Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 27/04/2017

27 de Abril de 2017

“Vós nos dais de beber água viva” (cf. Sl 35,9)

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

27 de Abril de 2017

“Vós nos dais de beber água viva” (cf. Sl 35,9)

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

17/03/2017 00:00 - Atualizado em 17/03/2017 15:06

“Vós nos dais de beber água viva” (cf. Sl 35,9) 0

17/03/2017 00:00 - Atualizado em 17/03/2017 15:06

O Tempo da Quaresma, além de auxiliar os cristãos a se preparar para a solenidade pascal, tem a finalidade de instruir aqueles que se preparam para ser batizados na Vigília Pascal. Por isso, além de um grande “retiro espiritual”, a Quaresma é chamado de tempo da purificação. Deste modo, a partir do terceiro domingo da Quaresma – especialmente quando estamos no ciclo de leituras do Ano A –, temos a rica oportunidade de nos edificar, ouvindo as três grandes mensagens a respeito da vida nova que recebemos por meio do Batismo.

O terceiro domingo da Quaresma nos faz recordar a fonte da graça, da qual recebemos a vida divina: o Santo Batismo. Por meio da água somos configurados a Cristo pela força do Espírito Santo. A água, portanto, purifica os nossos pecados e nos comunica a graça sacramental. Ao ouvir no Evangelho o encontro de Jesus com a samaritana (Jo 4,5-42) e todo o seu desenrolar a partir do tema da água, percebemos que ela é um rico e, ao mesmo tempo, ínfimo sinal, se comparada à graça com que Deus nos cumula. A “água que jorra para a vida eterna” é o Espírito que clama em nós: “Abba, Pai!” (Gl 4,6). E para que aprendamos a não valorizar demais o sinal, mas acolher o que ele significa, nos relata o evangelista João: “Disse Jesus: ‘Aquele que crê em mim, conforme diz a Escritura, rios de água viva jorrarão do seu interior’. Jesus falava do Espírito, que deviam receber os que tivessem fé nele” (Jo 7,38).

Ora, se é verdade que é o próprio Senhor que nos dá a água do seu Espírito, por outro lado Ele quis que ela nos chegasse pela mediação da Igreja: “Quem vos recebe, a Mim recebe” (Mt 10,40). E este domingo, em especial, nos traz a recordação de três comemorações importantes daqueles por quem a água viva nos chega: em primeiro lugar – embora transferida por ter ocorrido no domingo da Quaresma –, a solenidade de São José, o patrono da Igreja. Conforta-nos saber que temos o patrocínio de São José, pois aquele que cuidou do corpo de Cristo em sua infância, agora cuida de todo o corpo místico de Cristo como pai. Recorramos a São José em nossas tribulações, e festejemos solenemente o seu dia. Este ano, a solenidade de São José foi transferida para a segunda-feira, dia 20 de março. Não deixemos de celebrar sua solenidade.

Recordando o antigo costume de dar nomes cristãos aos filhos – a saber, o nome de um santo ou santa, para que fosse o(a) protetor(a) da criança –, somos convidados a celebrar o chamado “dia onomástico” (do grego ónoma, nome). Sendo 19 de março o Dia de São José, celebramos o onomástico do Papa Emérito Bento XVI (seu nome de Batismo é Joseph). E também somos convidados a bendizer a Deus pelo aniversário do ministério petrino do Papa Francisco, inaugurado no dia 19 de março de 2013. Por meio destes homens, de forma especial nos chega a água viva da graça de Deus. São eles pastores segundo o coração de Deus (cf. Jr 3,15), que nos encaminham para as águas repousantes da presença do Senhor em nossas vidas (cf. Sl 22,2).

Hoje, portanto, é dia de festa, dia de bendizermos a Deus, o Rochedo que nos salva (cf. Sl 94,1), que, ferido por nós na cruz (cf. Ex 17,6), nos deu de beber na torrente das suas delícias (cf. Sl 35,9), fazendo-nos participar da Sua vida! E que a meditação sobre o tema rico e profundo da água viva nos torne mais conscientes no uso da água e na preservação dos nossos biomas, como recorda a Campanha da Fraternidade deste ano em nosso processo de conversão rumo à Páscoa do Senhor.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

“Vós nos dais de beber água viva” (cf. Sl 35,9)

17/03/2017 00:00 - Atualizado em 17/03/2017 15:06

O Tempo da Quaresma, além de auxiliar os cristãos a se preparar para a solenidade pascal, tem a finalidade de instruir aqueles que se preparam para ser batizados na Vigília Pascal. Por isso, além de um grande “retiro espiritual”, a Quaresma é chamado de tempo da purificação. Deste modo, a partir do terceiro domingo da Quaresma – especialmente quando estamos no ciclo de leituras do Ano A –, temos a rica oportunidade de nos edificar, ouvindo as três grandes mensagens a respeito da vida nova que recebemos por meio do Batismo.

O terceiro domingo da Quaresma nos faz recordar a fonte da graça, da qual recebemos a vida divina: o Santo Batismo. Por meio da água somos configurados a Cristo pela força do Espírito Santo. A água, portanto, purifica os nossos pecados e nos comunica a graça sacramental. Ao ouvir no Evangelho o encontro de Jesus com a samaritana (Jo 4,5-42) e todo o seu desenrolar a partir do tema da água, percebemos que ela é um rico e, ao mesmo tempo, ínfimo sinal, se comparada à graça com que Deus nos cumula. A “água que jorra para a vida eterna” é o Espírito que clama em nós: “Abba, Pai!” (Gl 4,6). E para que aprendamos a não valorizar demais o sinal, mas acolher o que ele significa, nos relata o evangelista João: “Disse Jesus: ‘Aquele que crê em mim, conforme diz a Escritura, rios de água viva jorrarão do seu interior’. Jesus falava do Espírito, que deviam receber os que tivessem fé nele” (Jo 7,38).

Ora, se é verdade que é o próprio Senhor que nos dá a água do seu Espírito, por outro lado Ele quis que ela nos chegasse pela mediação da Igreja: “Quem vos recebe, a Mim recebe” (Mt 10,40). E este domingo, em especial, nos traz a recordação de três comemorações importantes daqueles por quem a água viva nos chega: em primeiro lugar – embora transferida por ter ocorrido no domingo da Quaresma –, a solenidade de São José, o patrono da Igreja. Conforta-nos saber que temos o patrocínio de São José, pois aquele que cuidou do corpo de Cristo em sua infância, agora cuida de todo o corpo místico de Cristo como pai. Recorramos a São José em nossas tribulações, e festejemos solenemente o seu dia. Este ano, a solenidade de São José foi transferida para a segunda-feira, dia 20 de março. Não deixemos de celebrar sua solenidade.

Recordando o antigo costume de dar nomes cristãos aos filhos – a saber, o nome de um santo ou santa, para que fosse o(a) protetor(a) da criança –, somos convidados a celebrar o chamado “dia onomástico” (do grego ónoma, nome). Sendo 19 de março o Dia de São José, celebramos o onomástico do Papa Emérito Bento XVI (seu nome de Batismo é Joseph). E também somos convidados a bendizer a Deus pelo aniversário do ministério petrino do Papa Francisco, inaugurado no dia 19 de março de 2013. Por meio destes homens, de forma especial nos chega a água viva da graça de Deus. São eles pastores segundo o coração de Deus (cf. Jr 3,15), que nos encaminham para as águas repousantes da presença do Senhor em nossas vidas (cf. Sl 22,2).

Hoje, portanto, é dia de festa, dia de bendizermos a Deus, o Rochedo que nos salva (cf. Sl 94,1), que, ferido por nós na cruz (cf. Ex 17,6), nos deu de beber na torrente das suas delícias (cf. Sl 35,9), fazendo-nos participar da Sua vida! E que a meditação sobre o tema rico e profundo da água viva nos torne mais conscientes no uso da água e na preservação dos nossos biomas, como recorda a Campanha da Fraternidade deste ano em nosso processo de conversão rumo à Páscoa do Senhor.

Padre Cristiano Holtz Peixoto
Autor

Padre Cristiano Holtz Peixoto

Vigário paroquial da Catedral Metropolitana