Arquidiocese do Rio de Janeiro

34º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 23/09/2017

23 de Setembro de 2017

‘Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo’

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

23 de Setembro de 2017

‘Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo’

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

25/08/2017 10:53 - Atualizado em 25/08/2017 10:53

‘Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo’ 0

25/08/2017 10:53 - Atualizado em 25/08/2017 10:53

O domingo é, para nós cristãos, o “Dia dos Dias”. Nesse dia, nos reunimos na Igreja movidos por “um só desejo”, como diz a oração coleta de hoje: louvar a Deus pelas suas maravilhas. É a isto que nos exorta a segunda leitura. Temos ouvido, já há alguns domingos, trechos da carta de São Paulo aos romanos. Hoje ouvimos na liturgia o final do Capítulo 11 que, em forma de hino, canta a profundidade da sabedoria de Deus e, proclamando que tudo converge para Ele, nos convida ao louvor, quando afirma: “A Ele a glória pelos séculos, Amém!” (cf. Rm 11,36). A Eucaristia é a máxima expressão desse louvor que queremos e precisamos oferecer a Deus. Ela é a ação de graças perfeita, porque nela se renova o Mistério Pascal do Cristo, fonte de nossa salvação.

Nossa reflexão pode começar, hoje, pelo Evangelho, que constitui sempre o coração da Liturgia da Palavra. O texto de Mt 16,13-20 coloca diante de nossos olhos a confissão de fé de Simão, que passa a ser chamado de Pedro. Poderíamos, a princípio, dividí-lo em duas partes: os vv. 13-16 e 17-19.

Nos vv. 13-16, temos uma pergunta de Jesus que se repete nos vv. 13 e 15. No v. 13, Jesus quer saber dos discípulos quem “os homens” dizem ser “o Filho do Homem”. Os discípulos respondem que, no dizer dos de fora, dos “homens” em geral, a concepção a respeito de quem seja o “Filho do Homem” é muito difusa: João Batista ressurgido dos mortos (cf. Mt 14,3-12), Elias, Jeremias, ou algum dos profetas. Jesus repete a pergunta, mas agora dirigindo-a especificamente aos discípulos e apresentando-se como o “Filho do Homem”: “E vós, quem dizeis que Eu sou?” Já aqui recebe destaque a figura de Simão Pedro, tanto pelo seu falar em nome dos discípulos, pois é ele quem especificamente responde à pergunta que Jesus havia dirigido aos 12, quanto pela sua responde, não difusa como a “dos homens”, mas firme: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.

Nos vv. 17-19, temos duas partes: a bem-aventurança de Pedro, n. v. 17, e a sua investidura nos vv. 18-19. Jesus chama Simão, cujo nome passará a ser Pedro, de “bem-aventurado”. O termo grego é o termo makarios. Esse termo aparece 13 vezes em Mateus. Dessas 13 aparições do termo, nove estão em Mt 5: são as “bem-aventuranças”. Depois o termo ocorre, ainda, em 11,6; 13,16; 16,17 e 24,46. A bem-aventurança de Pedro consiste no fato de a sua resposta não ser fruto de um conhecimento puramente racional – pois não foi “a carne” ou “o sangue” que revelou isso a Pedro – mas, sim, o “Pai que está nos céus”.1 Assim, a confissão de fé do apóstolo não é uma palavra meramente humana, mas fruto de uma revelação2 que provém do Pai, cujo sentido pleno o próprio apóstolo ainda não alcança, mas alcançará quando testemunhar os acontecimentos gloriosos de Cristo e for revestido da “força do alto” em Pentecostes.

Os vv. 18-19, como já dito acima, apresentam a investidura de Pedro à frente do rebanho de Cristo. No v. 18, Jesus lhe modifica o nome, acompanhando tal gesto com o simbolismo da pedra. Simão chamar-se-á agora Pedro, e sobre esta “pedra” o Cristo construirá sua Igreja, que jamais perecerá, pois as portas do inferno não poderão vencê-la.3 O texto de Mt 16,19 corresponde perfeitamente a Is 22,22, na sua forma hebraica (cf. primeira leitura). O próprio Senhor envia o profeta Isaías para dizer a Sobna que ele será destituído da sua função. Em seu lugar será colocado Eliacim, filho de Helcias. Para simbolizar a autoridade que este receberá sobre a “casa de Davi”, o Senhor lhe diz pela boca do profeta: “Colocarei a chave da casa de Davi sobre os ombros dele; ele abrirá, e ninguém fechará; ele fechará, e ninguém abrirá.” (cf. Is 22,22).4 Do mesmo modo encontramos a investidura que Jesus faz de Pedro no Evangelho, dizendo: “Eu te darei as chaves do Reino dos Céus; tudo aquilo o que ligares na terra, será ligado nos céus; e tudo o que desligares na Terra, será desligado nos céus” (cf. Mt 16,19).5 Com a imagem da entrega das chaves e com a autoridade de ligar e desligar, abrir e fechar, Jesus anuncia de modo simbólico a autoridade daquele que deve estar à frente dos 12, confirmando-lhes a fé (cf. Lc 22,32).

Junto com o tema da autoridade de Pedro que Cristo coloca à frente dos 12, autoridade essa continuada na vida da Igreja na figura do Papa, sucessor de Pedro, o evangelho de hoje nos interpela, ainda, com a mesma pergunta que Cristo fez aos discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Quem é Jesus para nós? Esta é uma pergunta que devemos nos fazer todos os dias e à qual é necessário responder com muita sinceridade. Jesus não é um mero milagreiro nem um solucionador de problemas. Jesus é o Cristo, o Salvador, o filho de Deus Vivo, Deus com o Pai, Senhor da nossa vida. Precisamos, como Pedro, ter um encontro pessoal com Cristo, para que possamos também responder a essa pergunta que Cristo nos faz de maneira pessoal, tendo experimentado o seu amor e a sua presença poderosa na nossa vida.

Como nos diz São Paulo na segunda leitura: “tudo é dele, por ele e para ele. A ele a glória para sempre.” Tudo é d’Ele... Nós somos d’Ele... Entreguemos nas mãos do Pai tudo o que somos. Façamos da nossa vida um grande hino de louvor a Deus. Na doxologia final da oração eucarística, o sacerdote oferece ao Pai o Corpo e o Sangue do Cristo, proclamando que por Cristo, com Cristo e em Cristo, na força do Espírito Santo, toda a glória deve ser dada ao Pai. Ofereçamos também nós, ao participarmos da Eucaristia Dominical, naquela patena e naquele cálice, a nossa vida ao Pai. Coloquemos ali nossa existência, nossas falências, nossas glórias e fracassos, para que tudo, por Cristo, e na força do Espírito, seja apresentado ao Pai como oferta de louvor. E Ele, o Pai que tudo transfigura e que a seu Filho ressuscitou dos mortos, também transfigurará a nossa dor e nos ressuscitará, já agora, ainda que de modo figurativo, no Espírito, dando-nos sua força que nos anima e fortalece, e depois de modo pleno, dando-nos a vida imortal que está reservada para nós em seu Reino.

Referências:

1O lecionário de certo modo “explica” o sentido da expressão “a carne e o sangue” traduzindo-a como “ser humano”.

2 O verbo grego utilizado por Mateus é apokalypto.

3 Cf. Jo 1,42: João nos conserva os termos aramaicos de tal “mudança de nome” indicativa de uma missão: Simão passará a se chamar Cefas (termo aramaico que significa pedra, rocha).

4 וְנָתַתִּ֛י מַפְתֵּ֥חַ בֵּית־דָּוִ֖ד עַל־שִׁכְמ֑וֹ וּפָתַח֙ וְאֵ֣ין סֹגֵ֔ר וְסָגַ֖ר וְאֵ֥ין פֹּתֵֽחַ׃

5 δώσω σοι τὰς κλεῖδας τῆς βασιλείας τῶν οὐρανῶν, καὶ ὃ ἐὰν δήσῃς ἐπὶ τῆς γῆς ἔσται δεδεμένον ἐν τοῖς οὐρανοῖς, καὶ ὃ ἐὰν λύσῃς ἐπὶ τῆς γῆς ἔσται λελυμένον ἐν τοῖς οὐρανοῖς.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

‘Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo’

25/08/2017 10:53 - Atualizado em 25/08/2017 10:53

O domingo é, para nós cristãos, o “Dia dos Dias”. Nesse dia, nos reunimos na Igreja movidos por “um só desejo”, como diz a oração coleta de hoje: louvar a Deus pelas suas maravilhas. É a isto que nos exorta a segunda leitura. Temos ouvido, já há alguns domingos, trechos da carta de São Paulo aos romanos. Hoje ouvimos na liturgia o final do Capítulo 11 que, em forma de hino, canta a profundidade da sabedoria de Deus e, proclamando que tudo converge para Ele, nos convida ao louvor, quando afirma: “A Ele a glória pelos séculos, Amém!” (cf. Rm 11,36). A Eucaristia é a máxima expressão desse louvor que queremos e precisamos oferecer a Deus. Ela é a ação de graças perfeita, porque nela se renova o Mistério Pascal do Cristo, fonte de nossa salvação.

Nossa reflexão pode começar, hoje, pelo Evangelho, que constitui sempre o coração da Liturgia da Palavra. O texto de Mt 16,13-20 coloca diante de nossos olhos a confissão de fé de Simão, que passa a ser chamado de Pedro. Poderíamos, a princípio, dividí-lo em duas partes: os vv. 13-16 e 17-19.

Nos vv. 13-16, temos uma pergunta de Jesus que se repete nos vv. 13 e 15. No v. 13, Jesus quer saber dos discípulos quem “os homens” dizem ser “o Filho do Homem”. Os discípulos respondem que, no dizer dos de fora, dos “homens” em geral, a concepção a respeito de quem seja o “Filho do Homem” é muito difusa: João Batista ressurgido dos mortos (cf. Mt 14,3-12), Elias, Jeremias, ou algum dos profetas. Jesus repete a pergunta, mas agora dirigindo-a especificamente aos discípulos e apresentando-se como o “Filho do Homem”: “E vós, quem dizeis que Eu sou?” Já aqui recebe destaque a figura de Simão Pedro, tanto pelo seu falar em nome dos discípulos, pois é ele quem especificamente responde à pergunta que Jesus havia dirigido aos 12, quanto pela sua responde, não difusa como a “dos homens”, mas firme: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.

Nos vv. 17-19, temos duas partes: a bem-aventurança de Pedro, n. v. 17, e a sua investidura nos vv. 18-19. Jesus chama Simão, cujo nome passará a ser Pedro, de “bem-aventurado”. O termo grego é o termo makarios. Esse termo aparece 13 vezes em Mateus. Dessas 13 aparições do termo, nove estão em Mt 5: são as “bem-aventuranças”. Depois o termo ocorre, ainda, em 11,6; 13,16; 16,17 e 24,46. A bem-aventurança de Pedro consiste no fato de a sua resposta não ser fruto de um conhecimento puramente racional – pois não foi “a carne” ou “o sangue” que revelou isso a Pedro – mas, sim, o “Pai que está nos céus”.1 Assim, a confissão de fé do apóstolo não é uma palavra meramente humana, mas fruto de uma revelação2 que provém do Pai, cujo sentido pleno o próprio apóstolo ainda não alcança, mas alcançará quando testemunhar os acontecimentos gloriosos de Cristo e for revestido da “força do alto” em Pentecostes.

Os vv. 18-19, como já dito acima, apresentam a investidura de Pedro à frente do rebanho de Cristo. No v. 18, Jesus lhe modifica o nome, acompanhando tal gesto com o simbolismo da pedra. Simão chamar-se-á agora Pedro, e sobre esta “pedra” o Cristo construirá sua Igreja, que jamais perecerá, pois as portas do inferno não poderão vencê-la.3 O texto de Mt 16,19 corresponde perfeitamente a Is 22,22, na sua forma hebraica (cf. primeira leitura). O próprio Senhor envia o profeta Isaías para dizer a Sobna que ele será destituído da sua função. Em seu lugar será colocado Eliacim, filho de Helcias. Para simbolizar a autoridade que este receberá sobre a “casa de Davi”, o Senhor lhe diz pela boca do profeta: “Colocarei a chave da casa de Davi sobre os ombros dele; ele abrirá, e ninguém fechará; ele fechará, e ninguém abrirá.” (cf. Is 22,22).4 Do mesmo modo encontramos a investidura que Jesus faz de Pedro no Evangelho, dizendo: “Eu te darei as chaves do Reino dos Céus; tudo aquilo o que ligares na terra, será ligado nos céus; e tudo o que desligares na Terra, será desligado nos céus” (cf. Mt 16,19).5 Com a imagem da entrega das chaves e com a autoridade de ligar e desligar, abrir e fechar, Jesus anuncia de modo simbólico a autoridade daquele que deve estar à frente dos 12, confirmando-lhes a fé (cf. Lc 22,32).

Junto com o tema da autoridade de Pedro que Cristo coloca à frente dos 12, autoridade essa continuada na vida da Igreja na figura do Papa, sucessor de Pedro, o evangelho de hoje nos interpela, ainda, com a mesma pergunta que Cristo fez aos discípulos: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Quem é Jesus para nós? Esta é uma pergunta que devemos nos fazer todos os dias e à qual é necessário responder com muita sinceridade. Jesus não é um mero milagreiro nem um solucionador de problemas. Jesus é o Cristo, o Salvador, o filho de Deus Vivo, Deus com o Pai, Senhor da nossa vida. Precisamos, como Pedro, ter um encontro pessoal com Cristo, para que possamos também responder a essa pergunta que Cristo nos faz de maneira pessoal, tendo experimentado o seu amor e a sua presença poderosa na nossa vida.

Como nos diz São Paulo na segunda leitura: “tudo é dele, por ele e para ele. A ele a glória para sempre.” Tudo é d’Ele... Nós somos d’Ele... Entreguemos nas mãos do Pai tudo o que somos. Façamos da nossa vida um grande hino de louvor a Deus. Na doxologia final da oração eucarística, o sacerdote oferece ao Pai o Corpo e o Sangue do Cristo, proclamando que por Cristo, com Cristo e em Cristo, na força do Espírito Santo, toda a glória deve ser dada ao Pai. Ofereçamos também nós, ao participarmos da Eucaristia Dominical, naquela patena e naquele cálice, a nossa vida ao Pai. Coloquemos ali nossa existência, nossas falências, nossas glórias e fracassos, para que tudo, por Cristo, e na força do Espírito, seja apresentado ao Pai como oferta de louvor. E Ele, o Pai que tudo transfigura e que a seu Filho ressuscitou dos mortos, também transfigurará a nossa dor e nos ressuscitará, já agora, ainda que de modo figurativo, no Espírito, dando-nos sua força que nos anima e fortalece, e depois de modo pleno, dando-nos a vida imortal que está reservada para nós em seu Reino.

Referências:

1O lecionário de certo modo “explica” o sentido da expressão “a carne e o sangue” traduzindo-a como “ser humano”.

2 O verbo grego utilizado por Mateus é apokalypto.

3 Cf. Jo 1,42: João nos conserva os termos aramaicos de tal “mudança de nome” indicativa de uma missão: Simão passará a se chamar Cefas (termo aramaico que significa pedra, rocha).

4 וְנָתַתִּ֛י מַפְתֵּ֥חַ בֵּית־דָּוִ֖ד עַל־שִׁכְמ֑וֹ וּפָתַח֙ וְאֵ֣ין סֹגֵ֔ר וְסָגַ֖ר וְאֵ֥ין פֹּתֵֽחַ׃

5 δώσω σοι τὰς κλεῖδας τῆς βασιλείας τῶν οὐρανῶν, καὶ ὃ ἐὰν δήσῃς ἐπὶ τῆς γῆς ἔσται δεδεμένον ἐν τοῖς οὐρανοῖς, καὶ ὃ ἐὰν λύσῃς ἐπὶ τῆς γῆς ἔσται λελυμένον ἐν τοῖς οὐρανοῖς.

Padre Fábio Siqueira
Autor

Padre Fábio Siqueira

Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida