Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 14/12/2017

14 de Dezembro de 2017

Os leigos e o Reino de Cristo

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

14 de Dezembro de 2017

Os leigos e o Reino de Cristo

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

24/11/2017 00:00

Os leigos e o Reino de Cristo 0

24/11/2017 00:00

No último domingo do Tempo Comum celebramos a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. Não se trata, como se pensa, do último dia do ano litúrgico (o último dia é o sábado da 34ª semana do Tempo Comum, véspera do 1º domingo do Advento), mas sim do último domingo do mesmo ano litúrgico. Nele, celebramos a realeza de Cristo, não no sentido que entendemos a realeza (embora utilizemos os mesmos símbolos humanos de realeza na imagem de Jesus: manto, coroa, cetro), mas no sentido de que nele, Jesus, o Reino de Deus se torna uma realidade concreta e muito próxima de nós.

No Brasil, a Solenidade de Cristo Rei é comemorada como Dia Nacional do Leigo. O Dia Nacional dos Cristãos Leigos é comemorado na Solenidade de Cristo Rei desde 1991. A data ocorre sempre no último domingo do ano litúrgico e foi definida pela Assembleia Geral do CNLB, em continuidade com a tradição da Ação Católica que realizava, neste dia, a renovação das promessas batismais e refletia sobre a missão dos leigos.

De modo especial, neste ano se abre o Ano do Laicato, que se estenderá até a solenidade de Cristo Rei de 2018. Será uma grande oportunidade de refletirmos, celebrarmos e mudarmos nossa atitude diante da vocação universal à santidade, própria de todos os cristãos. Os leigos são, como nos lembra especialmente o Documento 105 da CNBB, “verdadeiro sujeito eclesial”, ou seja, corresponsáveis na construção do Reino de Deus, ao lado de seus pastores, os ministros ordenados. Será, portanto, um ano para dinamizar a atuação dos leigos e leigas na família, na Igreja e na vida secular, característica essencial de sua vocação.

Com seu testemunho específico, situados em seu próprio lugar na Igreja, os leigos são chamados a construir o Reino de Cristo. É vasto seu campo de ação: mundo da educação, da cultura, da saúde, da política, do direito, outros âmbitos profissionais, vida familiar, participação de grupos pastorais, das novas comunidades, com seus carismas e ministérios na Igreja. O importante é que cada um, de acordo com o dom que recebeu, saiba colocá-lo a serviço da comunidade na qual está inserido.

Hoje é o dia de bendizer a Deus pelo dom da vocação leiga na Igreja, pois ela é a vocação mãe de todas as outras. Lembra-nos o Papa Francisco: “Olhar para o Povo de Deus é recordar que todos fazemos o nosso ingresso na Igreja como leigos. O primeiro sacramento, que sela para sempre a nossa identidade, e do qual deveríamos ser sempre orgulhosos, é o batismo. Através dele e com a unção do Espírito Santo, (os fiéis) «são consagrados para serem edifício espiritual e sacerdócio santo» (LG 10). A nossa primeira e fundamental consagração afunda as suas raízes no nosso batismo. Ninguém foi batizado sacerdote nem bispo. Batizaram-nos leigos e é o sinal indelével que jamais poderá ser cancelado” (Carta do Papa Francisco ao Cardeal Marc Ouellet, 19 mar. 2016).

É também dia de agradecermos aos leigos pela sua dedicação em nossas comunidades, por todo esforço e tempo empenhados nas diversas atividades, sejam evangelizadoras, sociais ou na promoção de eventos em favor das necessidades das comunidades. E, por fim, é também dia de incentivá-los a desenvolver cada vez mais a consciência de sua identidade e missão, de ser “sal da terra e luz do mundo”, conforme o programa estabelecido pelo Cristo Senhor, nosso Rei, no Sermão da Montanha (Mt 5,13-16), e para a celebração deste Ano Nacional do Laicato.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Os leigos e o Reino de Cristo

24/11/2017 00:00

No último domingo do Tempo Comum celebramos a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. Não se trata, como se pensa, do último dia do ano litúrgico (o último dia é o sábado da 34ª semana do Tempo Comum, véspera do 1º domingo do Advento), mas sim do último domingo do mesmo ano litúrgico. Nele, celebramos a realeza de Cristo, não no sentido que entendemos a realeza (embora utilizemos os mesmos símbolos humanos de realeza na imagem de Jesus: manto, coroa, cetro), mas no sentido de que nele, Jesus, o Reino de Deus se torna uma realidade concreta e muito próxima de nós.

No Brasil, a Solenidade de Cristo Rei é comemorada como Dia Nacional do Leigo. O Dia Nacional dos Cristãos Leigos é comemorado na Solenidade de Cristo Rei desde 1991. A data ocorre sempre no último domingo do ano litúrgico e foi definida pela Assembleia Geral do CNLB, em continuidade com a tradição da Ação Católica que realizava, neste dia, a renovação das promessas batismais e refletia sobre a missão dos leigos.

De modo especial, neste ano se abre o Ano do Laicato, que se estenderá até a solenidade de Cristo Rei de 2018. Será uma grande oportunidade de refletirmos, celebrarmos e mudarmos nossa atitude diante da vocação universal à santidade, própria de todos os cristãos. Os leigos são, como nos lembra especialmente o Documento 105 da CNBB, “verdadeiro sujeito eclesial”, ou seja, corresponsáveis na construção do Reino de Deus, ao lado de seus pastores, os ministros ordenados. Será, portanto, um ano para dinamizar a atuação dos leigos e leigas na família, na Igreja e na vida secular, característica essencial de sua vocação.

Com seu testemunho específico, situados em seu próprio lugar na Igreja, os leigos são chamados a construir o Reino de Cristo. É vasto seu campo de ação: mundo da educação, da cultura, da saúde, da política, do direito, outros âmbitos profissionais, vida familiar, participação de grupos pastorais, das novas comunidades, com seus carismas e ministérios na Igreja. O importante é que cada um, de acordo com o dom que recebeu, saiba colocá-lo a serviço da comunidade na qual está inserido.

Hoje é o dia de bendizer a Deus pelo dom da vocação leiga na Igreja, pois ela é a vocação mãe de todas as outras. Lembra-nos o Papa Francisco: “Olhar para o Povo de Deus é recordar que todos fazemos o nosso ingresso na Igreja como leigos. O primeiro sacramento, que sela para sempre a nossa identidade, e do qual deveríamos ser sempre orgulhosos, é o batismo. Através dele e com a unção do Espírito Santo, (os fiéis) «são consagrados para serem edifício espiritual e sacerdócio santo» (LG 10). A nossa primeira e fundamental consagração afunda as suas raízes no nosso batismo. Ninguém foi batizado sacerdote nem bispo. Batizaram-nos leigos e é o sinal indelével que jamais poderá ser cancelado” (Carta do Papa Francisco ao Cardeal Marc Ouellet, 19 mar. 2016).

É também dia de agradecermos aos leigos pela sua dedicação em nossas comunidades, por todo esforço e tempo empenhados nas diversas atividades, sejam evangelizadoras, sociais ou na promoção de eventos em favor das necessidades das comunidades. E, por fim, é também dia de incentivá-los a desenvolver cada vez mais a consciência de sua identidade e missão, de ser “sal da terra e luz do mundo”, conforme o programa estabelecido pelo Cristo Senhor, nosso Rei, no Sermão da Montanha (Mt 5,13-16), e para a celebração deste Ano Nacional do Laicato.

Padre Cristiano Holtz Peixoto
Autor

Padre Cristiano Holtz Peixoto

Vigário paroquial da Catedral Metropolitana