Arquidiocese do Rio de Janeiro

26º 19º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 25/06/2017

25 de Junho de 2017

Caminho, Verdade e Vida

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

25 de Junho de 2017

Caminho, Verdade e Vida

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

14/05/2017 00:00

Caminho, Verdade e Vida 0

14/05/2017 00:00

Neste V Domingo da Páscoa temos muitas comemorações: final de semana com alegria em que celebramos, no ano do centenário das aparições de Fátima, a canonização dos dois pastorzinhos Francisco e Jacinta, vivendo o Ano Mariano no Brasil, e comemoramos o Dia das Mães, dentro do ano da família em nossa Arquidiocese. Somos chamados a elevar o olhar ao Ressuscitado; deixemo-nos tomar por Sua palavra: “Não se perturbe o vosso coração. Tendes fé em Deus, tende fé em mim também” (cf. Jo 14,1). Estejamos atentos: estas palavras são exortações a nós, cristãos de agora; palavras para cada um de nós e para nós todos, palavras verdadeiramente provocantes! No mundo complexo, numa realidade plena de desafios, na nossa vida pessoal tantas vezes sofrida, tantas vezes ferida, cheia de tantas contradições e desafios, o Senhor nos olha, estende-nos as mãos, abre-nos o coração e nos enche de serenidade e confiança: “Não se perturbe o vosso coração”!

Na Primeira Leitura At 6,1-7 – A Comunidade de Jerusalém tinha uma só alma e um só coração, mas o pecado da divisão logo se manifestou. Foram, então, instituídos os Diáconos para o serviço aos mais frágeis! O Espírito Santo conduz a Igreja pelas estradas da vida! A Igreja é obra de Jesus. É peregrina e, ao longo de sua caminhada, ela é conduzida pelo Espírito Santo. Recebe dons, graças e serviços para cumprir sua missão. Ela é santa, por sua origem, e pecadora, por sua humanidade. A marca do pecado é nossa, mas Deus dá-lhe a santidade de seu Filho Jesus! A Comunidade de Jerusalém compunha-se de judeus nativos e de judeus que viveram fora da Palestina. Cada grupo lutava por suas características culturais e religiosas. Era uma Igreja a caminho, mas necessitada de conversão! Procuremos também descobrir quantas divisões existem em nossas comunidades e como somos necessitados de conversão para sermos a Igreja Santa de Jesus.

Na Segunda Leitura 1Pd 2,4-9 – A Igreja é obra do próprio Deus, que a construiu sobre a rocha fundamental de Jesus Cristo. Ele é o fundamento da Igreja: “É a pedra que os construtores rejeitaram, mas que se tornou a pedra angular (fundamental)” (cf. 1Pd 3,7). O Apóstolo Pedro descreve a Igreja como um templo, construído com pedras preciosas e diferenciadas, no qual os cristãos exercem um verdadeiro sacerdócio e oferecem sacrifícios agradáveis a Deus Pai. Os templos materiais, embora bem construídos, perdem valor, e o templo apreciado por Deus é a comunidade composta por seus discípulos. Construamos comunidades enriquecidas de amor e sempre prontas a servir ao Povo e glorificar a Deus Pai!

No Evangelho Jo 14,1-12 – A sua sede de salvar os homens é tal que declara: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6). Tal declaração tem a sua origem na pergunta de Tomé, o qual, ao não compreender tudo o que Jesus afirmara acerca de Seu regresso ao Pai, lhe perguntara: “Senhor, não sabemos para onde vais. Como é que sabemos o caminho”? (Jo 14,5). O apóstolo pensava num caminho material, mas Jesus indica-lhe um espiritual, tão sublime que se identifica com a Sua Pessoa: “Eu sou o caminho”; e não lhe mostra apenas o caminho, mas também a meta – “a verdade e a vida” – à qual conduz e que é também Ele mesmo. Jesus é o caminho que conduz ao Pai: “Ninguém vai ao Pai senão por Mim” (Jo 14,6); é a verdade que O revela: “Quem Me viu, viu o Pai” (Jo 14,9); é a vida que comunica aos homens a vida divina: “Assim como o Pai tem a vida em Si mesmo”, assim a tem o Filho e dá-a “àquele que quer” (Jo 5, 26. 21). “Eu estou no Pai e o Pai está em Mim” (Jo 14,11). Sobre esta fé em Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, caminho que conduz ao Pai e igual em tudo ao Pai, fundamenta-se a vida do cristão e a de toda a Igreja.

Ora, é diante do Cristo, Caminho, Verdade e Vida, que nossa existência será julgada, que o mundo será examinado! A renovação da Igreja está em voltar sempre a Cristo e Nele se reencontrar sempre, retomando o vigor, como de uma fonte puríssima! O verdadeiro serviço à humanidade e ao mundo é apresentar o Cristo e Nele colocar toda a esperança.

Saibamos que Cristo Jesus é o caminho, a verdade e a vida. Que possamos nós viver sempre neste caminho. Esse caminho tem dificuldades, pedras e espinhos, mas no final existe o encontro com o Pai.

Senhor, neste dia e sempre faça que trilhemos em seu Caminho!


Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Caminho, Verdade e Vida

14/05/2017 00:00

Neste V Domingo da Páscoa temos muitas comemorações: final de semana com alegria em que celebramos, no ano do centenário das aparições de Fátima, a canonização dos dois pastorzinhos Francisco e Jacinta, vivendo o Ano Mariano no Brasil, e comemoramos o Dia das Mães, dentro do ano da família em nossa Arquidiocese. Somos chamados a elevar o olhar ao Ressuscitado; deixemo-nos tomar por Sua palavra: “Não se perturbe o vosso coração. Tendes fé em Deus, tende fé em mim também” (cf. Jo 14,1). Estejamos atentos: estas palavras são exortações a nós, cristãos de agora; palavras para cada um de nós e para nós todos, palavras verdadeiramente provocantes! No mundo complexo, numa realidade plena de desafios, na nossa vida pessoal tantas vezes sofrida, tantas vezes ferida, cheia de tantas contradições e desafios, o Senhor nos olha, estende-nos as mãos, abre-nos o coração e nos enche de serenidade e confiança: “Não se perturbe o vosso coração”!

Na Primeira Leitura At 6,1-7 – A Comunidade de Jerusalém tinha uma só alma e um só coração, mas o pecado da divisão logo se manifestou. Foram, então, instituídos os Diáconos para o serviço aos mais frágeis! O Espírito Santo conduz a Igreja pelas estradas da vida! A Igreja é obra de Jesus. É peregrina e, ao longo de sua caminhada, ela é conduzida pelo Espírito Santo. Recebe dons, graças e serviços para cumprir sua missão. Ela é santa, por sua origem, e pecadora, por sua humanidade. A marca do pecado é nossa, mas Deus dá-lhe a santidade de seu Filho Jesus! A Comunidade de Jerusalém compunha-se de judeus nativos e de judeus que viveram fora da Palestina. Cada grupo lutava por suas características culturais e religiosas. Era uma Igreja a caminho, mas necessitada de conversão! Procuremos também descobrir quantas divisões existem em nossas comunidades e como somos necessitados de conversão para sermos a Igreja Santa de Jesus.

Na Segunda Leitura 1Pd 2,4-9 – A Igreja é obra do próprio Deus, que a construiu sobre a rocha fundamental de Jesus Cristo. Ele é o fundamento da Igreja: “É a pedra que os construtores rejeitaram, mas que se tornou a pedra angular (fundamental)” (cf. 1Pd 3,7). O Apóstolo Pedro descreve a Igreja como um templo, construído com pedras preciosas e diferenciadas, no qual os cristãos exercem um verdadeiro sacerdócio e oferecem sacrifícios agradáveis a Deus Pai. Os templos materiais, embora bem construídos, perdem valor, e o templo apreciado por Deus é a comunidade composta por seus discípulos. Construamos comunidades enriquecidas de amor e sempre prontas a servir ao Povo e glorificar a Deus Pai!

No Evangelho Jo 14,1-12 – A sua sede de salvar os homens é tal que declara: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6). Tal declaração tem a sua origem na pergunta de Tomé, o qual, ao não compreender tudo o que Jesus afirmara acerca de Seu regresso ao Pai, lhe perguntara: “Senhor, não sabemos para onde vais. Como é que sabemos o caminho”? (Jo 14,5). O apóstolo pensava num caminho material, mas Jesus indica-lhe um espiritual, tão sublime que se identifica com a Sua Pessoa: “Eu sou o caminho”; e não lhe mostra apenas o caminho, mas também a meta – “a verdade e a vida” – à qual conduz e que é também Ele mesmo. Jesus é o caminho que conduz ao Pai: “Ninguém vai ao Pai senão por Mim” (Jo 14,6); é a verdade que O revela: “Quem Me viu, viu o Pai” (Jo 14,9); é a vida que comunica aos homens a vida divina: “Assim como o Pai tem a vida em Si mesmo”, assim a tem o Filho e dá-a “àquele que quer” (Jo 5, 26. 21). “Eu estou no Pai e o Pai está em Mim” (Jo 14,11). Sobre esta fé em Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, caminho que conduz ao Pai e igual em tudo ao Pai, fundamenta-se a vida do cristão e a de toda a Igreja.

Ora, é diante do Cristo, Caminho, Verdade e Vida, que nossa existência será julgada, que o mundo será examinado! A renovação da Igreja está em voltar sempre a Cristo e Nele se reencontrar sempre, retomando o vigor, como de uma fonte puríssima! O verdadeiro serviço à humanidade e ao mundo é apresentar o Cristo e Nele colocar toda a esperança.

Saibamos que Cristo Jesus é o caminho, a verdade e a vida. Que possamos nós viver sempre neste caminho. Esse caminho tem dificuldades, pedras e espinhos, mas no final existe o encontro com o Pai.

Senhor, neste dia e sempre faça que trilhemos em seu Caminho!


Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro