Arquidiocese do Rio de Janeiro

29º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 22/11/2017

22 de Novembro de 2017

Despojar-se como Clara de Assis

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

22 de Novembro de 2017

Despojar-se como Clara de Assis

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/08/2017 10:05 - Atualizado em 08/08/2017 10:07

Despojar-se como Clara de Assis 0

08/08/2017 10:05 - Atualizado em 08/08/2017 10:07

Clara aceitou ser santa. Às vezes pensamos que ela e Francisco apenas andavam de mãos dadas pelos campos floridos, como naquele filme “Irmão sol e irmã lua”. Mas não foi assim, Clara quis se consagrar realmente a Deus e, naquela época, o único jeito de se consagrar a Deus era ir para um convento.

Quando Clara decidiu seguir Francisco, ele deu a ela uns dias para pensar e disse: “Se você realmente quer seguir a santa pobreza e viver a nossa vida, a primeira coisa que precisa é desfazer-se daquilo que você mais ama e a que está mais agarrada: a beleza do seu cabelo”.

Mas por quê? Não foi Deus quem o deu a ela? Sim! Mas para Clara era um apego. Ela pensou, rezou, depois foi até Francisco com uma tesoura e cortou seu lindo cabelo. Era  comprido e loiro; difícil encontrar uma menina que tivesse cabelo tão lindo quanto o de Clara, conservado no Mosteiro de Assis, mesmo após 800 anos. Assim Clara deixou todos os seus sonhos e se consagrou inteiramente a Deus.

Agora é a sua vez! O que é preciso cortar na sua vida? A que você está apegado? Para Clara, o apego era seu cabelo. E para você, o que é? Sua decisão é fundamental.

Não ceda! Se você destruiu sua vida, Deus pode refazê-la, basta você permitir. Não é um processo que acontecerá num estalar de dedos, pois será preciso passar pela “moenda”. Você precisará vencer a concupiscência, e colocar rédeas em si.

Francisco e Clara compreenderam e começaram todo um caminho novo de santidade de reconstrução da casa de Deus, do templo de Deus, de pessoas. Quanto mais jovens santos  tivermos no Brasil, com a têmpera de Francisco, de Clara, mais caminharemos para “céus novos e uma terra nova”. O Senhor já está voltando!

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Despojar-se como Clara de Assis

08/08/2017 10:05 - Atualizado em 08/08/2017 10:07

Clara aceitou ser santa. Às vezes pensamos que ela e Francisco apenas andavam de mãos dadas pelos campos floridos, como naquele filme “Irmão sol e irmã lua”. Mas não foi assim, Clara quis se consagrar realmente a Deus e, naquela época, o único jeito de se consagrar a Deus era ir para um convento.

Quando Clara decidiu seguir Francisco, ele deu a ela uns dias para pensar e disse: “Se você realmente quer seguir a santa pobreza e viver a nossa vida, a primeira coisa que precisa é desfazer-se daquilo que você mais ama e a que está mais agarrada: a beleza do seu cabelo”.

Mas por quê? Não foi Deus quem o deu a ela? Sim! Mas para Clara era um apego. Ela pensou, rezou, depois foi até Francisco com uma tesoura e cortou seu lindo cabelo. Era  comprido e loiro; difícil encontrar uma menina que tivesse cabelo tão lindo quanto o de Clara, conservado no Mosteiro de Assis, mesmo após 800 anos. Assim Clara deixou todos os seus sonhos e se consagrou inteiramente a Deus.

Agora é a sua vez! O que é preciso cortar na sua vida? A que você está apegado? Para Clara, o apego era seu cabelo. E para você, o que é? Sua decisão é fundamental.

Não ceda! Se você destruiu sua vida, Deus pode refazê-la, basta você permitir. Não é um processo que acontecerá num estalar de dedos, pois será preciso passar pela “moenda”. Você precisará vencer a concupiscência, e colocar rédeas em si.

Francisco e Clara compreenderam e começaram todo um caminho novo de santidade de reconstrução da casa de Deus, do templo de Deus, de pessoas. Quanto mais jovens santos  tivermos no Brasil, com a têmpera de Francisco, de Clara, mais caminharemos para “céus novos e uma terra nova”. O Senhor já está voltando!

Monsenhor Jonas Abib
Autor

Monsenhor Jonas Abib

Fundador da Comunidade Canção Nova e presidente da Fundação João Paulo II