Arquidiocese do Rio de Janeiro

37º 23º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 16/12/2018

16 de Dezembro de 2018

Campanha da Fraternidade

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

16 de Dezembro de 2018

Campanha da Fraternidade

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

23/02/2017 13:57 - Atualizado em 23/02/2017 13:57

Campanha da Fraternidade 0

23/02/2017 13:57 - Atualizado em 23/02/2017 13:57

Com a Quarta-feira de Cinzas, iniciando a Quaresma, no Brasil nós também iniciamos a Campanha da Fraternidade, que é um modo de concretizar socialmente a nossa conversão quaresmal. A Campanha da Fraternidade (CF) teve a inspiração inicial no ano de 1962, em Natal (RN), com adesão de outras três dioceses e apoio financeiro dos bispos norte-americanos, numa feliz iniciativa de nosso venerando predecessor, o Cardeal Eugenio de Araújo Sales. No ano seguinte, dezesseis dioceses do Nordeste realizaram a Campanha.

Na época, o responsável pelo Secretariado Social da CNBB era Dom Eugênio de Araújo Sales, que era também o presidente da Caritas Brasileira. O fato de ter sido Administrador Apostólico de Natal (RN) neste período, explica que a Campanha tenha iniciado naquela circunscrição eclesiástica e em todo o Rio Grande do Norte.

A Campanha da Fraternidade foi lançada em âmbito nacional no dia 26 de dezembro de 1963, sob o impulso renovador do espírito do Concílio Ecumênico Vaticano II, em andamento na época, e realizado pela primeira vez na Quaresma de 1964. O tempo do Concílio foi fundamental para a concepção, estruturação e encaminhamentos da CF, do Plano de Pastoral de Emergência, do Plano de Pastoral de Conjunto e de outras iniciativas de renovação eclesial.

Inicialmente, os temas da Campanha da Fraternidade comtemplavam a vida interna da Igreja. A primeira etapa da CF, se podemos assim dizer, falava da renovação da Igreja e da renovação do cristão (nos anos 1964 até 1972). Na segunda etapa (nos anos 1973 até 1984), a Igreja se preocupa com a realidade social do povo, denunciando o pecado social e promovendo a justiça (Vaticano II, Medellín e Puebla). Na terceira fase (nos anos 1985 até o presente momento), a Igreja se volta para situações existenciais do povo brasileiro.

A Campanha da Fraternidade acontece sempre no tempo forte da Quaresma, como já dito. Neste tempo litúrgico, a prática da esmola, da oração, do jejum, a conversão e a Campanha da Fraternidade tornam-se oportunidades de experimentar a espiritualidade pascal capaz de gerar, ao mesmo tempo, a conversão pessoal, comunitária e social. A Campanha da Fraternidade de 2017 se apresenta como um instrumento à disposição das comunidades cristãs e de todas as pessoas de boa vontade para enfrentar, com consciência. O lema da CF deste ano é: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15), com o tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”.

“Um Bioma é um conjunto de vida (animal e vegetal) constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, o que resulta em uma diversidade biológica própria”. (IBGE. Mapa de Biomas e de Vegetação, 2004. Disponível em: http://w.w.wibge.gov.br/home/presidencia/noticias/21052004biomashtml.shtm . Acesso em: 08/02/2017). Só no Brasil temos seis biomas: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga e o Pampa. Nesses biomas vivem pessoas, povos, resultantes da imensa miscigenação brasileira.

Podemos nos perguntar: mas por que estamos trabalhando este tema na Campanha da Fraternidade, se este tema está mais ligado às questões de Geografia e Biologia? Estamos trabalhando justamente este tema, pois ele fala da natureza, e natureza e meio ambiente são obras da criação. O tema da Campanha da Fraternidade deste ano está em grande consonância com a Carta Encíclica Laudato Si’. “A proposta ecológica do Papa é integral, entrelaçando todas as dimensões do ser humano com a natureza. Para ele, cada criatura tem sua mensagem, que precisa ser respeitada e entendida. Mas todas elas estão interligadas. Toda a Laudato Si’ é um hino de espanto maravilhado diante da natureza criada, que nos fala de Deus, que é um dom de Deus, da qual somos zeladores e cultivadores. O Papa Francisco também nos coloca diante dos desafios colossais enfrentados pela humanidade, que está em uma verdadeira encruzilhada, em uma mudança de época”. (Texto Base da Campanha da Fraternidade 2017, n.8).

O objetivo geral da Campanha da Fraternidade é cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Queremos, é claro, através da Campanha da Fraternidade, motivar a Igreja e a sociedade brasileira para que tenham maior atenção e cuidado com o meio ambiente. Cuidar do meio ambiente é cuidar das obras da criação. Assim, meus irmãos, vivamos bem a proposta da Campanha da Fraternidade 2017.

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Campanha da Fraternidade

23/02/2017 13:57 - Atualizado em 23/02/2017 13:57

Com a Quarta-feira de Cinzas, iniciando a Quaresma, no Brasil nós também iniciamos a Campanha da Fraternidade, que é um modo de concretizar socialmente a nossa conversão quaresmal. A Campanha da Fraternidade (CF) teve a inspiração inicial no ano de 1962, em Natal (RN), com adesão de outras três dioceses e apoio financeiro dos bispos norte-americanos, numa feliz iniciativa de nosso venerando predecessor, o Cardeal Eugenio de Araújo Sales. No ano seguinte, dezesseis dioceses do Nordeste realizaram a Campanha.

Na época, o responsável pelo Secretariado Social da CNBB era Dom Eugênio de Araújo Sales, que era também o presidente da Caritas Brasileira. O fato de ter sido Administrador Apostólico de Natal (RN) neste período, explica que a Campanha tenha iniciado naquela circunscrição eclesiástica e em todo o Rio Grande do Norte.

A Campanha da Fraternidade foi lançada em âmbito nacional no dia 26 de dezembro de 1963, sob o impulso renovador do espírito do Concílio Ecumênico Vaticano II, em andamento na época, e realizado pela primeira vez na Quaresma de 1964. O tempo do Concílio foi fundamental para a concepção, estruturação e encaminhamentos da CF, do Plano de Pastoral de Emergência, do Plano de Pastoral de Conjunto e de outras iniciativas de renovação eclesial.

Inicialmente, os temas da Campanha da Fraternidade comtemplavam a vida interna da Igreja. A primeira etapa da CF, se podemos assim dizer, falava da renovação da Igreja e da renovação do cristão (nos anos 1964 até 1972). Na segunda etapa (nos anos 1973 até 1984), a Igreja se preocupa com a realidade social do povo, denunciando o pecado social e promovendo a justiça (Vaticano II, Medellín e Puebla). Na terceira fase (nos anos 1985 até o presente momento), a Igreja se volta para situações existenciais do povo brasileiro.

A Campanha da Fraternidade acontece sempre no tempo forte da Quaresma, como já dito. Neste tempo litúrgico, a prática da esmola, da oração, do jejum, a conversão e a Campanha da Fraternidade tornam-se oportunidades de experimentar a espiritualidade pascal capaz de gerar, ao mesmo tempo, a conversão pessoal, comunitária e social. A Campanha da Fraternidade de 2017 se apresenta como um instrumento à disposição das comunidades cristãs e de todas as pessoas de boa vontade para enfrentar, com consciência. O lema da CF deste ano é: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15), com o tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”.

“Um Bioma é um conjunto de vida (animal e vegetal) constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, o que resulta em uma diversidade biológica própria”. (IBGE. Mapa de Biomas e de Vegetação, 2004. Disponível em: http://w.w.wibge.gov.br/home/presidencia/noticias/21052004biomashtml.shtm . Acesso em: 08/02/2017). Só no Brasil temos seis biomas: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga e o Pampa. Nesses biomas vivem pessoas, povos, resultantes da imensa miscigenação brasileira.

Podemos nos perguntar: mas por que estamos trabalhando este tema na Campanha da Fraternidade, se este tema está mais ligado às questões de Geografia e Biologia? Estamos trabalhando justamente este tema, pois ele fala da natureza, e natureza e meio ambiente são obras da criação. O tema da Campanha da Fraternidade deste ano está em grande consonância com a Carta Encíclica Laudato Si’. “A proposta ecológica do Papa é integral, entrelaçando todas as dimensões do ser humano com a natureza. Para ele, cada criatura tem sua mensagem, que precisa ser respeitada e entendida. Mas todas elas estão interligadas. Toda a Laudato Si’ é um hino de espanto maravilhado diante da natureza criada, que nos fala de Deus, que é um dom de Deus, da qual somos zeladores e cultivadores. O Papa Francisco também nos coloca diante dos desafios colossais enfrentados pela humanidade, que está em uma verdadeira encruzilhada, em uma mudança de época”. (Texto Base da Campanha da Fraternidade 2017, n.8).

O objetivo geral da Campanha da Fraternidade é cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Queremos, é claro, através da Campanha da Fraternidade, motivar a Igreja e a sociedade brasileira para que tenham maior atenção e cuidado com o meio ambiente. Cuidar do meio ambiente é cuidar das obras da criação. Assim, meus irmãos, vivamos bem a proposta da Campanha da Fraternidade 2017.

 

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro