Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 27/04/2017

27 de Abril de 2017

Tudo o que você precisa saber sobre a Quaresma

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

27 de Abril de 2017

Tudo o que você precisa saber sobre a Quaresma

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

10/03/2017 14:23 - Atualizado em 10/03/2017 14:23

Tudo o que você precisa saber sobre a Quaresma 0

10/03/2017 14:23 - Atualizado em 10/03/2017 14:23

temp_titleFotos_artigo_Quaresma_1_10032017142031

O que é a Quaresma e qual sua origem?

A Quaresma é o tempo do ano litúrgico que, segundo a Carta Apostólica do Papa Paulo VI, aprovando as normas universais para o ano litúrgico, intitulada “Mysterii Paschalis”, vai “desde a Quarta-Feira de Cinzas até a missa na Ceia do Senhor”.

A Quaresma já se encontra, ainda que de forma embrionária, no século II, na qual encontramos uma preparação para a grande celebração da Pascal Anual, marcada pela penitência e pelo jejum.

Todavia, somente no século IV é que encontramos já uma Quaresma mais organizada, muito semelhante na sua forma ao que temos hoje, e também marcada pelo jejum e pela penitência.

Qual foi, no início, a finalidade da Quaresma?

O Tríduo Pascal, na Igreja antiga, era marcado por duas grandes celebrações. Na Quinta-Feira Santa se fazia a “reconciliação dos penitentes”, para que estes pudessem celebrar a Páscoa do Senhor. Na Grande Vigília Pascal, por sua vez, se fazia a iniciação dos catecúmenos, ou seja, estes recebiam os três primeiros sacramentos, dados numa única celebração: o Batismo, a Confirmação (Crisma) e a Eucaristia.

Sendo assim, a Quaresma servia tanto de preparação imediata para os penitentes que haviam de ser absolvidos na Quinta-Feira Santa, quanto de preparação, também imediata, para os catecúmenos que, domingo a domingo, iam recebendo as unções e exorcismos, e assim, pouco a pouco, se preparando para a grande Noite Pascal na qual eles seriam iniciados nos sacramentos.

E hoje, qual o sentido da Quaresma para os fiéis?

A Quaresma é um tempo forte de conversão. Segundo o Catecismo da Igreja Católica, no n. 1438, junto com todas as sextas-feiras do ano, nas quais fazemos memória da morte do Senhor, a Quaresma é um tempo forte de penitência e conversão.

É um tempo de renovação das próprias promessas batismais, o que será feito de modo solene na grande vigília pascal.

Com a reforma litúrgica e a recuperação do Ritual da Iniciação Cristã de Adultos, a Quaresma tornou-se, como na Igreja antiga, o tempo de preparação imediata dos catecúmenos para a iniciação nos sacramentos na grande Vigília Pascal.

Mas qual o sentido de fazermos penitência?

A palavra ‘penitência’ nem sempre ajuda muito. Ela traz em si o sentido de ‘pena, penalidade’. É claro que, dentro do Sacramento da Reconciliação, há uma “penitência” que deve ser cumprida. Ela tem valor medicinal. O objetivo dessa penitência é nos ajudar na purificação dos apegos que nos levaram ao ato de pecado.

A penitência na Quaresma deve ser um auxílio para o nosso caminho de “conversão”. A conversão consiste num “voltar-se para Deus”, atendendo ao convite que ressoou aos nossos ouvidos na Quarta-Feira de Cinzas, quando ouvimos na missa o texto de Jl 2,12: “voltai a mim de todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos...”. Esse “voltar-se” para Deus começa com um voltar-se para o próprio interior, a fim de poder enxergar, na luz do Espírito Santo, em que nos afastamos de Deus e quais os falsos caminhos que seguimos, a fim de reencontrarmos o verdadeiro caminho e nos reaproximarmos d’Ele.

A penitência não pode ser, então, apenas um conjunto de práticas vividas como uma espécie de “castigo”. A penitência precisa ser vivida como um “remédio” que vai nos ajudar no processo de restabelecimento de nossa saúde espiritual. Um exemplo prático seria o jejum. Não basta somente não comer. Devo fazer o jejum percebendo que tem em vista me ajudar a desenvolver a virtude do autodomínio, virtude essa que deve permanecer em mim mesmo depois de terminado o período quaresmal.

Quando e como é previsto fazer o jejum no tempo quaresmal?

A Igreja prevê um jejum obrigatório na Quarta-Feira de Cinzas e na Sexta-Feira Santa. Nestes dias também é prevista a abstinência de carne, sendo os fiéis liberados para ingerir somente peixe. O jejum pode consistir na retirada de uma das refeições principais, almoço ou jantar.

Quem está obrigado ao jejum e a abstinência?

Segundo o Código de Direito Canônico, cânon 1252, “Estão obrigados à lei da abstinência aqueles que tiverem completado 14 anos de idade; estão obrigados à lei do jejum todos os maiores de idade até os 60 anos começados. Todavia, os pastores de almas e os pais cuidem que sejam formados para o genuíno sentido da penitência também os que não estão obrigados à lei do jejum e da abstinência, em razão da pouca idade.”

Qual o sentido das Cinzas no início da Quaresma?

As cinzas na Escritura lembram um gesto de penitência. Em Jn 3,8 se diz que o rei de Nínive sentou-se sobre a cinza, quando ouviu a pregação de Jonas exortando os ninivitas à conversão.

Na Quarta-Feira de Cinzas, as cinzas são impostas sobre a cabeça dos fiéis utilizando-se um dos dois seguintes versículos da Escritura: “Lembra-te que és pó, e ao pó hás de voltar” (cf. Gn 3,19) ou “Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15b). Estes dois versículos lembram, de um lado, a caducidade e a fraqueza da vida humana. Por conta de sua fraqueza, o homem está sujeito ao pecado. Por isso, ele precisa continuamente de conversão, de voltar-se para Deus.

Seria o tempo de viver mais alguma prática além do jejum?

Sim. Na Quaresma somos exortamos a viver a oração, o jejum e a esmola. Além disso, em nossas comunidades, realizamos outras práticas como a oração da Via-Sacra e as celebrações penitenciais. É o tempo propício de nos aproximarmos, também, do Sacramento da Reconciliação. Além disso, podemos e devemos praticar as obras de misericórdia.

E quais são as obras de misericórdia?

temp_titleFotos_artigo_Quaresma_3_10032017142034

As obras de misericórdia se dividem em: espirituais e corporais. As obras de misericórdia espirituais são:

Ensinar ao que não sabe;

Dar bons conselhos ao que necessita;

Corrigir ao que erra;

Perdoar as injúrias;

Consolar ao triste;

Sofrer com paciência as adversidades e fraquezas do próximo;

Rogar a Deus pelos vivos e pelos mortos

As obras de misericórdia corporais são:

Visitar ao enfermo;

Dar de comer ao faminto;

Dar de beber ao sedento;

Socorrer ao cativo;

Vestir ao desnudo;

Dar abrigo ao peregrino;

Enterrar a os mortos.

E a Palavra de Deus nesse tempo?

Os evangelhos dominicais são uma grande riqueza e fonte de inspiração para nossa leitura espiritual. Nesse ciclo A, que é o que estamos vivendo, têm um tom marcadamente batismal. No primeiro domingo ouvimos o relato da Tentação do Senhor no deserto, e neste segundo domingo ouviremos o relato da Transfiguração do Senhor. Estes dois evangelhos sempre nos acompanham no primeiro e no segundo da Quaresma, em cada ano segundo um dos três sinóticos.

A partir do terceiro domingo da Quaresma começamos a ouvir os evangelhos que possuem um tom marcadamente batismal, conforme dissemos acima. No terceiro domingo, o encontro de Jesus com a Samaritana – o tema da água viva, que é o Espírito Santo dado por Jesus aos fiéis. No quarto domingo, ouviremos a cura do cego de nascença – o tema da luz, que é o próprio Cristo, que ilumina, no Batismo, cada novo cristão com a luz da fé. Por fim, no quinto domingo, a ressurreição de Lázaro, o tema da vida nova que Cristo nos dá, já hoje, renovando-nos pelo Batismo e perdoando-nos no sacramento da Reconciliação. Vida nova esta que é sinal da vida futura e eterna que o Senhor já nos conquistou.

temp_titleFotos_artigo_Quaresma_2_10032017142032

Fotos: Carlos Moioli

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Tudo o que você precisa saber sobre a Quaresma

10/03/2017 14:23 - Atualizado em 10/03/2017 14:23

temp_titleFotos_artigo_Quaresma_1_10032017142031

O que é a Quaresma e qual sua origem?

A Quaresma é o tempo do ano litúrgico que, segundo a Carta Apostólica do Papa Paulo VI, aprovando as normas universais para o ano litúrgico, intitulada “Mysterii Paschalis”, vai “desde a Quarta-Feira de Cinzas até a missa na Ceia do Senhor”.

A Quaresma já se encontra, ainda que de forma embrionária, no século II, na qual encontramos uma preparação para a grande celebração da Pascal Anual, marcada pela penitência e pelo jejum.

Todavia, somente no século IV é que encontramos já uma Quaresma mais organizada, muito semelhante na sua forma ao que temos hoje, e também marcada pelo jejum e pela penitência.

Qual foi, no início, a finalidade da Quaresma?

O Tríduo Pascal, na Igreja antiga, era marcado por duas grandes celebrações. Na Quinta-Feira Santa se fazia a “reconciliação dos penitentes”, para que estes pudessem celebrar a Páscoa do Senhor. Na Grande Vigília Pascal, por sua vez, se fazia a iniciação dos catecúmenos, ou seja, estes recebiam os três primeiros sacramentos, dados numa única celebração: o Batismo, a Confirmação (Crisma) e a Eucaristia.

Sendo assim, a Quaresma servia tanto de preparação imediata para os penitentes que haviam de ser absolvidos na Quinta-Feira Santa, quanto de preparação, também imediata, para os catecúmenos que, domingo a domingo, iam recebendo as unções e exorcismos, e assim, pouco a pouco, se preparando para a grande Noite Pascal na qual eles seriam iniciados nos sacramentos.

E hoje, qual o sentido da Quaresma para os fiéis?

A Quaresma é um tempo forte de conversão. Segundo o Catecismo da Igreja Católica, no n. 1438, junto com todas as sextas-feiras do ano, nas quais fazemos memória da morte do Senhor, a Quaresma é um tempo forte de penitência e conversão.

É um tempo de renovação das próprias promessas batismais, o que será feito de modo solene na grande vigília pascal.

Com a reforma litúrgica e a recuperação do Ritual da Iniciação Cristã de Adultos, a Quaresma tornou-se, como na Igreja antiga, o tempo de preparação imediata dos catecúmenos para a iniciação nos sacramentos na grande Vigília Pascal.

Mas qual o sentido de fazermos penitência?

A palavra ‘penitência’ nem sempre ajuda muito. Ela traz em si o sentido de ‘pena, penalidade’. É claro que, dentro do Sacramento da Reconciliação, há uma “penitência” que deve ser cumprida. Ela tem valor medicinal. O objetivo dessa penitência é nos ajudar na purificação dos apegos que nos levaram ao ato de pecado.

A penitência na Quaresma deve ser um auxílio para o nosso caminho de “conversão”. A conversão consiste num “voltar-se para Deus”, atendendo ao convite que ressoou aos nossos ouvidos na Quarta-Feira de Cinzas, quando ouvimos na missa o texto de Jl 2,12: “voltai a mim de todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos...”. Esse “voltar-se” para Deus começa com um voltar-se para o próprio interior, a fim de poder enxergar, na luz do Espírito Santo, em que nos afastamos de Deus e quais os falsos caminhos que seguimos, a fim de reencontrarmos o verdadeiro caminho e nos reaproximarmos d’Ele.

A penitência não pode ser, então, apenas um conjunto de práticas vividas como uma espécie de “castigo”. A penitência precisa ser vivida como um “remédio” que vai nos ajudar no processo de restabelecimento de nossa saúde espiritual. Um exemplo prático seria o jejum. Não basta somente não comer. Devo fazer o jejum percebendo que tem em vista me ajudar a desenvolver a virtude do autodomínio, virtude essa que deve permanecer em mim mesmo depois de terminado o período quaresmal.

Quando e como é previsto fazer o jejum no tempo quaresmal?

A Igreja prevê um jejum obrigatório na Quarta-Feira de Cinzas e na Sexta-Feira Santa. Nestes dias também é prevista a abstinência de carne, sendo os fiéis liberados para ingerir somente peixe. O jejum pode consistir na retirada de uma das refeições principais, almoço ou jantar.

Quem está obrigado ao jejum e a abstinência?

Segundo o Código de Direito Canônico, cânon 1252, “Estão obrigados à lei da abstinência aqueles que tiverem completado 14 anos de idade; estão obrigados à lei do jejum todos os maiores de idade até os 60 anos começados. Todavia, os pastores de almas e os pais cuidem que sejam formados para o genuíno sentido da penitência também os que não estão obrigados à lei do jejum e da abstinência, em razão da pouca idade.”

Qual o sentido das Cinzas no início da Quaresma?

As cinzas na Escritura lembram um gesto de penitência. Em Jn 3,8 se diz que o rei de Nínive sentou-se sobre a cinza, quando ouviu a pregação de Jonas exortando os ninivitas à conversão.

Na Quarta-Feira de Cinzas, as cinzas são impostas sobre a cabeça dos fiéis utilizando-se um dos dois seguintes versículos da Escritura: “Lembra-te que és pó, e ao pó hás de voltar” (cf. Gn 3,19) ou “Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15b). Estes dois versículos lembram, de um lado, a caducidade e a fraqueza da vida humana. Por conta de sua fraqueza, o homem está sujeito ao pecado. Por isso, ele precisa continuamente de conversão, de voltar-se para Deus.

Seria o tempo de viver mais alguma prática além do jejum?

Sim. Na Quaresma somos exortamos a viver a oração, o jejum e a esmola. Além disso, em nossas comunidades, realizamos outras práticas como a oração da Via-Sacra e as celebrações penitenciais. É o tempo propício de nos aproximarmos, também, do Sacramento da Reconciliação. Além disso, podemos e devemos praticar as obras de misericórdia.

E quais são as obras de misericórdia?

temp_titleFotos_artigo_Quaresma_3_10032017142034

As obras de misericórdia se dividem em: espirituais e corporais. As obras de misericórdia espirituais são:

Ensinar ao que não sabe;

Dar bons conselhos ao que necessita;

Corrigir ao que erra;

Perdoar as injúrias;

Consolar ao triste;

Sofrer com paciência as adversidades e fraquezas do próximo;

Rogar a Deus pelos vivos e pelos mortos

As obras de misericórdia corporais são:

Visitar ao enfermo;

Dar de comer ao faminto;

Dar de beber ao sedento;

Socorrer ao cativo;

Vestir ao desnudo;

Dar abrigo ao peregrino;

Enterrar a os mortos.

E a Palavra de Deus nesse tempo?

Os evangelhos dominicais são uma grande riqueza e fonte de inspiração para nossa leitura espiritual. Nesse ciclo A, que é o que estamos vivendo, têm um tom marcadamente batismal. No primeiro domingo ouvimos o relato da Tentação do Senhor no deserto, e neste segundo domingo ouviremos o relato da Transfiguração do Senhor. Estes dois evangelhos sempre nos acompanham no primeiro e no segundo da Quaresma, em cada ano segundo um dos três sinóticos.

A partir do terceiro domingo da Quaresma começamos a ouvir os evangelhos que possuem um tom marcadamente batismal, conforme dissemos acima. No terceiro domingo, o encontro de Jesus com a Samaritana – o tema da água viva, que é o Espírito Santo dado por Jesus aos fiéis. No quarto domingo, ouviremos a cura do cego de nascença – o tema da luz, que é o próprio Cristo, que ilumina, no Batismo, cada novo cristão com a luz da fé. Por fim, no quinto domingo, a ressurreição de Lázaro, o tema da vida nova que Cristo nos dá, já hoje, renovando-nos pelo Batismo e perdoando-nos no sacramento da Reconciliação. Vida nova esta que é sinal da vida futura e eterna que o Senhor já nos conquistou.

temp_titleFotos_artigo_Quaresma_2_10032017142032

Fotos: Carlos Moioli

Padre Fábio Siqueira
Autor

Padre Fábio Siqueira

Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida