Arquidiocese do Rio de Janeiro

32º 20º

Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, 18/04/2019

18 de Abril de 2019

Paz na Terra aos de boa vontade

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do e-mail.
E-mail enviado com sucesso.

18 de Abril de 2019

Paz na Terra aos de boa vontade

Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo. O link da página será enviado automaticamente a ArqRio.

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do erro.
Erro relatado com sucesso, obrigado.

20/09/2013 15:26 - Atualizado em 20/09/2013 15:27

Paz na Terra aos de boa vontade 0

20/09/2013 15:26 - Atualizado em 20/09/2013 15:27

Paz na Terra aos de boa vontade / Arqrio

Com tantos eventos comemorativos, inclusive o Concílio Ecumênico Vaticano II convocado pelo Papa João XXIII, passou despercebido o cinquentenário da Encíclica “Pacis in terris” do mesmo autor, com data de 11 de abril de 1963. Foi muito bem aceita juntamente com a “Mater et Magistra”, ambas enriquecendo o que se convencionou chamar de Doutrina Social da Igreja.

No século 20, devido às duas grandes guerras mundiais e às ideologias do conflito ou da revolução como meio para alcançar a justiça ou a nova ordem social, o tema da paz esteve presente em todos os ensinamentos dos Papas. Ficaram célebres e eram esperadas as alocuções radiofônicas do Papa Pio XII. Incomodavam os nazistas, que as interceptavam no território alemão e da ocupação. Ainda causava efeito na Europa, recentemente reconstruída. É o que fez João XXIII: “Nada se perde com a paz, mas com a guerra tudo pode destruir” (Alocução de Pio XII, em 24 de agosto de 1939).

Quando João XXIII escreveu sobre o tema da paz, vivia-se a realidade da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, geopolítica que dividia o mundo e o mantinha no equilíbrio de forças. Na realidade, criou-se uma ordem internacional feita de espionagem, de corrida armamentista e espacial, de propaganda ardilosa e enganosa. Nada disso impediria as guerras localizadas em ambos os blocos de influência e os desrespeitos à autodeterminação de várias nações. Antes, favorecia interferências. Ao medo do comunismo ateu e invasor, propagava-se o da guerra nuclear entre as duas potências que exterminaria o gênero humano.

João XXIII se apoiara no pensamento de seu antecessor e o cita, fazendo seu o empenho de impedir a guerra: “a todo custo se deverá evitar que pela terceira vez desabe sobre a humanidade a desgraça de uma guerra mundial, com suas intensas catástrofes econômicas e sociais e com as suas muitas depravações e perturbações morais” (Alocução de Pio XII no Natal de 1941).

Mudadas as circunstâncias ideológicas e geopolíticas, desde a queda do muro de Berlim, fica da Encíclica o valor da dimensão ética, cujos princípios servem à reflexão e às políticas pela paz, em meio aos conflitos deste novo século, e diante da guerra com armas químicas na Síria.

A Encíclica “Pacem in terris” tratou de todos os direitos humanos, inclusive do direito à propriedade privada, com sua função social até o de reunião e de associação. Afirmou os deveres relacionados aos direitos. Deu-nos boas indicações para se criar o amplo clima facilitador de relações harmônicas entre as nações. Ao invés do confronto, a proposta foi de colaboração, movida por uma solidariedade dinâmica: “norteadas pela verdade e pela justiça, desenvolvem-se as relações internacionais em uma dinâmica solidariedade, através de mil formas de colaboração econômica, social, política, cultural, sanitária, desportiva...”.

Propôs o desarmamento: “se uma comunidade política produz armas atômicas, dá motivo a que outras nações se empenhem em preparar semelhantes armas, com igual poder destrutivo”. De fato, outras nações entraram na lista dos fabricantes de armas atômicas; mas potências diminuíram (?!) seu arsenal e cresceu o uso da energia nuclear para fins pacíficos.

Pelo que escreveu e disse e especialmente da maneira que fez acontecer seu pontificado, foi chamado de “Papa Bom”. Reler suas encíclicas é respirar o bom ar eclesial dos anos dourados.

Leia os comentários

Deixe seu comentário

Resposta ao comentário de:

Enviando...
Por favor, preencha os campos adequadamente.
Ocorreu um erro no envio do comentário.
Comentário enviado para aprovação.
Paz na Terra aos de boa vontade / Arqrio

Paz na Terra aos de boa vontade

20/09/2013 15:26 - Atualizado em 20/09/2013 15:27

Com tantos eventos comemorativos, inclusive o Concílio Ecumênico Vaticano II convocado pelo Papa João XXIII, passou despercebido o cinquentenário da Encíclica “Pacis in terris” do mesmo autor, com data de 11 de abril de 1963. Foi muito bem aceita juntamente com a “Mater et Magistra”, ambas enriquecendo o que se convencionou chamar de Doutrina Social da Igreja.

No século 20, devido às duas grandes guerras mundiais e às ideologias do conflito ou da revolução como meio para alcançar a justiça ou a nova ordem social, o tema da paz esteve presente em todos os ensinamentos dos Papas. Ficaram célebres e eram esperadas as alocuções radiofônicas do Papa Pio XII. Incomodavam os nazistas, que as interceptavam no território alemão e da ocupação. Ainda causava efeito na Europa, recentemente reconstruída. É o que fez João XXIII: “Nada se perde com a paz, mas com a guerra tudo pode destruir” (Alocução de Pio XII, em 24 de agosto de 1939).

Quando João XXIII escreveu sobre o tema da paz, vivia-se a realidade da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, geopolítica que dividia o mundo e o mantinha no equilíbrio de forças. Na realidade, criou-se uma ordem internacional feita de espionagem, de corrida armamentista e espacial, de propaganda ardilosa e enganosa. Nada disso impediria as guerras localizadas em ambos os blocos de influência e os desrespeitos à autodeterminação de várias nações. Antes, favorecia interferências. Ao medo do comunismo ateu e invasor, propagava-se o da guerra nuclear entre as duas potências que exterminaria o gênero humano.

João XXIII se apoiara no pensamento de seu antecessor e o cita, fazendo seu o empenho de impedir a guerra: “a todo custo se deverá evitar que pela terceira vez desabe sobre a humanidade a desgraça de uma guerra mundial, com suas intensas catástrofes econômicas e sociais e com as suas muitas depravações e perturbações morais” (Alocução de Pio XII no Natal de 1941).

Mudadas as circunstâncias ideológicas e geopolíticas, desde a queda do muro de Berlim, fica da Encíclica o valor da dimensão ética, cujos princípios servem à reflexão e às políticas pela paz, em meio aos conflitos deste novo século, e diante da guerra com armas químicas na Síria.

A Encíclica “Pacem in terris” tratou de todos os direitos humanos, inclusive do direito à propriedade privada, com sua função social até o de reunião e de associação. Afirmou os deveres relacionados aos direitos. Deu-nos boas indicações para se criar o amplo clima facilitador de relações harmônicas entre as nações. Ao invés do confronto, a proposta foi de colaboração, movida por uma solidariedade dinâmica: “norteadas pela verdade e pela justiça, desenvolvem-se as relações internacionais em uma dinâmica solidariedade, através de mil formas de colaboração econômica, social, política, cultural, sanitária, desportiva...”.

Propôs o desarmamento: “se uma comunidade política produz armas atômicas, dá motivo a que outras nações se empenhem em preparar semelhantes armas, com igual poder destrutivo”. De fato, outras nações entraram na lista dos fabricantes de armas atômicas; mas potências diminuíram (?!) seu arsenal e cresceu o uso da energia nuclear para fins pacíficos.

Pelo que escreveu e disse e especialmente da maneira que fez acontecer seu pontificado, foi chamado de “Papa Bom”. Reler suas encíclicas é respirar o bom ar eclesial dos anos dourados.

Dom Edson de Castro Homem
Autor

Dom Edson de Castro Homem

Bispo Auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro