Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

Consagrados – Um Dom para a Igreja

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

Consagrados – Um Dom para a Igreja

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/08/2017 00:00 - Atualizado em 21/08/2017 12:08

Consagrados – Um Dom para a Igreja 0

20/08/2017 00:00 - Atualizado em 21/08/2017 12:08

No mês vocacional, agosto, a terceira semana que, normalmente coincide com a celebração da solenidade da Assunção de Maria, destina-se a oração pelas vocações para a vida consagrada de antigas e novas tradições. Essa reflexão inspira-se na Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Vita consecrata”, assinada por São João Paulo II, em 25 de março de 1996.  A exortação como instrumento de reflexão e formação reflete sobre a vida consagrada e sua missão na Igreja e no mundo. “Ao longo dos séculos nunca faltaram homens e mulheres que, dóceis ao chamado do Pai e à moção do Espírito, elegeram este caminho de especial seguimento de Cristo, para dedicar-se a Ele com coração 'indiviso' (1 Co 7, 34) ” recordava São João Paulo II na introdução da sua exortação Apostólica “Vita consecrata”.

A vida consagrada está colocada no coração da Igreja como um elemento decisivo na sua missão, exprime a natureza intima da vocação cristã e a atenção da Igreja esposa para a união com o seu único esposo Jesus Cristo. A beleza da vida consagrada está na santidade e nos frutos de santidade, consolidada em três princípios básicos: a Pobreza, a Obediência e a Castidade.  É uma entrega total e incondicional a Deus e a sua Igreja por meio do carisma ou dos carismas, pois existe uma variedade de carismas especifico que o espírito suscita no coração da Igreja para o serviço da caridade, através do testemunho das pessoas consagradas, um testemunho de profecia e esperança.

O que pede a Igreja aos seus consagrados?  Pede uma fidelidade sempre criativa e ousada, um amor incondicional e um grito profético de esperança e libertação, isso significa ir onde necessita da presença consagrada de homens e mulheres sensíveis aos apelos do Evangelho que chama, elege, convoca e envia em Missão.  É preciso seguir a inspiração, o sopro do espírito. O Espírito Santo é quem orienta, esclarece, e direciona a vida consagrada como sinal da presença viva de Jesus Cristo.

A Igreja ao longo de sua história sempre acolheu a vida consagrada como um dom especial uma graça que espírito suscita para o anúncio da boa notícia, das bem-aventuranças do reino, e na sua variedade de dons e carismas a vida consagrada permanece sempre fiel a sua vocação e missão fundamental. Como na vida cristã é importante a vida de oração e o testemunho missionário, também na Igreja, isso se visibiliza nos carismas de vida consagrada. Temos os Missionários e Missionárias que percorrem as estradas do mundo nas diferentes áreas da ação evangelizadora, levando a boa nova da libertação e promovendo a vida, mas também os que trabalham nas escolas, hospitais, junto aos excluídos da sociedade, com as crianças e idosos, e tantos outros ministérios. Nos irmãos e irmãs de vida monástica que testemunham uma vida de silêncio, e doação de si mesmo através da oração e intercessão pelas necessidades da igreja e da humanidade sofrida se visibiliza a Igreja que intercede missionariamente numa rica diversidade de possibilidades, Todas as formas de vida consagrada estão sempre configurados a um amor incondicional a Jesus e a sua Igreja, homens e mulheres que seguem a forma vitae e atentos a  inspiração carismática e fundacional  de seus fundadores no seguimento radical de Cristo. Isso significa que todas as variadas formas de vida consagrada constituem uma beleza sem igual, um amor fascinante e apaixonado por Jesus Cristo e seu reino: eis ai razão de ser da vida consagrada, sinais do chamado universal à santidade e a experimentar no hoje os sinais da escatologia.  As pessoas consagradas são sinal de Deus em diferentes áreas da vida, são fermento para o crescimento de uma sociedade mais justa e humana junto dos pobres e pequenos, são testemunhas de partilha e fraternidade, são também profecia e esperança, comungam um estilo de vida radical, a radicalidade do evangelho que está sempre à frente da missão e do carisma fundacional de toda a vida consagrada desde sempre. Por isso cada pessoa consagrada é um dom de Deus para a Igreja e para o povo de Deus que está a caminho. É um importante sinal para uma sociedade dividida, intolerante, violenta, descristianizada e egoísta que nos machuca a cada dia com as notícias que correm sobre essa mudança de época.

Os consagrados atraídos por Jesus Cristo e seu estilo de vida ao longo da história foram capazes de deixar tudo e segui-Lo. Diante das ideologias que contagiam as pessoas e impõem seus postulados em tantas mentes, a vida consagrada nos aponta para a liberdade dos filhos de Deus que encontraram em Jesus Cristo o tesouro e a pérola de sua existência. Assim foi com os apóstolos, os discípulos e a Virgem Maria, os primeiros que se consagram a um anúncio radical do Evangelho, cada consagrado deve ser o Evangelho vivente e presente por meio do testemunho, ou seja, reescrevem a Palavra de Deus pelas suas vidas. Os consagrados da Igreja nascente constituíram um começo fiel e criativo seguindo as pegadas do Mestre imprimindo assim a marca da inspiração evangélica na vida Igreja, assim foi com as virgens e as viúvas das primeiras comunidades cristãs; Santo Antão no Século III decide retirar-se para o deserto por meio da oração e o desejo de se dedicar à formação de outros que queriam seguir na vida de oração; depois dele São Basílio, Santo Agostinho e São Bento, se tornaram pais e formadores de família de consagrados que faziam da oração e do serviço aos mais pobres um ideal de vida, por meio do ora et labora, intimidade com seu mestre por meio da oração mais ao mesmo tempo dedicação e entrega aos irmãos sofredores pelo trabalho missionário.

Ao longo da história muitos santos e santas, não só se consagram pessoalmente a Deus, mas inspiraram outros homens e mulheres para o seguimento radical do Evangelho, através de uma espiritualidade e missão especifica respondendo as necessidades mais urgentes da Igreja e do seu tempo, basta lembrar alguns deles, como São Francisco de Assis, Santa Clara, São Domingos, Santa Tereza, Santo Inácio de Loyola, São João Bosco, Madre Tereza de Calcutá, beata Irmã Dulce, Santa Paulina, São frei Galvão, Beata Nhá Chica, Beato Padre Victor e tantos outros que marcaram a vida religiosa através do testemunho que selaram e a marca que deixaram servindo de inspiração para a vida consagrada em todos os tempos.

Neste Domingo em que celebramos o dia de orações pela vida consagrada, louvemos e agradecemos ao Deus da vida, autor da vida consagrada que continue inspirando, elegendo, enviando e sustentando o testemunho profético e missionário da vida consagrada como um dom especial do Pai das Misericórdias. Em especial, pedimos a esses especialistas em comunhão, pois vivem em comunidade, que sejam sinais da unidade na Igreja chamando-nos pelo exemplo a seguir Cristo na diversidade de dons e carismas, dentro da comunhão no mesmo Senhor. Que o amor dos consagrados seja sempre mais fecundo e fecundante capaz de estimular entusiasmar e incentivar outros homens e mulheres ao seguimento radical de Jesus Cristo por meio desta vocação tão bela, capaz de irradiar o amor sem fronteiras e incondicional por Jesus Cristo e sua Igreja, ele que é modelo perfeito de toda e qualquer vocação.

Temos outras datas para celebrar a vida consagrada (dia 2 de fevereiro – dia do consagrado e dia 21 de novembro – dia da vida contemplativa) porém em Agosto, na terceira semana rezamos pelas vocações para a vida consagrada, religiosos, religiosas e consagrados (as) seculares e nas novas comunidades, Celebrar esses dias é um momento particular na vida da Igreja, em especial neste mês das Vocações, que deseja recordar-nos do compromisso de cada irmão(a), que devemos assumir, em espírito de corresponsabilidade fraterna e fidelidade criativa no cuidado daqueles que o Senhor envia até nós, e isto, é um testemunho credível por meio da nossa vocação e missão.

Conscientes de que cada dia é um novo desafio a lançarmo-nos na aventura do amor exigente, cuja meta se alcança pelo entusiasmo de uma vocação verdadeiramente vivida com gozo, partilhada com simplicidade e assumida com fascínio olhamos com esperança para o futuro da vida consagrada confiantes que o Senhor não deixará sem esse sinal a sua Igreja. Vivamos com alegria o Dom da vocação testemunhando no coração da humanidade o carisma evangélico da paz e da alegria fraterna que nos identifica como pessoas felizes por seguir as pegadas do Mestre Jesus Cristo, modelo perfeito de vida consagrada ao Pai e ao seu povo. Caros irmãos e irmãs da vida consagrada o testemunho vivo deve animar e revigorar nossa fé e nossa vocação consagrada no hoje de nossa história. 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Consagrados – Um Dom para a Igreja

20/08/2017 00:00 - Atualizado em 21/08/2017 12:08

No mês vocacional, agosto, a terceira semana que, normalmente coincide com a celebração da solenidade da Assunção de Maria, destina-se a oração pelas vocações para a vida consagrada de antigas e novas tradições. Essa reflexão inspira-se na Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Vita consecrata”, assinada por São João Paulo II, em 25 de março de 1996.  A exortação como instrumento de reflexão e formação reflete sobre a vida consagrada e sua missão na Igreja e no mundo. “Ao longo dos séculos nunca faltaram homens e mulheres que, dóceis ao chamado do Pai e à moção do Espírito, elegeram este caminho de especial seguimento de Cristo, para dedicar-se a Ele com coração 'indiviso' (1 Co 7, 34) ” recordava São João Paulo II na introdução da sua exortação Apostólica “Vita consecrata”.

A vida consagrada está colocada no coração da Igreja como um elemento decisivo na sua missão, exprime a natureza intima da vocação cristã e a atenção da Igreja esposa para a união com o seu único esposo Jesus Cristo. A beleza da vida consagrada está na santidade e nos frutos de santidade, consolidada em três princípios básicos: a Pobreza, a Obediência e a Castidade.  É uma entrega total e incondicional a Deus e a sua Igreja por meio do carisma ou dos carismas, pois existe uma variedade de carismas especifico que o espírito suscita no coração da Igreja para o serviço da caridade, através do testemunho das pessoas consagradas, um testemunho de profecia e esperança.

O que pede a Igreja aos seus consagrados?  Pede uma fidelidade sempre criativa e ousada, um amor incondicional e um grito profético de esperança e libertação, isso significa ir onde necessita da presença consagrada de homens e mulheres sensíveis aos apelos do Evangelho que chama, elege, convoca e envia em Missão.  É preciso seguir a inspiração, o sopro do espírito. O Espírito Santo é quem orienta, esclarece, e direciona a vida consagrada como sinal da presença viva de Jesus Cristo.

A Igreja ao longo de sua história sempre acolheu a vida consagrada como um dom especial uma graça que espírito suscita para o anúncio da boa notícia, das bem-aventuranças do reino, e na sua variedade de dons e carismas a vida consagrada permanece sempre fiel a sua vocação e missão fundamental. Como na vida cristã é importante a vida de oração e o testemunho missionário, também na Igreja, isso se visibiliza nos carismas de vida consagrada. Temos os Missionários e Missionárias que percorrem as estradas do mundo nas diferentes áreas da ação evangelizadora, levando a boa nova da libertação e promovendo a vida, mas também os que trabalham nas escolas, hospitais, junto aos excluídos da sociedade, com as crianças e idosos, e tantos outros ministérios. Nos irmãos e irmãs de vida monástica que testemunham uma vida de silêncio, e doação de si mesmo através da oração e intercessão pelas necessidades da igreja e da humanidade sofrida se visibiliza a Igreja que intercede missionariamente numa rica diversidade de possibilidades, Todas as formas de vida consagrada estão sempre configurados a um amor incondicional a Jesus e a sua Igreja, homens e mulheres que seguem a forma vitae e atentos a  inspiração carismática e fundacional  de seus fundadores no seguimento radical de Cristo. Isso significa que todas as variadas formas de vida consagrada constituem uma beleza sem igual, um amor fascinante e apaixonado por Jesus Cristo e seu reino: eis ai razão de ser da vida consagrada, sinais do chamado universal à santidade e a experimentar no hoje os sinais da escatologia.  As pessoas consagradas são sinal de Deus em diferentes áreas da vida, são fermento para o crescimento de uma sociedade mais justa e humana junto dos pobres e pequenos, são testemunhas de partilha e fraternidade, são também profecia e esperança, comungam um estilo de vida radical, a radicalidade do evangelho que está sempre à frente da missão e do carisma fundacional de toda a vida consagrada desde sempre. Por isso cada pessoa consagrada é um dom de Deus para a Igreja e para o povo de Deus que está a caminho. É um importante sinal para uma sociedade dividida, intolerante, violenta, descristianizada e egoísta que nos machuca a cada dia com as notícias que correm sobre essa mudança de época.

Os consagrados atraídos por Jesus Cristo e seu estilo de vida ao longo da história foram capazes de deixar tudo e segui-Lo. Diante das ideologias que contagiam as pessoas e impõem seus postulados em tantas mentes, a vida consagrada nos aponta para a liberdade dos filhos de Deus que encontraram em Jesus Cristo o tesouro e a pérola de sua existência. Assim foi com os apóstolos, os discípulos e a Virgem Maria, os primeiros que se consagram a um anúncio radical do Evangelho, cada consagrado deve ser o Evangelho vivente e presente por meio do testemunho, ou seja, reescrevem a Palavra de Deus pelas suas vidas. Os consagrados da Igreja nascente constituíram um começo fiel e criativo seguindo as pegadas do Mestre imprimindo assim a marca da inspiração evangélica na vida Igreja, assim foi com as virgens e as viúvas das primeiras comunidades cristãs; Santo Antão no Século III decide retirar-se para o deserto por meio da oração e o desejo de se dedicar à formação de outros que queriam seguir na vida de oração; depois dele São Basílio, Santo Agostinho e São Bento, se tornaram pais e formadores de família de consagrados que faziam da oração e do serviço aos mais pobres um ideal de vida, por meio do ora et labora, intimidade com seu mestre por meio da oração mais ao mesmo tempo dedicação e entrega aos irmãos sofredores pelo trabalho missionário.

Ao longo da história muitos santos e santas, não só se consagram pessoalmente a Deus, mas inspiraram outros homens e mulheres para o seguimento radical do Evangelho, através de uma espiritualidade e missão especifica respondendo as necessidades mais urgentes da Igreja e do seu tempo, basta lembrar alguns deles, como São Francisco de Assis, Santa Clara, São Domingos, Santa Tereza, Santo Inácio de Loyola, São João Bosco, Madre Tereza de Calcutá, beata Irmã Dulce, Santa Paulina, São frei Galvão, Beata Nhá Chica, Beato Padre Victor e tantos outros que marcaram a vida religiosa através do testemunho que selaram e a marca que deixaram servindo de inspiração para a vida consagrada em todos os tempos.

Neste Domingo em que celebramos o dia de orações pela vida consagrada, louvemos e agradecemos ao Deus da vida, autor da vida consagrada que continue inspirando, elegendo, enviando e sustentando o testemunho profético e missionário da vida consagrada como um dom especial do Pai das Misericórdias. Em especial, pedimos a esses especialistas em comunhão, pois vivem em comunidade, que sejam sinais da unidade na Igreja chamando-nos pelo exemplo a seguir Cristo na diversidade de dons e carismas, dentro da comunhão no mesmo Senhor. Que o amor dos consagrados seja sempre mais fecundo e fecundante capaz de estimular entusiasmar e incentivar outros homens e mulheres ao seguimento radical de Jesus Cristo por meio desta vocação tão bela, capaz de irradiar o amor sem fronteiras e incondicional por Jesus Cristo e sua Igreja, ele que é modelo perfeito de toda e qualquer vocação.

Temos outras datas para celebrar a vida consagrada (dia 2 de fevereiro – dia do consagrado e dia 21 de novembro – dia da vida contemplativa) porém em Agosto, na terceira semana rezamos pelas vocações para a vida consagrada, religiosos, religiosas e consagrados (as) seculares e nas novas comunidades, Celebrar esses dias é um momento particular na vida da Igreja, em especial neste mês das Vocações, que deseja recordar-nos do compromisso de cada irmão(a), que devemos assumir, em espírito de corresponsabilidade fraterna e fidelidade criativa no cuidado daqueles que o Senhor envia até nós, e isto, é um testemunho credível por meio da nossa vocação e missão.

Conscientes de que cada dia é um novo desafio a lançarmo-nos na aventura do amor exigente, cuja meta se alcança pelo entusiasmo de uma vocação verdadeiramente vivida com gozo, partilhada com simplicidade e assumida com fascínio olhamos com esperança para o futuro da vida consagrada confiantes que o Senhor não deixará sem esse sinal a sua Igreja. Vivamos com alegria o Dom da vocação testemunhando no coração da humanidade o carisma evangélico da paz e da alegria fraterna que nos identifica como pessoas felizes por seguir as pegadas do Mestre Jesus Cristo, modelo perfeito de vida consagrada ao Pai e ao seu povo. Caros irmãos e irmãs da vida consagrada o testemunho vivo deve animar e revigorar nossa fé e nossa vocação consagrada no hoje de nossa história. 

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro