Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/08/2017

17 de Agosto de 2017

Livros do Antigo Testamento (13)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Agosto de 2017

Livros do Antigo Testamento (13)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

28/07/2017 17:15 - Atualizado em 28/07/2017 17:16

Livros do Antigo Testamento (13) 0

28/07/2017 17:15 - Atualizado em 28/07/2017 17:16

Neste artigo iniciamos a última etapa da narração de Noé e do Dilúvio, trata-se dos Capítulos 9-10: Re-Criação. A partir de Noé, ou homem novo. Lista de Povos.

O término do Dilúvio não representou somente o epílogo do castigo, mas, um novo início representado na Família de Noé, que recria a terra. E mesmo o constrangedor episódio do vinho (criação) e da embriaguez de Noé, marcado pela atitude negativa de Cam, não mudará esta visão da alegria que Deus proporciona à Humanidade com a sua purificação. O esquema do capítulo 9 pode ser este:

(1-3) – Deus faz Aliança com Noé

(4-7) – O sangue e assassinato são proibidos

(8-17) - O Arco-iris

(20-27) - Noé planta uma vinha, fica bêbado e é ridicularizado por Cam. Noé amaldiçoa Canaã, abençoa os outros dois filhos

(28-29) - A Morte de Noé (950 anos!).

A família de Noé retorna no final da história do dilúvio, quando se narra a história de sua embriaguez e da sua subsequente nudez, presenciada pelo do filho Cam (Gen 9,18-28). A embriaguez do patriarca, inventor do vinho, é motivada, na história que lemos agora, pela etiologia da maldição Canaã, um dos inimigos de Israel (mesmo se o insulto for cometido por Cam, este pode não ser amaldiçoado, diz o midrash,1 porque Cam tinha sido abençoado pelo próprio Deus: a maldição passa assim para seu filho, epônimo dos cananeus).

A nós, entretanto, interessa notar duas coisas. O vinho, mesmo que tenha causado a perda de consciência a Noé, como parte da história do dilúvio, é um elemento positivo (ao contrário do que foi visto na cultura grega clássica), e classifica-se após o sinal do arco-íris, e, juntamente com ele, como um símbolo de alegria e reconciliação: a terra maculada pelo pecado agora pode nascer uma nova fruta, que ‘alegra o coração’ (Salmo 104, 15)2.

Finalmente, deve-se notar o que é ensinado nesta história: a culpa do filho Cam é - de acordo com os rabinos - ter sido desrespeitoso para com seu pai, como pode ser visto a partir de punição para aqueles que descobrirem a nudez dos outros (os seus irmãos: Levítico 20, 17)3.

Mas admiráveis são os outros dois filhos de Noé: eles fazem tudo para não ver o pai nu; Dessa forma, eles são ensinados de uma forma parabólica como “honra teu pai e tua mãe” (Êxodo 20, 12), mesmo quando estas eram para mostrar seus pontos fracos (no caso, a emoção) e, acima de tudo, mostrar-se por aquilo que eles realmente são (em sua “nudez”).

O Arco-íris: Aliança desde sempre!

Os vv. 12-17 são unidade que, depois da exposição das condições dadas por Deus, para que a terra seja ‘pura’, sem violência e sangue esparso de inocentes, indicam o momento para selar ‘Aliança’ (Berith) entre Deus e a Humanidade, um pacto permanente, graças a Fidelidade de Deus à sua própria Palavra:

Então me lembrarei da minha aliança, que está entre mim e vós, e entre toda a alma vivente de toda a carne; e as águas não se tornarão mais em dilúvio para destruir toda a carne. E estará o arco nas nuvens, e eu o verei, para me lembrar da aliança eterna entre Deus e toda a alma vivente de toda a carne, que está sobre a terra.

Como o velho mundo foi destruído para se tornar um amonição da justiça, assim, este mundo novo permaneça como um sinal de misericórdia.

Em pactos humanos, aquilo que se promete solenemente deve ser mantido e cumprir o que foi acordado oferece na maioria das vezes, satisfação mútua. O selo desta aliança Bíblica foi o arco-íris que apareceu provavelmente antes mesmo através das nuvens, mas que nunca selara um acordo até agora. O arco-íris aparece quando temos mais razão para temer a chuva copiosa. Deus, portanto, mostra o selo da palavra para que a chuva não prevaleça. Quanto mais espessa a nuvem, mais brilhante o arco nos céus. Assim, onde as aflições ameaçadoras abundam, superabundam ainda mais as consolações.

O arco-íris é o reflexo do sol que brilha sobre gotas de chuva: toda a glória dos selos da aliança vem de Cristo, o sol da justiça. E ele vai versar sua glória sobre as lágrimas de seus santos. Um arco indica terror, mas este não tem nem corda, nem flecha é um somente um arco que não causa senão, que algumas feridas. Aqui encontramos um arco que é dirigido para cima, não para a terra, por causa dos selos da aliança são projetados para consolar e não para criar terror.

Como Deus, contemplando o arco-íris se lembra da sua aliança, assim também nós nos lembramos daquele pacto com fé e gratidão. Sem a Revelação esta doce certeza não poderia ser conhecida, mas sem a Fé seria inútil para nós.

Capitulo 10: A Nova Humanidade a partir da descendência de Noé

Este capítulo explica que os três filhos de Noé repovoaram a terra. Apenas os judeus conhecem bem os seus descendentes, pois as listas de nomes dos patriarcas e seus filhos foram preservados por eles por causa do Messias.

Alguns estudiosos têm mostrado, no entanto o mais provável, que as nações da Terra descendem de cada um dos filhos de Noé. E dos filhos de Jafé são descendentes os gentios, e provavelmente a ilha britânica em primeiro lugar. Biblicamente todos os locais além do mar judaico são “ilhas” chamadas, Jer 25:22.

A promessa em Isaías 42: 4, “As ilhas vai esperar por sua lei”, ele identifica a conversão dos gentios à fé de Cristo.

Referências:

1 “O termo hebraico Midrash (em hebraico: מדרש; plural midrashim, “história” de “investigar” ou “estudo”) é um método homilético (Pregação ou Formação textual) da exegese (Interpretação critica) bíblica. O termo também se refere à compilação integral dos ensinamentos homiléticos sobre a Bíblia. O Midrash é uma maneira de interpretar histórias bíblicas que vai além de simples destilação de ensinamento religioso, legal ou moral. Ele preenche muitas lacunas deixadas na narrativa bíblica sobre eventos e personalidades que são apenas insinuado”. Cf. https://pt.wikipedia.org/wiki/Midrash.

2 “E o vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto, e o pão que fortalece o coração do homem”.

3 “E, quando um homem tomar a sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe, e vir a nudez dela, e ela a sua, torpeza é; portanto serão extirpados aos olhos dos filhos do seu povo; descobriu a nudez de sua irmã, levará sobre si a sua iniquidade”.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Livros do Antigo Testamento (13)

28/07/2017 17:15 - Atualizado em 28/07/2017 17:16

Neste artigo iniciamos a última etapa da narração de Noé e do Dilúvio, trata-se dos Capítulos 9-10: Re-Criação. A partir de Noé, ou homem novo. Lista de Povos.

O término do Dilúvio não representou somente o epílogo do castigo, mas, um novo início representado na Família de Noé, que recria a terra. E mesmo o constrangedor episódio do vinho (criação) e da embriaguez de Noé, marcado pela atitude negativa de Cam, não mudará esta visão da alegria que Deus proporciona à Humanidade com a sua purificação. O esquema do capítulo 9 pode ser este:

(1-3) – Deus faz Aliança com Noé

(4-7) – O sangue e assassinato são proibidos

(8-17) - O Arco-iris

(20-27) - Noé planta uma vinha, fica bêbado e é ridicularizado por Cam. Noé amaldiçoa Canaã, abençoa os outros dois filhos

(28-29) - A Morte de Noé (950 anos!).

A família de Noé retorna no final da história do dilúvio, quando se narra a história de sua embriaguez e da sua subsequente nudez, presenciada pelo do filho Cam (Gen 9,18-28). A embriaguez do patriarca, inventor do vinho, é motivada, na história que lemos agora, pela etiologia da maldição Canaã, um dos inimigos de Israel (mesmo se o insulto for cometido por Cam, este pode não ser amaldiçoado, diz o midrash,1 porque Cam tinha sido abençoado pelo próprio Deus: a maldição passa assim para seu filho, epônimo dos cananeus).

A nós, entretanto, interessa notar duas coisas. O vinho, mesmo que tenha causado a perda de consciência a Noé, como parte da história do dilúvio, é um elemento positivo (ao contrário do que foi visto na cultura grega clássica), e classifica-se após o sinal do arco-íris, e, juntamente com ele, como um símbolo de alegria e reconciliação: a terra maculada pelo pecado agora pode nascer uma nova fruta, que ‘alegra o coração’ (Salmo 104, 15)2.

Finalmente, deve-se notar o que é ensinado nesta história: a culpa do filho Cam é - de acordo com os rabinos - ter sido desrespeitoso para com seu pai, como pode ser visto a partir de punição para aqueles que descobrirem a nudez dos outros (os seus irmãos: Levítico 20, 17)3.

Mas admiráveis são os outros dois filhos de Noé: eles fazem tudo para não ver o pai nu; Dessa forma, eles são ensinados de uma forma parabólica como “honra teu pai e tua mãe” (Êxodo 20, 12), mesmo quando estas eram para mostrar seus pontos fracos (no caso, a emoção) e, acima de tudo, mostrar-se por aquilo que eles realmente são (em sua “nudez”).

O Arco-íris: Aliança desde sempre!

Os vv. 12-17 são unidade que, depois da exposição das condições dadas por Deus, para que a terra seja ‘pura’, sem violência e sangue esparso de inocentes, indicam o momento para selar ‘Aliança’ (Berith) entre Deus e a Humanidade, um pacto permanente, graças a Fidelidade de Deus à sua própria Palavra:

Então me lembrarei da minha aliança, que está entre mim e vós, e entre toda a alma vivente de toda a carne; e as águas não se tornarão mais em dilúvio para destruir toda a carne. E estará o arco nas nuvens, e eu o verei, para me lembrar da aliança eterna entre Deus e toda a alma vivente de toda a carne, que está sobre a terra.

Como o velho mundo foi destruído para se tornar um amonição da justiça, assim, este mundo novo permaneça como um sinal de misericórdia.

Em pactos humanos, aquilo que se promete solenemente deve ser mantido e cumprir o que foi acordado oferece na maioria das vezes, satisfação mútua. O selo desta aliança Bíblica foi o arco-íris que apareceu provavelmente antes mesmo através das nuvens, mas que nunca selara um acordo até agora. O arco-íris aparece quando temos mais razão para temer a chuva copiosa. Deus, portanto, mostra o selo da palavra para que a chuva não prevaleça. Quanto mais espessa a nuvem, mais brilhante o arco nos céus. Assim, onde as aflições ameaçadoras abundam, superabundam ainda mais as consolações.

O arco-íris é o reflexo do sol que brilha sobre gotas de chuva: toda a glória dos selos da aliança vem de Cristo, o sol da justiça. E ele vai versar sua glória sobre as lágrimas de seus santos. Um arco indica terror, mas este não tem nem corda, nem flecha é um somente um arco que não causa senão, que algumas feridas. Aqui encontramos um arco que é dirigido para cima, não para a terra, por causa dos selos da aliança são projetados para consolar e não para criar terror.

Como Deus, contemplando o arco-íris se lembra da sua aliança, assim também nós nos lembramos daquele pacto com fé e gratidão. Sem a Revelação esta doce certeza não poderia ser conhecida, mas sem a Fé seria inútil para nós.

Capitulo 10: A Nova Humanidade a partir da descendência de Noé

Este capítulo explica que os três filhos de Noé repovoaram a terra. Apenas os judeus conhecem bem os seus descendentes, pois as listas de nomes dos patriarcas e seus filhos foram preservados por eles por causa do Messias.

Alguns estudiosos têm mostrado, no entanto o mais provável, que as nações da Terra descendem de cada um dos filhos de Noé. E dos filhos de Jafé são descendentes os gentios, e provavelmente a ilha britânica em primeiro lugar. Biblicamente todos os locais além do mar judaico são “ilhas” chamadas, Jer 25:22.

A promessa em Isaías 42: 4, “As ilhas vai esperar por sua lei”, ele identifica a conversão dos gentios à fé de Cristo.

Referências:

1 “O termo hebraico Midrash (em hebraico: מדרש; plural midrashim, “história” de “investigar” ou “estudo”) é um método homilético (Pregação ou Formação textual) da exegese (Interpretação critica) bíblica. O termo também se refere à compilação integral dos ensinamentos homiléticos sobre a Bíblia. O Midrash é uma maneira de interpretar histórias bíblicas que vai além de simples destilação de ensinamento religioso, legal ou moral. Ele preenche muitas lacunas deixadas na narrativa bíblica sobre eventos e personalidades que são apenas insinuado”. Cf. https://pt.wikipedia.org/wiki/Midrash.

2 “E o vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto, e o pão que fortalece o coração do homem”.

3 “E, quando um homem tomar a sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe, e vir a nudez dela, e ela a sua, torpeza é; portanto serão extirpados aos olhos dos filhos do seu povo; descobriu a nudez de sua irmã, levará sobre si a sua iniquidade”.

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos
Autor

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos

Doutor em Teologia Bíblica