Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 22º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 20/11/2017

20 de Novembro de 2017

Tempo favorável

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

20 de Novembro de 2017

Tempo favorável

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

03/03/2017 12:17 - Atualizado em 03/03/2017 12:17

Tempo favorável 0

03/03/2017 12:17 - Atualizado em 03/03/2017 12:17

Existe um hino do Ofício Divino para a quaresma que diz assim: “Agora é tempo favorável, divino dom da Providência, para curar o mundo enfermo com um remédio, a penitência.” Deus hoje nos dirige a sua Palavra e nos diz que este é o tempo favorável. A quaresma é o tempo que Deus reserva para nos curar de maneira ainda mais intensa com um remédio: a penitência. A penitência não é castigo e, sim, cura. Cura das paixões da nossa alma, que turvam a nossa mente e a nossa visão e nos impedem de seguir livres o Deus verdadeiro.

Nestes dias de quaresma nós queremos entrar no deserto com Cristo. A Palavra de Deus noz diz que o Espírito conduziu Jesus ao deserto para ser tentado pelo diabo. A quaresma é uma imitação desse deserto de Cristo. É no deserto, “lugar sem palavra[1], segundo a etimologia do termo em hebraico, onde a vida parece impossível, que nós vamos aprender a viver da Palavra de Deus. Jesus vence as seduções do demônio pelo poder da Palavra de Deus e inaugura para nós um método espiritual para vencermos o maligno e suas seduções. Trata-se de respondermos às investidas e insinuações diabólicas com a força da Palavra Divina.

Os maus pensamentos, as sugestões diabólicas, devem ser quebradas, assim que nascem, de encontro a Cristo, que é a “rocha” capaz de esmagar todas as investidas e seduções do mal. A quaresma é o tempo de seguirmos este evangelho do primeiro domingo. É o momento de entrarmos no deserto. Ele é o lugar da provação, é a morada dos demônios, é o nosso campo de batalha, é onde vamos enfrentar as sugestões e seduções do mal alicerçados na Palavra de Deus.

O deserto, contudo, também é o lugar onde Deus se manifesta, onde os anjos nos servem e é o caminho para a Jerusalém verdadeira. É no deserto que o Cristo vence a sedução da vanglória, de abrir-se a uma glória desse mundo e de abandonar a glória do Pai. É no deserto que nós vamos sair vitoriosos, como Cristo, sobre o pensamento diabólico da vanglória, que é o mais sutil de todos os pensamentos diabólicos. Nós poderíamos condensar as três tentações de Cristo numa única tentação: a tentação da vanglória. A vanglória consiste em buscar a glória deste mundo; o elogio dos homens. O diabo busca fazer com que Cristo ceda diante desta tentação: ou transformando as pedras em pães só para mostrar o seu poder; ou se atirando do precipício para mostrar que é Filho de Deus; ou cedendo à idolatria para conseguir uma grande riqueza, da qual poderia vangloriar-se depois. No deserto nós nos confrontamos com os pensamentos diabólicos e os vamos desmascarando. No deserto aprendemos a lutar, sobretudo, com o pensamento da vanglória; aprendemos no deserto a buscar a verdadeira glória, a glória que Deus tem reservada para nós, mas isso nos será revelado no próximo domingo, com o evangelho da Transfiguração.

Entramos no deserto com Cristo armados com a sua Palavra para vencermos as sugestões e as tentações do maligno. O pecado sempre se insinua aos homens em primeiro lugar no pensamento, como uma sugestão muito sutil. Vimos isso na primeira leitura. Foi assim que nossos primeiros pais pecaram. A serpente não os obriga ao pecado, mas os sugestiona, os faz pensar que contrariar a vontade de Deus seria melhor. Pela desobediência o homem atrai sobre si e sobre toda a humanidade o sofrimento e a morte.

A segunda leitura nos fala justamente sobre isso: “pela desobediência de um só homem toda a humanidade foi estabelecida numa situação de pecado”. Às vezes as pessoas nos perguntam sobre a origem do mal e da morte. Nos perguntam o porquê de tantos sofrimentos. Aqui esta hoje a resposta para nós. Estava nas mãos dos nossos primeiros pais no paraíso escolher a morte ou a vida; a obediência ou a desobediência. Deus, no seu infinito amor criou o homem com livre arbítrio podendo decidir entre o caminho da liberdade, escolhendo a Deus como seu Senhor, ou o caminho da escravidão, fazendo opção pelo pecado. O homem semeou na carne, como diz Paulo na carta aos Gálatas, o homem escolheu o pecado, e por isso colheu a corrupção, colheu como fruto da sua escolha o sofrimento e a morte. A desobediência nos conduziu para a morte. Mas, existe uma boa nova para nós. Se a desobediência de um só homem trouxe a todos a morte, a obediência de um só trouxe para todos a vida verdadeira, uma vida a qual nós não tínhamos direito, a vida que Deus tem reservada para nós.

Como entrar no caminho da vida? Entramos no caminho da vida obedecendo. Assim como Cristo nos abriu o caminho para a vida pela sua obediência, também nós recebemos a vida que Cristo conquistou para nós obedecendo. E obedecer significa ouvir. Obedecer vem do latim ob-audire. Precisamos ouvir a Deus. Como rezamos no Salmo 94: “Hoje se ouvirdes a voz de Deus, não endureçais os vossos corações.” Hoje a voz de Deus nos fala pela Palavra que ouvimos, não endureçamos os nossos corações. Ouçamos a voz de Deus que nos chama e sigamos o Cristo no seu deserto. Sejamos obedientes como Ele o foi e entremos confiantes de que venceremos as seduções do mal se estivermos firmados na Palavra de Deus. Sigamos a Cristo no seu deserto para entrarmos com Ele na Jerusalém Celeste. Mas, saibamos desde já que este é o caminho da cruz. A obediência de Cristo o conduziu até a cruz. Também lá nós chegaremos, nela subiremos, entraremos no mistério da morte, mas sairemos da morte para a vida vitoriosos com Cristo.



[1] A palavra hebraica para deserto é midbar, um termo composto por um prefixo privativo mi e pelo termo dabar, que significa “palavra”.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Tempo favorável

03/03/2017 12:17 - Atualizado em 03/03/2017 12:17

Existe um hino do Ofício Divino para a quaresma que diz assim: “Agora é tempo favorável, divino dom da Providência, para curar o mundo enfermo com um remédio, a penitência.” Deus hoje nos dirige a sua Palavra e nos diz que este é o tempo favorável. A quaresma é o tempo que Deus reserva para nos curar de maneira ainda mais intensa com um remédio: a penitência. A penitência não é castigo e, sim, cura. Cura das paixões da nossa alma, que turvam a nossa mente e a nossa visão e nos impedem de seguir livres o Deus verdadeiro.

Nestes dias de quaresma nós queremos entrar no deserto com Cristo. A Palavra de Deus noz diz que o Espírito conduziu Jesus ao deserto para ser tentado pelo diabo. A quaresma é uma imitação desse deserto de Cristo. É no deserto, “lugar sem palavra[1], segundo a etimologia do termo em hebraico, onde a vida parece impossível, que nós vamos aprender a viver da Palavra de Deus. Jesus vence as seduções do demônio pelo poder da Palavra de Deus e inaugura para nós um método espiritual para vencermos o maligno e suas seduções. Trata-se de respondermos às investidas e insinuações diabólicas com a força da Palavra Divina.

Os maus pensamentos, as sugestões diabólicas, devem ser quebradas, assim que nascem, de encontro a Cristo, que é a “rocha” capaz de esmagar todas as investidas e seduções do mal. A quaresma é o tempo de seguirmos este evangelho do primeiro domingo. É o momento de entrarmos no deserto. Ele é o lugar da provação, é a morada dos demônios, é o nosso campo de batalha, é onde vamos enfrentar as sugestões e seduções do mal alicerçados na Palavra de Deus.

O deserto, contudo, também é o lugar onde Deus se manifesta, onde os anjos nos servem e é o caminho para a Jerusalém verdadeira. É no deserto que o Cristo vence a sedução da vanglória, de abrir-se a uma glória desse mundo e de abandonar a glória do Pai. É no deserto que nós vamos sair vitoriosos, como Cristo, sobre o pensamento diabólico da vanglória, que é o mais sutil de todos os pensamentos diabólicos. Nós poderíamos condensar as três tentações de Cristo numa única tentação: a tentação da vanglória. A vanglória consiste em buscar a glória deste mundo; o elogio dos homens. O diabo busca fazer com que Cristo ceda diante desta tentação: ou transformando as pedras em pães só para mostrar o seu poder; ou se atirando do precipício para mostrar que é Filho de Deus; ou cedendo à idolatria para conseguir uma grande riqueza, da qual poderia vangloriar-se depois. No deserto nós nos confrontamos com os pensamentos diabólicos e os vamos desmascarando. No deserto aprendemos a lutar, sobretudo, com o pensamento da vanglória; aprendemos no deserto a buscar a verdadeira glória, a glória que Deus tem reservada para nós, mas isso nos será revelado no próximo domingo, com o evangelho da Transfiguração.

Entramos no deserto com Cristo armados com a sua Palavra para vencermos as sugestões e as tentações do maligno. O pecado sempre se insinua aos homens em primeiro lugar no pensamento, como uma sugestão muito sutil. Vimos isso na primeira leitura. Foi assim que nossos primeiros pais pecaram. A serpente não os obriga ao pecado, mas os sugestiona, os faz pensar que contrariar a vontade de Deus seria melhor. Pela desobediência o homem atrai sobre si e sobre toda a humanidade o sofrimento e a morte.

A segunda leitura nos fala justamente sobre isso: “pela desobediência de um só homem toda a humanidade foi estabelecida numa situação de pecado”. Às vezes as pessoas nos perguntam sobre a origem do mal e da morte. Nos perguntam o porquê de tantos sofrimentos. Aqui esta hoje a resposta para nós. Estava nas mãos dos nossos primeiros pais no paraíso escolher a morte ou a vida; a obediência ou a desobediência. Deus, no seu infinito amor criou o homem com livre arbítrio podendo decidir entre o caminho da liberdade, escolhendo a Deus como seu Senhor, ou o caminho da escravidão, fazendo opção pelo pecado. O homem semeou na carne, como diz Paulo na carta aos Gálatas, o homem escolheu o pecado, e por isso colheu a corrupção, colheu como fruto da sua escolha o sofrimento e a morte. A desobediência nos conduziu para a morte. Mas, existe uma boa nova para nós. Se a desobediência de um só homem trouxe a todos a morte, a obediência de um só trouxe para todos a vida verdadeira, uma vida a qual nós não tínhamos direito, a vida que Deus tem reservada para nós.

Como entrar no caminho da vida? Entramos no caminho da vida obedecendo. Assim como Cristo nos abriu o caminho para a vida pela sua obediência, também nós recebemos a vida que Cristo conquistou para nós obedecendo. E obedecer significa ouvir. Obedecer vem do latim ob-audire. Precisamos ouvir a Deus. Como rezamos no Salmo 94: “Hoje se ouvirdes a voz de Deus, não endureçais os vossos corações.” Hoje a voz de Deus nos fala pela Palavra que ouvimos, não endureçamos os nossos corações. Ouçamos a voz de Deus que nos chama e sigamos o Cristo no seu deserto. Sejamos obedientes como Ele o foi e entremos confiantes de que venceremos as seduções do mal se estivermos firmados na Palavra de Deus. Sigamos a Cristo no seu deserto para entrarmos com Ele na Jerusalém Celeste. Mas, saibamos desde já que este é o caminho da cruz. A obediência de Cristo o conduziu até a cruz. Também lá nós chegaremos, nela subiremos, entraremos no mistério da morte, mas sairemos da morte para a vida vitoriosos com Cristo.



[1] A palavra hebraica para deserto é midbar, um termo composto por um prefixo privativo mi e pelo termo dabar, que significa “palavra”.

Padre Fábio Siqueira
Autor

Padre Fábio Siqueira

Vice-diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida