Arquidiocese do Rio de Janeiro

27º 15º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 24/07/2017

24 de Julho de 2017

Solidariedade às famílias nas terras de São Sebastião

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

24 de Julho de 2017

Solidariedade às famílias nas terras de São Sebastião

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

08/01/2017 00:00 - Atualizado em 09/01/2017 12:29

Solidariedade às famílias nas terras de São Sebastião 0

08/01/2017 00:00 - Atualizado em 09/01/2017 12:29

Na mensagem para o Dia Mundial da Paz deste ano, o Papa Francisco anunciou o princípio da missão de um novo dicastério: “No dia 1º de janeiro de 2017, nasce o novo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, que ajudará a Igreja a promover, de modo cada vez mais eficaz, «os bens incomensuráveis da justiça, da paz e da salvaguarda da criação» e da solicitude pelos migrantes, «os necessitados, os doentes e os excluídos, os marginalizados e as vítimas dos conflitos armados e das catástrofes naturais, os reclusos, os desempregados e as vítimas de toda e qualquer forma de escravidão e de tortura». Toda a ação nesta linha, ainda que modesta, contribui para construir um mundo livre da violência, o primeiro passo para a justiça e a paz”. A preocupação com a situação de exclusão e pobreza tem sido constante do Papa Francisco.

Temos que fomentar essas virtudes que, juntamente com a salvação, nos ajudam a servir bem a Deus e ao próximo. A grande virtude é o amor e a caridade. A caridade leva-nos a compreender, a desculpar, a conviver com todos, de maneira que aqueles que pensam ou atuam de um modo diferente do nosso em matéria social, política ou mesmo religiosa, devem ser objeto também do nosso respeito e do nosso apreço. Esta caridade e esta benignidade não se devem converter, de forma alguma, em indiferença no tocante à verdade e ao bem; mais ainda, a verdade que salva. Mas é necessário distinguir entre o erro, que sempre deve ser evitado, e o homem que erra, pois este conserva a dignidade da pessoa mesmo quando está dominado por ideias falsas, insuficientes em matéria religiosa.

A caridade incita-nos à oração, à exemplaridade, ao apostolado, à correção fraterna, confiando em que todo o homem é capaz de retificar os seus erros. Se vez por outra as ofensas, as injúrias, as calunias forem particularmente dolorosas, pediremos ajuda a Nossa Senhora, que contemplamos frequentemente ao pé da Cruz, sentindo muito de perto todas as infâmias contra o seu Filho; grande parte daquelas injúrias, não o esqueçamos, saíram dos nossos lábios e das nossas ações. Os agravos que nos fazem hão de doer-nos, sobretudo pela ofensa a Deus que representam e pelo mal que podem ocasionar a outras pessoas, e hão de mover-nos a desagravar a Deus e a oferecer-lhe toda a reparação que pudermos.

O coração do Cristão tem de ser grande. A sua caridade, evidentemente, deve ser ordenada e, portanto, deve começar pelos mais próximos, pelas pessoas que, por vontade divina, estão à sua volta. No entanto, o seu afeto nunca pode ser excludente ou limitar-se a âmbitos reduzidos. O Senhor não quer um apostolado de horizontes estreitos. A atitude do Cristão, a sua convivência com todos, deve ser como uma generosa torrente de carinho sobrenatural e de cordialidade humana, que banha tudo à sua passagem.

As cartas do Apostólo João insistem no mesmo aspecto catequético, e, com clareza apostólica, afirmam que aquele que diz amar a Deus e não amar a seus irmãos é um mentiroso. E continuam: que é muito fácil proclamar que amamos a Deus, a quem não vemos, mas se desprezamos os irmãos que estão a nosso lado, onde está a caridade, onde está o amor? (1Jo.4,20).

São Paulo, na sua Carta aos Coríntios (Coríntios 13), proclama e exalta a caridade. Quase sabemos de cor o texto maravilhoso. Somos levados a interpretar esse hino como o amor ao Pai Celeste. Mas, o apostólo fala da excelência do amor entre os irmãos. Ainda que eu falasse todas as línguas dos anjos, ou tivesse toda a ciência, sem a caridade seria um bronze que soa e cujo som se perde nas quebradas dos montes. Logo a seguir nos ensina em que consiste a caridade: na paciência, na humildade, no fazer o bem, na longanimidade, na partilha da dor e da alegria com os irmãos, no perdão tão difícil. E conclui pela perenidade do amor e da caridade. Tudo cessa quando vier a perfeição, exceto a caridade, pela qual seremos medidos.

Documentos não faltam para colocar em pauta que a consequência do amor a Deus e ao próximo é a caridade, que se concretiza em ações de quem ama o seu próximo. Na festa de São Sebastião sempre temos a ação social, com o recolhimento de alimentos para os necessitados. Em geral, o fazemos na procissão, porém, dependendo da ocasião, durante toda a Trezena.

A própria Trezena marca esse gesto com algumas visitas específicas a locais que estão ligados à caridade social: teremos, ao longo destes treze dias em que festejamos o nosso padroeiro, várias visitas em basílicas, paróquias e capelas, mas teremos as visitas que marcam a questão social e caritativa. São elas: casa Betânia - Asilo Orionita, hospital Federal de Bonsucesso, Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Hospital HFAG, Casa Gerontológica da Aeronáutica, Centro de sócioeducação Dom Bosco – DEGASE, Centro de sócioeducação Prof. Antônio Carlos Gomes da Costa – DEGASE, Escola João Luís Alves, Hospital da Gamboa, Santa Casa de Misericórdia, Hospital Naval Nossa Senhora da Glória, Associação Beneficente São Martinho, Inca (Instituto Nacional do Câncer), Hospital Central do Exército, Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), Casa de Idosos Socorrinho, Hospital Mario Kroeff, Casa Geriátrica, Hospital São Vicente, Hospital da PMERJ, Educandário Santo Expedito, DEGASE, Presídio Talavera Bruce (feminino), Complexo Penitenciário de Gericinó, Comunidade das Irmãs de Calcutá, Hospital Marcílio Dias, Secretaria de Segurança Pública e Missa na Casa do Padre.

Portanto, queremos que estes dias da Trezena sejam marcados pela celebração e sejam assim ressaltadas três atitudes: o amor, a misericórdia e a caridade. É claro que, ao exercitarmos estas três atitudes, aumenta em nós o dom da fé. Que São Sebastião nos ilumine nesta caminhada da Trezena e nos ajude a plantar o amor, a viver a misericórdia e a testemunhar vivamente a caridade.

Ao iniciar a Trezena, lançaremos a Campanha de Solidariedade Especial, na qual pedimos o incremento das ofertas para a caridade social às paróquias para fazer frente às novas situações de necessidades que grassam em nossa cidade, como a questão do desemprego, a falta de pagamento dos salários, além das situações de miséria já existentes. “Somos solidários como São Sebastião”, que não hesitou de visitar os cárceres para ajudar os cristãos perseguidos. Agora é necessário esse socorro especial para minimizar a crise pela qual passam as pessoas. A Caritas da Arquidiocese coordenará esse trabalho. Cada Paróquia arrecada e distribui as cestas básicas para as pessoas que as necessitam em seu âmbito paroquial. O dinheiro depositado na conta da Caritas e a arrecadação da procissão de São Sebastião irão para algumas entidades que distribuem alimentos para os que o necessitam hoje.

Dessa forma, a nossa resposta capilarizada através das paróquias ajudará a tantas pessoas que passam por angústias diante da situação pessoal ou familiar. É uma tradição de a Igreja ir ao encontro das pessoas para socorrê-las. E isso sem distinção de religião ou situação familiar.

Dessa forma, a missão popular na festa de nosso padroeiro – “São Sebastião, padroeiro das famílias cariocas” – vai desabrochar e aumentar a dimensão com a solidariedade dos cristãos com as pessoas que sofrem, pois “somos solidários como São Sebastião”.

São Sebastião, rogai por nós!

 

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.

Solidariedade às famílias nas terras de São Sebastião

08/01/2017 00:00 - Atualizado em 09/01/2017 12:29

Na mensagem para o Dia Mundial da Paz deste ano, o Papa Francisco anunciou o princípio da missão de um novo dicastério: “No dia 1º de janeiro de 2017, nasce o novo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, que ajudará a Igreja a promover, de modo cada vez mais eficaz, «os bens incomensuráveis da justiça, da paz e da salvaguarda da criação» e da solicitude pelos migrantes, «os necessitados, os doentes e os excluídos, os marginalizados e as vítimas dos conflitos armados e das catástrofes naturais, os reclusos, os desempregados e as vítimas de toda e qualquer forma de escravidão e de tortura». Toda a ação nesta linha, ainda que modesta, contribui para construir um mundo livre da violência, o primeiro passo para a justiça e a paz”. A preocupação com a situação de exclusão e pobreza tem sido constante do Papa Francisco.

Temos que fomentar essas virtudes que, juntamente com a salvação, nos ajudam a servir bem a Deus e ao próximo. A grande virtude é o amor e a caridade. A caridade leva-nos a compreender, a desculpar, a conviver com todos, de maneira que aqueles que pensam ou atuam de um modo diferente do nosso em matéria social, política ou mesmo religiosa, devem ser objeto também do nosso respeito e do nosso apreço. Esta caridade e esta benignidade não se devem converter, de forma alguma, em indiferença no tocante à verdade e ao bem; mais ainda, a verdade que salva. Mas é necessário distinguir entre o erro, que sempre deve ser evitado, e o homem que erra, pois este conserva a dignidade da pessoa mesmo quando está dominado por ideias falsas, insuficientes em matéria religiosa.

A caridade incita-nos à oração, à exemplaridade, ao apostolado, à correção fraterna, confiando em que todo o homem é capaz de retificar os seus erros. Se vez por outra as ofensas, as injúrias, as calunias forem particularmente dolorosas, pediremos ajuda a Nossa Senhora, que contemplamos frequentemente ao pé da Cruz, sentindo muito de perto todas as infâmias contra o seu Filho; grande parte daquelas injúrias, não o esqueçamos, saíram dos nossos lábios e das nossas ações. Os agravos que nos fazem hão de doer-nos, sobretudo pela ofensa a Deus que representam e pelo mal que podem ocasionar a outras pessoas, e hão de mover-nos a desagravar a Deus e a oferecer-lhe toda a reparação que pudermos.

O coração do Cristão tem de ser grande. A sua caridade, evidentemente, deve ser ordenada e, portanto, deve começar pelos mais próximos, pelas pessoas que, por vontade divina, estão à sua volta. No entanto, o seu afeto nunca pode ser excludente ou limitar-se a âmbitos reduzidos. O Senhor não quer um apostolado de horizontes estreitos. A atitude do Cristão, a sua convivência com todos, deve ser como uma generosa torrente de carinho sobrenatural e de cordialidade humana, que banha tudo à sua passagem.

As cartas do Apostólo João insistem no mesmo aspecto catequético, e, com clareza apostólica, afirmam que aquele que diz amar a Deus e não amar a seus irmãos é um mentiroso. E continuam: que é muito fácil proclamar que amamos a Deus, a quem não vemos, mas se desprezamos os irmãos que estão a nosso lado, onde está a caridade, onde está o amor? (1Jo.4,20).

São Paulo, na sua Carta aos Coríntios (Coríntios 13), proclama e exalta a caridade. Quase sabemos de cor o texto maravilhoso. Somos levados a interpretar esse hino como o amor ao Pai Celeste. Mas, o apostólo fala da excelência do amor entre os irmãos. Ainda que eu falasse todas as línguas dos anjos, ou tivesse toda a ciência, sem a caridade seria um bronze que soa e cujo som se perde nas quebradas dos montes. Logo a seguir nos ensina em que consiste a caridade: na paciência, na humildade, no fazer o bem, na longanimidade, na partilha da dor e da alegria com os irmãos, no perdão tão difícil. E conclui pela perenidade do amor e da caridade. Tudo cessa quando vier a perfeição, exceto a caridade, pela qual seremos medidos.

Documentos não faltam para colocar em pauta que a consequência do amor a Deus e ao próximo é a caridade, que se concretiza em ações de quem ama o seu próximo. Na festa de São Sebastião sempre temos a ação social, com o recolhimento de alimentos para os necessitados. Em geral, o fazemos na procissão, porém, dependendo da ocasião, durante toda a Trezena.

A própria Trezena marca esse gesto com algumas visitas específicas a locais que estão ligados à caridade social: teremos, ao longo destes treze dias em que festejamos o nosso padroeiro, várias visitas em basílicas, paróquias e capelas, mas teremos as visitas que marcam a questão social e caritativa. São elas: casa Betânia - Asilo Orionita, hospital Federal de Bonsucesso, Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Hospital HFAG, Casa Gerontológica da Aeronáutica, Centro de sócioeducação Dom Bosco – DEGASE, Centro de sócioeducação Prof. Antônio Carlos Gomes da Costa – DEGASE, Escola João Luís Alves, Hospital da Gamboa, Santa Casa de Misericórdia, Hospital Naval Nossa Senhora da Glória, Associação Beneficente São Martinho, Inca (Instituto Nacional do Câncer), Hospital Central do Exército, Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), Casa de Idosos Socorrinho, Hospital Mario Kroeff, Casa Geriátrica, Hospital São Vicente, Hospital da PMERJ, Educandário Santo Expedito, DEGASE, Presídio Talavera Bruce (feminino), Complexo Penitenciário de Gericinó, Comunidade das Irmãs de Calcutá, Hospital Marcílio Dias, Secretaria de Segurança Pública e Missa na Casa do Padre.

Portanto, queremos que estes dias da Trezena sejam marcados pela celebração e sejam assim ressaltadas três atitudes: o amor, a misericórdia e a caridade. É claro que, ao exercitarmos estas três atitudes, aumenta em nós o dom da fé. Que São Sebastião nos ilumine nesta caminhada da Trezena e nos ajude a plantar o amor, a viver a misericórdia e a testemunhar vivamente a caridade.

Ao iniciar a Trezena, lançaremos a Campanha de Solidariedade Especial, na qual pedimos o incremento das ofertas para a caridade social às paróquias para fazer frente às novas situações de necessidades que grassam em nossa cidade, como a questão do desemprego, a falta de pagamento dos salários, além das situações de miséria já existentes. “Somos solidários como São Sebastião”, que não hesitou de visitar os cárceres para ajudar os cristãos perseguidos. Agora é necessário esse socorro especial para minimizar a crise pela qual passam as pessoas. A Caritas da Arquidiocese coordenará esse trabalho. Cada Paróquia arrecada e distribui as cestas básicas para as pessoas que as necessitam em seu âmbito paroquial. O dinheiro depositado na conta da Caritas e a arrecadação da procissão de São Sebastião irão para algumas entidades que distribuem alimentos para os que o necessitam hoje.

Dessa forma, a nossa resposta capilarizada através das paróquias ajudará a tantas pessoas que passam por angústias diante da situação pessoal ou familiar. É uma tradição de a Igreja ir ao encontro das pessoas para socorrê-las. E isso sem distinção de religião ou situação familiar.

Dessa forma, a missão popular na festa de nosso padroeiro – “São Sebastião, padroeiro das famílias cariocas” – vai desabrochar e aumentar a dimensão com a solidariedade dos cristãos com as pessoas que sofrem, pois “somos solidários como São Sebastião”.

São Sebastião, rogai por nós!

 

Cardeal Orani João Tempesta
Autor

Cardeal Orani João Tempesta

Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro