Arquidiocese do Rio de Janeiro

24º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 17/08/2017

17 de Agosto de 2017

Os jovens e a confissão: Catequese quaresmal 3

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

17 de Agosto de 2017

Os jovens e a confissão: Catequese quaresmal 3

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

16/03/2017 00:00 - Atualizado em 20/03/2017 16:12

Os jovens e a confissão: Catequese quaresmal 3 0

16/03/2017 00:00 - Atualizado em 20/03/2017 16:12

Um dos belos temas que o Papa Francisco tem insistido é sobre o Sacramento da Reconciliação. Após o Ano da Misericórdia, a insistência continua para que os cristãos façam experiência do amor misericordioso de Deus no Sacramento da Reconciliação. É muito belo ver o exemplo de uma juventude de fé que reza e se aproxima deste sacramento. Neste nosso terceiro encontro, em que quero manifestar todo meu afeto por todos os jovens que trabalham nas pastorais, movimentos e associação, e às vésperas do “24 horas para o Senhor” e durante este tempo de “mutirões de confissões”, queremos aprofundar um pouco mais a respeito do Sacramento da Penitência e louvar a Deus pela participação do jovem na busca deste Sacramento.

O específico do Sacramento da Penitência, em sua forma atual, consiste formalmente no fato de ele fazer parte da confissão pessoal e concreta dos pecados e que, em vista dessa confissão, o clérigo autorizado concede a absolvição. A isso corresponde o próprio Sacramento da Penitência em seu conteúdo: nele se unem elementos do juízo e da reconciliação. O Sacramento da Penitência é sinal realizador do juízo divino da graça para a reconciliação do pecador na comunhão da Igreja.

O objetivo do Sacramento da Penitência é reconciliação, e isso no mencionado triplo sentido: reconciliação com Deus, que significa, simultaneamente, a redenção do afastamento de Deus; reconciliação com os semelhantes, que supera o abismo causado pela negação do amor; reconciliação do ser humano consigo mesmo, como superação da autoalienação dada com cada pecado. O nível teológico e o nível social estão intimamente inter-relacionados: a reconciliação acorre na reconciliação com a Igreja. Essa fórmula clássica da teologia da penitência mostra a estrutura básica de todos os Sacramentos: nas relações humanas acontece a proximidade transformadora de Deus.

A palavra que anuncia a reconciliação deve ser acolhida no coração humano para que possa dar fruto. A resposta do homem é chamada comumente de conversão, ou seja, de volta. Não há reconciliação sem a iniciativa de Deus, mas também não há sem a resposta do homem. O Sacramento da Penitência supõe essencialmente um diálogo.

No Antigo Testamento, sofrimento e culpa, mas também perdão e salvação se encontram em relação íntima. Isto já o ilustram as narrativas da queda na proto-história bíblica (cf. Gn 3; 4,1-16; 6-8; 11,1-9). O nexo entre culpa e destino está bem claro para os profetas: porque os ricos em Israel exploraram os pobres, vivem despreocupadamente no luxo e não se importam com a ruína do povo, “por isso agora têm que ir para o exílio” (Am 6,7). Porque Israel abandonou o seu Deus, “fonte da água viva”, por isso tem que agora viver com as cisternas rachadas que cavam para si mesmos: “Teu mau procedimento te castiga” (cf. Jr 2, 13.19). Da mesma forma estão ligadas entre si a salvação do exílio, a transformação interior e uma nova relação com Deus. Em Ezequiel, a transformação é descrita com as metáforas da purificação com água limpa, da concessão de um coração novo, da abertura dos sepulcros, da reunião das ossadas, da revivificação pelo sopro de Deus.

No Novo Testamento, o sinal sacramental clássico para a conversão e perdão dos pecados é o Batismo. Por ele também está caracterizada a “nova vida” dos batizados: eles “morreram com Cristo”, para com Ele ressuscitarem (cf. Rm 6, 4.8).  Jesus tornou-se, em pessoa, a expiação de todos os pecados, “instrumento de propiciação por seu próprio sangue”. (Hb 3,25)

O Sacramento da Penitência é constituído de três atos do penitente e da absolvição dada pelo sacerdote. Os atos do penitente são o arrependimento, a confissão ou manifestação dos pecados ao Sacerdote e o propósito de cumprir a penitência e as obras de reparação. A Igreja tem em seu mandamento que devemos confessar pelo menos uma vez no ano, por ocasião da festa da Páscoa da Ressurreição.

Este tempo de Quaresma é propício para isto. Quantos jovens buscam este Sacramento! Nos últimos anos, tenho visto um grande número de jovens em nossa Arquidiocese ir em busca deste Sacramento. Quantos vão aos mutirões de Confissão realizados em nossas paróquias durante este tempo de Quaresma! Quantos ainda ao longo do ano buscam este Sacramento para estar em comunhão com Deus, a Igreja e com ele mesmo! E para aqueles jovens que estão afastados deste Sacramento, eis o tempo, eis o momento de se aproximar do Senhor, que os acolhe de braços abertos.

A você jovem, coragem, pois Deus o ama, Deus o chama a ser um discípulo e missionário. Que o exemplo da alegria de tantos jovens reconciliados pelo Sacramento da Penitência contagie tantos outros para entrarem nesse caminho de conversão e de vida. Somos embaixadores que convocam a todos: reconciliai-vos com Deus! Eis o tempo favorável!

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Os jovens e a confissão: Catequese quaresmal 3

16/03/2017 00:00 - Atualizado em 20/03/2017 16:12

Um dos belos temas que o Papa Francisco tem insistido é sobre o Sacramento da Reconciliação. Após o Ano da Misericórdia, a insistência continua para que os cristãos façam experiência do amor misericordioso de Deus no Sacramento da Reconciliação. É muito belo ver o exemplo de uma juventude de fé que reza e se aproxima deste sacramento. Neste nosso terceiro encontro, em que quero manifestar todo meu afeto por todos os jovens que trabalham nas pastorais, movimentos e associação, e às vésperas do “24 horas para o Senhor” e durante este tempo de “mutirões de confissões”, queremos aprofundar um pouco mais a respeito do Sacramento da Penitência e louvar a Deus pela participação do jovem na busca deste Sacramento.

O específico do Sacramento da Penitência, em sua forma atual, consiste formalmente no fato de ele fazer parte da confissão pessoal e concreta dos pecados e que, em vista dessa confissão, o clérigo autorizado concede a absolvição. A isso corresponde o próprio Sacramento da Penitência em seu conteúdo: nele se unem elementos do juízo e da reconciliação. O Sacramento da Penitência é sinal realizador do juízo divino da graça para a reconciliação do pecador na comunhão da Igreja.

O objetivo do Sacramento da Penitência é reconciliação, e isso no mencionado triplo sentido: reconciliação com Deus, que significa, simultaneamente, a redenção do afastamento de Deus; reconciliação com os semelhantes, que supera o abismo causado pela negação do amor; reconciliação do ser humano consigo mesmo, como superação da autoalienação dada com cada pecado. O nível teológico e o nível social estão intimamente inter-relacionados: a reconciliação acorre na reconciliação com a Igreja. Essa fórmula clássica da teologia da penitência mostra a estrutura básica de todos os Sacramentos: nas relações humanas acontece a proximidade transformadora de Deus.

A palavra que anuncia a reconciliação deve ser acolhida no coração humano para que possa dar fruto. A resposta do homem é chamada comumente de conversão, ou seja, de volta. Não há reconciliação sem a iniciativa de Deus, mas também não há sem a resposta do homem. O Sacramento da Penitência supõe essencialmente um diálogo.

No Antigo Testamento, sofrimento e culpa, mas também perdão e salvação se encontram em relação íntima. Isto já o ilustram as narrativas da queda na proto-história bíblica (cf. Gn 3; 4,1-16; 6-8; 11,1-9). O nexo entre culpa e destino está bem claro para os profetas: porque os ricos em Israel exploraram os pobres, vivem despreocupadamente no luxo e não se importam com a ruína do povo, “por isso agora têm que ir para o exílio” (Am 6,7). Porque Israel abandonou o seu Deus, “fonte da água viva”, por isso tem que agora viver com as cisternas rachadas que cavam para si mesmos: “Teu mau procedimento te castiga” (cf. Jr 2, 13.19). Da mesma forma estão ligadas entre si a salvação do exílio, a transformação interior e uma nova relação com Deus. Em Ezequiel, a transformação é descrita com as metáforas da purificação com água limpa, da concessão de um coração novo, da abertura dos sepulcros, da reunião das ossadas, da revivificação pelo sopro de Deus.

No Novo Testamento, o sinal sacramental clássico para a conversão e perdão dos pecados é o Batismo. Por ele também está caracterizada a “nova vida” dos batizados: eles “morreram com Cristo”, para com Ele ressuscitarem (cf. Rm 6, 4.8).  Jesus tornou-se, em pessoa, a expiação de todos os pecados, “instrumento de propiciação por seu próprio sangue”. (Hb 3,25)

O Sacramento da Penitência é constituído de três atos do penitente e da absolvição dada pelo sacerdote. Os atos do penitente são o arrependimento, a confissão ou manifestação dos pecados ao Sacerdote e o propósito de cumprir a penitência e as obras de reparação. A Igreja tem em seu mandamento que devemos confessar pelo menos uma vez no ano, por ocasião da festa da Páscoa da Ressurreição.

Este tempo de Quaresma é propício para isto. Quantos jovens buscam este Sacramento! Nos últimos anos, tenho visto um grande número de jovens em nossa Arquidiocese ir em busca deste Sacramento. Quantos vão aos mutirões de Confissão realizados em nossas paróquias durante este tempo de Quaresma! Quantos ainda ao longo do ano buscam este Sacramento para estar em comunhão com Deus, a Igreja e com ele mesmo! E para aqueles jovens que estão afastados deste Sacramento, eis o tempo, eis o momento de se aproximar do Senhor, que os acolhe de braços abertos.

A você jovem, coragem, pois Deus o ama, Deus o chama a ser um discípulo e missionário. Que o exemplo da alegria de tantos jovens reconciliados pelo Sacramento da Penitência contagie tantos outros para entrarem nesse caminho de conversão e de vida. Somos embaixadores que convocam a todos: reconciliai-vos com Deus! Eis o tempo favorável!

 

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro