Arquidiocese do Rio de Janeiro

30º 18º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 29/03/2017

29 de Março de 2017

A Palavra de Deus na Bíblia (82): Interpretação e tradução da Bíblia

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

29 de Março de 2017

A Palavra de Deus na Bíblia (82): Interpretação e tradução da Bíblia

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

10/02/2017 15:21 - Atualizado em 10/02/2017 15:21

A Palavra de Deus na Bíblia (82): Interpretação e tradução da Bíblia 0

10/02/2017 15:21 - Atualizado em 10/02/2017 15:21

Neste artigo avançamos para a conclusão de nossas exposições sobre um documento eclesial tão importante. A exegese e a interpretação bíblica na Igreja! Houve já ocasião de perceber a indispensável relação entre a ‘boa’ leitura e a compreensão das Escrituras em todos os campos da vida eclesial. Ler a Bíblia no seio da viva tradição da Comunidade dos Crentes, animada pelos apóstolos e seus sucessores.

IV. INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA NA VIDA DA IGREJA

Tarefa particular dos exegetas, a interpretação da Bíblia mesmo assim não lhes pertence como um monopólio, pois na Igreja essa interpretação apresenta aspectos que vão além da análise científica dos textos. A Igreja, efetivamente, não considera a Bíblia simplesmente como um conjunto de documentos históricos concernentes às suas origens; acolhe-a como Palavra de Deus que se dirige a ela e ao mundo inteiro no tempo presente. Esta convicção de fé tem como consequência a prática da atualização e da enculturação da mensagem bíblica, assim como os diversos modos de utilização dos textos inspirados, na liturgia, a “lectio divina”, o ministério pastoral e o movimento ecumênico1.

Desde o início a Pontifícia Comissão Bíblica acentua a tarefa de toda a Igreja diante das Sagradas Escrituras, aquela de acolher pelos dons do Espírito e das ferramentas da ciência, a mensagem sempre nova da Revelação. Destaca-se que mesmo não sendo exclusiva, a tarefa dos exegetas permanece primordial: ‘tarefa particular dos exegetas, a interpretação da Bíblia mesmo assim não lhes pertence como um monopólio’. Mas, não somos nós a única (monopólio) voz ou forma de inteligência a desvelar os significados sempre atuais da Palavra de Deus.

A comissão também alerta aos exegetas que não tratem a Bíblia, em particular o Novo Testamento, como ‘um conjunto de documentos históricos concernentes às suas origens’, do qual se extrai somente ‘informação’ sobre o passado.

Destas premissas surgem novas e permanentes tarefas eclesiais.

Inicialmente trata-se da ‘prática da atualização e da enculturação da mensagem bíblica’. Se a Bíblia não é exclusivamente um documento ou fonte histórica para a consciência da Igreja, dela a comunidade deve haurir conhecimento de Deus para cada primavera de sua longa jornada sobre a Terra. A atualização, que já tratamos anteriormente, não é um capricho de exegetas e literatos, é uma exigência da natureza mesma da mensagem Divina: ‘E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura’ (Mc 16,15).

Neste mandato de Cristo aos apóstolos, não corre somente a exigência da extensão (por todo o mundo... a toda criatura!), mas do tempo, como observamos marcadamente na tradição Mateana: ‘Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém’. (Mt 28,20).

A Igreja recebeu o encargo de explicitar em cada tempo de sua trajetória missionária a verdade sempre ‘fresca’ do Evangelho, de modo que nunca falte aos seus contemporâneos a inteligência da Revelação neste tempo que se chama ‘Hoje’: “Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama ‘Hoje’, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado” (Hbr 3,13).

O documento enfatiza ainda, neste âmbito, delicada competência de exercer um magistério universal (católico) no âmbito das realidades particulares (culturas), do ambiente mais humano que possa existir, a cultura.

Como são felizes, a este respeito, as palavras inauguradoras do saudoso Papa, São João Paulo II, em sua primeira Encíclica “Redemptor Hominis” (“O Redentor do Homem”) no longínquo ano de 1979:

O Redentor do homem, Jesus Cristo, é o centro do cosmos e da história. Para Ele se dirigem o meu pensamento e o meu coração nesta hora solene da história, que a Igreja e a inteira família da humanidade contemporânea estão a viver. Efetivamente, este tempo, no qual, depois do predileto predecessor João Paulo I, por um seu misterioso desígnio Deus me confiou o serviço universal ligado com a Cátedra de São Pedro em Roma, está muito próximo já do ano 2000. É difícil dizer, neste momento, o que aquele ano virá a marcar no quadrante da história humana, e como é que ele virá a ser para cada um dos povos, nações, países e continentes, muito embora se tente, já desde agora, prever alguns eventos. Para a Igreja, para o Povo de Deus que se estendeu — se bem que de maneira desigual — até aos mais longínquos confins da Terra, esse ano virá a ser o ano de um grande jubileu. Estamos já, portanto, a aproximar-nos de tal data que — respeitando embora todas as correções devidas à exatidão cronológica — nos recordará e renovará em nós de uma maneira particular a consciência da verdade-chave da fé, expressa por São João nos inícios do seu Evangelho: “O Verbo fez-se carne e veio habitar entre nós”; e numa outra passagem, “Deus, de fato, amou de tal modo o mundo, que lhe deu o Seu filho unigênito, para que tudo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”.2

Vivia-se a atmosfera de expectativa do Grande Jubileu do Cristianismo, uma ocasião para celebração da Renovação Eclesial, do diálogo com as culturas, de aproximação de todas as esferas da arte, da filosofia e das ciências, na construção conjunta de uma comunidade humana, mais justa e fraterna.

Estamos também nós, de alguma maneira, no tempo de um novo Advento, que é tempo de expectativa. “Deus, depois de ter falado outrora aos nossos pais, muitas vezes e de muitos modos, pelos profetas, falou-nos nestes últimos tempos pelo Filho...”, por meio do Filho-Verbo, que se fez homem e nasceu da Virgem Maria. Com este ato redentor a história do homem atingiu no desígnio de amor de Deus, o seu vértice. Deus entrou na história da humanidade e, enquanto homem tornou-se sujeito à mesma, um dos milhares de milhões e, ao mesmo tempo, Único! Deus, através da Encarnação, deu à vida humana aquela dimensão, que intentava dar ao homem já desde o seu primeiro início e deu-lha de maneira definitiva — daquele modo a Ele somente peculiar, segundo o seu eterno amor e a sua misericórdia, com toda a divina liberdade — e, simultaneamente, com aquela munificência, que, perante o pecado original e toda a história dos pecados da humanidade e perante os erros da inteligência, da vontade e do coração humano, nos dá azo a repetir com assombro as palavras da Sagrada Liturgia: “Ó ditosa culpa, que tal e tão grande Redentor mereceu ter”.

Referências:

1http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/pcb_documents/rc_con_cfaith_doc_19930415_interpretazione_po.html#IV

2http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_04031979_redemptor-hominis.html.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

A Palavra de Deus na Bíblia (82): Interpretação e tradução da Bíblia

10/02/2017 15:21 - Atualizado em 10/02/2017 15:21

Neste artigo avançamos para a conclusão de nossas exposições sobre um documento eclesial tão importante. A exegese e a interpretação bíblica na Igreja! Houve já ocasião de perceber a indispensável relação entre a ‘boa’ leitura e a compreensão das Escrituras em todos os campos da vida eclesial. Ler a Bíblia no seio da viva tradição da Comunidade dos Crentes, animada pelos apóstolos e seus sucessores.

IV. INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA NA VIDA DA IGREJA

Tarefa particular dos exegetas, a interpretação da Bíblia mesmo assim não lhes pertence como um monopólio, pois na Igreja essa interpretação apresenta aspectos que vão além da análise científica dos textos. A Igreja, efetivamente, não considera a Bíblia simplesmente como um conjunto de documentos históricos concernentes às suas origens; acolhe-a como Palavra de Deus que se dirige a ela e ao mundo inteiro no tempo presente. Esta convicção de fé tem como consequência a prática da atualização e da enculturação da mensagem bíblica, assim como os diversos modos de utilização dos textos inspirados, na liturgia, a “lectio divina”, o ministério pastoral e o movimento ecumênico1.

Desde o início a Pontifícia Comissão Bíblica acentua a tarefa de toda a Igreja diante das Sagradas Escrituras, aquela de acolher pelos dons do Espírito e das ferramentas da ciência, a mensagem sempre nova da Revelação. Destaca-se que mesmo não sendo exclusiva, a tarefa dos exegetas permanece primordial: ‘tarefa particular dos exegetas, a interpretação da Bíblia mesmo assim não lhes pertence como um monopólio’. Mas, não somos nós a única (monopólio) voz ou forma de inteligência a desvelar os significados sempre atuais da Palavra de Deus.

A comissão também alerta aos exegetas que não tratem a Bíblia, em particular o Novo Testamento, como ‘um conjunto de documentos históricos concernentes às suas origens’, do qual se extrai somente ‘informação’ sobre o passado.

Destas premissas surgem novas e permanentes tarefas eclesiais.

Inicialmente trata-se da ‘prática da atualização e da enculturação da mensagem bíblica’. Se a Bíblia não é exclusivamente um documento ou fonte histórica para a consciência da Igreja, dela a comunidade deve haurir conhecimento de Deus para cada primavera de sua longa jornada sobre a Terra. A atualização, que já tratamos anteriormente, não é um capricho de exegetas e literatos, é uma exigência da natureza mesma da mensagem Divina: ‘E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda criatura’ (Mc 16,15).

Neste mandato de Cristo aos apóstolos, não corre somente a exigência da extensão (por todo o mundo... a toda criatura!), mas do tempo, como observamos marcadamente na tradição Mateana: ‘Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém’. (Mt 28,20).

A Igreja recebeu o encargo de explicitar em cada tempo de sua trajetória missionária a verdade sempre ‘fresca’ do Evangelho, de modo que nunca falte aos seus contemporâneos a inteligência da Revelação neste tempo que se chama ‘Hoje’: “Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama ‘Hoje’, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado” (Hbr 3,13).

O documento enfatiza ainda, neste âmbito, delicada competência de exercer um magistério universal (católico) no âmbito das realidades particulares (culturas), do ambiente mais humano que possa existir, a cultura.

Como são felizes, a este respeito, as palavras inauguradoras do saudoso Papa, São João Paulo II, em sua primeira Encíclica “Redemptor Hominis” (“O Redentor do Homem”) no longínquo ano de 1979:

O Redentor do homem, Jesus Cristo, é o centro do cosmos e da história. Para Ele se dirigem o meu pensamento e o meu coração nesta hora solene da história, que a Igreja e a inteira família da humanidade contemporânea estão a viver. Efetivamente, este tempo, no qual, depois do predileto predecessor João Paulo I, por um seu misterioso desígnio Deus me confiou o serviço universal ligado com a Cátedra de São Pedro em Roma, está muito próximo já do ano 2000. É difícil dizer, neste momento, o que aquele ano virá a marcar no quadrante da história humana, e como é que ele virá a ser para cada um dos povos, nações, países e continentes, muito embora se tente, já desde agora, prever alguns eventos. Para a Igreja, para o Povo de Deus que se estendeu — se bem que de maneira desigual — até aos mais longínquos confins da Terra, esse ano virá a ser o ano de um grande jubileu. Estamos já, portanto, a aproximar-nos de tal data que — respeitando embora todas as correções devidas à exatidão cronológica — nos recordará e renovará em nós de uma maneira particular a consciência da verdade-chave da fé, expressa por São João nos inícios do seu Evangelho: “O Verbo fez-se carne e veio habitar entre nós”; e numa outra passagem, “Deus, de fato, amou de tal modo o mundo, que lhe deu o Seu filho unigênito, para que tudo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”.2

Vivia-se a atmosfera de expectativa do Grande Jubileu do Cristianismo, uma ocasião para celebração da Renovação Eclesial, do diálogo com as culturas, de aproximação de todas as esferas da arte, da filosofia e das ciências, na construção conjunta de uma comunidade humana, mais justa e fraterna.

Estamos também nós, de alguma maneira, no tempo de um novo Advento, que é tempo de expectativa. “Deus, depois de ter falado outrora aos nossos pais, muitas vezes e de muitos modos, pelos profetas, falou-nos nestes últimos tempos pelo Filho...”, por meio do Filho-Verbo, que se fez homem e nasceu da Virgem Maria. Com este ato redentor a história do homem atingiu no desígnio de amor de Deus, o seu vértice. Deus entrou na história da humanidade e, enquanto homem tornou-se sujeito à mesma, um dos milhares de milhões e, ao mesmo tempo, Único! Deus, através da Encarnação, deu à vida humana aquela dimensão, que intentava dar ao homem já desde o seu primeiro início e deu-lha de maneira definitiva — daquele modo a Ele somente peculiar, segundo o seu eterno amor e a sua misericórdia, com toda a divina liberdade — e, simultaneamente, com aquela munificência, que, perante o pecado original e toda a história dos pecados da humanidade e perante os erros da inteligência, da vontade e do coração humano, nos dá azo a repetir com assombro as palavras da Sagrada Liturgia: “Ó ditosa culpa, que tal e tão grande Redentor mereceu ter”.

Referências:

1http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/pcb_documents/rc_con_cfaith_doc_19930415_interpretazione_po.html#IV

2http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_04031979_redemptor-hominis.html.

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos
Autor

Padre Pedro Paulo Alves dos Santos

Doutor em Teologia Bíblica