Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 24º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 13/12/2019

13 de Dezembro de 2019

“O Sacerdócio batismal dos fiéis”

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

13 de Dezembro de 2019

“O Sacerdócio batismal dos fiéis”

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/09/2013 16:05 - Atualizado em 23/09/2013 16:12

“O Sacerdócio batismal dos fiéis” 0

20/09/2013 16:05 - Atualizado em 23/09/2013 16:12

Segundo a Constituição Dogmática Lumen Gentium do Concílio Vaticano II, no parágrafo 34, quando trata dos fiéis leigos, afirma “Àquele que une intimamente à sua vida e à sua missão, dá-lhes também parte no seu múnus sacerdotal com vistas a exercerem um culto espiritual, para a glória de Deus e a salvação dos homens”, e, ainda, “Assim, também os leigos, procedendo santamente em todo parte como adoradores, consagram a Deus o próprio mundo”. O CIC retoma e reapresenta estas ideias conciliares quando assegura que “pelo Batismo, os fiéis participam do sacerdócio de Cristo” (nº 1268). Poderíamos, então, nos perguntar que participação no sacerdócio de Cristo é esta do fiel batizado?

 

O Sacerdócio de Cristo

Para entendermos tanto o sacerdócio batismal como o ministerial (este último ligado ao Sacramento da Ordem), precisamos em primeiro lugar entender o sacerdócio de Cristo. Na Sagrada Escritura, apenas na Carta aos Hebreus, vemos Jesus sendo chamado de sacerdote (cf. Hb 2,17; 3,1; 4,14; 5,10). De fato, Ele não se aproxima da concepção sacerdotal do Antigo Testamento: sua família pertence à tribo de Judá (Lc 1,27; Hb 7,14). Todavia, as narrativas sobre a sua morte na Cruz o apresenta dentro de uma concepção de sacrifício onde Jesus é, ao mesmo tempo, a vítima e o sacerdote (Mc 14,24; Mt 26,28; ICor 5,7). A Epístola aos Hebreus vai entender a morte de Jesus como o sacrifício aceito por Deus. Realmente, o sacerdócio de Cristo se realizou num caminho de resposta à vontade de seu Pai, enfrentando as adversidades que se apresentavam. Esta vida oferente de Jesus, que encontra seu ápice na Cruz, é a oferta que Ele fez de si mesmo para a salvação dos homens. Cristo é o sacerdote na medida em que se entrega, no amor, ao Pai pela salvação dos homens (Hb 7,26-27).

 

A Entrada no Templo de Deus

A vida de Cristo se torna o sacrífico perfeito e santo que Ele continua a oferecer ao Pai pelos homens (Hb 8,1-2). De fato, Jesus está vivo e se tornou, no santuário celeste, o único mediador e intercessor dos homens junto ao Pai (Hb9,11-15). Seu sacerdócio eterno se manifesta em atitudes de misericórdia com aqueles que sofrem e com os pecadores, justificando-os, purificando-os e santificando-os (Hb10,10.14).

 

Os fiéis participam do sacerdócio de Cristo

Com a subida de Cristo para o santuário celeste e a efusão do Espírito Santo sobre a Igreja, aparece o povo sacerdotal (IPd 2,4-5.9; Ap 1,6). De fato, cada fiel pode se aproximar do Pai (Ef 2,18; Hb 7,25) e oferecer-se a Ele (Rm 12,1) através da conversão e da aceitação da vontade divina em sua própria vida e da vivência na comunhão com os irmãos (IPd 2,5). O cristão se torna sacerdote quando, pelo batismo, entra em comunhão no Corpo Místico de Cristo e vive a realidade desta consagração batismal: ele se torna capaz de crer, de esperar e de amar a Deus por meio de uma vida teologal; se torna capaz de viver sob a moção do Espírito de Deus servindo a comunidade cristã e humana a partir dos dons e dos carismas que recebeu; e, é capaz de crescer no seu relacionamento de amor a Deus, a si mesmo e ao próximo (cf. CIC nº1547). O sacerdócio batismal se manifesta numa vivência de resposta ao Pai possibilitada pelo Espírito na medida em que Cristo viveu e testemunhou.

 

Os fiéis e a Liturgia

O CV II na Constituição Dogmática SacrosanctumConciliumnº 14 deseja ardentemente que “todos os fiéis cheguem àquela plena, consciente e ativa participação na celebração litúrgica que a própria natureza da Liturgia exige e a qual o povo cristão, ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido’, tem direito e obrigação, por força do Batismo.”. Participar da Liturgia é, no seu sentido mais profundo, vivenciar a história da salvação, a obra de salvação de Deus no Mistério Pascal de Cristo. Na Liturgia, por meio da Palavra de Deus e dos Sacramentos, os fieis são inseridos na comunhão de vida com Jesus e de lá partem para viver no mundo o testemunho cristão (cf. SC 48 e CIC nº 1273).

 

Os fieis e as celebrações

Com a indicação conciliar da vivência sacerdotal do batizado, ocorreu uma abertura da prática celebrativa eclesial em duas pontas. A primeira em relação ao cuidado e ao incentivo da participação dos fiéis através das aclamações, das respostas, da salmodia, das antífonas, dos cânticos, das ações, dos gestos, das atitudes e do silêncio sagrado (cf. SC nº30). Com isto se ressalta o aspecto dialogal do rito das celebrações litúrgicas favorecendo com que os batizados entrem em comunhão com Deus. A segunda em relação à participação dos fiéis em certos ministérios na celebração, tais como o de leitor e o de acólito. Contudo, deve-se destacar que o que o CV II não queria, com a reproposição da teologia do sacerdócio batismal, confundi-lo com o ministerial, mas recuperar a vocação e a dignidade própria do fiel leigo no mistério de Cristo.

 

Para aprofundar...

Indicamos a leitura do CIC, nos nos1141, 1143, 1268, 1273, 1546, 1547; da Lumen Gentium, nos10, 11, 34; e, daSacrosanctumConcilium, nos11, 14, 19, 30, 48, 59, 100.

 

Pe.Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese

MaterEcclesiae e Luz e Vida

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

“O Sacerdócio batismal dos fiéis”

20/09/2013 16:05 - Atualizado em 23/09/2013 16:12

Segundo a Constituição Dogmática Lumen Gentium do Concílio Vaticano II, no parágrafo 34, quando trata dos fiéis leigos, afirma “Àquele que une intimamente à sua vida e à sua missão, dá-lhes também parte no seu múnus sacerdotal com vistas a exercerem um culto espiritual, para a glória de Deus e a salvação dos homens”, e, ainda, “Assim, também os leigos, procedendo santamente em todo parte como adoradores, consagram a Deus o próprio mundo”. O CIC retoma e reapresenta estas ideias conciliares quando assegura que “pelo Batismo, os fiéis participam do sacerdócio de Cristo” (nº 1268). Poderíamos, então, nos perguntar que participação no sacerdócio de Cristo é esta do fiel batizado?

 

O Sacerdócio de Cristo

Para entendermos tanto o sacerdócio batismal como o ministerial (este último ligado ao Sacramento da Ordem), precisamos em primeiro lugar entender o sacerdócio de Cristo. Na Sagrada Escritura, apenas na Carta aos Hebreus, vemos Jesus sendo chamado de sacerdote (cf. Hb 2,17; 3,1; 4,14; 5,10). De fato, Ele não se aproxima da concepção sacerdotal do Antigo Testamento: sua família pertence à tribo de Judá (Lc 1,27; Hb 7,14). Todavia, as narrativas sobre a sua morte na Cruz o apresenta dentro de uma concepção de sacrifício onde Jesus é, ao mesmo tempo, a vítima e o sacerdote (Mc 14,24; Mt 26,28; ICor 5,7). A Epístola aos Hebreus vai entender a morte de Jesus como o sacrifício aceito por Deus. Realmente, o sacerdócio de Cristo se realizou num caminho de resposta à vontade de seu Pai, enfrentando as adversidades que se apresentavam. Esta vida oferente de Jesus, que encontra seu ápice na Cruz, é a oferta que Ele fez de si mesmo para a salvação dos homens. Cristo é o sacerdote na medida em que se entrega, no amor, ao Pai pela salvação dos homens (Hb 7,26-27).

 

A Entrada no Templo de Deus

A vida de Cristo se torna o sacrífico perfeito e santo que Ele continua a oferecer ao Pai pelos homens (Hb 8,1-2). De fato, Jesus está vivo e se tornou, no santuário celeste, o único mediador e intercessor dos homens junto ao Pai (Hb9,11-15). Seu sacerdócio eterno se manifesta em atitudes de misericórdia com aqueles que sofrem e com os pecadores, justificando-os, purificando-os e santificando-os (Hb10,10.14).

 

Os fiéis participam do sacerdócio de Cristo

Com a subida de Cristo para o santuário celeste e a efusão do Espírito Santo sobre a Igreja, aparece o povo sacerdotal (IPd 2,4-5.9; Ap 1,6). De fato, cada fiel pode se aproximar do Pai (Ef 2,18; Hb 7,25) e oferecer-se a Ele (Rm 12,1) através da conversão e da aceitação da vontade divina em sua própria vida e da vivência na comunhão com os irmãos (IPd 2,5). O cristão se torna sacerdote quando, pelo batismo, entra em comunhão no Corpo Místico de Cristo e vive a realidade desta consagração batismal: ele se torna capaz de crer, de esperar e de amar a Deus por meio de uma vida teologal; se torna capaz de viver sob a moção do Espírito de Deus servindo a comunidade cristã e humana a partir dos dons e dos carismas que recebeu; e, é capaz de crescer no seu relacionamento de amor a Deus, a si mesmo e ao próximo (cf. CIC nº1547). O sacerdócio batismal se manifesta numa vivência de resposta ao Pai possibilitada pelo Espírito na medida em que Cristo viveu e testemunhou.

 

Os fiéis e a Liturgia

O CV II na Constituição Dogmática SacrosanctumConciliumnº 14 deseja ardentemente que “todos os fiéis cheguem àquela plena, consciente e ativa participação na celebração litúrgica que a própria natureza da Liturgia exige e a qual o povo cristão, ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido’, tem direito e obrigação, por força do Batismo.”. Participar da Liturgia é, no seu sentido mais profundo, vivenciar a história da salvação, a obra de salvação de Deus no Mistério Pascal de Cristo. Na Liturgia, por meio da Palavra de Deus e dos Sacramentos, os fieis são inseridos na comunhão de vida com Jesus e de lá partem para viver no mundo o testemunho cristão (cf. SC 48 e CIC nº 1273).

 

Os fieis e as celebrações

Com a indicação conciliar da vivência sacerdotal do batizado, ocorreu uma abertura da prática celebrativa eclesial em duas pontas. A primeira em relação ao cuidado e ao incentivo da participação dos fiéis através das aclamações, das respostas, da salmodia, das antífonas, dos cânticos, das ações, dos gestos, das atitudes e do silêncio sagrado (cf. SC nº30). Com isto se ressalta o aspecto dialogal do rito das celebrações litúrgicas favorecendo com que os batizados entrem em comunhão com Deus. A segunda em relação à participação dos fiéis em certos ministérios na celebração, tais como o de leitor e o de acólito. Contudo, deve-se destacar que o que o CV II não queria, com a reproposição da teologia do sacerdócio batismal, confundi-lo com o ministerial, mas recuperar a vocação e a dignidade própria do fiel leigo no mistério de Cristo.

 

Para aprofundar...

Indicamos a leitura do CIC, nos nos1141, 1143, 1268, 1273, 1546, 1547; da Lumen Gentium, nos10, 11, 34; e, daSacrosanctumConcilium, nos11, 14, 19, 30, 48, 59, 100.

 

Pe.Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese

MaterEcclesiae e Luz e Vida

Padre Vitor Gino Finelon
Autor

Padre Vitor Gino Finelon

Professor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida