Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 21º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 07/12/2019

07 de Dezembro de 2019

“A Leitura Orante da Escritura Sagrada”

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

07 de Dezembro de 2019

“A Leitura Orante da Escritura Sagrada”

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/09/2013 16:14 - Atualizado em 23/09/2013 16:22

“A Leitura Orante da Escritura Sagrada” 0

20/09/2013 16:14 - Atualizado em 23/09/2013 16:22

O Concílio Vaticano II, na Constituição Dogmática Dei Verbum, quando trata do lugar da Sagrada Escritura na vida da Igreja, “exorta, de maneira insistente e particular, todos os fiéis a que aprendam ‘a eminente ciência de Jesus Cristo’ com a leitura frequente das divinas Escrituras” (DV nº25). E, mais a frente, o texto diz: “Lembrem-se, porém, que a oração deve acompanhar a leitura da Sagrada Escritura, para que haja colóquio entre Deus e o homem; pois, ‘com Ele falamos quando rezamos, e a Ele ouvimos quando lemos os divinos Escritos” (cf. Santo Agostinho). Esta Leitura Orante pedida pelo Concílio corresponde ao resgate da oração da Tradição da Igreja. Vejamos em que consiste tal prática.

 

Jesus e a Leitura Orante

Segundo o Compêndio do Catecismo, pergunta 541, Jesus aprendeu a rezar com a sua mãe e com a tradição hebraica. Ora, a oração judaica é marcada pela presença da leitura do Texto Sagrado: seja da meditação da Lei e dos Profetas, seja da recitação dos Salmos. De fato, na vida de Jesus, narrada pelos Evangelhos, vemos como era presente as passagens do Antigo Testamento e só Ele podia, com autoridade, dizer: “Era preciso que se cumprisse tudo o que foi escrito sobe mim na Lei de Moises, nos Profetas e nos Salmos” (Lc 24,44-45). Jesus, na sua oração íntima de Filho Amado de Deus, discerniu, a partir das Escrituras o Mistério de sua identidade e de sua missão.

 

A Igreja Nascente e a Leitura Orante

O Novo testamento foi gerado ao longo da segunda metade do século I. Ele, por si só, já testemunha como, para a Igreja Nascente, era importante na sua vida de oração a presença da Sagrada Escritura e a leitura dela a partir de Cristo. A Igreja se unia em oração e meditava as Letras Sagradas vendo nelas as promessas de Deus, as suas realizações em Cristo e o seu prolongamento na vida eclesial. O CIC, no nº 2624, afirma que “as orações são, sobretudo, as que os fiéis ouvem e lêem nas Escrituras, atualizadas, porém, principalmente, as dos Salmos, a partir de sua realização em Cristo”. Realmente, o Livro dos Salmos, dentre os do Antigo Testamento, é o mais citado no Novo, revelando uma comunidade orante.

Os Padres e a Leitura Orante

A Tradição da Igreja vai, inspirada na própria Escritura, recolher e propor a leitura orante como Oração da Igreja. É inegável que uma das características da Teologia dos Padres é o contato com a Biblia. São Jeronimo vai dizer: “como seria possível viver sem o conhecimento das Escrituras, se é por elas que se aprende a conhecer o próprio Cristo, que é a vida dos crentes?”. É abundante na literatura dos Padres e Doutores comentários aos livros da Sagrada Escritura, comentários formados a partir da oração para alimentar a fé daqueles que os ouviam ou liam seus escritos.

 

Os Passos da Leitura Orante

O método da Leitura Orante das Escrituras possui quatro passos fundamentais: a leitura (lectio), a meditação (meditatio); a oração (oratio); e, a contemplação (contemplatio). A Leitura é aquele passo no qual perguntamos “o que diz o texto bíblico em si?”. É indispensável buscar conhecer o sentido literal do texto. Em que livro se encontra o texto? Em que parte do livro? Quem escreveu? Em que contexto? Sobre o quê se trata? Quem são os personagens envolvidos? Seus atos e falas? No segundo passo, a Meditação, nos perguntamos “o que o texto bíblico diz para nós?”. É Deus que nos fala através do texto e ilumina nossa vida, possibilitando um discernimento sobre ela a luz de Cristo. O terceiro passo é a oração. Somente depois de acolhermos o que Deus nos diz pela Escritura e que nos voltamos para “dizer a Ele o que o texto nos inspira”. Este ato de falar é uma resposta dada a sua Palavra e pode se manifestar como um pedido, uma intercessão, uma ação de graças e/ou um louvor. O último passo é a contemplação na qual, no silêncio do coração, somos chamados a olhar a nossa realidade e a do mundo a partir do dom de Deus.

A Leitura Orante e a Liturgia

A Oração por excelência da Igreja e o lugar privilegiado para a escuta da Palavra de Deus é a Liturgia. Por conseguinte, na liturgia da Palavra da Eucaristia e dos outros Sacramentos e sacramentais, bem como na Liturgia das Horas, se apresenta a estrutura de escuta e de resposta. Manifesta, assim, o caráter eclesial, pois é o Povo de Deus convocado e reunido em assembleia que recebe uma Palavra e é vocacionado à respondê-la. A Leitura Orante do fiel entra dentro desta moldura maior que é a celebração e a vida da Igreja. Seguindo o ritmo do Ano Litúrgico, com seus diferentes tempos, o cristão entra em comunhão com o Mistério Pascal de Cristo, presentificando-o e atualizando-o em sua própria vida a partir da celebração litúrgica e do prolongamento dela na sua vida de oração.

 

 

Para aprofundar...

Para saber mais sobre o assunto, conferir os parágrafos do CIC, nos 133. 1177, 2653 e 2708; o Compêndio do Catecismo, da pergunta 541 até a 577; o Youcat, a pergunta 502; e, a Constituição Dogmática Dei Verbum, nº 25.

 

Pe. Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese

 Mater Ecclesiae e Luz e Vida

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

“A Leitura Orante da Escritura Sagrada”

20/09/2013 16:14 - Atualizado em 23/09/2013 16:22

O Concílio Vaticano II, na Constituição Dogmática Dei Verbum, quando trata do lugar da Sagrada Escritura na vida da Igreja, “exorta, de maneira insistente e particular, todos os fiéis a que aprendam ‘a eminente ciência de Jesus Cristo’ com a leitura frequente das divinas Escrituras” (DV nº25). E, mais a frente, o texto diz: “Lembrem-se, porém, que a oração deve acompanhar a leitura da Sagrada Escritura, para que haja colóquio entre Deus e o homem; pois, ‘com Ele falamos quando rezamos, e a Ele ouvimos quando lemos os divinos Escritos” (cf. Santo Agostinho). Esta Leitura Orante pedida pelo Concílio corresponde ao resgate da oração da Tradição da Igreja. Vejamos em que consiste tal prática.

 

Jesus e a Leitura Orante

Segundo o Compêndio do Catecismo, pergunta 541, Jesus aprendeu a rezar com a sua mãe e com a tradição hebraica. Ora, a oração judaica é marcada pela presença da leitura do Texto Sagrado: seja da meditação da Lei e dos Profetas, seja da recitação dos Salmos. De fato, na vida de Jesus, narrada pelos Evangelhos, vemos como era presente as passagens do Antigo Testamento e só Ele podia, com autoridade, dizer: “Era preciso que se cumprisse tudo o que foi escrito sobe mim na Lei de Moises, nos Profetas e nos Salmos” (Lc 24,44-45). Jesus, na sua oração íntima de Filho Amado de Deus, discerniu, a partir das Escrituras o Mistério de sua identidade e de sua missão.

 

A Igreja Nascente e a Leitura Orante

O Novo testamento foi gerado ao longo da segunda metade do século I. Ele, por si só, já testemunha como, para a Igreja Nascente, era importante na sua vida de oração a presença da Sagrada Escritura e a leitura dela a partir de Cristo. A Igreja se unia em oração e meditava as Letras Sagradas vendo nelas as promessas de Deus, as suas realizações em Cristo e o seu prolongamento na vida eclesial. O CIC, no nº 2624, afirma que “as orações são, sobretudo, as que os fiéis ouvem e lêem nas Escrituras, atualizadas, porém, principalmente, as dos Salmos, a partir de sua realização em Cristo”. Realmente, o Livro dos Salmos, dentre os do Antigo Testamento, é o mais citado no Novo, revelando uma comunidade orante.

Os Padres e a Leitura Orante

A Tradição da Igreja vai, inspirada na própria Escritura, recolher e propor a leitura orante como Oração da Igreja. É inegável que uma das características da Teologia dos Padres é o contato com a Biblia. São Jeronimo vai dizer: “como seria possível viver sem o conhecimento das Escrituras, se é por elas que se aprende a conhecer o próprio Cristo, que é a vida dos crentes?”. É abundante na literatura dos Padres e Doutores comentários aos livros da Sagrada Escritura, comentários formados a partir da oração para alimentar a fé daqueles que os ouviam ou liam seus escritos.

 

Os Passos da Leitura Orante

O método da Leitura Orante das Escrituras possui quatro passos fundamentais: a leitura (lectio), a meditação (meditatio); a oração (oratio); e, a contemplação (contemplatio). A Leitura é aquele passo no qual perguntamos “o que diz o texto bíblico em si?”. É indispensável buscar conhecer o sentido literal do texto. Em que livro se encontra o texto? Em que parte do livro? Quem escreveu? Em que contexto? Sobre o quê se trata? Quem são os personagens envolvidos? Seus atos e falas? No segundo passo, a Meditação, nos perguntamos “o que o texto bíblico diz para nós?”. É Deus que nos fala através do texto e ilumina nossa vida, possibilitando um discernimento sobre ela a luz de Cristo. O terceiro passo é a oração. Somente depois de acolhermos o que Deus nos diz pela Escritura e que nos voltamos para “dizer a Ele o que o texto nos inspira”. Este ato de falar é uma resposta dada a sua Palavra e pode se manifestar como um pedido, uma intercessão, uma ação de graças e/ou um louvor. O último passo é a contemplação na qual, no silêncio do coração, somos chamados a olhar a nossa realidade e a do mundo a partir do dom de Deus.

A Leitura Orante e a Liturgia

A Oração por excelência da Igreja e o lugar privilegiado para a escuta da Palavra de Deus é a Liturgia. Por conseguinte, na liturgia da Palavra da Eucaristia e dos outros Sacramentos e sacramentais, bem como na Liturgia das Horas, se apresenta a estrutura de escuta e de resposta. Manifesta, assim, o caráter eclesial, pois é o Povo de Deus convocado e reunido em assembleia que recebe uma Palavra e é vocacionado à respondê-la. A Leitura Orante do fiel entra dentro desta moldura maior que é a celebração e a vida da Igreja. Seguindo o ritmo do Ano Litúrgico, com seus diferentes tempos, o cristão entra em comunhão com o Mistério Pascal de Cristo, presentificando-o e atualizando-o em sua própria vida a partir da celebração litúrgica e do prolongamento dela na sua vida de oração.

 

 

Para aprofundar...

Para saber mais sobre o assunto, conferir os parágrafos do CIC, nos 133. 1177, 2653 e 2708; o Compêndio do Catecismo, da pergunta 541 até a 577; o Youcat, a pergunta 502; e, a Constituição Dogmática Dei Verbum, nº 25.

 

Pe. Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese

 Mater Ecclesiae e Luz e Vida

 

Padre Vitor Gino Finelon
Autor

Padre Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida