Arquidiocese do Rio de Janeiro

23º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 21/10/2018

21 de Outubro de 2018

Quatro anos da JMJ

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

21 de Outubro de 2018

Quatro anos da JMJ

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

31/07/2017 00:00 - Atualizado em 01/08/2017 11:58

Quatro anos da JMJ 0

31/07/2017 00:00 - Atualizado em 01/08/2017 11:58

O mês de julho findou cheio de tantos acontecimentos e eventos, internacionais, nacionais e arquidiocesanos. Fizemos memória também de eventos antigos e recentes. Impossível não recordar o grande evento da juventude em 2013. Quatro anos se passaram dessa belíssima experiência.

A Jornada Mundial da Juventude foi celebrada pela primeira vez, de maneira oficial, no Domingo de Ramos de 1986, em Roma. A partir de 1987 e depois, a cada dois anos, em geral, organiza-se a Jornada Mundial da Juventude em alguma diocese do mundo. Nos outros anos, celebra-se a Jornada Diocesana da Juventude no Domingo de Ramos, em cada diocese.

Em 1987, os jovens foram convocados a Buenos Aires, onde 1 milhão de participantes escutaram as seguintes palavras do Papa: “Repito ante vós o que venho dizendo desde o primeiro dia do meu pontificado: que vós sois a esperança do Papa, a esperança da Igreja.” (…) Dois anos depois, 600 mil jovens foram em peregrinação à cidade espanhola de Santiago de Compostela, onde João Paulo II perguntou-lhes: “Por que vieram aqui os jovens dos anos 90, do século 20? Não sentis em vós o espírito do mundo?”

Conheça as cidades que já sediaram a Jornada Mundial da Juventude:

1) Cidade do Vaticano (Vaticano)
Ano: 1984
Publico: 500 mil pessoas

2) Cidade do Vaticano (Vaticano)
Ano: 1985
Publico: 800 mil pessoas

3) Buenos Aires (Argentina)
Ano: 1987
Publico: 1,5 milhão de pessoas

4) Santiago de Compostela (Espanha)
Ano: 1989
Publico: 600 mil pessoas

5) Częstochowa (Polônia)
Ano: 1991
Publico: 1,6 milhão de pessoas

6) Denver (EUA)
Ano: 1993
Publico: 900 mil pessoas

7) Manila (Filipinas)
Ano: 1995
Publico: 5,2 milhões de pessoas

8) Paris (França)
Ano: 1997
Publico: 1,2 milhão de pessoas

9) Roma (Itália)
Ano: 2000
Publico: 2 milhões de pessoas

10) Toronto (Canadá)
Ano: 2002
Público: 800 mil pessoas

11) Colônia (Alemanha)
Ano: 2005
Público: 1,2 milhão de pessoas

12) Sydney (Austrália)
Ano: 2008
Público: 600 mil pessoas

13) Madrid (Espanha)
Ano: 2011
Público: 2 milhões de pessoas

14) Rio de Janeiro (Brasil)

Ano: 2013
Público: 3,7 milhões de pessoas

15) Cracóvia (Polônia)

Ano: 2016
Público: 2 milhões de pessoas

Agora que nos preparamos para a JMJ no Panamá em Janeiro de 2019, é bom agradecer a Deus pela oportunidade de tivemos em nossa cidade. Há quatro anos nós celebrávamos a XXVIII Jornada Mundial da juventude, esta foi realizada nos dias 23 a 28 de julho de 2013 no Rio de Janeiro. Pela primeira vez, esse evento ocorreu em um país cuja língua portuguesa é majoritária, e pela segunda vez em um país da América do Sul - o primeiro encontro foi na Argentina em 1987. A escolha da cidade brasileira foi feita pelo então Papa Emérito Bento XVI em 2011, no encerramento da Jornada Mundial da Juventude em Madri.

Este encontro foi marcante para toda a Igreja e para a sociedade, pois, tivemos a graça de presenciar milhões de jovens reunidos para celebrar o tema que fora: “Ide, pois, fazei discípulos entre todas as nações! Segundo o COL (Comitê Organizador Local), o público presente à Missa de Envio (último ato central da JMJ) chegou a 3,7 milhões de pessoas. Ainda segundo o COL, a cerimônia de abertura, na terça-feira, 23, reuniu cerca de 600 mil pessoas, já a Cerimônia de acolhida do Santo Padre, na quinta-feira, 25, reuniu 1,2 milhões de pessoas em Copacabana, enquanto a Via-Sacra chegou a 2 milhões na sexta-feira, 26. Na Vigília, cerca de 3,5 milhões de jovens estiveram na praia de Copacabana. Estiveram presentes mais de 175 países. Peregrinos inscritos com hospedagens foram cerca de 180 mil, enquanto as vagas disponibilizadas para hospedagem em casas de família e instituições chegaram a 356,4 mil.

A cerimônia oficial de recepção aconteceu no Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, para onde o Papa se dirigiu em comitiva, em um carro comum. Antes de chegar ao Palácio Guanabara, o Papa foi transferido do carro em que estava para o papamóvel. No Palácio Guanabara fez o discurso, onde podemos ressaltar: “Senhora Presidente, Ilustres Autoridades, Irmãos e amigos! Quis Deus na sua amorosa providência que a primeira viagem internacional do meu Pontificado me consentisse voltar à amada América Latina, precisamente ao Brasil, nação que se gloria de seus sólidos laços com a Sé Apostólica e dos profundos sentimentos de fé e amizade que sempre a uniram de modo singular ao Sucessor de Pedro. Dou graças a Deus pela sua benignidade (...) Aprendi que para ter acesso ao Povo Brasileiro, é preciso ingressar pelo portal do seu imenso coração; por isso permitam-me que nesta hora eu possa bater delicadamente a esta porta. (...) Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo!

No dia 23 tivemos à Missa de abertura presidida por mim. No dia 24 visita do Papa ao Santuário Nacional de Aparecida e a visita ao hospital São Francisco de Assis, aqui no Rio de Janeiro. No dia 25 o Papa participou da cerimônia de recebimento das chaves da cidade do Rio de Janeiro, visitou a comunidade de Varginha e depois o ato de acolhida central que foi em Copacabana. No dia 26 o Papa celebrou a Via-Sacra com os jovens. No dia 27 o Papa presidiu a Santa Missa em nossa Catedral Metropolitana de São Sebastião. O Papa também neste dia discursou no theatro municipal do Rio do Janeiro e falou sobre o diálogo construtivo nos desafios da sociedade atual. Representantes indígenas fizeram uma apresentação e presentearam o Pontífice com um cocar. Neste mesmo dia tem início a vigília na praia de Copacabana. O Papa fez belos pronunciamentos aos Bispos do Brasil, à Presidência do CELAM e no Ângelus na sacada do Palácio São Joaquim, entre outros. No dia 28 fora Celebrada à Missa de envio e eis uma palavra do Papa Francisco que muito nos marcou: “Ide, sem medo, para servir. Sabem qual é o melhor instrumento para evangelizar os jovens? Outro jovem! Este é o caminho a ser percorrido por vocês”! Antes de encerrar o seu último compromisso na JMJ2013, ele anunciou a Polônia, ou mais objetivamente, Cracóvia como próxima cidade sede.

Contudo, meus irmãos e irmãs estes dias da Jornada mundial da Juventude no Rio de Janeiro foram dias onde presenciamos várias graças acontecendo aqueles que participaram, mas, também a todo o nosso povo do Rio de Janeiro e ao povo Brasileiro. Quantos jovens foram tocados por Deus e assim fizeram o firme propósito de trilhar cada vez mais os caminhos do Senhor. Para mim, foi uma ocasião muito especial, onde pude estar convivendo com o Santo Padre e de estar nas ruas, nas Igrejas, nos locais de visitação. Pude fazer o que tem pedido o Santo Padre: “ A Igreja em saída”, ou seja, uma Igreja que vive permanentemente uma ação missionária.

            
Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Quatro anos da JMJ

31/07/2017 00:00 - Atualizado em 01/08/2017 11:58

O mês de julho findou cheio de tantos acontecimentos e eventos, internacionais, nacionais e arquidiocesanos. Fizemos memória também de eventos antigos e recentes. Impossível não recordar o grande evento da juventude em 2013. Quatro anos se passaram dessa belíssima experiência.

A Jornada Mundial da Juventude foi celebrada pela primeira vez, de maneira oficial, no Domingo de Ramos de 1986, em Roma. A partir de 1987 e depois, a cada dois anos, em geral, organiza-se a Jornada Mundial da Juventude em alguma diocese do mundo. Nos outros anos, celebra-se a Jornada Diocesana da Juventude no Domingo de Ramos, em cada diocese.

Em 1987, os jovens foram convocados a Buenos Aires, onde 1 milhão de participantes escutaram as seguintes palavras do Papa: “Repito ante vós o que venho dizendo desde o primeiro dia do meu pontificado: que vós sois a esperança do Papa, a esperança da Igreja.” (…) Dois anos depois, 600 mil jovens foram em peregrinação à cidade espanhola de Santiago de Compostela, onde João Paulo II perguntou-lhes: “Por que vieram aqui os jovens dos anos 90, do século 20? Não sentis em vós o espírito do mundo?”

Conheça as cidades que já sediaram a Jornada Mundial da Juventude:

1) Cidade do Vaticano (Vaticano)
Ano: 1984
Publico: 500 mil pessoas

2) Cidade do Vaticano (Vaticano)
Ano: 1985
Publico: 800 mil pessoas

3) Buenos Aires (Argentina)
Ano: 1987
Publico: 1,5 milhão de pessoas

4) Santiago de Compostela (Espanha)
Ano: 1989
Publico: 600 mil pessoas

5) Częstochowa (Polônia)
Ano: 1991
Publico: 1,6 milhão de pessoas

6) Denver (EUA)
Ano: 1993
Publico: 900 mil pessoas

7) Manila (Filipinas)
Ano: 1995
Publico: 5,2 milhões de pessoas

8) Paris (França)
Ano: 1997
Publico: 1,2 milhão de pessoas

9) Roma (Itália)
Ano: 2000
Publico: 2 milhões de pessoas

10) Toronto (Canadá)
Ano: 2002
Público: 800 mil pessoas

11) Colônia (Alemanha)
Ano: 2005
Público: 1,2 milhão de pessoas

12) Sydney (Austrália)
Ano: 2008
Público: 600 mil pessoas

13) Madrid (Espanha)
Ano: 2011
Público: 2 milhões de pessoas

14) Rio de Janeiro (Brasil)

Ano: 2013
Público: 3,7 milhões de pessoas

15) Cracóvia (Polônia)

Ano: 2016
Público: 2 milhões de pessoas

Agora que nos preparamos para a JMJ no Panamá em Janeiro de 2019, é bom agradecer a Deus pela oportunidade de tivemos em nossa cidade. Há quatro anos nós celebrávamos a XXVIII Jornada Mundial da juventude, esta foi realizada nos dias 23 a 28 de julho de 2013 no Rio de Janeiro. Pela primeira vez, esse evento ocorreu em um país cuja língua portuguesa é majoritária, e pela segunda vez em um país da América do Sul - o primeiro encontro foi na Argentina em 1987. A escolha da cidade brasileira foi feita pelo então Papa Emérito Bento XVI em 2011, no encerramento da Jornada Mundial da Juventude em Madri.

Este encontro foi marcante para toda a Igreja e para a sociedade, pois, tivemos a graça de presenciar milhões de jovens reunidos para celebrar o tema que fora: “Ide, pois, fazei discípulos entre todas as nações! Segundo o COL (Comitê Organizador Local), o público presente à Missa de Envio (último ato central da JMJ) chegou a 3,7 milhões de pessoas. Ainda segundo o COL, a cerimônia de abertura, na terça-feira, 23, reuniu cerca de 600 mil pessoas, já a Cerimônia de acolhida do Santo Padre, na quinta-feira, 25, reuniu 1,2 milhões de pessoas em Copacabana, enquanto a Via-Sacra chegou a 2 milhões na sexta-feira, 26. Na Vigília, cerca de 3,5 milhões de jovens estiveram na praia de Copacabana. Estiveram presentes mais de 175 países. Peregrinos inscritos com hospedagens foram cerca de 180 mil, enquanto as vagas disponibilizadas para hospedagem em casas de família e instituições chegaram a 356,4 mil.

A cerimônia oficial de recepção aconteceu no Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado do Rio de Janeiro, para onde o Papa se dirigiu em comitiva, em um carro comum. Antes de chegar ao Palácio Guanabara, o Papa foi transferido do carro em que estava para o papamóvel. No Palácio Guanabara fez o discurso, onde podemos ressaltar: “Senhora Presidente, Ilustres Autoridades, Irmãos e amigos! Quis Deus na sua amorosa providência que a primeira viagem internacional do meu Pontificado me consentisse voltar à amada América Latina, precisamente ao Brasil, nação que se gloria de seus sólidos laços com a Sé Apostólica e dos profundos sentimentos de fé e amizade que sempre a uniram de modo singular ao Sucessor de Pedro. Dou graças a Deus pela sua benignidade (...) Aprendi que para ter acesso ao Povo Brasileiro, é preciso ingressar pelo portal do seu imenso coração; por isso permitam-me que nesta hora eu possa bater delicadamente a esta porta. (...) Não tenho ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado: Jesus Cristo!

No dia 23 tivemos à Missa de abertura presidida por mim. No dia 24 visita do Papa ao Santuário Nacional de Aparecida e a visita ao hospital São Francisco de Assis, aqui no Rio de Janeiro. No dia 25 o Papa participou da cerimônia de recebimento das chaves da cidade do Rio de Janeiro, visitou a comunidade de Varginha e depois o ato de acolhida central que foi em Copacabana. No dia 26 o Papa celebrou a Via-Sacra com os jovens. No dia 27 o Papa presidiu a Santa Missa em nossa Catedral Metropolitana de São Sebastião. O Papa também neste dia discursou no theatro municipal do Rio do Janeiro e falou sobre o diálogo construtivo nos desafios da sociedade atual. Representantes indígenas fizeram uma apresentação e presentearam o Pontífice com um cocar. Neste mesmo dia tem início a vigília na praia de Copacabana. O Papa fez belos pronunciamentos aos Bispos do Brasil, à Presidência do CELAM e no Ângelus na sacada do Palácio São Joaquim, entre outros. No dia 28 fora Celebrada à Missa de envio e eis uma palavra do Papa Francisco que muito nos marcou: “Ide, sem medo, para servir. Sabem qual é o melhor instrumento para evangelizar os jovens? Outro jovem! Este é o caminho a ser percorrido por vocês”! Antes de encerrar o seu último compromisso na JMJ2013, ele anunciou a Polônia, ou mais objetivamente, Cracóvia como próxima cidade sede.

Contudo, meus irmãos e irmãs estes dias da Jornada mundial da Juventude no Rio de Janeiro foram dias onde presenciamos várias graças acontecendo aqueles que participaram, mas, também a todo o nosso povo do Rio de Janeiro e ao povo Brasileiro. Quantos jovens foram tocados por Deus e assim fizeram o firme propósito de trilhar cada vez mais os caminhos do Senhor. Para mim, foi uma ocasião muito especial, onde pude estar convivendo com o Santo Padre e de estar nas ruas, nas Igrejas, nos locais de visitação. Pude fazer o que tem pedido o Santo Padre: “ A Igreja em saída”, ou seja, uma Igreja que vive permanentemente uma ação missionária.

            
Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro