Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/08/2017

17 de Agosto de 2017

Transfiguração do Senhor

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Agosto de 2017

Transfiguração do Senhor

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

06/08/2017 00:00 - Atualizado em 07/08/2017 07:15

Transfiguração do Senhor 0

06/08/2017 00:00 - Atualizado em 07/08/2017 07:15

Celebramos neste domingo a festa da transfiguração do Senhor: Ele nos revela sua divindade e sinaliza nossa vocação divina. (1Jo 3,1-2).

Esta Festa revela a voz do Pai e a divindade de Jesus: “Este é o meu Filho querido. Escutai-o”. Na Encarnação o Verbo divino se fez um de nós, exceto no pecado. Hoje, no corpo humano de Jesus brilha o esplendor divino (2Co 4,6), a glória divina, própria do Verbo eterno de Deus.

Essa festa celebrada no Oriente desde o século V, começo a ser celebrada no Ocidente desde 1457. Situada antes do anúncio da Paixão e da Morte, a Transfiguração prepara os Apóstolos para a compreensão desse mistério. Quase com o mesmo objetivo, a Igreja celebra esta festa quarenta dias antes da Exaltação da Cruz, a 14 de Setembro. A Transfiguração, manifestação da vida divina, que está em Jesus, é uma antecipação do esplendor, que encherá a noite da Páscoa. Os Apóstolos, quando virem Jesus na sua condição de Servo, não poderão esquecer a sua condição divina.

Neste dia ouviremos a Palavra do Senhor a nos indicar os caminhos para vivermos nesse domingo: A primeira leitura (Dn 7,9-10.13-14) nos faz adentrar na visão do profeta Daniel que fala da dignidade e da vocação do Messias – Jesus. A Ele será entregue todo poder no céu, na terra e no universo. Humilhado até a morte na Cruz, mas glorificado pelo Pai com a plenitude do poder divino. A beleza da segunda leitura (2Pd 1,16-19), o Apóstolo Pedro recorda a “Transfiguração de Jesus na montanha sagrada”. Nossa fé não se baseia em fábulas, mas na revelação do próprio Deus Pai que o proclama seu Filho querido, a quem devemos escutar! Nessa segunda carta de São Pedro ele se arroga autoridade para falar de Cristo, porque na montanha da Transfiguração foi testemunha de sua glória. A carta de São Pedro atota o gênero literário, muito comum na Antiguidade judaica e cristã, do “testamento espiritual”.

No Evangelho da transfiguração (Mt 17,1-9) Jesus revela sua divindade e recorda nossa vocação de filhos adotivos do Pai celeste. A glória de Jesus é garantia e força divina para superar as tribulações do tempo presente: “Este é meu Filho amado. Escutai-o!”. O episódio misterioso da Transfiguração de Jesus sobre um monte elevado, o Tabor, diante de três testemunhas escolhidas por ele: Pedro, Tiago e João, se situa no contexto a partir do dia em que Pedro confessou diante dos Apóstolos que Jesus é o Cristo, “o Filho de Deus vivo”. Esta confissão cristã aparece também na exclamação do centurião diante de Jesus na cruz: “Verdadeiramente este homem era Filho de Deus” (Mc 15,39), pois somente no Mistério Pascal o cristão pode entender o pleno significado do título “Filho de Deus”. A partir desta revelação de Pedro, inspirado pelo Pai, Jesus, diz S. Mateus, “começou a mostrar a seus discípulos que era necessário que fosse a Jerusalém e sofresse… que fosse morto e ressurgisse ao terceiro dia” (Mt 16,21).

Pela Transfiguração Jesus preparou os discípulos para não se escandalizarem com a sua Paixão e morte na Cruz, o que para eles foi um trauma e um grande desafio; mostrou-lhes a Sua glória e divindade; e deu-lhes conhecer um antegozo do Céu. Mas para isso, como Ele, temos que passar pelas provações deste mundo, sempre ajudados pelas consolações de Deus.

A transfiguração do Senhor é um consolo. De fato, dizia São Leão Magno que “o fim principal da transfiguração foi desterrar das almas dos discípulos o escândalo da Cruz”; trata-se de uma “gota de mel” no meio dos sofrimentos. A transfiguração ficou tão gravada na mente dos três apóstolos que estavam com Jesus que anos mais tarde São Pedro lembrar-se-ia deste fato na sua segunda epístola: “Este é o meu filho muito amado, em quem tenho posto todo o meu afeto”. Esta mesma voz que vinha do céu nós a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo” (2 Ped 1,17-18). 

O mistério da Transfiguração nos mostra a realidade e a antecipação do mistério da Cruz e depois da glória do Senhor. Que este nos leve a olhar para este mistério e esperar e depositar a nossa vida no Senhor, pois, Deus é a nossa fortaleza e a nossa esperança.

         
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Transfiguração do Senhor

06/08/2017 00:00 - Atualizado em 07/08/2017 07:15

Celebramos neste domingo a festa da transfiguração do Senhor: Ele nos revela sua divindade e sinaliza nossa vocação divina. (1Jo 3,1-2).

Esta Festa revela a voz do Pai e a divindade de Jesus: “Este é o meu Filho querido. Escutai-o”. Na Encarnação o Verbo divino se fez um de nós, exceto no pecado. Hoje, no corpo humano de Jesus brilha o esplendor divino (2Co 4,6), a glória divina, própria do Verbo eterno de Deus.

Essa festa celebrada no Oriente desde o século V, começo a ser celebrada no Ocidente desde 1457. Situada antes do anúncio da Paixão e da Morte, a Transfiguração prepara os Apóstolos para a compreensão desse mistério. Quase com o mesmo objetivo, a Igreja celebra esta festa quarenta dias antes da Exaltação da Cruz, a 14 de Setembro. A Transfiguração, manifestação da vida divina, que está em Jesus, é uma antecipação do esplendor, que encherá a noite da Páscoa. Os Apóstolos, quando virem Jesus na sua condição de Servo, não poderão esquecer a sua condição divina.

Neste dia ouviremos a Palavra do Senhor a nos indicar os caminhos para vivermos nesse domingo: A primeira leitura (Dn 7,9-10.13-14) nos faz adentrar na visão do profeta Daniel que fala da dignidade e da vocação do Messias – Jesus. A Ele será entregue todo poder no céu, na terra e no universo. Humilhado até a morte na Cruz, mas glorificado pelo Pai com a plenitude do poder divino. A beleza da segunda leitura (2Pd 1,16-19), o Apóstolo Pedro recorda a “Transfiguração de Jesus na montanha sagrada”. Nossa fé não se baseia em fábulas, mas na revelação do próprio Deus Pai que o proclama seu Filho querido, a quem devemos escutar! Nessa segunda carta de São Pedro ele se arroga autoridade para falar de Cristo, porque na montanha da Transfiguração foi testemunha de sua glória. A carta de São Pedro atota o gênero literário, muito comum na Antiguidade judaica e cristã, do “testamento espiritual”.

No Evangelho da transfiguração (Mt 17,1-9) Jesus revela sua divindade e recorda nossa vocação de filhos adotivos do Pai celeste. A glória de Jesus é garantia e força divina para superar as tribulações do tempo presente: “Este é meu Filho amado. Escutai-o!”. O episódio misterioso da Transfiguração de Jesus sobre um monte elevado, o Tabor, diante de três testemunhas escolhidas por ele: Pedro, Tiago e João, se situa no contexto a partir do dia em que Pedro confessou diante dos Apóstolos que Jesus é o Cristo, “o Filho de Deus vivo”. Esta confissão cristã aparece também na exclamação do centurião diante de Jesus na cruz: “Verdadeiramente este homem era Filho de Deus” (Mc 15,39), pois somente no Mistério Pascal o cristão pode entender o pleno significado do título “Filho de Deus”. A partir desta revelação de Pedro, inspirado pelo Pai, Jesus, diz S. Mateus, “começou a mostrar a seus discípulos que era necessário que fosse a Jerusalém e sofresse… que fosse morto e ressurgisse ao terceiro dia” (Mt 16,21).

Pela Transfiguração Jesus preparou os discípulos para não se escandalizarem com a sua Paixão e morte na Cruz, o que para eles foi um trauma e um grande desafio; mostrou-lhes a Sua glória e divindade; e deu-lhes conhecer um antegozo do Céu. Mas para isso, como Ele, temos que passar pelas provações deste mundo, sempre ajudados pelas consolações de Deus.

A transfiguração do Senhor é um consolo. De fato, dizia São Leão Magno que “o fim principal da transfiguração foi desterrar das almas dos discípulos o escândalo da Cruz”; trata-se de uma “gota de mel” no meio dos sofrimentos. A transfiguração ficou tão gravada na mente dos três apóstolos que estavam com Jesus que anos mais tarde São Pedro lembrar-se-ia deste fato na sua segunda epístola: “Este é o meu filho muito amado, em quem tenho posto todo o meu afeto”. Esta mesma voz que vinha do céu nós a ouvimos quando estávamos com ele no monte santo” (2 Ped 1,17-18). 

O mistério da Transfiguração nos mostra a realidade e a antecipação do mistério da Cruz e depois da glória do Senhor. Que este nos leve a olhar para este mistério e esperar e depositar a nossa vida no Senhor, pois, Deus é a nossa fortaleza e a nossa esperança.

         
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro