todos os que são amados por Deus!

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A festa cristã

24/12/2017 00:00

Neste final de semana concluímos o tempo do Advento e iniciamos o do Natal, quando estaremos celebrando, já na noite de domingo, a vigília da Solenidade do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo!

No momento atual é importante colocarmos o adjetivo ‘cristã’ na festa que ora celebramos, pois nem sempre esse aspecto fica claro para as pessoas. A imagem midiática que a maioria tem do Natal é que a data é uma ótima oportunidade de compras e vendas, de dar e receber presentes, de comidas, bebidas em abundância e de visitas de confraternizações.

Não há dúvida de que alguns desses aspectos podem até mesmo entusiasmar as pessoas, em especial as crianças, e fazem parte do nosso imaginário que trazemos desde a infância.

Porém, atualmente, estamos esquecendo um outro aspecto, que é o central no momento de Natal, que, de uma certa forma, também trazemos impresso em nossa memória: as celebrações litúrgicas que marcam a data, dando sentido ao conteúdo principal da festa: o Mistério da Encarnação!

O Natal foi sendo trabalhado por muitas gerações e circunstâncias e, de uma certa forma, todas têm uma ligação com essa solenidade, mas que, infelizmente, aos poucos tem perdido o seu centro. Quantas vezes escutamos que as pessoas não puderam participar da celebração por causa das visitas dos parentes e amigos que chegaram, porque estavam preocupadas em fazer ou comprar a comida ou até mesmo enfeitando a sua residência?

A imagem da família indo para a Igreja para participar da Missa da Noite de Natal ou mesmo no Dia de Natal está ficando meio esquecida devido à falta de incentivo e motivação para que essa imagem continue como uma atitude concreta.

A alegação do medo da violência para o deslocamento noturno é apenas uma parte da desculpa, pois para outros eventos e circunstâncias a movimentação é possível e acontece, embora, infelizmente, essa razão tenha um fundo verdadeiro, mas que não exclui ainda a nossa liberdade de locomoção.

A celebração do Natal é a celebração do acontecimento único e exclusivo em nossa História: Deus, o totalmente outro, um único Deus em três Pessoas, veio morar entre nós! O Verbo eterno do Pai “se encarnou”, tomou a nossa carne! Quando chegou o momento certo, Deus enviou o seu Filho nascido da Virgem Maria para ser o nosso Salvador como havia prometido. Com o nascimento de Jesus Cristo começa a nossa Redenção. Esse acontecimento é o centro da História humana a tal ponto que os anos passam a ser contados em “antes” e “depois” de Cristo.

As questões periféricas sobre o “dia do nascimento de Cristo” e o erro na contagem dos anos não tiram a centralidade desse acontecimento único: a intervenção de Deus em nossa vida! Veio para o que era seu, e os seus não O receberam, lamenta a Escritura. Com Cristo temos a nova criação, o Novo Adão, do qual somos todos descendentes, já que salvos por Ele.

Porém, aqu’Ele que veio para todos (universalidade da salvação) derramou o sangue para muitos, recordando que nem todos acolhem a sua Palavra e a Revelação do Caminho para a vida eterna. E o apelo do Natal é para que, celebrando o seu nascimento hoje, aprofundemos o encontro com Ele, pois com a Encarnação nós O encontramos em cada irmão e irmã.

Ao celebrarmos o Natal, a Festa Cristã, não estamos apenas recordando um fato passado, mas sim atualizando para hoje essa realidade. Ao recordarmos que Jesus Cristo nasceu historicamente e que Ele virá um dia escatologicamente, queremos aprofundar o nosso encontro com Ele no tempo que se chama hoje. Ele, que é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, tornou-se a nossa “ponte” de encontro. Ele é o Pontífice que nos leva a caminharmos para a união com a Trindade e nos traz a vontade de Deus para que vivamos segundo os planos do Pai.

Por isso, o tempo do Advento que acabamos de celebrar foi a oportunidade de purificarmos o nosso coração e a nossa mente para que o Natal seja realmente uma festa cristã.

Não imaginava que um dia fosse necessário em nossa realidade ter que “adjetivar” essa festa, como acontece em alguns países do Oriente em que alguém precisa se apresentar como “sacerdote de Jesus Cristo” porque se conhece outro tipo de sacerdócio das religiões não cristãs. Ao constatarmos isso em nosso Ocidente “chamado cristão”, é uma realidade que nos leva a enfrentar com muita coragem esse desafio de celebrarmos a Vida de Jesus Cristo que nasce como Messias e Salvador.

Retornando ao centro da festa, até mesmo as outras atividades tradicionais deste tempo adquirem um certo sentido desde que haja a singeleza e a simplicidade que requer o momento do “presépio”.

Natal é vida que nasce, é alegria do encontro com Jesus Cristo como Senhor da Vida e da História, é encontro com os irmãos e irmãs na construção da vida de fraternidade, que é possível para aqueles que creem e O aceitam como Salvador.

Participemos com alegria das celebrações natalinas em nossas comunidades! Talvez esse seja um primeiro passo para não perdermos o sentido da Festa Cristã. Um povo que segue verdadeiramente a Cristo é um povo que constrói um mundo de irmãos!

Feliz e Santo Natal e uma bênção especial com muito carinho a todos os que são amados por Deus!

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro